Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Mulher de muitas paixões, a Seleção Nacional é uma delas.

Em transição

399803477124a6298025defaultlarge_1024.jpeg

No passado dia 10 de dezembro, a Seleção Portuguesa de Futebol perdeu perante a sua congénere marroquina por uma bola sem resposta. Com este resultado, Portugal falhou a passagem às meias-finais do Mundial 2022.

 

Eu estava a isto de acreditar a sério…

 

Antes de mais nada, um breve pedido de desculpas pelo atraso com esta crónica. Por norma, na altura das festas tenho sempre menos tempo para escrever. Para além das compras e dos preparativos, é também a altura em que o meu irmão emigrante vem para casa e combinamos sempre coisas. 

 

Mais um argumento contra fazer-se um Mundial nesta altura do ano. Teve a sua graça, mas espero que não se repita. No verão dá mais jeito. 

 

Como muitos têm referido, Portugal ofereceu a primeira parte do jogo a Marrocos. Sabíamos que eles defendiam bem, que se organizavam bem, mas não soubemos lidar com isso. Eu mesma reparei nas várias vezes em que os nossos jogadores se punham a trocar a bola entre si, como que fazendo tempo enquanto pensavam numa maneira de furar a muralha. 

 

3997979343429cee8c4cdefaultlarge_1024.jpeg

 

Depois, acabámos por sofrer um golo por culpa própria perto do intervalo e passámos o resto do jogo a correr atrás do resultado. Nesse aspeto, lembrou-me um pouco o jogo com a Bélgica, no Euro 2020. E mesmo o jogo com o Uruguai, no Mundial 2018.

 

Por falar no golo que sofremos, Diogo Costa tem estado na berlinda pela sua saída infeliz – fazendo lembrar Ricardo no golo sofrido na final do Euro 2004, mesmo para doer mais. Sim, o experiente Rui Patrício talvez não cometesse este erro, mas também é aquela: como é que os jogadores ganham experiência?

 

Além de que o Diogo não foi o único a errar. Rúben Dias também ficou mal na fotografia. E o nosso corredor direito todo deixou o marroquino Attiat-Allah completamente à vontade para fazer a assistência. 

 

Como noutras ocasiões semelhantes em que tínhamos de correr atrás do resultado, até tivemos momentos bonitos – pena não terem resultado em nada. Faltou um bocadinho de sorte, é certo. Bruno Fernandes atirou uma bola à barra, o guarda-redes Bono esmerou-se para defender um remate de João Félix, o Pepe falhou uma mesmo no último minuto. Mas a verdade é que só nos podemos culpar a nós mesmos por termos falhado. 

 

Não vou mentir, esta doeu. Não é a primeira vez que falhamos a conquista de um título, não será a última. Seria de esperar que eu já estivesse habituada a desilusões como estas. Pelos vistos não estou. Custa sempre cair dos céus, regressar à realidade. 

 

Vocês podem ler nos textos anteriores, estava a gostar deste Mundial e estava a começar a acreditar no título. Mesmo não estando a ser perfeitos, estávamos a fazer o nosso melhor Mundial desde 2006, temos carradas de talento, tínhamos vários tubarões ficando pelo caminho – Espanha, Brasil, Alemanha, Bélgica. Esta era a nossa melhor ocasião para conquistarmos o título mundial, tanto para Pepe e Cristiano Ronaldo (mais sobre isso a seguir) como para esta geração tão talentosa. Ou para, pelo menos, ficarmos no top 4, igualando as participações de 1966 ou 2006. 

 

2022-12-10t172422z-1670693058-dpaf221210x99x855800

 

Foi uma oportunidade desperdiçada. Mais outra. Perante Marrocos.

 

Não quero com isto menosprezar os marroquinos. Pelo contrário, eles ganharam a minha simpatia, mesmo antes do nosso jogo. Pelo seu estatuto de underdogs, por Sofiane Boufal, que celebrava as vitórias no relvado com a mãe, pelos que tentaram consolar Ronaldo no fim do jogo, por Hakim Ziyech, que tem doado todo o salário que recebe da seleção marroquina a funcionários dessa seleção e a famílias carenciadas, por aquilo que Marrocos representava como uma seleção islâmica, como uma seleção africana. Sobretudo depois de toda a riqueza e alegria que as equipas africanas trouxeram a este Mundial.

 

Eu estava a torcer por eles na meia-final perante a França. Infelizmente, os nossos amigos franceses fizeram em cinco minutos o que várias seleções não conseguiram fazer em noventa – ou, no caso dos espanhóis, cento e vinte mais penáltis. Ainda assim, uma campanha respeitável para Marrocos, conquistaram os corações de muitos.

 

Dito isto… nós éramos a melhor equipa e tínhamos a obrigação de ganhar. Sim, este foi o nosso terceiro melhor Mundial, superou as minhas expectativas, na minha opinião foi melhor que o Mundial 2018 e o Euro 2020. Mas uma coisa seria termos sido eliminados pela Espanha, França ou mesmo pela Inglaterra. Outra coisa é termos sido eliminados por Marrocos. 

 

Tendo tudo isto em conta, Fernando Santos tinha de ir. E foi. 

 

 

A decisão foi anunciada no dia 15 após alguns dias de rumores. Não sei como decorreu o processo todo dentro de portas, mas a maneira como foi comunicado foi exemplar – das transições mais pacíficas de que me recordo. Por um lado, pela mensagem de despedida de Fernando Santos, com agradecimentos a todos os jogadores que orientou, à equipa técnica, à Federação e aos adeptos. Só mostra o carácter dele. 

 

Por outro lado, também gostei do vídeo do vídeo que as redes sociais das Seleções publicaram, agradecendo a Fernando Santos. Um pormenor que me agradou foi terem começado pelo início – porque é importante recordarmo-nos. Vínhamos de um Mundial 2014 desastroso e a Qualificação para o Euro 2016 começara mal. Aquele primeiro jogo com a Dinamarca, em outubro de 2014, aquela vitória mesmo ao cair do pano, foi a primeira vez em muito tempo em que senti esperança em relação ao futuro da Equipa de Todos Nós. Foi o início de algo que terminou quando levantámos a Henri Delaunay

 

Terá sido na altura desse jogo, aliás, que Fernando Santos começou a falar de ganharmos o Europeu. Menos de quatro meses depois de termos sido goleados pela Alemanha. Pois claro.

 

De uma maneira estranha, às vezes tenho saudades desse primeiro ano. Um ano de exibições assim-assim, mas suficientes para cumprir – hoje não seria suficiente, mas na altura soube bem depois do turbulento ciclo do Mundial 2014. Além disso, ganhámos à Argentina e à Itália em jogos particulares, o que foi agradável.

 

E, claro, os nossos dois primeiros títulos. Há quem hoje desdenhe, como se tivéssemos ganho por acaso, esquecendo-se que a Seleção esteve quase cem anos sem ganhar um título desta envergadura. E que precisou de vinte anos, mais coisa menos coisa, de presenças regulares em Europeus e Mundiais. Pode ter sido sorte e fé mas, como disse Ricardo Quaresma, “fé e sorte dão muito trabalho”. 

 

Dito isto, por muito grata que esteja… esta é a decisão certa. Só peca por tardia.

 

 

Por outro lado, este até é um timing perfeito para esta transição. Faltam vários meses para o próximo compromisso da Seleção e os primeiros jogos são contra Luxemburgo e Liechtenstein.

 

O próximo passo agora, naturalmente, encontrar um sucessor. Eu não tenho opinião, não percebo o suficiente para fazer sugestões. José Mourinho tem sido um dos nomes mais falados. Uma opção óbvia, talvez. Mourinho costumava dizer que queria ser Selecionador quando fizesse sessenta e cinco – ainda lhe faltam cinco anos e trocos, mas suponho que ele não estivesse a ser literal. 

 

No entanto, ele ainda está no AS Roma. Chegou a falar-se da possibilidade de ele conjugar o emprego de Selecionador com o de técnico do Roma. Isso a mim parecia-me bizarro e duvidoso do ponto de vista ético (ele poderia Convocar jogadores do próprio clube de modo a valorizá-los no mercado? Ou, pelo contrário, poderia não Convocá-los para mantê-los em forma para o clube?), mas aparentemente não é assim tão raro. Fui pesquisar sobre o assunto e descobri alguns exemplos – incluindo Sir Alex Ferguson, de todas as pessoas, antes de treinar o Manchester United. 

 

Eu mesmo assim não acho que resultasse. E consta que o Roma também não morre de amores pela ideia. Diz que, agora, o plano é que Rui Jorge assuma o cargo interinamente durante a dupla jornada de março e que, em junho, Mourinho deixe o Roma e venha treinar a Seleção. Isto sim, já me parece mais aceitável. 

 

Por outro lado, já que falamos de Rui Jorge, há quem o aponte como possível sucessor. Em teoria faz sentido, na prática talvez não. António Tadeia diz que ele não quererá – ele será demasiado pacato para estas andanças, estará satisfeito no seu cantinho, com os Sub-21. Para além disso, aqui o Gonzaal deu bons argumentos a favor de Jorge Jesus. Não simpatizo muito com o senhor mas, se tiver de ser… 

 

Por fim, de vez em quando alguém lembra-se de sugerir Carlos Queiroz e eu fico com vontade de dar um berro. Sou a única aqui que se recorda do que aconteceu em 2010?!? 

 

11.png

 

Ficamos a aguardar. Há tempo para tomar esta decisão. Ainda assim, espero que não demorem muito, para que o novo Selecionador possa começar a preparar o novo ciclo com tempo. 

 

E por falar em novos ciclos…

 

Uma das coisas que mais dói em relação a este fracasso é o facto de este ter sido o último Mundial de Pepe e Cristiano Ronaldo. As imagens das lágrimas do último correram mundo e partiram o coração de toda a gente. Este terá sido o pior ano da vida de Ronaldo, tanto a nível pessoal como profissional. Agora perdia a sua última oportunidade de levantar este troféu. Pouco mais de uma semana mais tarde, viu o seu velho rival Lionel Messi ganhar esta corrida e encerrar de vez o debate sobre quem é o melhor do Mundo. Por estes dias tem recebido críticas de todo o lado.

 

Não é difícil sentir compaixão por ele. Por outro lado, se Ronaldo neste momento está no fundo do poço, é em parte por culpa própria.

 

Todo o mediatismo em torno de Ronaldo foi sem dúvida a pior parte da nossa participação neste Mundial. Não digo que tenha sido por isso que perdemos, mas foi uma distração, uma irritação, tempo gasto com discussões inúteis. 

 

Não, nem tudo foi culpa do próprio Ronaldo. Pode-se argumentar que isso aconteceria sempre, independentemente das circunstâncias. Sobretudo tendo em conta que, no Catar, a larga maioria dos adeptos de Portugal eram na verdade adeptos de Ronaldo. 

 

2022-12-10t174203z-257012092-up1eica1d61s7-rtrmadp

 

Ao mesmo tempo, ninguém mandou Ronaldo dar aquela entrevista a Piers Morgan, nem lançá-la na véspera da preparação do Mundial. Ele bem tentou fazer-se de inocente mais tarde, mas sabia perfeitamente o que aconteceria.

 

Agora, no pós-Mundial, Ronaldo está sem clube e isso já está a ser outra novela. Ainda no outro dia saiu a notícia de que, se de facto assinar pelo Al Nassr, será também embaixador da Arábia Saudita na corrida à organização do Mundial 2030… contra a candidatura de Portugal e Espanha. 

 

Eu ainda quero ver se alguma destas coisas será confirmada oficialmente. Para já, um consolo para mim é saber que, a curto prazo, os dramas de Ronaldo não afetarão diretamente a Turma das Quinas. A médio/longo prazo já é outra questão.

 

O que nos leva ao futuro de Ronaldo na Equipa de Todos Nós. Se é que ele existe. 

 

Ainda no rescaldo do jogo começaram a circular mensagens de despedida a Pepe e a Cristiano Ronaldo. Devo confessar que isso foi uma das coisas que mais contribuiu para a minha azia com a eliminação. 

 

Uma coisa é este ter sido o último Mundial de Ronaldo. Outra coisa muito diferente é estes terem sido os últimos jogos de Ronaldo na Seleção. Se foi o último caso… não estou preparada. Mesmo tendo em conta o que escrevi recentemente sobre ele, sobre termos mais desvantagens do que vantagens neste momento. 

 

399802776910aab8490edefaultlarge_1024.jpeg

 

Ronaldo tem sido a grande constante da Seleção desde o Euro 2004. Foi um dos motivos pelos quais me afeiçoei à Equipa de Todos Nós depois desse campeonato. É um pouco como a Rainha de Inglaterra: existe toda uma geração já adulta – incluindo, talvez, metade da Seleção atual – que não se recorda das Quinas sem Ronaldo. Isto para não falar, claro, de tudo o que o Capitão tem feito pelo futebol português, mesmo pelo país em si. Pense-se o que se pense sobre Ronaldo, vai custar-nos a todos quando ele se for embora. 

 

Suponho que haja uma lição de vida qualquer sobre crescer aqui.

 

Se estiver mesmo na hora, espero que se faça uma despedida como deve ser. Por mim, marcava-se um jogo particular em casa, com uma equipa “pequena” a quem Ronaldo pudesse marcar os últimos golos. Perto dos noventa far-se-ia a substituição e o estádio todo aplaudiria de pé durante minutos, com muitas lágrimas à mistura.

 

Mas isto é uma fantasia minha. Pode não ser possível prever quando é que Ronaldo deixará a Seleção. Vai depender do que acontecer no mercado de transferências. Tal como em relação à questão do Selecionador, ficamos a aguardar.

 

Apesar de ter partido para este Mundial com baixas expectativas, expectativas essas que acabaram por se cumprir (mesmo com várias atenuantes, isto foi uma desilusão), não me arrependo de, a certa altura, ter começado a acreditar e a entusiasmar-me. Em futebol costuma-se falar em “esperança que mata” mas, para mim, a esperança vale sempre a pena. Para que servem estes campeonatos ou mesmo o futebol em geral se não o encaramos com alegria e um bocadinho de fé?

 

E este Mundial foi divertido, melhor do que tinha o direito de ser tendo em conta as circunstâncias, com todas as surpresas e reviravoltas. A final, então, foi um reflexo perfeito disso: um empate 3 a 3, que parece ficcionado (Não simpatizava particularmente com nenhum dos finalistas, mas estou contente por a França não ter ganho. Os franceses continuam péssimos perdedores). Foram umas semanas alegres, fora da rotina – como já é habitual, de resto – que souberam bem no final de um ano difícil.

 

12.png

 

E infelizmente teremos de esperar pelo menos um ano e meio para voltarmos a senti-lo.

 

Outra coisa boa em relação ao Mundial foi ter dado oportunidade a vários Marmanjos de darem provas do seu talento: Bruno Fernandes, Gonçalo Ramos, João Félix, Rafael Leão. Como vários têm assinalado, esta geração tem muito potencial e estamos todos ansiosos por ver de que serão capazes daqui a um par de anos. 

 

Antes de terminarmos, façamos um rápido apanhado a 2022 (acho que não torno a fazer balanços anuais como fazia antes). Foi melhor que 2021, com mais pontos altos – as vitórias na fase de grupos da Liga das Nações, sobretudo esta, as vitórias no Mundial. Infelizmente, foi igualmente infrutífero. A alegria das vitórias valeu a pena mas teve curta duração.

 

Com um Selecionador novo e Ronaldo incerto, 2023 será um ano de mudança de página, de transição. Será pouco excitante: sem Europeu ou Mundial, sem sequer a fase de grupos da Liga das Nações, com adversários de maior calibre. Temos apenas a Qualificação para o Euro 2024, com um grupo teoricamente acessível – se houver excitação, será à mistura com exasperação, quando inevitavelmente metermos água e nos Apurarmos à rasquinha. 

 

Por outro lado, como referimos antes, dificilmente conseguiríamos melhores circunstâncias para uma mudança de ciclo.

 

Que 2023 nos corra melhor que 2022. Obrigada a todos os que acompanharam este Mundial comigo, quer através do blogue quer através da sua página de Facebook. Última chamada para fazerem um donativo à Amnistia Internacional, que está a ajudar os trabalhadores maltratados na construção do Mundial. Votos de boas festas e boas entradas em 2023. Até à próxima!

Estar enganada nunca soube tão bem

01.pngNa passada terça-feira, dia 6 de dezembro, a Seleção Portuguesa de Futebol venceu a sua congénere suíça por seis bolas contra uma, em jogo a contar para os oitavos-de-final do Mundial 2022. Com este resultado, Portugal segue para os quartos-de-final da prova, onde irá defrontar Marrocos. 

 

 A diversão e o sofrimento continuam, como eu desejava. Nesta fase é mais diversão, felizmente.

 

As emoções começaram várias horas antes do início da partida. Consegui ver um bocadinho do jogo entre a Espanha e Marrocos na minha hora de almoço. Já estava a trabalhar quando este terminou – e naturalmente fiquei chocada com o resultado final. Estava a fazer falta uma surpresa destas, os oitavos estavam a ser demasiado previsíveis. 

 

Adiantando-me um pouco, o nosso resultado com a Suíça pode ser considerado uma surpresa? Eu diria que sim. Em teoria este era o jogo mais equilibrado desta fase, ninguém conseguia prever com certeza quem venceria. Ninguém estava à espera que qualquer um dos lados atropelasse o outro desta forma. 

 

Regressando ao pré-jogo, ao longo da tarde circulou o rumor de que Cristiano Ronaldo ficaria no banco – algo que se confirmou quando saiu oficialmente o onze inicial. Muitos de nós sabiam que esta era a decisão correta. Mas ninguém tinha a certeza de que o técnico teria coragem de tomá-la. 

 

02.png

 

Desta vez, custou-me menos estar a trabalhar durante parte do jogo. Ajudou o facto de termos tido menos movimento e atendimentos menos complicados. Uma vez mais, tínhamos o relato ligado, mas acabei por me servir mais de sites de atualizações, quando conseguia espreitá-los.  Foi assim que soube do primeiro golo de Gonçalo Ramos e do golo de Pepe – este último já perto da minha hora de saída. 

 

Ainda consegui ver imagens do primeiro golo no trabalho, quando a Sport TV as colocou nas redes sociais. Não sei do que gosto mais: se da jogada, se das celebrações. Foi uma grande assistência de João Félix, que consegue fazer a bola passar por entre dois suíços. Gonçalo Ramos remata de lado e a bola entra pelo canto, impossível de defender. 

 

E depois a Seleção toda correndo a abraçar o miúdo – embora o Bernardo Silva tenha voltado depressa para o campo, coitado. Eu devia estar com um ar tão tolo lá no trabalho, de olhos no computador, sorrindo de orelha a orelha. 

 

Só consegui ver imagens do golo de Pepe já em casa. Na sequência de um canto batido por Bruno Fernandes, o Marmanjo voou e cabeceou para as redes. Pepe é dos que mais ama a Seleção e teima em não envelhecer. Que nunca nos deixe!

 

Já estava em casa durante a segunda parte. Não sei como foi com vocês, mas eu estava cautelosa, com medo que a Seleção cometesse algum deslize e a Suíça reduzisse a vantagem. Não seria a primeira vez. 

 

Felizmente, não foi necessário preocupar-me: a segunda parte trouxe uma mão-cheia de golos. A minha mãe até comentou que parecia que estávamos a jogar contra o Liechtenstein e não com a Suíça.

 

transferir (3).jpeg

 

Foram logo dois golos em poucos minutos. Antes do terceiro golo, Diogo Dalot conseguiu deixar um suíço fora do caminho. Depois, Gonçalo Ramos, com uma lata descomunal, fez uma cueca ao guarda-redes, marcando o seu segundo golo na partida. 

 

Cinco minutos depois, foi a vez de Raphael Guerreiro marcar. Quem acompanhe o meu blogue há uns anos saberá que o Raphael é o meu menino-bonito. Ele não recebe, nem de longe nem de perto, a devida apreciação da parte dos adeptos portugueses – é possível que isso seja por ele nunca ter jogado na liga portuguesa. Não estava à espera que ele marcasse neste jogo, mas fiquei contente por o ter feito.

 

Na verdade, foi uma grande jogada coletiva que desaguou neste jogo. Começou com um bom entendimento entre o regressado Otávio e João Félix. Félix depois passou para Gonçalo Ramos, que depois assistiu para Raphael. 

 

A única mancha no desempenho de Gonçalo Ramos – e mesmo da Seleção como um todo – foi a assistência involuntária para o golo de honra da Suíça, na sequência de um pontapé de canto. Acontece, nem sequer foi a primeira vez neste Mundial, ninguém se rala. 

 

E de qualquer forma ele redimiu-se rapidamente com um terceiro golo. Bruno Fernandes recuperou uma bola, passou-a a Félix e este isola para Ramos marcar. Eu nesta altura já nem gritava “GOLO!”, só me ria. 

 

03.png

 

Um par de parágrafos, então, para falarmos sobre Gonçalo Ramos? Este miúdo estreia-se a titular pela Seleção num Mundial e faz-me logo um hat-trick e uma assistência, coloca logo o mundo inteiro a falar sobre ele. E depois de cada golo põe-se ali a fazer pistolas com os dedos, como se fizesse aquilo todos os dias – adoro a lata.

 

Aliás, se não se importam, vou começar a fazer os mesmos gestos. Até os colegas de Seleção já os fizeram.

 

Finalmente, Cristiano Ronaldo entrou, mais ou menos a meio da segunda parte. Isto depois de o público ter passado um bom bocado a chamá-lo. Isso na altura irritou-me – toda a Turma das Quinas jogando como nunca, Gonçalo Ramos então a fazer o jogo da vida dele, e aquela gente gritava por um jogador no banco? Mas compreende-se: a maior parte dos adeptos a favor de Portugal tinham vindo para ver Ronaldo. Ele continua a ser a figura mais mediática da nossa Seleção. O facto de ele já não render o mesmo é uma coisa recente. 

 

E a verdade é que Ronaldo esforçou-se. Não foi por falta de vontade. Tive pena de o golo dele ter sido anulado.

 

Ainda houve tempo para mais um golo, em cima dos noventa minutos – de Rafael Leão, o Marmanjo que remata com um sorriso. Este compete em beleza com o primeiro de Gonçalo Ramos: um remate em arco espetacular, os suíços nem se mexeram. 

 

Ficou feito o resultado. Portugal segue para os oitavos-de-final. 

 

04.png

 

O meu texto pré-Mundial envelheceu como um iogurte, não foi? A Seleção deixou-me com cara de parva. Eu própria o escrevi: vim para este Mundial com a minha fé e entusiasmo em mínimos históricos – não eram nulos, tinham alguma esperança, mas menos que o costume. 

 

E o que acontece após o pontapé de saída? Sem nunca esquecer as circunstâncias deploráveis, o Campeonato do Mundo está a ser dos mais excitantes desde que me lembro. Melhor de tudo, Portugal está a fazer, no mínimo, o seu terceiro melhor Mundial de sempre – mesmo na pior das hipóteses, para mim já é um sucesso, mesmo que pequeno. O jogo com a Suíça, em particular, foi um dos nossos melhores em Mundiais, se não tiver sido o melhor. Eu não tinha razão ao ter sido tão cética antes e, meu Deus, não ter razão nunca soube tão bem. No rescaldo do jogo, terça-feira à noite, sentia as bochechas doridas de tanto sorrir. 

 

Antes de continuar a falar das coisas boas, vamos ter de abordar o elefante na sala. Ou melhor, o elefante no banco da Seleção no início do jogo, sempre com inúmeras câmaras apontadas para ele. 

 

Temos de dizê-lo, Gonçalo Ramos jogou no lugar de Ronaldo e fomos narrativamente recompensados por isso. Os títulos e manchetes sobre o jogo não douram a pílula: pela primeira vez desde o Euro 2004, Ronaldo não é titular indiscutível na Seleção. O “primeiro dia do resto da vida” dele e das Quinas. 

 

Passámos uma boa parte dos últimos anos, desde a final de Paris, a debater se a Seleção joga melhor com ou sem Ronaldo. Antes, quando Ronaldo tinha a capacidade de ser Deus Ex Machina e, do nada, marcar um ou dois golos e resolver uma partida, ambos os lados da discussão tinham validade. Nestes últimos meses, agora que os anos já pesam e Ronaldo não fez pré-época (mesmo que tenha sido por motivos legítimos), e depois deste jogo, as dúvidas estão a diminuir.

 

Confesso que não sei se estou preparada para a próxima fase. Ainda é muito cedo, foi apenas um jogo em que Ronaldo não foi titular. No entanto, receio que, quando a realidade assentar, a longo prazo, irá doer. 

 

318106990_584579237006378_1092076463363367870_n.jp

 

Ainda assim, gasta-se demasiada tinta digital com o madeirense: porque fez olhos tristes para Fernando Santos a certa altura, porque saiu demasiado cedo para os balneários. E… pobre Otávio. Fez uma bela exibição perante a Suíça mas, como a Joana Marques assinalou, teve de levar com inúmeras perguntas sobre Ronaldo na sua conferência de imprensa. Como disse um colega meu no outro dia, Portugal podia ganhar o Mundial e, no dia seguinte, as televisões todas gastariam horas a debater se Ronaldo estava mais feliz no 10 de julho ou no 18 de dezembro. Todas as câmaras apontadas a Ronaldo acabam por criar um efeito de lupa: ampliando, exacerbando coisas que, na verdade, são pequenas.

 

Não sei como foi com vocês, mas eu ia dando em doida com a direção que o debate a certa altura tomou. De repente, só tínhamos pessoas fazendo de Ronaldo um vilão ou pessoas preferindo que Portugal perdesse com Ronaldo a titular. Quase ninguém no meio. 

 

Mas isso também é um produto das redes sociais. Os algoritmos preferem os extremos.

 

A única coisa que sei é que Ronaldo está a lidar com esta fase da sua carreira da melhor maneira que consegue. Nem sempre tem tomado as melhores atitudes, mas ele é humano. E, mesmo já não sendo titular inquestionável, a Seleção precisa dele. Como suplente de ouro, por exemplo – aliás, Ronaldo poderá ser importante se tivermos de ir a algum desempate por grandes penalidades. Nem que seja apenas com atitudes como o “Anda bater!” ou o consolo a Diogo Costa, no fim do jogo com Gana – isso também é importante.

 

Aliás, paradoxalmente, todo este assédio da imprensa poderá funcionar a favor deles. Poderá espicaçar Ronaldo o suficiente para ele e os colegas de equipa se unirem ainda mais, contra tudo e contra todos. Não seria a primeira vez.

 

317848363_584593250338310_9202488554334335025_n.jp

 

Até porque uma das minhas coisas favoritas em relação ao momento atual da Equipa de Todos Nós tem sido o companheirismo entre os Marmanjos. As celebrações dos golos, os abraços, as veias salientes, as mensagens nas redes sociais, as declarações. Otávio à espera que o Gonçalo Ramos deixe o Benfica, William à espera que Ramos lhes pague um jantar (terá pago?), os conselhos de Bruno Fernandes ao jogar às cartas, Bruno tentando roubar-lhe o prémio de Melhor Jogador, Otávio tentando roubar-lhe a bola do hat-trick. Nem todas as equipas que cultivam este ambiente são bem sucedidas, mas não se pode ter sucesso sem esse espírito.

 

Agora espera-nos Marrocos nos quartos-de-final. Sim, é um adversário mais desejável para nós do que a nossa eterna besta negra Espanha, mas não significa que vá ser fácil. Daquilo que vi do jogo dos oitavos, eles gostam muito de contra-ataques. Além disso, Marrocos ainda não perdeu um jogo neste Mundial e só sofreu um golo – um auto-golo perante o Canadá. Os marroquinos nem sequer sofreram um “golo” no desempate por grandes penalidades perante os espanhóis. E assim deixaram a Espanha e a Bélgica para trás, como Bernardo Silva recordou.

 

À semelhança do que já tinha feito depois do jogo com o Uruguai, Fernando Santos reforçou a importância de mantermos os pés na Terra – faz bem. Referiu as dificuldades que Marrocos nos colocou no Mundial 2018 – embora, na minha opinião, o problema tenha sido mais termos jogado mal. 

 

Uma vez mais, não vai ser nada fácil, mas eu acho que estará ao nosso alcance se fizermos as coisas bem. Se houve algo que se descobriu na terça-feira é o que acontece quando fazemos as coisas bem. Já é bom termos chegado aos quartos-de-final, sim, mas não chega. Quero mais. Todos queremos.

 

Uma coisa boa é o facto de, se continuarmos no Catar, a partir de agora, em princípio, nenhum jogo de Portugal no Mundial coincidirá com o meu trabalho. Os quartos são hoje. As meias-finais, se passarmos, serão quarta-feira, dia em que estou de folga à tarde. 

 

05.png

 

Eu pedi esta folga há umas três semanas, juro que não foi de propósito – no que toca a este Mundial, só fiz mesmo planos para a fase de grupos. Aliás, se Portugal passar às meias, já tenho algo combinado… mas só digo o que é se for mesmo para a frente, se Portugal ganhar a Marrocos. 

 

Por fim, tanto a final com o jogo do terceiro lugar serão no próximo fim de semana, à tarde. 

 

Tenho colegas que planearam isto com mais fé do que eu. Um deles pediu há um par de semanas para sair mais cedo na quarta-feira pois fizera as contas assumindo que Portugal passaria em primeiro no grupo. Outro colega meu já está a fazer planos para ir buscar a Seleção ao aeroporto no dia 19.

 

Fico com inveja pois não consigo pensar na final ou mesmo nas meias-finais sem começar a hiperventilar. Já não me reconheço a mim mesma. Eu é que tenho o blogue, eu é que devia ser a grande adepta da Seleção. Quando é que me tornei tão cética? Uma das minhas colegas há um par de semanas até me disse que eu tinha de ter mais confiança em Portugal – quando eu disse que queria que ficássemos em primeiro para evitarmos o Brasil. 

 

O que nos leva de volta à ideia de há pouco: eu estava enganada sobre a Seleção. 

 

Esta é uma das minhas coisas favoritas em relação ao Mundial: as conversas sobre isso, não só com pessoas próximas, mas também com estranhos. Pessoas no café, utentes no trabalho. Na terça-feira, por exemplo, depois do jogo com a Suíça, foi quando fui passar a minha cadela e falei com outros donos de cães sobre a piada do Otávio, entre outras coisas. E este Mundial em especial convida a isso, com todas as surpresas.

 

318202538_6038487889524054_6072279748470952328_n.j

 

Espero, então, continuar nesta festa, continuar a humilhar o meu lado mais cético. Alimentem as minhas ilusões, por favor – e nunca mais as quebrem. 

 

Como sempre, obrigada pela vossa visita. Se pudrem, façam um donativo à Amnistia Internacional, que está a tentar ajudar os trabalhadores que construíram este campeonato. Continuem a acompanhar este louco Mundial comigo, quer aqui no blogue, quer na sua página de Facebook

Com um abraço para Paulo Bento

10.png

Na passada sexta-feira, dia 2 de dezembro, a Seleção Portuguesa de Futebol perdeu com a sua congénere sul-coreana por duas bolas contra uma, em jogo a contar para a fase de grupos do Mundial 2022. Apesar deste resultado, Portugal terminou o grupo em primeiro e seguiu para os oitavos de final da prova, onde irá defrontar a Suíça.

 

A isto sim, já estou mais habituada. Infelizmente.

 

Este foi outro jogo que vi em casa, com a minha irmã. Felizmente, desta feita os meus vizinhos não se fizeram ouvir. Como se previa, Portugal alinhou com um onze com várias mudanças – entre os titulares encontravam-se Ricardo Horta, Vitinha, Diogo Dalot, António Silva (que passou a ser o português mais jovem a representar Portugal num Campeonato do Mundo).

 

Depressa houve oportunidade de celebrar um golo: Pepe fez um grande passe, desde o meio campo coreano, para Diogo Dalot, que depois assistiu para Ricardo Horta se estrear a marcar neste Mundial. 

 

11.png

 

Por acaso, uma parte de mim lembrou-se na altura que golos madrugadores costumam ser traiçoeiros. Aconteceu com a Sérvia no ano passado, por exemplo. Como neste jogo, ainda por cima, tínhamos a passagem mais do que garantida – pouco após a meia-hora de jogo o Uruguai já vencia o Gana por 2-0 – Portugal desacelerou. Isso, somado aos jogadores menos habituados uns aos outros, correu tão bem como devíamos ter calculado.

 

Ainda assim, houveram uns quantos portugueses que estiveram bem. Pepe continua ao nível de sempre. Dalot foi um dos melhores, provou merecer a titularidade. Ricardo Horta marcou o golo. Vitinha também esteve bem – destaque para estes passos de dança. Por fim, João Cancelo pareceu um pouco melhor jogando à esquerda. Mas nada disso chegou. Portugal só jogou bem durante os primeiros dez, quinze minutos do jogo.

 

A Coreia do Sul já tinha deixado um aviso uns minutos antes, com um golo anulado por fora-de-jogo. Pelos vistos, os portugueses não levaram a sério. No golo não anulado, Cristiano Ronaldo ficou mal na fotografia: aquando de um pontapé de canto favorável aos coreanos, Ronaldo encolheu-se todo, a bola bateu-lhe nas costas, sobrando para Kim Young-gwon rematar.

 

Mais um erro caricato para juntarmos à coleção. Daquelas coisas que só acontecem a quem faz. No entanto, Ronaldo só se pode culpar a si próprio. Andava com vontade de saber o que aconteceria quando o Capitão não pudesse apontar o dedo a outros.

 

Tive um vislumbre depressa. 

 

Está na altura de falarmos do infame momento da substituição de Ronaldo, aos sessenta e cinco minutos de jogo. As câmaras captaram-no aparentemente reclamando que estavam com muita pressa de tirá-lo de campo – isto pontuado por termos mais coloridos.

 

12.png

 

Mais tarde, Fernando Santos e o próprio Ronaldo garantiriam que o Capitão se dirigia a um coreano qualquer. Ninguém acredita nisso. Ronaldo sabe falar inglês, porque falaria em português com um coreano? 

 

Dito isto… não dá para ter a certeza do que aconteceu ali. Ele estava a dirigir-se a Fernando Santos? Ao André Silva? Estava a “vociferar”, como cheguei a ler, ou apenas a resmungar para si mesmo? (quem nunca? Um dos motivos pelos quais até gosto de trabalhar de máscara.)

 

Inicialmente, ia ser bastante crítica para com Ronaldo neste texto. Já o fui na página. Depois de pensar melhor no assunto, não tenho assim tanto em que me basear, não seria justo. 

 

Na melhor das hipóteses, foi uma irritação momentânea, um mero desabafo de Ronaldo para os seus botões – todos sabemos que ele não gosta de ser substituído. A minha mãe diz que ele gosta de jogar, quer estar sempre em campo. Eu digo que ele é egoísta, põe as suas necessidades à frente das da equipa, é incapaz de se olhar ao espelho exceto para admirar a sua própria imagem. 

 

Sim, na melhor das hipóteses.

 

Na pior das hipóteses, isto será o primeiro sintoma daquilo que eu mais temi depois da entrevista a Piers Morgan: Ronaldo cada vez mais afundado na sua negação, desautorizando Fernando Santos, voltando-se contra nós.

 

10.jpeg

 

Lá está, não quero assumir já o pior. Para já, dou o benefício da dúvida. Para já.

 

E de qualquer forma… isto cansa. Faz-nos gastar tempo e energia, distrai-nos do resto da Seleção. E eu sei que nem tudo é culpa do próprio Ronaldo – ele definitivamente não convidou as câmaras a focarem-se nos seus lábios enquanto saía de campo. 

 

E para quê, neste momento? O que é que Ronaldo tem feito por nós ultimamente, para além de atrair o interesse das multidões? Perante a Coreia do Sul não fez nada, até prejudicou. Neste momento, estamos com todas as desvantagens e quase nenhuma das vantagens.

 

Enfim. Esperemos que tenha sido só desta vez. Não quero ter de escrever sobre isto de novo.

 

À Coreia do Sul bastava um golo para conseguirem sobreviver à fase de grupos. A partir de certa altura, comecei a desejar que conseguissem marcar esse golo – mais para dar uma prenda a Paulo Bento do que por outro motivo qualquer, naquele momento. E como, de qualquer forma, não perderíamos o primeiro lugar… porque não?

 

Cheguei a pensar que os Marmanjos em campo tiveram a mesma ideia que eu. Pela maneira como, em cima dos noventa, Son Heung-min teve ali um corredor aberto para o contra-ataque, sem ninguém capaz de travá-lo, eu podia jurar que os portugueses fizeram de propósito. E foi uma bela assistência para o remate de Hwang Hee-Chan.

 

 

Não vou mentir, eu fiquei contente. Em parte pelo fator Paulo Bento, em parte porque era fácil simpatizar com os sul-coreanos. As imagens deles, jogadores e adeptos, de olhos ansiosos nos telemóveis depois do apito final, são deliciosas – eu própria nesta altura ia alternando entre canais. E, claro, a festa depois, com muitas lágrimas dentro e fora de campo. Os típicos underdogs, humildes mas ambiciosos, apaixonados, dando o seu melhor sem nada a perder. 

 

Contrastem isto connosco: um grupo talentoso mas conformista, complacente, por vezes arrogante, demasiado preso às birras da sua maior estrela. E ainda mais com os uruguaios, que passaram os dias anteriores queixando-se do penálti contra eles no nosso jogo e foram super-agressivos para com a equipa de arbitragem durante o jogo com o Gana. José Maria Giménez foi particularmente execrável.

 

Por isso, não, ninguém teve pena do Uruguai. Os ganeses nem sequer se ralaram com a sua própria eliminação, pois contribuíram em parte para a desgraça dos seus amigos uruguaios. É certo que foi sobretudo pelo que aconteceu no Mundial 2010, mas mesmo assim.

 

Quanto a nós… infelizmente nada do que aconteceu na sexta-feira foi inédito, sobretudo no que toca aos últimos anos. Dito isto, se é para cometer erros e jogar mal, que seja em circunstâncias assim, sem consequências. Que não volte a acontecer e que se aproveite para aprender – como disse Tite, o selecionador brasileiro, num Mundial não costumam haver segundas oportunidades. 

 

Já que falo nisso, sinto-me um pouco melhor por saber que também o Brasil e a França perderam no último jogo do grupo, mesmo já apurados.

 

O primeiro obstáculo no mata-mata é a Suíça. Vamos defrontá-los pela terceira vez este ano. Tivemos uma vitória e uma derrota – infelizmente, acho que a nossa vitória foi a exceção para os suíços, não a regra. Os suíços podem não ter o prestígio de uma França ou de uma Inglaterra, mas são uma equipa competente, muito boa a defender. Não vai ser fácil mas, se fizermos as coisas bem, estará ao nosso alcance.

 

318123630_580811557383146_1760040246002263866_n.jp

 

Um grande “se”. 

 

Por muito que me custe a admitir, tendo em conta as circunstâncias em todo deste campeonato discutidas aqui, este Mundial está a ser super divertido. Esta terceira jornada da fase de grupos, então… Equipas “grandes”, como a Alemanha, a Bélgica e a Dinamarca indo mais cedo para casa. Equipas menos “grandes”, como aqui a Coreia do Sul, o Japão e a Austrália, conseguindo passar. A Tunísia e os Camarões conseguindo vitórias perante a França e o Brasil, respetivamente, mesmo não lhes tendo servido de muito. Tem sido uma delícia.

 

Infelizmente, depois das surpresas da fase de grupos, até agora os oitavos estão a ser bastante previsíveis. A França venceu a Polónia, a Inglaterra venceu o Senegal e a Argentina venceu a Austrália. Pode ser que hajam surpresas amanhã ou depois... desde que nós não sejamos uma delas! Quero que Portugal continue nesta festa – e que, se possível, seja a derradeira surpresa.


Como sempre, obrigada pela vossa visita. Infelizmente volto ao trabalho amanhã, ou seja, terei menos tempo para ver jogos do Mundial e para escrever aqui. Em todo o caso, se passarmos aos quartos-de-final, vou tentar publicar a análise aos oitavos antes. Se puderem, façam um donativo à Amnistia Internacional, que está a ajudar os trabalhadores maltratados na construção deste campeonato. Continuem a sofrer e a divertir-se comigo, quer através deste blogue, quer através da sua página no Facebook.

Não estou habituada a isto

317555697_6676690409013416_7463916870834177303_n.j

Na passada segunda-feira, dia 28 de novembro, a Seleção Portuguesa de Futebol venceu a sua congénere uruguaia por duas bolas sem resposta. Com este resultado, a Seleção garantiu lugar nos oitavos de final do Mundial 2022.

 

O que é estranho.

 

Desta vez, não estava a trabalhar, vi o jogo em casa. Se tivesse sido mais cedo, teria tentado ir a uma esplanada, mas o jogo começou demasiado perto da hora do jantar. Infelizmente, isso significou levar com os spoilers dos vizinhos com uma ligação mais rápida do que a minha – algo de que não tinha saudades nenhumas. 

 

Eu por mim via o jogo com a Coreia numa esplanada para tentar evitar isto, mas a minha irmã quer ver o jogo em casa. É fazer figas para que os vizinhos estejam a trabalhar…

 

Uma vez mais, aconteceu pouco de assinalável na primeira parte: domínio português mas longe de empolgar. Infelizmente, Nuno Mendes lesionou-se e teve de ser substituído antes do intervalo – o pobre saiu do campo em lágrimas. Hoje sabemos que não poderá competir mais neste Mundial. Uma crueldade do destino, ninguém merece, mas ele ainda é jovem. Com um bocadinho de sorte, ele terá outros Mundiais. 

 

A melhor oportunidade na primeira parte pertenceu ao Uruguai, em cima da meia hora de jogo. Ironicamente, quem brilhou foi o nosso Diogo Costa: Rodrigo Betancur tinha passado por toda a gente na defesa portuguesa, eu já quase dava o golo como marcado, mas Diogo estava lá

 

naom_6385205f1ad61.jpeg

 

Como disse Iker Casillas, a nossa passagem aos oitavos começou aqui. Fico muito feliz por Diogo não se ter deixado afetar pelo erro que cometeu perante o Gana – mérito dele e dos colegas, que estiveram lá quando ele precisou. O miúdo é um espetáculo!

 

É suposto gritarmos “DIOGO!” em momentos destes?

 

A segunda parte do jogo foi mais animada, se bem que não com os níveis absurdos do jogo com o Gana. Parece que, neste Mundial, os nossos jogos estão fadados para incluírem um episódio caricato. No primeiro jogo foi o erro de Diogo Costa, neste foi a autoria do nosso primeiro golo

 

À primeira vista pareceu-me golo de Cristiano Ronaldo – dá a ideia que ele toca na bola, ele festejou como se de facto tivesse marcado. Quando um jogador celebra assim, eu costumo acreditar nele – porque não haveria de fazê-lo? Eu pensava que o mesmo se aplicava a toda a gente – aplicou-se aos comentadores da SportTV e penso que aos da RTP também – mas falei com uma senhora que disse que viu logo que Ronaldo não tinha tocado na bola. 

 

Em defesa de Ronaldo, a primeira indicação que lhe deram foi que, de facto, o golo era dele. Depois é que os ecrãs indicaram Bruno Fernandes como autor do golo. Por outro lado… Ronaldo senti-lo-ia se tivesse tocado ou não na bola, certo? Estaria a iludir-se a si mesmo? Não me admirava. 

 

Ao mesmo tempo, toda a gente concorda que, mesmo não tendo marcado ele mesmo, o posicionamento de Ronaldo baralhou o guarda-redes o suficiente para que a bola entrasse. O que também não tira o mérito a Bruno Fernandes: foi um excelente cruzamento/remate. 

 

image.jpeg

 

Isto está longe de ser uma questão dramática, bem pelo contrário. Tenho-me divertido com as piadas – Ronaldo marcando por telecinese, o cabelo de Deus, tivesse ele o cabelo mais comprido, etc. Há quem critique Ronaldo por reclamar autoria do golo mas, embora tenham razão… as reclamações foram bem humoradas. Mais tarde, saiu de campo abraçado ao Bruno, claramente bem disposto. É certo que, depois, fez queixinhas trocou mensagens com Piers Morgan insistindo que o golo era dele mas, tirando isso… E depois de ter saído a peritagem da FIFA – “As bolas têm chips, como os cães e os gatos?”, perguntou-me a minha avó – ninguém da parte do Ronaldo ou da Seleção disse mais nada. 

 

Sinceramente, não vale a pena atirar pedras a Ronaldo. Pelo menos não por isto.

 

Pelo meio, por volta dos setenta e cinco minutos, o poste travou um remate do Uruguai. Um sinal claro de que os deuses do futebol estavam do nosso lado naquela noite – apesar de, mais tarde, terem negado o hat-trick a Bruno Fernandes.

 

Em relação ao nosso penálti, vou ser sincera, tenho algumas dúvidas. Não sei que critério andam a usar para determinar o que é mão na bola e o que não é. A mim pareceu-me que José María Giménez estava a cair e usou aquela mão para se apoiar. No entanto, há quem alegue que a manobra foi deliberada e/ou pode ser abusada – os jogadores poderiam simular quedas para poderem usar as mãos. 

 

Não sei. Não sei que chegue sobre o assunto para fazer um juízo definitivo.

 

Em todo o caso, como Ronaldo já tinha ido para o banco, Bruno Fernandes foi chamado a bater o penálti e fê-lo com mestria. Segundo Anthony Lopes, impossível de defender. 

 

317088363_577561934375418_3374939419099215213_n.jp

 

Em suma, Portugal não fez uma exibição de encher o olho, mas foi a equipa que mais fez por ganhar. Fomos justos vencedores.

 

Se me dissessem há duas semanas que Portugal se qualificaria para os oitavos-de-final do Mundial à segunda jornada, não acreditaria. Como escrevi aqui, não estava com grandes expectativas para este campeonato. Foram anos, sobretudo os últimos dois, de exibições medianas com o ocasional lampejo de qualidade, apuramentos falhados por um ponto. Desempenhos, em geral, não suficientemente bons para entusiasmar mas não suficientemente maus para correr de forma unânime com Fernando Santos. 

 

Agora chegamos ao Catar e acontece isto. Duas vitórias num Mundial, algo que não acontecia desde 2006. Sobrevivemos à fase de grupos ao segundo jogo, algo que não acontecia desde o Euro 2008 – ainda no tempo de Luiz Felipe Scolari, este blogue era um bebé. Fomos a terceira equipa a passar aos oitavos, a seguir aos tubarões Brasil e França. 

 

E o nosso grupo não é assim tão fácil. O Uruguai é o Uruguai e o Gana venceu a Coreia do Sul – provando que, não sendo tubarões, também não são sardinhas. 

 

Que cronologia é esta, minha gente? Não estou habituada a isto – e não sou a única

 

img_1280x720$2022_11_29_15_42_48_2068497.jpeg

 

Até estou um bocadinho chateada porque as minhas férias estão quase no fim. Na(s) próxima(s) semana(s) já estarei a trabalhar, será mais difícil ver os jogos e ter tempo para o blogue. Um motivo extra para querer passar em primeiro neste grupo é porque, se o fizermos, jogamos terça-feira. Nesse dia estou a sair às sete e meia – o jogo começa às sete, ou seja, conseguia apanhar pelo menos a segunda parte. Na segunda-feira só saio às oito e meia, perderia o jogo todo. 

 

Ao menos depois os quartos-de-final serão no sábado. Adiante disso… não me atrevo a olhar. 

 

Como é óbvio, estou muito contente com o nosso desempenho até agora, orgulhosa dos nossos Marmanjos. Referências especiais para Diogo Costa, Pepe, William, João Félix, Bernardo Silva, Rafael Leão, Cristiano Ronaldo (até certo ponto mas, para as circunstâncias, não está mal), mesmo João Palhinha e Matheus Nunes. 

 

E sobretudo Bruno Fernandes, a nossa maior figura. 

 

Ainda assim, não consigo alinhar em grandes euforias. Em parte por incredulidade; em parte porque, apesar de tudo, não estamos a deslumbrar; em parte porque tenho medo. Tenho medo de ter demasiada esperança, de sonhar demasiado alto. Mais ou menos aquilo que sentia antes do Euro 2016, quando Fernando Santos falava em sermos campeões. 

 

Até porque, na prática, ainda não ganhámos nada. Igualámos os nossos desempenhos no Mundial 2010 e no de 2018 ao sobrevivermos ao grupo. Nada nos garante que a nossa viagem não termine nos oitavos.

 

GettyImages-1445269771.jpeg

 

Dito isto… também nada nos garante que a viagem não continuará. Os nossos jogadores têm qualidade, estão motivados, houveram melhorias de um jogo para o outro. Se continuarmos a melhorar… porque não?

 

O que sugiro, assim, é um meio-termo. Olhar para a final, mas pensar jogo a jogo. Apontar para as estrelas, mas manter os pés no chão. 

 

E, de qualquer forma, ainda nos falta um jogo neste grupo. Estou zangada por Paulo Bento se ter feito expulsar na segunda-feira. Queria vê-lo no banco, cumprimentando Pepe, Ronaldo, Rui Patrício e outros que ele costumava orientar.

 

Visto não estarmos obrigados a ganhar para ficarmos em primeiro, eu, à semelhança de toda a gente, espero que Fernando Santos rode a equipa – para gerir desgastes e cartões amarelos. Na minha opinião, temos talento suficiente nas segundas linhas para pelo menos empatarmos com a Coreia do Sul. Na verdade, os jogos do grupo G interessam-me quase tanto como os do nosso grupo: quero saber com quem iremos jogar nos oitavos. 

 

Que os sinais positivos se cumpram e que o nosso sofrimento continue por mais umas jornadas. Sofram comigo, quer aqui no blogue, quer através da sua página de Facebook e façam um donativo à Amnistia Internacional, que está a tentar ajudar os trabalhadores que construíram este campeonato. Como sempre, obrigada pela vossa visita, mantenham-se desse lado. 

 

KV23J4G7RBAL7FT6B26SGTNK54.jpeg

Cometeram-se erros...

316534754_6003335976372579_5303685560569315967_n.j

Na passada quinta-feira, dia 24 de novembro, a Seleção Portuguesa de Futebol estreou-se no Mundial 2022 com uma vitória sobre a sua congénere ganesa por três bolas contra duas. 

 

Como já tinha dito antes, estive a trabalhar durante o jogo. Tenho de confessar, desta vez custou-me imenso. Já por defeito sinto que, quanto mais velha estou, mais sofro com jogos desta envergadura. Estas circunstâncias não ajudaram. 

 

Imaginem-se trabalhando ao balcão durante o jogo, durante este jogo, com o relato radiofónico ligado num computador do backoffice. Imaginem-se atendendo pessoas enquanto a vossa colega no backoffice vai dando atualizações como: 

 

– Penálti para nós!

– O Ronaldo marcou! 

– Eles empataram.

– O Félix marcou. 

– Então, ainda está 3-1?

– Não, está 3-2.

 

Vocês aguentavam?

 

06.png

 

Eu consegui funcionar à mesma, mas custou. Sentia as mãos e a voz a tremerem ligeiramente – espero que não tenha sido perceptível. Não acho que fosse sofrer menos se visse o jogo numa televisão, mas ao menos não precisaria de concentrar-me noutras coisas. E claro, mais tarde senti inveja de quem pôde ver o jogo. Sobretudo depois das milhentas reportagens nos noticiários, de adeptos seguindo a partida em vários pontos de Portugal e do mundo. 

 

Por outro lado, fui poupada ao "comentário" de Paulo Futre – que, segundo as internetes, irritou toda a gente. De facto, se era para estar ao microfone sendo um adepto comum, a TVI podia ter-me convidado – eu aceitava metade do que terão pago a Futre. 

 

Dizem que, tirando as lágrimas de Ronaldo aquando do hino, a primeira parte foi entendiante – Portugal controlando o jogo mas arriscando pouco – e a segunda parte foi o completo oposto. Demasiado agitada para um adversário do calibre do Gana, não desfazendo. Ronaldo marcou de penálti, quebrando mais uns quantos recordes. O Gana repôs a igualdade sete minutos depois. Rúben Dias não conseguiu travar Kudus, Danilo não conseguiu segurar a bola quando esta lhe passou pelos pés e André Ayew marcou. 

 

Cinco minutos depois, Bruno Fernandes assistiu de primeira para João Félix, que não perdoou. Félix finalmente a afirmar-se na Seleção, depois destes anos todos. Algumas pessoas continuam a criticá-lo e eu não percebo porquê. Ele marcou, não marcou? Ele esteve na jogada em que o Ronaldo sofreu falta para penálti, não esteve? Andará essa gente a usar as mesmas lentes de Simeone? 

 

Não esquecer Bruno Fernandes, provavelmente o melhor em campo. Ele que também assistiu para o terceiro golo, desta feita assinado por Rafael Leão. Como tem sido amplamente assinalado, o miúdo rematou com um sorriso. Eu recordei-me deste tweet, a propósito de um falhanço caricato no segundo amigável contra o Catar.

 

Finalmente saiu. Na altura certa. 

 

07.png

 

Com outra equipa que não nós, com isto ficaria feito o resultado. Talvez até se aumentasse para 4-1. Mas éramos nós, nunca seria assim tão fácil, sobretudo em palcos como este. Os ganeses reduziram para 3-2 aos oitenta e oito minutos. João Cancelo deixou Baba fazer o que quis e este assistiu para o remate certeiro de Bukari.

 

Está na altura de falarmos na já infame fífia de Diogo Costa. Não vi em direto, mas todos me garantem que ia provocando um ataque cardíaco coletivo. Pessoalmente, achei e ainda acho hilariante – só o vi depois de o jogo ter terminado, a vitória assegurada. A cara do Ronaldo aquando do lance correu mundo – as câmaras vão sempre para ele, em parte porque Ronaldo, em parte porque ele sente tudo, reflete tudo, é incapaz de disfarçar uma emoção. Ainda assim, acho ainda mais piada a este vídeo – o banco inteiro das Quinas, Fernando Santos incluído, levando as mãos à cabeça como se fosse uma coreografia. 

 

Mesmo assim, o Ronaldo foi o mais engraçado. Juro, ele parece quinze anos mais novo nestas imagens.

 

Aspetos caricatos à parte, não tenho alma para criticar demasiado Diogo Costa. Sobretudo porque não teve consequências – por sorte, Iñaki Williams tropeçou. O Diogo é um miúdo! Só se estreou a titular na Seleção este ano! Não foi o primeiro guarda-redes nem será o último a cometer erros destes. Há quem tenha feito asneiras mais graves com muito mais experiência. Por exemplo, Rui Patrício, que assistiu para o golo do empate de Israel em 2013. 



Aliás, culpo mais Rúben Dias e, sobretudo, João Cancelo e Danilo. Eles são bem mais experientes, jogam em grandes clubes, deviam ter feito mais para impedir os golos ganeses.

 

E uma coisa é certa: o Diogo não torna a fazer uma destas.

 

 

Devo dizer que adorei o momento em que o Diogo foi consolado pelos colegas. Esta é a versão do Ronaldo de que mais gosto. O Capitão reconhecendo que o miúdo podia interiorizar demasiado aquele erro e intervindo de imediato. Aparentemente Ronaldo já tinha pedido ao “Pepinho” para falar com o Diogo. Acho deliciosa a ideia de Pepe e Ronaldo emparceirando como papás do grupo. 

 

Eu sei que isto faz parte de qualquer equipa saudável. Ainda assim, adoro a Seleção por isto.

 

Quanto a este jogo, contente pela vitória, preocupada com estes erros defensivos. Faz-me lembrar o Mundial 2018: jogadores que estavam bem antes do campeonato, mas depois, quando foi a doer, não renderam o mesmo. Não sei se isto foram apenas deslizes ou se é algo sistemático. De qualquer forma, não vai dar para repetir. Erros destes custarão mais caro perante adversários mais difíceis que o Gana – o Uruguai, amanhã, será já um desses. Num Mundial não há segundas oportunidades – e eu quero que Portugal vá longe, se possível até à final. 

 

Apesar de não me esquecer do preço deste Mundial, estou a gostar de acompanhá-lo. Não tenho tido oportunidade de ver muitos jogos, mas é giro ir sabendo dos resultados, falando sobre os jogos com outras pessoas, vendo os resumos e as reportagens. Vou tentar aproveitar esta semana que tenho de férias para ver mais jogos – nem que seja apenas enquanto escrevo. 

 

Volto a deixar o link para doarem para a Amnistia Internacional, que está a ajudar os trabalhadores maltratados na construção deste Mundial. Como sempre, obrigada pela vossa visita. Continuem a acompanhar este Mundial comigo, quer aqui quer na página de Facebook.

 

316135795_574271764703792_3871644927240425511_n.jp