Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Mulher de muitas paixões, a Seleção Nacional é uma delas.

Deus a rir-se

FOprpymXsAU1ncm.jpeg

Na passada quinta-feira, a Seleção Portuguesa de Futebol venceu a sua congénere turca por três bolas contra uma, em jogo a contar para as meias-finais dos play-offs de acesso ao Mundial 2022. Graças a este resultado, a Seleção irá disputar a final dos play-offs perante a Macedónia do Norte – que surpreendeu o mundo do futebol ao vencer a Itália por 1-0.

 

Aquela noite foi o culminar de meses de apreensão latente. Estava uma pilha de nervos antes do apito inicial, cantarolando partes de músicas da minha playlist da Seleção – a minha preferida neste momento é 1 Lugar ao Sol, dos Delfins – como se fossem orações. 

 

Fernando Santos apresentou um onze com algumas novidades. Otávio a titular e, para meu choque, Diogo Costa. Rui Patrício ficou no banco. Ninguém se lembra da última vez que Patrício ficou no banco por opção técnica num jogo oficial. De tal forma que, na Conferência de Imprensa após o jogo, perguntaram a Fernando Santos se Patrício estava lesionado. O Selecionador disse que não e basicamente queixou-se de ser preso por ter cão e preso por não ter no que toca a renovações.

 

É difícil argumentar contra isso – até porque Diogo Costa nem se saiu mal. Mas se isso significa que o ciclo de Rui Patrício está à beira do fim… eu fico triste. 

 

O início do jogo até correu bem para o nosso lado. Gostei de ver o ataque da Seleção nos primeiros vinte minutos. Otávio marcou o primeiro golo das Quinas em 2022, aproveitando uma bola que Bernardo Silva enviara ao poste. Mais tarde, em cima do intervalo, Otávio contribuiria para o nosso segundo golo, assistindo para a cabeça de Diogo Jota – um remate delicioso. 

 

 

Se as coisas no ataque não estavam a correr mal, o mesmo não se pode dizer da defesa. Com João Cancelo cancelado castigado, Rúben Dias lesionado, Pepe covidado e Gonçalo Inácio inexplicavelmente nem no banco, tivemos de nos desenrascar com Diogo Dalot, José Fonte e Danilo. E, infelizmente, estes viram-se atrapalhados demasiadas vezes para o nosso gosto – sobretudo quando o fulgor atacante começou a diminuir. Na primeira parte isso não teve consequências. O pior foi mais tarde.

 

Ao intervalo eu estava satisfeita, com esperanças de que Portugal fosse capaz de gerir a vantagem. Mas também me recordei do que aconteceu no jogo com a Sérvia há um ano: não conseguimos segurar uma vantagem de dois golos e estamos a pagar por isso nestes play-offs. Não podíamos cometer os mesmos erros de novo.

 

Infelizmente cometemos. A coisa não podia ficar demasiado tranquila, qual seria a piada? A reentrada em jogo nem sequer foi má, com três oportunidades em dez minutos. No entanto, aos sessenta e cinco minutos, o turco Cengiz Ünder passa a bola entre Moutinho e Danilo para Burak Yilmaz, que não perdoou. Vinte minutos depois, José Fonte fez falta para penálti.

 

Estávamos todos a pensar no mesmo: à boa maneira de Fernando Santos íamos resvalar para o empate, mesmo contra a corrente do jogo. Eu não queria de todo ir a prolongamento – um desgaste emocional para mim, um desgaste físico para os jogadores. E também emocional. Sobretudo se tivéssemos de ir a penáltis.

 

Assim, quando Yilmaz enviou a bola para a VCI, festejámos todos como se fosse um golo. Deem-nos um desconto: lembrem-se do que disse acima sobre meses de sofrimento “low-key” – que ainda não terminou. Os próprios jogadores estavam intranquilos – não devia acontecer, mas não tenho lata para criticá-los. 

 

 

Diogo Costa diria mais tarde que o falhanço de Yilmaz poderá ter sido influência dele. Sim querido, deve ter sido… Estou a brincar. Deixem-no pensar assim, se isso lhe der uma recordação feliz da sua estreia a titular. 

 

O golo da tranquilidade viria já nos descontos, obra de dois suplentes. Rafael Leão isolou Matheus Nunes que, frente ao guarda-redes, fechou o marcador. Dois luso-brasileiros que até jogam na mesma posição foram responsáveis pelos golos nesta partida.

 

Mais ou menos ao mesmo tempo que nós consolidávamos a nossa vitória, a Macedónia do Norte marcava um golo à Itália, carimbando a sua passagem à final do play-off. Os macedónios foram mais italianos que os próprios italianos, pois contaram apenas uma mão-cheia de oportunidades, quando a Itália somou umas trinta, todas falhadas. Perante este desfecho, eu soltei algumas gargalhadas algo maníacas. Depois de meses e meses em semi-pânico com a ideia de enfrentarmos os Campeões Europeus com o nível de jogo de 2021, os macedónios despacharam os italianos por nós. Deus Nosso Senhor terá passado os últimos quatro meses a rir-se de mim. 

 

Muito se tem falado sobre a “vaca” de Fernando Santos por estes dias – ele que, ainda por cima, se transformou num meme ao tentar acender um cigarro ainda em campo. Estes lampejos aleatórios de sorte que levam a fenómenos como o penálti falhado por Yilmaz e a vitória da Macedónia. É discutível se Fernando Santos e, por associação, a Equipa das Quinas, tem tido assim tanta sorte, mas pronto. 

 

E, lá está, não vou dizer que não compreendo. Há muita gente por aí que está farta de Fernando Santos, eu mesma me tenho incluído nesse grupo. Depois desta vitória, contudo, estou disposta a dar-lhe o benefício da dúvida. Sim, outra vez mas, que diabo, o homem deu-nos os nossos dois primeiros e únicos títulos!

 

img_920x518$2022_03_24_22_39_24_1976469.png

 

Por outro lado, ainda nada está ganho. Agora temos de vencer a Macedónia. Como referi no texto anterior, eles venceram os alemães há um ano e, agora, despacharam os italianos. O nosso historial com eles é reduzido – o próprio Bernardo Silva admitiu que ninguém sabe muito bem o que esperar. Por fim, eles não têm nada a perder e vêm motivados. 

 

Por outras palavras, amanhã vou estar tão nervosa como estava na quinta-feira. 

 

Recordo que quero estar no Mundial. Há por aí muita gente quase desejando o fracasso à Equipa das Quinas só para nos podermos livrar de Fernando Santos. Posso compreender e até concordar com críticas ao Selecionador, mas não a este ponto. Nunca torcerei contra a Seleção. 

 

Além disso, como escrevi antes, neste momento as nossas opiniões sobre Fernando Santos são irrelevantes. Se perdermos contra a Macedónia do Norte – três vezes na madeira – haverá imenso tempo para autópsias. Se vencermos, haverá imenso tempo para nos preocuparmos com o futuro imediato da Seleção. Mas, para já, só nos interessa o jogo de amanhã. Que é para ganhar. 

 

Obrigada pela vossa visita. Mais na página de Facebook deste blogue. 

PNA

img_920x518$2022_03_17_10_55_03_1973695.jpeg

No próximo dia 24 de março, a Seleção Portuguesa de Futebol receberá a sua congénere turca no Estádio do Dragão, em jogo a contar para as meias-finais dos play-offs de acesso ao Mundial 2022. Se vencer, a Seleção Portuguesa defrontará a vencedora da outra meia-final, entre a Itália e a Macedónia do Norte.

 

Fernando Santos revelou os Convocados para este compromisso da Seleção na passada quinta-feira. Não que tenha muito a dizer sobre esse aspeto. A minha única objeção dizia respeito à ausência de Vitinha, mas este acabou por ser Chamado para substituir o lesionado Rúben Neves – uma perda grande, por acaso. Por outro lado, vários nomes menos unânimes desta lista, como Gonçalo Guedes, João Moutinho, William Carvalho e João Félix, andam a atravessar bons momentos nos respetivos clubes. Esperemos que isso se traduza nestes play-offs.

 

E por falar nestes play-offs…

 

Este blogue vai fazer catorze anos em maio deste ano. Antes disso, já acompanhava a Seleção de perto desde, pelo menos, o Euro 2004 – há quase dezoito anos, mais de metade da minha vida. Durante muito tempo, cada jogo da Equipa das Quinas, quer fosse um particular com as Andorras desta vida ou o mata-mata de um Europeu ou Mundial, era uma ocasião especial. 

 

Ainda o é, na verdade, mas confesso que nem sempre me entusiasmo como antes. Em parte porque hoje tenho outras obrigações, não tenho a disponibilidade que tinha há uma década. Mas também porque já são muitos anos, muitos Apuramentos, muitos Europeus e Mundiais. Já se perdeu uma grande parte da novidade.

 

 

No entanto, este compromisso da Seleção é diferente. Esta é uma sensação nova. Não é a primeira vez que a Turma das Quinas esteve em pausa durante mais de quatro meses. Mas, nestes quatro meses, foi a primeira vez que não me sentia ansiosa pelos próximos jogos. Pelo contrário, andava com medo destas datas. Como se este play-off fosse a minha Prova Nacional de Acesso do curso de Medicina (quem não saiba o que é, que vá ao Google) e eu não estivesse minimamente preparada.

 

Em teoria, se vencermos a Turquia, poderemos encontrar tanto a Itália como a Macedónia do Norte na final. Na prática, todos sabemos que o mais certo é encontrarmos os atuais Campeões Europeus. 

 

Acho que nunca me senti tão pouco confiante – ou pelo menos desta forma. Não é a primeira vez e não será a última que Portugal se cruza com um tubarão. Mas uma coisa é enfrentarmos um adversário claramente superior, sabendo que não temos armas que se comparem com as dele. Outra coisa, muito diferente, é sabermos que as nossas armas chegam para, no mínimo, enfrentarmos um tubarão olhos nos olhos, mas podermos não ser capazes de usá-las. Por incompetência e/ou teimosia do Selecionador atual.

 

Já me queixei longamente sobre o que se passou na Qualificação, sobretudo no texto anterior. Versão condensada: a Equipa de Todos Nós tem o melhor plantel em anos, se não forem décadas. No entanto, corre o sério risco de falhar um campeonato como o Mundial pela primeira vez desde que a minha irmã nasceu – e ela acabou de se tornar médica! Podíamos ter evitado isto com um mísero empate com a Sérvia, mas não fomos capazes disso. Agora, o Universo colocou-nos em rota de colisão com os atuais Campeões Europeus no caminho para o Mundial e só nos podemos culpar a nós mesmos. 

 

Da última vez escrevi que Fernando Santos precisava de refletir sobre o que correu mal durante o Apuramento, procurar evitar erros anteriores de modo a conseguirmos vencer estes play-offs. Mas as palavras dele na Conferência de Imprensa não me deixam grandes esperanças. O Selecionador pôs-se a dizer que “Portugal perdeu um jogo”, ignorando o desempenho fraquinho no Euro 2020 e várias exibições baças (incluindo, mas não limitado a uma vitória à rasquinha perante a República da Irlanda, que na altura estava no fundo da tabela). 

 

275433774_1372295583221588_4331981935129637943_n.j

 

São apenas palavras, claro. Não significa que Fernando Santos e restante equipa técnica não tenham feito o trabalho de casa longe dos microfones. Mesmo assim.

 

Tinha dito no último texto que já não apoiava Fernando Santos enquanto Selecionador. Numa reviravolta chocante, ninguém levou a minha opinião em conta, logo, continuamos com o mesmo técnico. E a verdade é que, neste momento, é irrelevante se acho que Fernando Santos é ou não o homem certo para este lugar. É ele quem está ao leme. Só nos resta esperar que ele faça o que tem a fazer.

 

Havemos de regressar a essa ideia. Para já, olhemos para os nossos adversários. Temos um histórico simpático com a Turquia. Oito jogos, nenhum empate, vencemos todos os jogos oficiais (cinco) e perdemos todos os jogos particulares. A última vitória foi na nossa estreia no Euro 2008, quando este blogue era um bebé. 

 

Por outro lado, lembro-me de ter ficado zangada quando perdemos contra a Turquia, num dos jogos de preparação do Euro 2012. Na altura estava com algumas expectativas para esse Europeu e tinha acabado de ser convidada para ir à televisão falar do meu blogue. Neste contexto, a derrota foi particularmente desanimadora.

 

Hoje não teria energia para me ralar com um mero amigável.

 

Os turcos estão neste play-off depois de terem ficado em segundo lugar num grupo com a Holanda. Antes disso, estiveram na fase de grupos do Euro 2020, mas não ganharam um único jogo. Ainda antes disso, foram relegados para a divisão C da Liga das Nações.

 

jogo.jpeg

 

Tendo tudo isto em conta, acho que a Turquia está ao nosso alcance. Com as devidas ressalvas, claro.

 

Caso vençamos nas meias-finais, pelo menos em teoria poderemos encontrar a Macedónia do Norte na final. Uma palavra para eles. O nosso histórico com os macedónios é reduzido: só dois particulares, uma vitória pela margem mínima em 2003 e um empate sem golos no outro jogo de preparação do Euro 2012. 

 

Neste momento, estão na divisão C da Liga das Nações. Na Qualificação para o Mundial 2022, ficaram num grupo com a Alemanha, chegando a vencê-la por 2-1 há cerca de um ano. 

 

Não serão, por isso, um adversário a desprezar. Além de que, se os encontrarmos na final, será porque venceram os italianos.

 

Falemos, então, sobre os herdeiros do nosso primeiro título. O nosso histórico mais recente com eles até é favorável. Duas vitórias – uma num jogo amigável, outra na primeira edição da Liga das Nações – e um empate. Na final do Euro 2020, como toda a gente, torci pelos italianos porque não queria que os ingleses ganhassem. Apesar desta conquista, o pós-Europeu não correu muito bem à Itália – se tivesse corrido, não teriam precisado de vir aos play-offs. Ficaram em terceiro lugar na Liga das Nações após perderem com a Espanha e vencerem a Bélgica. Na Qualificação empataram com a Irlanda do Norte, a Bulgária e a Suíça – esta última Apurou-se em primeiro.

 

hi-res-0183cd5255b003cfb40ed0120b8b4426_crop_north

 

Em suma, em teoria são Campeões Europeus, são um tubarão. Na prática, não estão numa fase assim tão boa. Bom sinal para nosso lado… mas nós também não fazemos nada de assinalável desde finais de 2020, logo, vale o que vale. 

 

Comparado com tudo o que se passa no mundo neste momento, ficarmos de fora do Mundial está longe de ser uma grande desgraça. Por outro lado, falando por mim, dava-me jeito uma alegria. Será que ma dão?

 

O problema nem é bem eu não acreditar. Eu acredito, eu acreditarei e apoiarei enquanto for possível. E pelos vistos não sou a única: os bilhetes para o jogo com a Turquia esgotaram há um mês! Mas, também como disse várias vezes no ano passado, acreditar não basta. Além disso, para ganharmos um lugar no Mundial, a Itália – a atual Campeã Europeia, já disse isso? – terá de ficar pelo caminho, o que me parece inconcebível. Sobretudo tendo em conta a maneira como nós, portugueses, temos jogado neste último ano. 

 

É por isso que chego a este play-off com esperança e medo em partes iguais. 

 

No fim do dia, por muitas queixas que eu e outros tenhamos de Fernando Santos, estamos todos na mesma equipa, queremos todos estar no Mundial do Catar. Se falharmos, passaremos certamente muito tempo a apontar dedos. Mas se não falharmos, se correr bem, podemos começar já a fazer planos para novembro e dezembro. E quem sabe? Quem vence a Itália, poderá fazer coisas giras no Catar. 

 

Como habitual, obrigada pela vossa visita. Acompanhem comigo este compromisso da Seleção na página de Facebook deste blogue.

Seleção 2012

 
 
Mais um ano encontra-se à beira do fim, mais um ano encontra-se à beira do início. Eis a já tradicional revisão do ano.
 
Depois de um 2011 relativamente tranquilo, estável, tirando uma ou outra ocasião, 2012 foi de novo um ano algo agitado, com muitos altos e baixos. Não que o oposto fosse de esperar, já que foi ano de Campeonato Europeu. No início de 2012, a Seleção Nacional vinha de uma Qualificação difícil mas triunfante, com um encerramento particularmente apoteótico. Tal euforia fora, contudo, contrariada pelo sorteio da fase de grupos, que ditara que Portugal partilharia o grupo com a Alemanha - vice-campeã europeia - a Holanda - vice-campeã mundial - e a Dinamarca - seleção que nos complicara a vida à grande e à dinamarquesa nas últimas duas fases de Qualificação.
 
 
O primeiro jogo da Seleção do ano deu-se a 29 de fevereiro; um particular frente à Polónia, ma das anfitriãs do Europeu, a propósito da inauguração de um dos estádios que serviria de palco à fase final. A calendarização deste jogo provocou alguma polémica, visto este ter-se realizado apenas dois dias antes do Benfica-Porto - os jogos da Seleção nunca são convenientes, pelo que se vê. Esta foi a primeira oportunidade que a Turma das Quinas teve para se reunir em mais de cem dias, a última oportunidade que Paulo Bento teria de estar com os jogadores antes da Divulgação dos Convocados antes do Euro 2012.
 
Este jogo ficou marcado pela estreia de Nélson Oliveira entre os Convocados, bem como da nova presidência da Federação Portuguesa de Futebol. Humberto Coelho e João Pinto passaram a fazer parte da comitiva. Embora não possa avaliar o trabalho da FPF noutros ramos do futebol, tenho de admitir que durante o Euro 2012, a estrutura federativa fez um bom trabalho na Seleção. O que provavelmente contribuiu para o bom percurso que fizemos.
 
 
Mas regressemos ao Portugal x Polónia. Aquando deste jogo, aparentemente, a atmosfera era positiva dentro da Seleção. Os jogadores pareciam felizes por estarem de novo juntos, pareciam possuir espírito vencedor e motivação para fazerem um bom particular.
 
Tais promessas ficaram por cumprir.
 
O particular, que terminou com o marcador inalterado, revelou-se igual a tantos outros realizados pela Seleção ao longo dos últimos anos. A primeira parte foi boa, com algum carácter, a segunda não foi tão boa. Destacaram-se Nani e Rui Patrício. As muitas oportunidades falhadas davam os primeiros indícios dos problemas na finalização que assombraram a Equipa das Quinas ao longo de praticamente todo o ano.
 
 
Tais problemas são, para mim, o maior enigma deste ano. Durante todo o Apuramento a finalização nunca foi um problema, nós terminámos 2011 com uma goleada, que aconteceu em 2012?
 
Ninguém pareceu demasiado preocupado com tais sinais, quase ninguém levou o particular a sério. A temporada de clubes estavam bem ativa, o Europeu estava demasiado distante no tempo para que alguém perdesse demasiado tempo pensando num particular da Seleção.
 
 
As atenções só se voltaram a sério para a Turma das Quinas mais de dois meses depois. Os Convocados para o Europeu foram anunciados a 14 de maio. Esse foi, definitivamente, um dos dias mais emocionantes de 2012, melhor do que o Natal. Guardo imensas recordações: passar o dia a atualizar a página do Facebook, ouvir programas relativos ao tema na rádio, contar as horas até à Divulgação, acompanhá-la radiofonicamente, bem como o respetivo rescaldo, na aula, no átrio da Faculdade, no carro. A Convocatória foi razoavelmente isenta de polémicas, embora a opinião pública se dividisse no tocante a certos nomes, como o habitual.
 
O estágio de preparação do Europeu começou alguns dias mais tarde. A primeira parte decorreu sem incidentes significativos, tirando a lesão de Carlos Martins e consequente chamada de Hugo Viana. Nessa altura, achei mesmo que andava-se a dedicar demasiado tempo de antena à Seleção, quando ainda não havia razões para tal.
 
 
Ao fim da primeira semana de estágio, disputou-se um particular com a Macedónia. Um jogo aborrecido, insonso, de contenção. No entanto, tendo-se realizado numa fase relativamente precoce da preparação para o Europeu, não houve grande drama.
 
O mesmo não aconteceu uma semana mais tarde, no particular com a Turquia, na Luz. Um jogo que tinha tudo para correr bem, que se realizou em casa cheia, num ambiente eletrizante. E a Seleção até entrou menos mal, em sintonia com a vibração do público. Só que as dificuldades na concretização vieram ao de cima, os turcos fizeram pela vida, o Ronaldo falhou um penálti, o último golo que sofremos podia muito bem ser incluído numa compilação de apanhados do futebol de 2012 
 
 
Agora que penso nisso, este ano tivemos demasiados jogos desse género, em que tínhamos tudo para ganhar mas acabámos por ter exibições roçando a mediocridade. Contra a Macedónia, contra a Turquia, contra a Irlanda do Norte...
 
A única coisa boa do jogo foi o golo do Nani; o primeiro golo da Seleção do ano - em junho... - mas o único do jogador do Manchester United, algo que é atípico...
 
Se ainda deixei passar o empate com a Macedónia, este deixou-me mesmo zangada. Por, depois de tanta promessa, tanto pedido de apoio, os Marmanjos não corresponderem dentro de campo. E, como se não bastasse, ainda virem com desculpas esfarrapadas e reagirem com arrogância às manifestações de desagrado dos adeptos (leia-se: aos assobios). E não fui a única a sentir-me assim.
 
 
 
 
Mas já lá vamos. Não posso deixar de falar da minha aparição no programa A Tarde é Sua dedicado à Equipa das Quinas. Outro dos momentos altos deste ano em termos pessoais. Foi um dia de muitos nervos, mas diverti-me imenso. Tive a oportunidade de conhecer a equipa por detrás do Hino da Seleção 2012 - Paulo Lima, Catarina Rocha (que lança em breve o seu primeiro CD), Eduardo Jorge, a Alexandra e a Mafalda - que, de resto, para mim foi uma das músicas mais marcantes deste ano; falei do meu livro, da referência ao Ronaldo - um aparte só para comentar que, hoje, diz-se muito que ele e o Messi são de outra galáxia. Talvez inclua a possibilidade de o Ronaldo ter vindo do planeta Minerva nas sequelas ao meu livro... - do vírus da Seleção, do Hélder Postiga - que, mais tarde, retribuiria tais declarações. Um dia que nunca esquecerei.
 
Estávamos, agora, em vésperas da nossa estreia no Europeu e a polémica estalou. Como é habitual, as primeiras críticas abriam caminho a outras, algumas justificando-se outras não, tudo isto à boleia dos últimos maus resultados - o buraco por onde todos se enfiaram. Falou-se de "circo", do poder das patrocinadoras, dos sinais exteriores de riqueza ostensivamente exibidos pelos jogadores, do tempo de antena conferido à Seleção, etc. O mais triste foi termos tido um ex-selecionador associado a tal polémica.

 
Há quem diga que esta má imprensa contribuiu para diminuir as expectativas, para dar alguma sobriedade ao grupo, aumentando-lhes o desempenho. Paulo Bento recusou-se a dar mérito às pessoas que se alimentaram das machadadas à credibilidade da Equipa das Quinas. Eu também não quero fazê-lo, em parte por uma questão de princípio, em parte porque, a ter contribuído para o sucesso da Seleção, tal contributo terá sido pouco significativo quando comparado com o trabalho de equipa, a união.

Por outro lado, não concordo com o que o Paulo Bento disse, a certa altura, ao referir que algumas pessoas estariam a torcer contra Portugal. Se houve coisa de que me apercebi neste Europeu, pela primeira vez em seis anos, foi que, nas grandes vitórias da Seleção, todos os portugueses ficam felizes. Mesmo os que habitualmente adoram odiar a Equipa de Todos Nós, mesmo os mais clubistas, mesmo os que se queixam da atenção dada ao futebol, mesmo - sou capaz de apostar - o Rui Santos, tirando, talvez, o Pinto da Costa (e mesmo assim...) ninguém ficou chateado com as vitórias da Seleção no Euro 2012. Isso foi o melhor desta fase final e é isso que eu e o Paulo Bento gostávamos de ver fora das fases finais.
 
 
Mas regressemos à nossa estreia no Europeu, frente à Alemanha. Um jogo que perdemos por uma bola a zero. Não foi um mau encontro, Portugal mostrou argumentos. Só que teve demasiado respeito pelo adversário, acordou demasiado tarde e a Alemanha foi tremendamente eficaz. De novo a história dos "vinte e dois homens atrás de uma bola e no fim ganha a Alemanha" de novo. Destaque para os quase-golos de Pepe, Nani e Varela. O deste último dando um presságio para o jogo seguinte. Portugal dava sinais de ter uma palavra a dizer no Europeu. No entanto, vitórias morais nunca são suficientes, já era altura de virmos cumpridas as promessas que andavam a ser feitas.
 
 
A história do jogo com a Dinamarca, realizado quatro dias mais tarde, foi diferente. Foi o meu preferido do Europeu, empolgante como apenas os jogos da Seleção em fases finais conseguem ser, absolutamente contra-indicado em doentes cardiovasculares, um dos mais emocionantes a que já assisti. Pelo menos, foi um dos jogos em que mais exprimi tais emoções - leia-se, o jogo em que mais gritei. Recordo o Pepe beijando as Quinas da sua camisola, os meus gritos de "ESTE É P'RA MIM! ESTE É P'RA MIM!" após o golo do Hélder Postiga, o Moutinho correndo para os braços do Varela depois de ele salvar o dia - com o meu golo preferido do Europeu - antes de a Seleção em peso se atirar para cima deles, eu e a minha irmã gritando como se não houvesse dia seguinte, de triunfo e alívio por estarmos de novo em vantagem quando tudo parecia perdido.
 
 
A passagem aos quartos-de-final só foi assegurada quatro dias mais tarde, frente à Holanda. Um jogo em que a Turma das Quinas entrou mal, mais uma vez, mas conseguiu dar a volta por cima, ganhando por 2-1. Ambos os golos foram marcados por Cristiano Ronaldo, que soube responder da melhor forma às críticas ao seu desempenho frente à Dinamarca. Portugal conseguia, assim, o que muitos haviam julgado quase impossível: sobreviver ao Grupo da Morte.
 
 
Nos quartos-de-final, Portugal encontrou-se com a República Checa. A Seleção entrou mal, uma vez mais, só que os checos não souberam tirar proveito disso e os Marmanjos acabaram por melhorar. Apenas Peter Cech e o poste impediram uma vitória mais dilatada. Assim, ganhámos por apenas 1-0, golo de Crsitiano Ronaldo, mais uma vez. Destaque para os festejos de Luís Figo e Eusébio nas bancadas. A Seleção carimbava, assim, a passagem às meias-finais do Europeu. Era o maior avanço numa fase final em seis anos, a primeira campanha digna de orgulho desde o Mundial 2006.
 
 
O nosso adversário nas meias foi a Espanha, a campeã europeia e mundial. Atrevo-me a dizer que foi, talvez, o jogo que maior interesse despertou em todo o campeonato Europeu. Lembro-me dos tweets do Phoenix dos Linkin Park, do Chuck Comeau dos Simple Plan, do apoio da eterna adepta portuguesa Nelly Furtado. Foi, sem dúvida, um dos jogos mais intensos desta fase final, sofrimento desde o primeiro minuto ao último penálti. Foi, no fundo, a verdadeira final do Europeu, pois fomos a única equipa a conseguir fazer frente ao poderio espanhol. Apenas perdemos por um detalhe, por um pormenor tornado pormaior, até Del Bosque admitiu, há bem pouco tempo, que os espanhóis tiveram sorte. 
 
Mas eu sempre tive noção disso, que muitos jogos entre grandes se decidem no limite, não podemos tirar o mérito à Espanha pelo seu terceiro título consecutivo. 
 
 
Algo que não mencionei antes aqui no blogue foi que, no dia a seguir à meia-final frente à Espanha, à tarde, fui receber a Seleção ao aeroporto da Portela. Eu e mais umas centenas de pessoas. Não falei disso no blogue por falta de tempo. Se forem a ver, só consegui publicar a minha análise ao jogo com a Espanha vários dias após a final do Europeu. Já foi uma entrada grande, que demorou a ser escrita, se ainda tivesse de acrescentar mais uns quantos parágrafos, demoraria outra semana a concluí-la. Tomei a decisão de ir até à Portela por estar stressada e deprimida, de certa forma na ressaca da nossa expulsão do Europeu. O único consolo possível seria mesmo fugir para junto da Seleção. Não foi como ir ver um treino ao Jamor. Mais do que pedir autógrafos, o que eu queria mesmo era consolar os jogadores e que eles me consolassem a mim. Muitas vezes desejaria eu, mais tarde, largar tudo e ir ter com a Seleção - e ainda desejo de vez em quando. A diferença era que, naquela altura, tinha possibilidades de fazê-lo. Por fim, seria um último bom momento antes de dar por encerrado o capítulo do Euro 2012.
 
Por isso fui. Apanhei o Metro até ao Marquês de Pombal e, de seguida, o autocarro 22 - isto deu-se, mais ou menos, uma ou duas semanas antes de abrir o Metro até ao aeroporto Cheguei deviam ser quatro e meia. Já havia gente fazendo a festa na zona das chegadas e câmaras televisivas testemunhando-a. Mantive-me longe das lentes delas, não estava com disposição. Cedo consegui fixar-me junto à rampa de saída, onde já estava montado um cordão policial. Aqui, conheci a Verónica e a Margarida, que me fizeram companhia durante as duas horas de espera. Durante esse intervalo de tempo que se ia esticando - nestas coisas há sempre atrasos - a multidão ia sempre ensaiando palavras de ordem e cantando o hino.
 
 
Eles finalmente chegaram eram cerca de seis e meia da tarde. Mais tarde, leria que os jogadores tinham sido apanhados de surpresa e, por acaso, foi o que pareceu. Eu estava numa posição privilegiada, em pude ver e ser vista pelos jogadores. E, mesmo assim, podia ter tido melhor sorte pois o Cristiano Ronaldo esteve a dar autógrafos a uns dois metros de mim. Em todo o caso, eu tinha um letreiro, uma folha arrancada de um caderno A4 onde tinha escrito algo como "Obrigado Portugal! Paulo Bento 4 Ever! Somos grandes graças a  vocês!". Acho que consegui fazer com que fosse lido pelo Eduardo, pelo Ricardo Costa, pelo Hélder Postiga - este chegou mesmo a olhar para mim quando o chamei. O Quaresma, que usava um boné todo quitado, chegou mesmo a piscar-me o olho. Entretanto, na confusão, o cordão policial tinha-se desfeito e consegui aproximar-me do Nani. Mas como este abraçava uma miudinha que devia ser irmã dele ou algo do género, não tive lata de ir incomodá-lo.
 
 
Depois daí para o exterior, juntamente com o resto da multidão, rodeando o autocarro. Aqui cantou-se o hino e gritou-se:
 
- O-BRI-GA-DO! O-BRI-GA-DO!
 
Foi, de facto, arrepiante. A multidão só se dispersou depois de o autocarro ter partido. Depois disso, fui tratar de arranjar transporte de regresso. A confusão era grande junto às paragens de autocarro, como seria de esperar. Lá pelo meio, consegui encontrar a Margarida - aquando da chegada dos jogadores, tínhamo-nos separado - e agradecer-lhes a companhia. Ainda cheguei a pôr a hipótese de apanhar um táxi mas, entretanto, veio o autocarro 22 e entrei. E ainda bem que o fiz.
 
 
O 22 estava cheio de gente tinha vindo receber a Seleção, pelo que passámos a viagem inteira até ao Marquês de Pombal trocando experiências com os Marmanjos no aeroporto, conversando sobre o Europeu e sobre a caminhada até ao Mundial, que se iniciaria em breve. Foi, de certa forma, a última grande conversa de café do Euro 2012 que, ainda por cima, terminou com o senhor que vinha a meu lado a beijar-me a mão em jeito de despedida.
 
Tal gesto foi-me tão valioso como cada um dos olhares trocados com os jogadores no aeroporto.
 
Esta pequena aventura ajudou-se a renovar a esperança num título para Portugal a curto ou médio prazo e a encerrar o capítulo do Euro 2012. Além de ter sido mais uma recordação agradável. Foi como quando fui receber a Seleção ao Jamor após o Mundial 2006.
 
 
 
Em suma, o Euro 2012 foi o melhor período deste ano que agora finda. Pelos motivos que enumero frequentemente e outros mais, que descobri ou de que me recordei. É uma emoção diferente ver um jogo de um Europeu ou de um Mundial, já que agrega todo o País, tal como já expliquei acima. Tenho saudades disso, de participar em inúmeras conversas de café e não só, armando-me em especialista na matéria, tão especialista que até fora convidada para a televisão; de ver o Paulo Bento no banco, dando instruções, atirando com o blazer e a gravata, envolvendo-se tanto que parecia querer entrar em campo e ele mesmo fazer o que era preciso; dos jogos às oito menos um quarto; de ver os jogos com a minha irmã, etc. De vez em quando, vou ver os tweets enviados durante os jogos e sou transportada para esse período. Entro de tal forma no espírito que, quando regresso ao presente, sinto-me deprimida, como se acordasse de um sonho bom.
 
Em agosto, tendo em conta o nosso percurso no Europeu, tinha esperança de que a Qualificação para o Campeonato do Mundo, a realizar-se no Brasil e 2014, corresse melhor que as Qualificações anteriores. Tal esperança sair-me-ia furada mais tarde, mas antes do início do Apuramento sentia-me otimista. Para isso, contribuíra a minha visita ao Jamor, acompanhada da minha irmã - visita que nos rendeu autógrafos do Eduardo, do João Pereira e do Rui Patrício - bem como o jogo com o Panamá - jogo que a Seleção ganhou por duas bolas a zero, cortesia de Nélson Oliveira e Cristiano Ronaldo, com uma exibição acima da média em jogos deste carácter. 
 
 
A Qualificação em si arrancou cerca de três semanas mais tarde com um jogo frente ao Luxemburgo. A Seleção obteve uma vitória cinzenta, absurdamente suada tendo encontra o nosso adversário. Chegou mesmo a estar a perder. Na altura, achei ridículo mas agora, depois dos últimos jogos... De qualquer forma, a Seleção conseguiu dar a volta ao resultado, com golos marcados pelo Cristiano Ronaldo e pelo Hélder Postiga amealhando, deste modo, os primeiros três pontos da Qualificação.
 
Um aparte só para comentar que, este ano, o Cristiano foi o melhor marcador da Seleção, com cinco golos. O segundo melhor foi o Hélder, com quatro. Em terceiro, ficou o Varela, com dois.
 
 
A Seleção entrou em campo com a sua congénere azeri quatro dias mais tarde com uma atitude diferente, mais desenvolta, mais enérgica mas... ainda sem pontaria. Ou melhor, com pontaria mas para o sítio errado. O poste foi um dos grandes protagonistas de 2012. O que nos valeu foi o facto de os azeris não terem sido capazes de se aproveitarem desta nossa fraqueza. Assim, teve de vir o Varela, já promovido a bombeiro da Seleção, salvar a honra ao convento e quebrar o enguiço, dando espaço a Postiga e a Bruno Alves para dilatarem a vantagem. 
 
 
No mês seguinte, a seleção jogou fora, com a Rússia. Fê-lo num clima frio, num relvado artificial, amputada de dois titulares  - Meireles e Coentrão. Um jogo difícil, em que a Turma das Quinas nem sequer jogou muito mal, embora não tenha conseguido evitar a derrota pela margem mínima. Apesar do desapontamento por não termos ganhou ou, pelo menos, empatado, não me preocupei por aí além. Afinal, aquele era o jogo mais difícil de todo o Apuramento. Os outros correriam melhor.
 
 
Enganava-me. Verdadeira deceção, verdadeiro balde de água fria foi o jogo seguinte, frente à Irlanda do Norte. Foi mais um daqueles jogos que tinha tudo para correr bem - comemoravam-se as cem internacionalizações de Cristiano Ronaldo, o Dragão estava cheio, Rui Reininho veio cantar o hino - mas que correu pessimamente. A primeira parte foi medíocre. O golo sofrido foi uma reposição do tento russo. A segunda parte correu um pouco melhor mas, mais uma vez, os Marmanjos acordaram demasiado tarde para conseguirem melhor que um empate.
 
Ainda houve mais um jogo da Equipa das Quinas este ano, um particular contra o Gabão no mês seguinte, mas um jogo de tal maneira e em tantos aspetos irrelevante que não vou gastar mais linhas com ele.
 
 
É basicamente isto. Sinto-me algo desanimada. Nos últimos dois anos, por esta altura, a Seleção atravessava bons momentos e eu sentia-me otimista relativamente ao ano que começaria em breve. Agora... nem por isso. O ano nem sempre foi fácil para mim, muitos pensamentos heréticos, crises existenciais, desânimo relativamente ao futuro. Os últimos jogos da Seleção não me fazem sentir melhor e, neste momento, na reta final do ano, muitos dos nossos jogadores andam, igualmente, a passar por dificuldades nos respetivos clubes. O Nani está lesionado e não é desejado no Manchester United. O Fábio Coentrão também anda lesionado e ainda não se percebe se se encaixa no Real Madrid. Além de que, segundo consta, o ambiente não está fácil no clube madrileno, o que certamente afetará Pepe e Cristiano Ronaldo. Também o Quaresma andou ao longo de meses em guerra com o Besiktas e, agora, está sem clube. O Meireles, esse, teve uma disputa com um árbitro, arriscou-se a ficar de fora de onze jogos mas, felizmente, ficará apenas fora de quatro. E nem falo do Sporting e no efeito que tal crise não estará a ter em Rui Patrício e outros jogadores selecionáveis...
 
Não sei qual será o efeito destas crises individuais no rendimento da Seleção como coletivo. Se o desempenho cairá por os Marmanjos não andarem a jogar com a devida regularidade ou se, pelo contrário, eles recorrerão à Terapia das Quinas, se encararão uma Convocatória como um escape à situação nos clubes e, consequentemente, jogarem ainda melhor.
 
 
Em suma, estamos todos a precisar de uma viragem de maré no ano que começa em breve. Já ajudava se fosse apenas em termos futebolísticos, se relançasse a Seleção no caminho até ao Brasil. Já perdemos todos os pontos que podia perder, não quero escorregadelas em 2013. Até porque tenciono assistir ao jogo com a Rússia, na Luz, e quero que a Seleção esteja num bom momento nessa altura. Será esse um dos meus desejos para 2013: que seja um ano mais tranquilo que 2012, que a Equipa de Todos Nós consiga ultrapassar esta fase má e que nos volte a dar alegrias.
 
Acredito que o conseguirá. Se houve coisa que aprendi em todos estes anos como adepta hardcore da Turma das Quinas é que nenhuma manifestação de fé, de apoio, é tempo perdido, mesmo em fases menos boas, como esta. Porque, mais cedo ou mais tarde, a Seleção levanta-se e recompensa-o. Pode nem sempre ser fácil ser-se adepto incondicional mas vale a pena. 
 
De uma coisa podem, contudo, ter a certeza: no próximo ano, continuarei a acompanhar tudo o que acontecer relacionado com a Seleção, seja bom ou mau, quer com o blogue ou com a página do Facebook. Desafio-vos, então, a continuarem a aturar-me ao longo do próximo ano, enquanto observamos a Seleção abrindo caminho até ao Brasil. As coisas não estão fáceis mas, com sorte, daqui a um ano estaremos a debater as nossas hipóteses na fase final do Campeonato do Mundo de 2014. É esse um dos meus maiores desejos para 2013.
 
Feliz Ano Novo!

Portugal 1 Turquia 3 - Assim não dá

A Seleção Portuguesa de Futebol recebeu no Estádio da Luz a sua congénere turca num jogo de carácter particular de onde saiu derrotada por três bolas contra uma.

Os portugueses até entraram bem no jogo, enérgicos, entusiasmantes, certamente catalisados pelos sessenta mil adeptos sentados nas bancadas e consequente ambiente eletrizante, recordando o Euro 2004. Contudo, já nessa altura me interrogava quanto tempo demoraria a bateria a descarregar. E, de facto, não demorou muito. Embora Portugal tivesse dominado durante algum tempo, os turcos iam dando um ar de sua graça, como que recordando que eles não eram nenhuma Macedónia, nenhum Luxemburgo, não estavam ali só para elevar a auto-estima do adversário. E como Portugal não foi capaz de concretizar, de refrear a paixão turca com um golo (não percebo como é que o Hugo Almeida me foi falhar aquelas oportunidades...), marcaram eles, após um erro da defesa.

No início na segunda parte, até parecia que os portugueses estavam determinados a virar o resultado, ou, pelo menos, a empatar. Tive esperança de que marcassem em breve, relançando o jogo.

Contudo, foram os turcos a marcar, de novo. Por uma falha defensiva, de novo.

- Só podem 'tar a gozar! - exclamava eu.

Eu sabia que a Turquia era uma adversária de respeito, que criaria dificuldades, mas nunca me havia passado pela cabeça que obteria uma vantagem de dois golos sobre nós. Não num Estádio da Luz quase cheio. Como é que aquilo acontecera?

Felizmente, o Nani conseguiu reduzir marcando o primeiro golo da Seleção deste ano. Espero que seja o primeiro de muitos mas com tanto problema na finalização... Festejei este golo apesar de continuarmos em desvantagem, à semelhança do que fizeram os adeptos presentes no Estádio da Luz. Foi a eles que o golo foi dedicado - mas também era o mínimo que podiam fazer!

Devo dizer que, mais uma vez, o público foi bastante paciente para com a Seleção. Assobiou algumas vezes, é certo - e, verdade seja dita, os Marmanjos mereceram-no - mas não deixou de puxar pela equipa mesmo estando a perder. Eles mereciam mais por parte da Turma das Quinas.

Desejei que o golo do Nani relançasse a equipa. Pode-se dizer que o fez. Miguel Lopes conseguiu um penálti - embora, na verdade, me tenha parecido que forçou um penálti - algo que foi celebrado pelos jogadores como um golo. Não gostei. De certa forma, mereceram que o Cristiano Ronaldo tivesse falhado.

A minha mãe, a certa altura, perguntou-nos se não queríamos ir jantando - tinhamo-lo adiado por causa do jogo. O meu irmão respondeu:

- Não! Isto 'tá a ser giro...

E de facto estava. De uma forma retorcida, estava a ser giro. E ia ficar ainda mais. Mesmo assim, eu continuava com esperança de que chegássemos, pelo menos, ao empate. Sobretudo depois da entrada de Hélder Postiga, que marca muitas vezes no Estádio da Luz. 

O golo chegou a ser marcado. Só que na baliza errada, depois daquele lance caricato, digno dos apanhados. O meu irmão fartou-se de rir com este lance. Eu não sabia se havia de rir ou de chorar.


Ninguém se pode admirar que este jogo tenha acabado com uma monumental assobiadela. Eu, naquele momento, zangada como estava, seria capaz de fazer o mesmo. Se repararem nas publicações na página do Facebook aquando do rescaldo do encontrou, hão de ver que estava mesmo furiosa. As declarações dos protagonistas não ajudaram. "Ai e tal, nós jogámos bem, tivemos azar, cometemos erros, eles só fizeram três remates..." Será que não percebem que não podem cometer erros como esses? Nós vamos jogar contra três seleções poderosíssimas, das melhores do Mundo, com elas não será suficiente jogar melhor sem conseguir marcar golos! No nosso último jogo com a Alemanha eles fizeram meia dúzia de remates à baliza, mais coisa menos coisa, e marcaram três golos. Se queremos vencê-los, temos de saber neutralizar este tipo de adversário, que pode não jogar de forma muito vistosa, não rematar muitas vezes, mas sair de campo com uma vitória! Não podemos falhar remates, livres diretos, penálties, não podemos hesitar em frente da baliza, não podemos cometer erros defensivos! Um único deslize pode significar a morte do artista! Se queremos chegar aos quartos-de-final, não podemos jogar como jogámos ontem!

Num aspeto, contudo, têm razão. É preferível cometer tais erros em jogos particulares, numa altura em que ainda há tempo para corrigi-los. Pode ser como disse o Cristiano Ronaldo, pode ser que isto represente uma mudança de maré. O Europeu ainda nem começou, a bola não é assim tão redonda, tão linear, a bola é caprichosa. Prognósticos, só no fim do jogo. Só se saberá quem é melhor do que quem quando as equipas entrarem em campo. Até lá, tudo é possível.

E, no entanto, não é por isso que me senti tão zangada, que ainda me sinto. O que me verdadeiramente enfurece é o seguinte: eles têm prometido dar o seu melhor no Europeu, pedido o nosso apoio, nas Conferências de Imprensa, através de campanhas publicitárias. E o povo até tem correspondido, indo aos treinos abertos, participando em inúmeras manifestações de apoio, enchendo o Magalhães Pessoa e a Luz. E o que é que os Marmanjos dão em troca? Empates, derrotas, desculpas esfarrapadas, arrogância perante os assobios - que são símbolo do descontentamento daqueles que pagam quinze euros ou mais por um bilhete porque querem acarinhar a Seleção, mas depois levam com exibições miseráveis e com a condescendência dos jogadores, com o ai-e-tal-os-portugueses-são-assim. A ideia que dão é a de que eles não fazem por merecer o afeto dos portugueses, tomam-no como garantido.

Não vou deixar de apoiá-los mas estou farta de pedir que me deem, que nos deem uma boa razão para continuarmos a acreditar neles. Estou farta de dizê-lo: palavras não chegam, intenções não chegam, precisamos de mais, merecemos mais! Parece que não há maneira de eles o compreenderem...

Não me resta mais nada senão continuar a fazer o que sempre fiz: acreditar, apoiar, acarinhar, estimular os outros a fazer o mesmo, mesmo quando eles, se calhar, não o merecem. Ninguém disse que ser adepto incondicional era fácil - levar com misérias como esta e não atirar o cachecol para o chão não é para todos. Quase roça o masoquismo. No entanto, já suportei muitas situações deste género com a Seleção. Continuo aqui porque a Turma das Quinas o recompensa, mais cedo ou mais tarde. Ultimamente, a recompensa tem demorado a chegar, mas podemos vir a recebê-la muito em breve. Como sempre, enquanto for possível, acreditarei. Só espero que a Turma das Quinas comece depressa a dar-me novos argumentos para tal.

Um agradecimento e um pedido de desculpas

Já o publiquei na página do Facebook há alguns dias, mas só agora estou a anunciá-lo aqui no blogue. Na quinta-feira da semana passada, foi publicado um comentário da autoria de uma jornalista da TVI - sim, da TVI - na entrada mais recente, na altura, pedindo o meu contacto para falar acerca do blogue. Tal como solicitado, enviei um e-mail  para o endereço indicado, apresentando-me. No dia seguinte, responderam-me com um convite para participar no programa especial de apoio à Seleção que será transmitido na tarde de 4 de Junho, segunda-feira. Mais tarde, receberia uma chamada telefónica através da qual fiquei a saber que tencionavam entrevistar-me, fazer perguntas sobre o meu blogue, sobre a minha maluqueira pela Seleção.

Confesso que não estava minimamente à espera que isto acontecesse. A minha maior ambição sempre se relacionou apenas com o blogue: que ele fosse lido por muitos, talvez mesmo por um ou outro jogador da Seleção. Nunca pensei que se interessassem por mim. Que quisessem receber-me, ouvir-me pessoalmente, em vez que apenas lerem o que escrevo. Mas quiseram, por algum motivo, não só deram-me uma oportunidade única na vida de dar a cara por algo que adoro mas também vou poder conhecer pessoalmente (espero!) um dos meus heróis preferidos de sempre da Seleção: o Ricardo dos penálties de Inglaterra! Sinto-me extremamente honrada e grata por este convite.

Contudo, tenho também de fazer um pedido de desculpas à TVI por uma entrada que escrevi há quatro anos, tecendo duras críticas ao canal televisivo, críticas essas que agora vejo serem injustas, mesmo cruéis. Na altura, achava que a TVI não era verdadeiramente a televisão da Equipa de Todos Nós, chegando mesmo a acusá-la de hipocrisia. Continuo a não achar graça às novelas, reality shows e programas afins mas como posso continuar a achar que a TVI não apoia verdadeiramente a Turma das Quinas depois de não sei quantos programas especiais sobre o tema, não só agora, a propósito do Europeu, mas também aquando do Mundial, há dois anos? Nem vou falar do facto de me terem convidado mas, mesmo que não tivessem, isso não muda este facto: eu estava enganada, estava redondamente enganada, e não tenho problemas em admiti-lo e em pedir as mais sinceras desculpas.

Devo dizer, aliás, que nestas semanas me tem aprazido ver que as três televisões de sinal aberto tem estado a fazer a cobertura deste pré-Europeu de forma razoavelmente equitativa, cada uma contribuindo, à sua maneira, com os seus próprios programas, para uma maior proximidade entre a Seleção e os seus adeptos. Afinal, é da Equipa de Todos Nós que estamos a falar.

O programa em que participarei será transmitido na próxima segunda-feira, entre as 14h30 e as 19h, penso eu. Tenho aguardado essa tarde com um misto de medo e entusiasmo. Nessa altura, poderão ver-me pela primeira vez, toda a gente (família, colegas, etc) poderá ver o quão totó eu sou pela Seleção. Ainda não sei em que altura participarei. De qualquer forma, depois colocarei online um vídeo com a minha participação. É já daqui a três dias...



Antes disso, contudo, teremos amanhã um particular com a Turquia, no Estádio da Luz. A última vez que jogámos contra eles foi há quatro anos, na nossa estreia na fase final do Euro 2008. Nos vencemo-los mas, mesmo assim, a Turquia passou à fase seguinte, chegando mesmo às meias-finais (ou seja, mais longe do que nós) onde caiu aos pés da Alemanha (tal como nós). Podem, portanto, dar bons adversários. 

Esperemos que isso seja suficiente para motivar os portugas, para que eles façam uma exibição como deve ser. Até porque vão ter casa cheia amanhã. Se querem que Portugal apoie a sua Seleção, têm de dar motivos para isso. Já deviam tê-los dado no fim de semana passado, frente à Macedónia. Amanhã, a tolerância será menor. Vamos ver o que acontece.