Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Mulher de muitas paixões, a Seleção Nacional é uma delas.

Não pode ser sempre assim?

_R5_1228.jpeg

No passado dia 1 de setembro, a Seleção Portuguesa de Futebol venceu a sua congénere irlandesa por duas bolas contra uma. Três dias mais tarde, venceu a sua congénere catari por três bolas contra uma. Três dias depois desse jogo, venceu a sua congénere azeri por três bolas sem resposta. O primeiro e o último jogo contaram para a Qualificação para o Mundial 2022. O outro foi apenas um particular. 

 

Esta foi uma jornada tripla estranha, pelo menos para mim. Como tinha referido no texto anteriorestava menos entusiasmada que o costume. O jogo com a Irlanda e o jogo com o Catar não ajudaram nesse sentido. O terceiro foi melhor… mas deixou-me numa posição confusa. 

 

Hei de explicar melhor já a seguir. 

 

Uma coisa de cada vez. Longe de me animar, a exibição dos portugas perante a República da Irlanda apenas piorou o meu estado de espírito. Começando pelo penálti desperdiçado.

 

Para ser justa, não me surpreendeu que Cristiano Ronaldo tivesse falhado. Primeiro, o penálti demorou imenso tempo a ser validado. A UEFA (ou terá sido a FIFA?) finalmente ganhou juízo e introduziu o vídeo-árbitro nos jogos de Qualificação. No entanto, nestas circunstâncias torna-se contraproducente: a demora aumenta os nervos. 

 

VAR. Sabotando-nos, quer estando lá quer não. 

 

 

Os irlandeses também não ajudaram, com as suas picardias a Ronaldo durante a espera. Ele que, apesar de quase duas décadas nestas andanças, no que toca a resistência a provocações, é apenas pouco melhor que Sérgio Conceição e os seus filhos. 

 

Aliás, tanto Ronaldo como o irlandês Dara O’Shea podiam ter visto cartões, se o árbitro não estivesse distraído. O primeiro ajustava a bola na marca de grande penalidade, o segundo pontapeou a bola, Ronaldo respondeu com uma palmada leve no braço do outro. 

 

Uma cena saída de um recreio da Primária. 

 

Juntando-se a isto, estava toda a gente a suster a respiração para o “momento histórico” em que Ronaldo quebraria o recorde de Ali Dalei. 

 

É claro que ia correr mal. 

 

O momento histórico acabou por ir para Gavin Bazunu, o guarda-redes irlandês de apenas dezanove anos. O miúdo tinha cinco meses de idade quando Ronaldo subiu aos séniores!

 

_IO_5520.jpeg

 

Acho que o penálti falhado afetou os portugueses durante a maior parte do jogo. E como quem não marca sofre, após termos falhado mais um par de tentativas, os irlandeses inauguraram o marcador em cima do intervalo. 

 

Eu tinha vindo para este jogo com pouco entusiasmo e mesmo assim estava a apanhar uma desilusão. Com o devido respeito pelos irlandeses, como é que estávamos a perder com o último classificado do grupo?!

 

A coisa acabou por se resolver literalmente nos últimos cinco minutos da partida. Com um Ronaldo Ex Machina, como em muitas outras ocasiões. Ambos os golos foram marcados de cabeça. O primeiro teve assistência de Gonçalo Guedes, o segundo de João Mário.

 

Nesta altura estava demasiado desiludida ainda para celebrar os golos como deve ser. No entanto, já aí reconhecia que as bancadas do Estádio do Algarve merecera aqueles golos. Fora o regresso do público aos jogos da Seleção e este fez-se ouvir durante o jogo todo – mesmo com um jogo medíocre durante oitenta e oito minutos. Seria demasiado ingrato levarem com uma derrota. 

 

Adoro em particular os festejos do segundo golo. Ronaldo tirou a camisola  –  o que, pelo menos a mim, recordou-me o seu segundo golo com as Quinas, no Euro 2004. Acabaria por ver o amarelo e ser excluído do jogo seguinte, mas acho que ninguém se importou. 

 

Momento engraçado quando os Marmanjos foram para junto do público e um dos stewards foi apanhado nos abraços. Terá mesmo havido contacto entre os jogadores e elementos da audiência, o que não é aconselhável em tempos de pandemia. Mas sinceramente? Não tenho alma para criticar. Estivemos muito tempo sem ir aos jogos, queremos este calor humano.

 

 

Além disso, os envolvidos estarão quase de certeza todos vacinados.

 

Depois do jogo ninguém se calava com o recorde quebrado por Cristiano Ronaldo. Não que não fosse merecido – são cento e onze golos! Acho que não é a primeira vez que escrevi isto aqui no blogue, tanta Ronaldomania às vezes enjoa mas, se formos olhar os factos… ele merece. Ele merece todos os elogios! Veja-se por exemplo esta infografia da SportTV. Vejam-se os recordes que o homem quebrou! 

 

Quer-me parecer que as gerações futuras, que nunca verão Ronaldo jogar, não vão acreditar que ele existiu mesmo.

 

Dito isto, irritou-me que, entre os louvores a Ronaldo, muitos tivessem esquecido tão depressa que foram os primeiros oitenta e oito minutos do jogo. Sim, os jogadores não deram o jogo como perdido, deram a volta ao resultado, persistência, garra, inconformismo, outras palavras bonitas. No entanto… era o último classificado do grupo! Dar a volta a um resultado desfavorável perante a uma equipa como esta (com o devido respeito pelos irlandeses) não é um grande feito, é uma obrigação. 

 

Acabou por ser mais ou menos como eu previra no texto anterior: exibições fraquinhas, mas suficientes para conseguir os resultados. Não satisfazia, mas sempre era um passo em frente.

 

Havemos de regressar a isto.

 

AAO6mXu.jpeg

 

Não tenho muito a dizer sobre o jogo do Catar – em parte porque não lhe prestei grande atenção. Para além da mesma falta de entusiasmo, tinha estado a conduzir durante cerca de duas horas nessa tarde e ficara exausta. 

 

E uma vez mais, o jogo em si não me animou por aí além. 

 

Não que estivesse à espera que o fizesse. Era apenas um particular, com um onze bem diferente do habitual. O Ronaldo já tinha deixado a Seleção e tudo. Ninguém esperava uma festa do futebol.

 

Em todo o caso, o Catar até entrou no jogo por cima, mas foi Portugal a inaugurar o marcador –  com dois golos de seguida! O primeiro foi de André Silva, após assistência de João Mário. O segundo foi mais especial, na minha opinião. Assistência de Gonçalo Guedes (está num bom momento, o Marmanjo) e o estreante Otávio deu um salto à Ronaldo e marcou de cabeça. Fico feliz por ele, que estava tão orgulhoso pela sua Convocatória.

 

Quando os cataris se viram reduzidos a dez, em cima do intervalo, pensei que teríamos a vida facilitada na segunda parte. Não foi bem assim. Os cataris, aliás, conseguiram reduzir a desvantagem na sequência de um canto, acentuando o problema recorrente dos múltiplos golos sofridos nos últimos tempos. (Para sermos justos, o jogo com a Alemanha terá desequilibrado ligeiramente essa estatística.)

 

Lá surgiu um penálti a nosso favor e Bruno Fernandes foi chamado a converter. O Marmanjo tinha de aproveitar, coitado – agora que tem Ronaldo como companheiro de clube, não terá muitas oportunidades. 

 

Para este caso, Bruno pode ao menos gabar-se de não ter falhado, ao contrário do Capitão. Mas também, a pressão era bem menor.

 

 

Enfim, foi um particular aceitável, ainda que eu desejasse mais golos.

 

No dia do jogo com o Azerbaijão estava de melhor humor – isto apesar de, de início, parecer que o universo estava a conspirar contra mim. O jogo foi às cinco da tarde. Eu tentei trocar para sair às quatro, mas surgiu um imprevisto e tive de sair às cinco à mesma. Não não, nem isso porque apareceram pessoas em cima das cinco, obrigando-me a sair uns dez minutos depois da hora.

 

É sempre assim.

 

O que vale é que eu até gosto de ouvir o relato da rádio de vez em quando. Foi através dele que soube dos golos. O primeiro foi espetacular: uma grande assistência de Bruno Fernandes para Bernardo Silva, que conseguiu enfiar a bola num ângulo dificílimo. 

 

O segundo golo foi menos artístico, mas resultou de uma boa jogada envolvendo João Cancelo, Bruno Fernandes, Diogo Jota, com André Silva a concluir. A cada golo, não resisti a buzinar um bocadinho.

 

Mais do que os golos até, aquilo que me deixava feliz eram os testemunhos que garantiam que a Seleção não jogava tão bem há muito tempo – desde o jogo com a França em Paris no ano passado, pelo menos. Eu pude vê-lo por mim mesma, quando cheguei finalmente a casa. 

 

 

Por outro lado, também vi algumas falhas defensivas que podiam ter custado caro. Contei pelo menos duas fífias de Nuno Mendes, mas não digo que ele tenha sido o único a falhar. Valeu-nos o facto de os azeris não terem sido capazes de aproveitar estas oportunidades. Em todo o caso, esta é uma possível explicação para os golos que temos sofrido.

 

Pelo meio, na segunda parte, Diogo Jota marcou o nosso terceiro golo, de cabeça, após assistência de João Cancelo. 

 

Uma palavra para os adeptos que invadiram o relvado, para tirarem fotografias com Bruno Fernandes. Hoje em dia estes momentos já não aparecem na televisão – por instruções das autoridades do futebol, para não encorajarem estes comportamentos. Pelos vistos a realização deste jogo não recebeu o recado. É sempre bom ver os nossos jogadores – não apenas o Ronaldo  – sendo acarinhados.

 

Foram três golos, podiam ter sido mais. No final do jogo lamentámos não ter ganho por mais, por causa das contas do Apuramento. No entanto, mais tarde naquele dia, a Sérvia empatou com a Irlanda, deixando-nos isolados no primeiro lugar do grupo. A Qualificação continua a correr bem, melhor que as anteriores.

 

E agora, como bónus, tivemos uma boa exibição. É certo que estamos a falar de azeris, não de italianos, nem mesmo de sérvios. Mas já tínhamos jogado contra o Azerbaijão este ano e foi uma tristeza. De igual modo, tivemos jogos com equipas de nível semelhante ou pouco melhor – Luxemburgo, Irlanda – e jogámos pior. 

 

Neste momento, estou numa posição estranha. Durante o jogo com a Irlanda, antes dos últimos cinco minutos, tive flashbacks do jogo com a Albânia há sete anos (!) e estava já com os lencinhos brancos a postos. Acho mesmo que, se não fosse o Ronaldo Ex-Machina, estaríamos hoje pelo menos a discutir essa possibilidade. Seria um escândalo demasiado grande perdemos perante o último classificado do nosso grupo, pouco tempo após um Europeu que deixou muito a desejar

 

AAOcaE4.jpeg

 

Quando o resultado virou, guardei os lencinhos, mas continuava insatisfeita. Pensava que iríamos ficar presos num ciclo vicioso de exibições fracas, de serviços mínimos. Conseguiríamos Qualificações, mas a estas seguir-se-iam participações tristes em fases finais: não suficientemente más para quase toda a gente querer chicotada psicológica, mas claramente aquém daquilo que somos capazes.

 

No entanto, perante o Azerbaijão ganhámos e jogámos bem. E agora estou com esperança? Afinal de contas, Fernando Santos consegue pôr a equipa a jogar. Porque não podemos jogar sempre assim (ou, vá lá, quase sempre)?

 

Vocês sabem que não sei o suficiente para opinar sobre estas matérias. Prefiro guiar-me pelo parecer de especialistas. Daquilo que tenho lido e ouvido, temos bons jogadores, mas nem sempre conseguimos encaixá-los uns com os outros. E poderá ser necessário deixar algum génio no banco. 

 

Numa discussão num vídeo de António Tadeia, por exemplo, comentou-se que o melhor onze para a Seleção neste momento será o que jogou perante o Azerbaijão, com Ronaldo no lugar de Diogo Jota. Ou seja, mandaríamos um dos melhores marcadores da Seleção no pós hiato da pandemia para o banco. 

 

E ainda temos de pensar em nomes como Renato Sanches, Pote, João Félix, que também têm de entrar nestas contas. E claro, gerir lesões e momentos de forma, adversários diferentes, etc.

 

É difícil ser-se Selecionador. Quem diria, hem?

 

_R5_1046.jpeg

 

Em todo o caso, acho legítimo darmos o benefício da dúvida a Fernando Santos. Por muitos defeitos que tenhamos a apontar-lhe no passado recente, ele continua a ser o único Selecionador que nos ganhou títulos. A parte boa de os próximos jogos serem de dificuldade média-baixa, e de estarmos isolados no primeiro grupo, é que permitirá a Fernando Santos praticar estas táticas novas. Pelo menos era o que eu faria.

 

Saio assim deste compromisso da Seleção um pouco mais animada e otimista do que estava no início dele. Uma parte de mim continua receosa de que voltemos às exibições pastosas nos próximos jogos. Mas, lá está, a esperança é a última a morrer e quem sabe? Talvez isto seja um início. Talvez seja agora que aprendamos, finalmente, a usar da melhor forma os trunfos de que dispomos.

 

Vamos ver. A Seleção reúne-se de novo daqui a algumas semanas. Ainda não sei se escreverei uma crónica pré-jogos: os adversários são o Luxemburgo e o Catar, com quem jogámos recentemente, não devo ter muito a dizer. 

 

Em todo o caso, continuarei a cobrir as aventuras e desventuras da Seleção na página de Facebook deste blogue. Deem uma espreitadela. Para já, como sempre, obrigada pela vossa visita. Voltamos a falar em breve. 

Suponho eu

240502132_859888557969518_326281057217208549_n.jpg

No próximo dia 1 de setembro, a Seleção Portuguesa de Futebol receberá a sua congénere irlandesa no Estádio do Algarve. Este jogo contará para a Qualificação para o Mundial 2022, à semelhança do jogo do dia 7, em Baku, perante o Azerbaijão. Pelo meio, no dia 4, a Seleção disputará um jogo de carácter amigável contra o Catar. 

 

Cá vamos nós outra vez, suponho eu.  

 

Fernando Santos Divulgou os Convocados para esta jornada na passada quinta-feira, dia 26 de agosto. A lista inclui uma mão cheia de novidades: alguns regressos, algumas estreias absolutas. 

 

Uma das estreias é de Diogo Costa, atual guarda-redes titular do F.C.Porto, se não estou em erro. Também do Porto, temos o médio Otávio – dizem que é dos melhores da Liga Portuguesa neste momento – naturalizado português. Pelo que publicou no seu Instagram, a Convocatória “chega como a realização de um sonho” e tenciona “retribuir o carinho de toda uma nação”.

 

Falando por mim, ele é muito bem-vindo. 

 

Por outro lado, temos o caso do Matheus Nunes. Não chegou a ser Convocado desta vez, mas Fernando Santos abriu-lhe a porta. Foi, no entanto, chamado à Seleção do Brasil. Ainda não percebi qual das seleções ele quer representar – já ouvi ambas as versões possíveis. 

 

Enfim. Espero que nem Fernando Santos nem a Federação cometam a asneira de se porem de joelhos perante ele. Deixem ser Matheus a tomar essa decisão. 

 

Eu estava feliz pela Convocatória de Gonçalo Inácio – ele merecia ter ido ao Europeu e, como tenho vindo a referir, precisamos de mais opções para centrais – pena ele ter-se lesionado. Digo o mesmo de Ricardo Pereira. Ninguém merece! Ao menos Domingos Duarte está de volta.

 

01.jpeg

 

Por outro lado, o regresso de João Mário tem causado alguma controvérsia. Não tanto porque as pessoas acham que ele não merece, mais porque esta é o primeiro compromisso da Seleção desde que ele trocou o Sporting pelo Benfica. Há quem ache que não é coincidência.

 

Não vou tentar convencer ninguém do contrário. Aliás, nesta altura, não tenho vontade de defender Fernando Santos – mais sobre isso já a seguir. Dito isto, a mim pouco importa o clube do jogador, nem se esse pesou ou não na escolha. Só me interessa se ele foi bem Convocado ou não. 

 

Eu acho que foi.

 

O problema destas discussões é que a maior parte das pessoas, como diz um amigo meu, usa lentes da cor dos respectivos clubes. Fica difícil distinguir as opiniões legítimas das enviesadas.

 

Falemos, então, sobre os nossos adversários. A República da Irlanda é um caso curioso. Ao contrário da maior parte das seleções que encontramos em fases de apuramento, só contamos quatro jogos contra eles nos últimos vinte e um anos. E mesmo assim os dois últimos jogos foram meros particulares.

 

Do de fevereiro de 2005 – uma derrota por 1-0 – não me lembro de nada. Lembro-me só de ter ficado chateada – muito mais do que ficaria hoje ou mesmo um par de anos depois. Eu tinha quinze anos, acompanhava a Seleção há pouco tempo e é possível que estivesse a passar por uma zona turbulenta da minha adolescência. 

 

02.jpeg

 

O outro jogo foi em 2014, quando já tinha este blogue. Ainda assim, recordo-me pouco dele. Foi daqueles jogos particulares antes de campeonatos de seleções, que raramente ficam na História, mesmo quando escrevo sobre eles.

 

No geral, o histórico dos nossos confrontos com os irlandeses é favorável a nós. Mesmo o passado recente deles não é brilhante. Estão na Divisão B da Liga das Nações, mas ficaram em terceiro lugar no grupo. E ainda não pontuaram nesta Qualificação. Eles perderam contra o Luxemburgo! É certo que o Luxemburgo não é o mesmo alvo fácil de há uns anos, mas mesmo assim.

 

Com tudo isto em conta, à partida, os irlandeses estarão ao nosso alcance. É claro que a prática às vezes é diferente, mas nesta altura isto já está implícito. 

 

Na verdade, aquilo que mais me interessa nos irlandeses são os seus adeptos. Sobretudo aqueles que estiveram em França, durante o Euro 2016 (e já tinham dado um ar de sua graça durante o Euro 2012). Na minha opinião, a República da Irlanda devia ser automaticamente qualificada para todos os campeonatos de seleções só por causa dos seus adeptos. Um grupo simpático, divertido, barulhento mas ordeiro, que canta para freiras, bebés, adeptos adversários (com muito mais educação que noventa e nove por cento das claques), que apanha o lixo que eles próprios fizeram. 

 

Por outras palavras, o completo oposto dos degradantes adeptos ingleses, como se viu durante o Euro 2020.

 

 

Tenho pena de não poder ir ao Algarve ver este jogo, em parte porque queria conhecer estes adeptos. Também não sei se eles virão ao Estádio – com a pandemia é tudo muito incerto. Mas espero que venham. 

 

De qualquer forma, com ou sem irlandeses, vai ser bom ver o público português de volta aos jogos da Seleção.

 

Uma historieta curiosa: eu de certa forma previ que a República da Irlanda seria nossa adversária na Qualificação. Poucas horas antes do sorteio, numa das publicações da página de Facebook deste blogue, comentei que a Irlanda seria um bom adversário precisamente por causa dos adeptos. Acabei por adivinhar o futuro…

 

Não é preciso falar sobre o Azerbaijão – fizemo-lo há pouco tempo. Devia, no entanto, dedicar alguns parágrafos ao Catar, mas não tenho muito a dizer. Será a primeira vez que os defrontamos – não existe histórico para analisar. Com base nos últimos resultados deles, parecem ser de nível médio-baixo.

 

Para ser sincera – e aposto que não sou a única – eu dispensava este particular. É o jogo do meio numa jornada tripla com duração de uma semana, obriga a deslocações chatas. Mas pronto, é um caso semelhante ao da França durante a Qualificação para o Euro 2016: o anfitrião é sorteado para um dos grupos e disputa amigáveis com cada uma das equipas. 

 

Bem, sempre dará para fazer experiências. Ao menos não teremos mesmo de ir até ao Catar. Apenas até Debrecen, na Hungria. Aposto que já tinham saudades dos húngaros homofóbicos…

 

03.jpeg

 

Não estou com grande entusiasmo para estes jogos da Seleção. A amargura com a nossa participação no Europeu ainda não passou. Além disso, é desconfortável torcer pela Turma das Quinas quando já não confio no Selecionador. Pelo menos não como antes do Europeu.

 

Não que não acredite na Equipa de Todos Nós para estes jogos de Apuramento. Os desempenhos da Seleção têm deixado a desejar mas, tal como já tinha escrito antes, penso que serão suficientes para nos Qualificarmos – mesmo não praticando um futebol muito bonito ou entusiasmante. As minhas dúvidas dizem respeito ao que acontecerá depois – quando enfrentarmos adversários como aqueles que não conseguimos vencer no Europeu. 

 

Bem, também não adianta pôr a carroça à frente dos bois. Só chegaremos a essa fase no próximo ano. Pode ser que recupere o meu entusiasmo até lá – se a Qualificação de facto correr bem, sem (mais) percalços desnecessários e se tiver a oportunidade de ir a um jogo. Vou fazer por me recordar do compromisso de há um ano atrás, quando andava felicíssima por ter a Turma das Quinas de volta depois de meses de pausa.

 

O mais importante, de facto, é continuarmos a ter a Seleção, é estarmos todos juntos, é termos o Estádio do Algarve esgotado. É termos este escape nestes tempos tão conturbados. É ganharmos os próximos jogos da Qualificação. Lidaremos com o resto depois. 

 

Obrigada pela vossa visita, como sempre. Acompanhem este compromisso triplo aqui no blogue e na sua página de Facebook

Taquicárdia e amargura

03.png

No passado dia 23 de junho, a Seleção Portuguesa de Futebol empatou a duas bolas com a sua congénere francesa, em jogo a contar para a fase de grupos do Euro 2020. Com este resultado, em combinação com o empate entre a Alemanha e a Hungria, a Seleção Nacional apurou-se para os oitavos-de-final como uma das melhores terceiras classificadas da prova. Nos oitavos-de-final, no entanto, defrontou a sua congénere belga e perdeu por uma bola a zero, tendo sido eliminada do Euro 2020. 

 

A grande desvantagem do sistema de adotei neste Europeu, de não me obrigar a escrever um texto por jogo aqui no blogue, é que as coisas mudam muito depressa – de uma maneira que não acontece tanto com jogos de Qualificação. O nosso estado de espírito no fim do jogo com a França é totalmente diferente do do final do jogo com a Bélgica. 

 

Além de que o primeiro jogo foi muito mais interessante que o segundo. Como tal, este texto está muito desequilibrado. Gasto muitos mais parágrafos analisando o jogo com a França do que o jogo com a Bélgica – passo mais tempo discutindo as consequências desse segundo encontro. Peço desde já desculpa se parecer esquisito, mas a última jornada da fase de grupos foi demasiado emocionante e caricata para não escrever sobre ela. 

 

Todos sabíamos que o jogo com a França seria difícil. Tentámos preparar-nos para isso, partilhámos memes com terços e calculadoras, embora soubéssemos que, tecnicamente, para passarmos aos oitavos-de-final, bastava-nos perder por menos de três golos de diferença com a França. 

 

Isto se a Alemanha não perdesse com a Hungria mas… era a Alemanha e era a Hungria. Tínhamos acabado de levar uma tareia dos alemães e somos os atuais Campeões Europeus (não por muito mais tempo…). Os húngaros nunca seriam capazes de fazer mossa aos alemães, certo?

 

...certo?

 

04.png

 

Algo que acho que nunca referi aqui no blogue: nas últimas jornadas de fases de grupos como estas, em que os dois jogos decorrem ao mesmo tempo para evitar combinações de resultados, gosto de imaginar as quatro equipas no mesmo campo, jogando umas contra as outras. Acaba por ser mais ou menos isso que acontece – pelo menos em grupos como o nosso, com a classificação ainda em aberto.

 

Agora que penso nisso, no entanto, a regra dos melhores terceiros estraga um pouco esse esquema. Para verdadeiramente evitar combinações de resultados, literalmente todas as equipas teriam de jogar ao mesmo tempo – o que não é possível, claro.

 

Outro dos motivos pelos quais imagino o campo único para quatro equipas é porque, por muito que alguns de nós o neguem, os dois jogos acabam por ser influenciados um pelo outro, nem que seja um bocadinho. Fernando Santos pode dizer que tentou impedir que dissessem aos jogadores o que se estava a passar em Munique, mas os múltiplos adeptos húngaros nas bancadas não receberam o recado. No caso do grupo F, aliás, a coisa foi tão disputada que Portugal passou pelas quatro posições da tabela nos noventa minutos de duração dos jogos (sinto que há potencial para uma piada brejeira aqui, mas está aquém das minhas capacidades).

 

Na minha opinião, a França esteve por cima no início do jogo, ainda que Portugal se tenha apresentado mais consistente que perante a Alemanha. Um breve destaque para Renato Sanches e João Moutinho, o músculo e o cérebro do meio-campo, respetivamente, pelo menos neste jogo. 

 

Os nervos apertaram-se logo aos onze minutos, quando a Hungria marcou à Alemanha. Lá se ia a conversa dos dias anteriores, de perdemos por menos de três golos. Além de que, se a vantagem húngara se mantivesse, os nossos amigos alemães estavam fora do Europeu.

 

É um alívio saber que não fomos a única equipa dita “grande” que esteve perto de sair de um Europeu frente à Hungria. Tirando a parte da homofobia, respeito aos húngaros pela maneira como se bateram neste grupo, conseguindo empates com os dois últimos Campeões do Mundo!

 

05.png

 

E tendo em conta que os três sobreviventes do Grupo da Morte não se mantiveram no Europeu durante muito tempo, mais valia que um de nós os três tivesse ido para casa mais cedo (não nós, claro!) e os húngaros tivessem ido aos oitavos.

 

Regressando ao jogo com a França, agora os portugueses estavam mais pressionados, mas acabaram por ser os primeiros a chegar à vantagem. Fiquei com alguns sentimentos de culpa quando Danilo levou um soco acidental de Hugo Lloris. Horas antes do jogo estive a conversar com amigos sobre o Europeu e criticámos a prestação do Danilo nos jogos anteriores. 

 

Teria o Universo ouvido as nossas críticas e decidido castigar o Marmanjo? Não era preciso tanto…

 

Naturalmente, Cristiano Ronaldo foi chamado a converter o penálti e não falhou. Achei piada ao João Palhinha. Este começara a aquecer, depois do que acontecera ao Danilo, mas depois do golo interrompeu o aquecimento para ir abraçar o Cristiano. 

 

À semelhança do que já acontecera no jogo com a Alemanha, soube bem estarmos a ganhar à França e em primeiro no grupo, mesmo que não tenha durado. Também me pareceu que Portugal jogou melhor depois do penálti convertido.

 

Infelizmente os franceses também tiveram o seu penálti. À semelhança de muita gente, não acho que seja legítimo – só de uma forma muito exagerada. O Mbappé não reparou no Nélson Semedo atrás de si, chocou contra ele e atirou-se ao chão. Na altura, a quente, eu disse que era a UEFA levando a França ao colo, como é tradição. Mais a frio, admito que o lance não é preto no branco, mas continuo a achar que não é penálti. 

 

06.png

 

Por outro lado, alegadamente este árbitro terá sido excluído do resto do Europeu por causa deste erro. A mim quer-me parecer que fizeram dele um bode expiatório. Afinal de contas, o VAR não contrariou a decisão do árbitro: o erro não foi só dele!

 

Em relação ao penálti em si, destaque para o Pepe tentando dizer ao Rui Patrício para que lado o Benzema rematava. Patrício ou não o viu ou não ligou. Bolas, Rui…

 

Golos sofridos imediatamente antes do intervalo costumam ser mau sinal e este jogo não foi exceção. Sofremos o segundo golo logo nos primeiros minutos (como disseram no Twitter, agora é que o VAR funcionava…). E como a Alemanha continuava a perder, com aqueles resultados íamos para casa naquela noite.

 

O que para mim seria inglório, mesmo humilhante. Sermos expulsos de um Europeu na fase de grupos pela primeira vez. Enquanto detentores do título. Perante a equipa a quem conquistámos esse título

 

Não. Não podia acabar assim. É certo que não duraria muito mais de qualquer forma, mas sempre foi um bocadinho menos mau.

 

Felizmente não ficámos muito tempo em desvantagem. Outro penálti a nosso favor, outra conversão para Cristiano Ronaldo. 

 

07.png

 

Não sei como foi com vocês, mas para mim esta foi a altura em que as emoções ameaçaram levar a melhor sobre mim. Já tinha bebido cidra ao jantar, durante o intervalo, agora tive de beber mais uns goles para ajudar com os nervos. A minha mãe queixou-se que estava com taquicárdia. 

 

Devia usar-se esse nome em vez de Grupo da Morte. Grupo da Taquicárdia! Grupo do Nitromint!

 

Houve alguém que, nessa noite, escreveu nas redes sociais que o Europeu podia ser só o grupo F em loop. Essa pessoa claramente não era adepta de nenhuma das quatro seleções. 

 

Hoje, no entanto, que já estamos fora do Europeu, dava tudo para sofrer assim outra vez. Para ir das lágrimas à euforia e vice-versa, como aquele célebre adepto suíço. Mais sobre isso daqui a pouco.

 

Aparentemente, os Marmanjos também se deixaram enervar nesta altura e perderam um pouco o controlo da situação. Sem consequências de maior, felizmente. Foi nessa altura que Rui Patrício fez aquela espetacular defesa dupla, bloqueando um remate do Pogba e outro de Griezmann. Eu levei as mãos à cabeça, a minha irmã gritou mesmo: “PATRÍCIO!! PATRÍCIO!!” (Não se costumava gritar “RUI!!!”?). A minha rua festejou a defesa como se tivesse sido um golo. 

 

Estou como toda a gente: façam-lhe outra estátua! Somos tão abençoados por ele jogar por nós…

 

 

Quem também teve o seu momento foi João Palhinha. Não me canso de ver esta jogada: a maneira como ele se baixa, se levanta e se baixa de novo para fintar os franceses, culminando com o túnel ao Pogba. Que classe!

 

Entretanto, em Munique, a Alemanha conseguira empatar com a Hungria aos 66 minutos, mas os húngaros adiantaram-se de novo dois minutos depois. Só aos 84 minutos é que os alemães conseguiram empatar de novo e garantir a permanência na prova.

 

Entretanto, em Budapeste, a partir de certa altura os portugueses e os franceses entraram como que em cessar-fogo. Ambas as equipas estavam satisfeitas com o resultado e pareceram não estar muito para se chatear – momento engraçado com Fernando Santos gritando com os jogadores para eles irem para a frente. Chegou mesmo a haver um alegado penálti não assinalado a favor da França (mais legítimo que o que foi assinalado, na minha opinião), mas nesta fase do jogo já ninguém queria saber. 

 

Não foi um mau jogo, tendo em conta o adversário. Foi definitivamente melhor que o jogo com a Alemanha – ao menos a derrota não foi desperdiçada. No entanto, sabendo hoje o que aconteceu depois da fase de grupos, uma pessoa pergunta-se se foi um feito assim tão notável.

 

Não tenho muito a dizer sobre o jogo com a Bélgica, para ser sincera. A primeira parte foi muito contida, ambas as equipas com muito respeitinho uma pela outra, um jogo muito tático e… enfadonho. Fez-me lembrar o jogo com a Croácia no Euro 2016. Portugal esteve ligeiramente por cima, com algumas oportunidades. Os belgas, no entanto, marcariam em cima do intervalo, no único remate enquadrado que tiveram. 

 

08.png

 

Naturalmente, Portugal passou a segunda parte toda a correr atrás do resultado. As oportunidades choveram: de Diogo Jota, de João Félix, de Cristiano Ronaldo. Tivemos inclusivamente uma bola ao poste, claro que tivemos, cortesia de Raphael Guerreiro. Nada foi suficiente para anular a desvantagem e, no fim, fomos enviados para casa.

 

E foi isto o nosso Europeu. Uma vitória perante a Hungria, um empate perante a França e duas derrotas, perante a Alemanha e a Bélgica. Um bocadinho melhor que no Mundial 2018, mas não por muito. À semelhança do que aconteceu há três anos, tudo o que temos para recordar é um ou outro momento bonito, uns quantos recordes do Ronaldo e mais nada. 

 

Acho que se pode considerar mesmo o nosso pior desempenho em fases finais de Europeus. É certo que, antes de 2016, não havia oitavos-de-final, passávamos diretamente dos grupos aos quartos. Mas, como assinalaram no Twitter, foi o primeiro Euro em que a equipa que nos eliminou não chegou à final. 

 

Isto enquanto detentores do título (não por muito mais tempo, claro…). 

 

Foi uma semana algo triste, a última – aqueles dias de regressar à realidade após uma derrota como esta, de lavar os cachecóis e as bandeiras, em que a comunicação social se volta de novo para os clubes. Falando por mim, estava à espera de mais, queria mais. Queria continuar em modo Seleção, queria ter estado mais tempo no Europeu. Mesmo que não conseguíssemos chegar à final outra vez, mesmo que caíssemos nas meias ou mesmo nos quartos. Isto soube a pouco. Outra vez.

 

Por estes dias, tenho visto dois tipos de reações a esta eliminação. De um lado, temos gente defendendo a Seleção e Fernando Santos, dizendo que Portugal fez tudo para ganhar, faltou-nos a sorte, os belgas não fizeram nada para merecer a vitória. Do outro lado, temos gente que pede a demissão de Fernando Santos para ontem. 

 

09.png

 

Eu estou algures no meio deste espectro, mas muito inclinada para o segundo grupo. O argumento do “mérito” da vitória já está ultrapassado há muito. Em parte porque já estivemos do outro lado, a equipa que “não merecia ganhar”. A Bélgica não é o tubarão que todos parecem achar que é e nem sequer aguentou muito tempo no Europeu depois de nós. No entanto, com um remate enquadrado conseguiram marcar um golo, enquanto nós precisámos de quatro remates enquadrados e uns tantos desenquadrados para marcarmos zero. 

 

E os burros são eles, como diria Luiz Felipe Scolari? (Acho que não é a primeira vez que parafraseio Scolari para fazer este argumento…)

 

Eu (ainda) não vou ao ponto de pôr os patins em Fernando Santos, mas compreendo aqueles que o querem. Muitas pessoas já andavam descontentes com o Selecionador há algum tempo. O desempenho neste Europeu foi a gota de água. Pessoalmente não sei se esta é a melhor altura para trocar de Selecionador, com uma fase de Qualificação já a decorrer e o Mundial já no próximo ano. E há sempre aquele argumento do o-treinador-é-a-vítima-mais-fácil.

 

É capaz de ser verdade mas, no que toca à Seleção, das últimas duas vezes que trocámos de técnico, as coisas começaram a correr bem de novo relativamente depressa depois da estreia do novo treinador. Interpretem-no como quiserem. 

 

Confesso, no entanto, que o principal motivo pelo qual não quero que Fernando Santos se vá embora é irracional. Ainda estou grata por Paris e pelo Porto. Mas para ser sincera, a minha boa vontade está a esgotar-se. Vocês sabem que estou longe de ser uma autoridade na matéria, mas a opinião que mais tenho encontrado é que Fernando Santos não sabe como usar o talento de que dispõe. Ainda joga como se fosse 2016, o que já não é adequado à realidade atual.

 

E a pior parte é que Fernando Santos parece não achar que está a fazer nada de errado. 

 

10.png

 

Existem atenuantes para Fernando Santos. Mal por mal, tirando a Hungria (e mesmo assim), apanhámos equipas grandes no nosso percurso. Houve um progresso evidente nos últimos dois jogos –  aquela derrota com a Alemanha é que terá sido fatal. A França e a Alemanha acabaram por vir parar ao mesmo barco afundado. 

 

Muita gente a dizer que Portugal só ganhou três jogos no tempo regulamentar em Europeus e Mundiais com Fernando Santos, mas eu não desvalorizo a Liga das Nações: ganhámos vários jogos na primeira edição da prova perante boas equipas e atrevo-me a dizer que jogámos bem com a Itália, a Polónia e a Holanda. A segunda edição não nos correu tão bem, mas sempre ganhámos duas vezes à Suécia e à Croácia (com boas exibições, tirando o último jogo do grupo) e tivemos um bom empate com a França. Pode não ter tanto prestígio como o Euro ou o Mundial, mas também conta.

 

Por outro lado, o argumento morde a sua própria cauda. Porque é que não jogámos assim neste Europeu?

 

De qualquer forma, não me quero focar muito nessas atenuantes, porque permitem que Fernando Santos lave as mãos da sua parte da culpa. Não me admirava se ele dissesse, com todas as letras:

 

– Estão a ver? A França, Campeã do Mundo e Vice-Campeã da Europa, também falhou os quartos-de-final! O problema não sou eu!

 

A comunicação dele, aliás, já irrita. Na Conferência de Imprensa insistiu no seu velho chavão de que “nenhuma equipa pode dizer neste momento que é melhor que Portugal” – grande consolo! Disse que os jogadores estavam a chorar no balneário (um abraço para eles) mas falou em “olhar em frente e ir ganhar o Campeonato do Mundo” – o que é de mau gosto, sinceramente.

 

image.png

 

Não sou a única que faz uma careta quando pensa num Mundial 2022 igual a este Europeu, pois não?

 

Quem abordou bem o assunto foi António Tadeia, no outro dia: “Fernando Santos sugerir que vamos ganhar o Mundial 2022 é tão válido como eu dizer que no ano que vem vou bater o recorde do Mundo dos dez mil metros. Enquanto eu não explicar como é que tenciono fazê-lo, com que plano de treinos, de nutrição, com que estratégia de corrida, com quem a fazer de lebre e em que dia e condições, tudo o que eu diga serve zero.” 

 

É a mesma questão de que falei no texto anterior. Como numa história infantil, acreditar com força e esperar que o destino resolva tudo por nós – quando falo em destino, falo do Cristiano Ronaldo, claro. Mensagens bonitas de esperança e crença têm a sua utilidade, são boas para as redes sociais, para as campanhas publicitárias, mesmo para este blogue, mas não chegam. Não ganham campeonatos, nem sequer ganham jogos.

 

Mesmo quando escrevi este texto (um dos que mais me orgulho neste estaminé) sobre acreditar de novo passados tantos anos, não deixei de referir que, se falhássemos, iria custar – quando se sonha alto pela primeira vez em muito tempo, se caímos, a queda dói mais.

 

Não tenciono voltar as costas à Seleção. Se não voltei em circunstâncias piores, não o farei agora. Estarei sempre disponível para, como escreve Tadeia, “empunhar o cachecol e a bandeira e urrar por Portugal sempre que há jogo”. Mas não quero que me tomem como garantida. Não quero estar sempre a passar por isto. Ou Fernando Santos aprende a usar os trunfos que tem ou dá o lugar a quem saiba usá-los. 

 

Espero que a Federação não cometa os mesmos erros que cometeu com Carlos Queiroz e Paulo Bento. Insistiram num selecionador cujo tempo já claramente terminara, só dando a chicotada quando a Seleção perdeu pontos sem necessidade na Qualificação. Uma vez mais, não digo que tenhamos chegado a essa fase com Fernando Santos, mas, se ele tiver de sair, que saia na altura certa. 

 

11.png

 

Não vou mentir: será triste quando isso acontecer. Mas também é uma das leis da vida: nada dura para sempre. Também me entristece saber que este poderá ter sido o último Europeu de Pepe e Cristiano Ronaldo. A ver se eles, ao menos, ainda aguentam até ao Mundial.

 

E é tudo, por agora. Como o costume, obrigada a todos os que acompanharam comigo esta participação no Europeu, por curta que tenha sido. Em setembro haverá mais. 



Não é tradição, é sina!

202981304_4411474148892111_8609621531127884260_n.j

No passado dia 15 de junho, a Seleção Portuguesa de Futebol estreou-se no Euro 2020 com uma vitória por três bolas sem resposta perante a sua congénere húngara. No dia 19 de junho, no entanto, a Seleção Nacional perdeu perante a sua congénere alemã por quatro bolas contra duas. Com estes resultados, Portugal encontra-se em terceiro lugar na classificação do grupo F, com três pontos, ainda sem saber se segue ou não para os oitavos-de-final da prova.

 

Como rezava a música, “continhas até ao fim não é tradição, é sina.” Num grupo destes sabíamos que era uma possibilidade, mas isso não significa que seja agradável. 

 

Já aí vamos. Comecemos por falar dos jogos em si.

 

A tarde do dia da partida com a Hungria foi complicada no meu emprego. Estive ocupada até ao último minuto, de tal maneira que não tive tempo sequer de ver o onze inicial – muito menos de partilhá-lo na página.

 

Captura de ecrã 2021-06-21, às 22.47.39.png

 

Felizmente, depois de terminar tudo, não demorei muito a chegar ao meu carro e a ligar o rádio. Só devo ter perdido os primeiros cinco ou dez minutos. Nesta altura, já tinha visto nas redes sociais que o Diogo Jota desperdiçara uma de caras. Como disseram algures, há alturas em que a melhor opção é mesmo passar ao Ronaldo.

 

Jota ao menos aprendeu a lição, como veríamos no jogo seguinte. 

 

Por outro lado, o próprio Cristiano Ronaldo falharia uma oportunidade flagrante mais tarde no jogo. Ninguém está imune a estas coisas – parecendo que não, são humanos como nós. 

 

Na primeira parte, o jogo teve essencialmente um único sentido. A minha irmã bem o dizia: os húngaros não eram capazes de partir para o ataque. Infelizmente, isso obrigou-os a ficarem mais retidos à defesa. Muitos usaram o termo “acantonados” ou “acampados”. Tornou-se ainda mais difícil para os portugueses chegarem ao golo. Não cumpri o meu desejo de festejar um golo com buzinadelas.

 

Se na primeira parte Portugal esteve claramente por cima, na segunda sempre foi assim. Houveram alturas em que a Hungria cresceu e Portugal esteve perto de perder o controlo da situação. Veja-se o golo anulado por fora-de-jogo – em que, ainda por cima, Rui Patrício não ficou muito bem na fotografia. 

 

À medida que o tempo ia passando e o golo não surgia, os nervos aumentavam. Eu sabia que seria assim, referi-o na crónica anterior, mas isso não me impediu de sofrer. Como é que uma pessoa se prepara para jogos destes?

 

img_920x518$2021_06_15_19_18_50_1863874.jpeg

 

Concordo com a opinião popular que defende que Fernando Santos devia ter mexido mais cedo. Podíamos ter ganho por mais com Rafa e Renato Sanches mais tempo em campo – até porque Rafa precisou de alguns minutos até entrar nos eixos. Mas mais vale tarde do que nunca, suponho eu. 

 

Finalmente o marcador mexeu, aos oitenta e quatro minutos. Rafa assistiu para Raphael Guerreiro, que arranjou um corredor no meio de uma data de húngaros. O Raphael não tem jogado grande coisa nestes últimos dois jogos – com grande pena minha, pois gosto dele – mas ao menos conseguiu ser o primeiro português a marcar neste Europeu.

 

O resultado não se manteve inalterado durante muito tempo depois desta. A jogada começou com o Renato abrindo caminho por entre a muralha húngara. Passou a bola ao Rafa, que conseguiu um penálti. Ronaldo, claro, não desperdiçou.

 

Por fim, já em tempo de compensação, deu-se a jogada que ficou nas bocas do mundo: trinta e três passes seguidos, terminando com a assistência de Rafa para o segundo golo de Ronaldo na partida. De início pensei que ele estava em fora-de-jogo, mas em câmara lenta dá para ver que Ronaldo está em linha no momento do passe.

 

Este foi um jogo que deixou a desejar em vários aspetos – e alguns deles voltariam para nos tramar no jogo seguinte – mas, mal por mal, foi a nossa melhor estreia em campeonatos de seleções desde 2008. E tendo em conta o que aconteceu mais tarde, estes três pontinhos iniciais são preciosos.

 

201283481_3362003593901982_6761737517285364702_n.j

 

Antes do jogo com a Alemanha, até estava otimista q.b., sobretudo depois de saber do empate entre a França e a Hungria. Agora em retrospetiva, não sei se esse resultado nos trouxe alguma vantagem para além de um sorriso presunçoso. Mas na altura, de uma maneira estranha, deu-me alguma esperança.

 

Esperança que, apesar de tudo, ainda durou um bocadinho. Talvez demasiado. Ficámos numa situação parecida à da Hungria na primeira parte do nosso primeiro jogo: completamente dominados pelos alemães, só que defendendo pior. Como disse antes, Raphael Guerreiro já viu melhores dias mas, como veremos adiante, as maiores falhas estavam à direita. 

 

Antes, uma das coisas que prolongou a minha relativa ilusão foi o golo português, contra a corrente do jogo. Todos concordam que foi uma jogada lindíssima: a arrancada de Bernardo Silva, o sprint de Cristiano Ronaldo, Diogo Jota desta vez tomando a decisão correta e passando ao Capitão.

 

Este golo foi uma das poucas coisas boas da tarde. Independentemente de tudo o que aconteceu antes ou depois, era a primeira vez desde 2008 que marcamos à Alemanha. Era mais um golo marcado por Ronaldo – que fica agora a dois da marca de Ali Daei –  mais uma data de recordes quebrados e um argumento contra aqueles que dizem que Ronaldo “só marca a seleções pequenas”.

 

Ora, a Alemanha não acusou o golo. Continuou na sua e finalmente, pouco após a meia hora de jogo, conseguiu marcar dois golos em poucos minutos. Mais tarde, ainda no início da segunda parte, os alemães marcaram o terceiro. Dez minutos depois, mais coisa menos coisa, marcaram o quarto.

 

Falo dos quatro golos alemães de uma assentada porque estes têm todos o mesmo ADN. Durante o jogo, aquando do terceiro golo, eu barafustava para quem me quisesse ouvir:

 

– Mas quem é que deixou aquele gajo sozinho? Quem é que deixou aquele gajo sozinho?

 

transferir.jpeg

 

“Aquele gajo” era Robin Gosens. E a verdade é que, vendo agora imagens dos golos alemães, todos eles metem Gosens completamente à vontade à direita. Chega a ser caricato. Pouco importa que os dois primeiros golos tenham vindo de portugueses na baliza errada. Isto foi praticamente o mesmo golo em repetição.

 

Portugal até melhorou mais tarde, quando Fernando Santos meteu João Moutinho – mas também quando a Alemanha tirou o pé do acelerador. Conseguimos até marcar mais um golo na sequência de um livre – com Ronaldo fazendo uma assistência acrobática para a finalização de Diogo Jota.

 

Não evitou a derrota, mas poderá ser importante nas contas dos melhores terceiros.

 

Ainda houve tempo para Renato Sanches – que está em ótima forma – dar um tiro à barra. Infelizmente, o resultado desfavorável manteve-se. 

 

Não foi uma tragédia como o que aconteceu em 2014 e, por princípio, não é vergonha nenhuma perder contra a Alemanha. Mas todos concordam que podíamos ter feito mais. Não sou a melhor pessoa para avaliar o que falhou, mas até eu reparei que, em ambos os jogos, as coisas corriam melhor depois de Fernando Santos mexer no meio-campo. 

 

Além disso… cinco faltas contra quinze da Alemanha? Não é normal!

 

202823982_344261237060423_2615459714742560433_n.jp

 

Pouco depois do fim do jogo, os Marmanjos vieram para as redes sociais pedindo-nos para acreditarmos “tanto quanto eles”. Mesmo os comentadores da TVI durante o jogo iam mantendo um tom irritantemente otimista, sem noção (piores do que eu...). Chegaram a dizer coisas como:

 

– Aquilo que nos aconteceu hoje pode acontecer à França na quarta-feira.

 

Pois. Eu também posso ganhar o Prémio Nobel da Literatura este ano.

 

Não é que não acredite, porque acredito. Não seria a primeira vez – e em princípio não será a última – que a Seleção dava a volta a circunstâncias tão desfavoráveis como esta. Diz que é possível seguirmos em frente mesmo perdendo contra os franceses – e a vantagem de este ser o grupo F é o facto de sermos os últimos a jogar. Entraremos em campo conhecendo os mínimos olímpicos para seguirmos para os oitavos-de-final. À hora desta publicação, “basta-nos” perder por dois golos de diferença. 

 

Ao que chegámos… Peço desculpa, mas isto chega a ser patético. Nunca gostei de pegar na calculadora, apesar de, como disse antes, ser a nossa sina. Mas ao menos antes só tínhamos de incluir equipas do nosso grupo na equação. Na minha opinião, o critério dos “melhores terceiros” estraga um pouco a fase de grupos.

 

Enfim, é o que temos. Mal por mal, ao menos sempre é mais digno ficarmos em terceiro num grupo com a Alemanha e a França do que num grupo com a Islândia e a Áustria. 

 

202704719_4411474505558742_5418959177013758316_n.j

 

Mas dizia eu que o problema não é não acreditar. Eu acredito e acho que a maior parte de nós acredita. O problema é que acreditar não basta. É preciso aprender com os erros, fazer melhor em campo, jogar melhor – seja individualmente, seja coletivamente, seja o que quer que seja. Não sei o suficiente para apontar dedos, mas sei que temos capacidade para mais do que isto. Somos Campeões Europeus e temos grandes jogadores do nosso lado. Somos melhores do que isto!

 

Quando estivemos numa situação parecida com esta há cinco anos, escrevi que, se tudo corresse bem e nos tornássemos Campeões Europeus, ninguém se ralaria com o facto de nos termos apurado em terceiro no grupo. Não foi bem assim – pelo contrário, foi aqui que nasceu o “de empate em empate” (a parte mais engraçada desta história é que, antes do Euro 2016, Portugal não tinha empatado uma única vez sob a alçada de Fernando Santos). Mas o final dessa história continua a ser aquilo que mais interessa.

 

Da mesma forma, hoje sinto-me desiludida, mas isso passará se seguirmos em frente no Europeu. Mais: quanto mais aprendermos com o que aconteceu no jogo de sábado, mais longe iremos na prova. Aí acreditarei em Fernando Santos quando diz que, se apanharmos a Alemanha na final, ganhamos nós. 

 

Mas não conto com esse ponto até ele nascer. Ainda temos os franceses no nosso caminho, com quem nunca é fácil lidar, nem mesmo nas melhores circunstâncias. Agora vieram de um escandaloso empate perante a Hungria e vão encontrar a seleção que lhes tirou o Europeu que eles mesmos organizaram. 

 

São meninos para nos darem uma goleada só mesmo para garantir que vamos para casa mais cedo. Nem quero imaginar a humilhação…

 

Eu acredito no empate pelo menos – e já será suficientemente difícil. Se há algo de que tenho a certeza hoje é que ninguém na Seleção quer ficar pela fase de grupos. Nunca aconteceu connosco num Euro, era no mínimo indigno acontecer agora. Falta é passar dos desejos à ação. 

 

203169373_4411474742225385_4036684776334417535_n.j

 

Venham de lá os franceses. Uma vez mais, vemo-nos do outro lado.

Antes da nossa estreia no Euro 2020

01.png

No passado dia 4 de junho, a Seleção Portuguesa de Futebol empatou sem golos com a sua congénere espanhola. Mais tarde, no dia 9, venceu a sua congénere israelita por quatro bolas sem resposta. Ambos os jogos foram de carácter particular. Agora, estamos em contagem decrescente para a nossa estreia no Euro 2020, perante a Hungria, em Budapeste. 

 

Antes de começarmos, não posso deixar de falar sobre o que aconteceu no jogo entre a Dinamarca e a Finlândia. Eu, como muita gente, apanhei um susto, apesar de não saber nada sobre Christian Eriksen – e à semelhança de muitos amantes portugueses de futebol, tive recordações horríveis do que aconteceu com Miklos Feher em 2004. 

 

Felizmente, evitou-se a tragédia e o mundo do futebol respirou de alívio. Já muitas pessoas elogiaram os intervenientes (os colegas de equipa, os adversários, os médicos, os adeptos gritando por Eriksen no estádio). Eu assino por baixo de todas. É muito triste que isto tenha acontecido no Europeu que já tinha sido adiado por motivos de saúde, num dos poucos jogos com público esta época. Mas o mais importante é que Christian sobreviveu. A história teve um final feliz.

 

Passemos à frente.

 

Este é apenas o meu segundo texto aqui no blogue desde que entrámos em modo Europeu. Eu tinha avisado que seria assim, mas ainda é estranho. Nestes últimos dias às vezes penso em Europeus e Mundiais anteriores. Escrevia muito mais aqui, andava mesmo mais entusiasmada do que me sinto hoje.

 

A verdade é que estou mais velha e menos disponível para andar sempre a pensar na Seleção. Além disso, já são treze anos de blogue, muitos jogos, muitos campeonatos, parte da novidade perdeu-se – pelo menos no que toca aos estágios de preparação.  Os jogadores dão quase sempre as mesmas respostas politicamente corretas nos contactos com os jornalistas e os jogos particulares têm pouco valor preditivo do que acontece quando é a doer – mais sobre isso já a seguir.

 

 

Também não tenho muito a dizer sobre as campanhas publicitárias: não são más, mas nenhuma é absolutamente extraordinária. Gosto do facto de a do Continente não se limitar à Seleção A e estou a fazer a coleção de cromos deles. A da Galp também está gira – eles nunca desiludem. 

 

Quanto à música de apoio, Vamos Com Tudo… aprecio a intenção e não desgosto. No entanto, como cheguei a explicar na página de Facebook (a publicação já lá não está porque houve cometi a asneira de reativar a versão antiga das páginas e perdi os últimos três meses de publicações, mais coisa menos coisa. Ao menos ainda tenho este tweet), nesta fase a FPF tem de tirar a cabeça da areia e fazer d’A Minha Casinha a música oficial da Seleção. 

 

Falemos então dos particulares, começando pelo primeiro. O jogo com a Espanha não foi brilhante da parte de Portugal. Vejam-se as estatísticas ao intervalo: setenta por cento de posse de bola para nuestros hermanos. Ainda assim, como disse Fernando Santos mais tarde, os espanhóis não fizeram nada de transcendente. Rui Patrício teve poucas ocasiões para brilhar, ao contrário do que tinha acontecido no jogo anterior com a Espanha, em outubro do ano passado.

 

Por outro lado, foi bom ver Pepe de novo a jogar pela Seleção, passados estes meses todos. Já tinha saudades dele. Ao mesmo tempo, José Fonte esteve bem, tirando uma falha ou outra. Chegou mesmo a enfiar a bola na baliza aos vinte e dois minutos – o único em todo o jogo a conseguir fazê-lo. O problema foi ter-se empoleirado em Pau Torres para chegar à bola – árbitro nenhum deixaria passar.

 

Pena Fonte não ter conseguido marcar de maneira legal. Teria piada: outro golo contra a corrente do jogo, cerca de 24 horas depois das meias-finais dos sub-21. 

 

1024.jpeg

 

Já que falamos de centrais, adiantemo-nos um bocadinho e falemos de Danilo. Fernando Santos colocou-o a central na segunda parte e acho que todos concordam que ele se saiu bem. Podemos não concordar com esta opção de Fernando Santos, mas ao menos a qualidade de Danilo não será um problema. 

 

Quem gostei muito de ver neste jogo (e não fui a única) foi Renato Sanches. Tirando umas faltas parvas que ele cometeu na primeira parte, terá sido um dos melhores portugueses em campo – com umas arrancadas fazendo lembrar o Euro 2016. Num dos contactos com os jornalistas, Renato disse que se sente melhor jogador hoje do que há cinco anos. Preciso de vê-lo mais vezes em campo para confirmá-lo, mas parece-me que está pelo menos ao mesmo nível.

 

Não há muito mais a dizer sobre este jogo. Como disse antes, Portugal não começou bem, mas foi crescendo ao longo dos primeiros quarenta e cinco minutos. A segunda parte foi mais aberta, mais individualista – os lançados Pedro Gonçalves e Nuno Mendes deram uns ares de sua graça – mas mesmo assim nada por aí além. Apesar da ligeira superioridade espanhola, o empate acabou por ser um resultado justo. 

 

Muitos de nós estavam à espera de um bocadinho mais, eu incluída, mas um empate com uma das nossas maiores bestas negras – só lhes ganhámos uma vez em jogos oficiais e, mesmo em jogos particulares, a última vitória foi há mais de dez anos – nunca é um mau resultado. 

 

Além disso, da minha experiência, os primeiros particulares da preparação para um Europeu ou Mundial nunca são brilhantes e nunca ficam na História. Por exemplo, quantos de nós se lembram que antes do Mundial 2018, há três anos, empatámos com a Tunísia? Eu não me lembrava! 

 

Nessa linha, os últimos particulares não são necessariamente mais memoráveis mas, nos últimos anos, a tradição tem sido escolher um adversário mais acessível para garantir uma vitória fácil, mesmo generosa. Para dar moral e quebrar alguns enguiços (não é, Cristiano?). Antes do jogo, não incluía Israel nesse grupo, estava até à espera de um jogo um pouco mais difícil, mas é provável que tenha sido essa a intenção. 

 

naom_60c13dfc067b6.jpeg

 

Suponho que ainda estava com os nossos jogos de 2013 na mente. Esqueci-me que, hoje, Portugal é melhor equipa. 

 

Os portugueses entraram bem no jogo, com uma oportunidade logo aos dois minutos – eu ainda mal me aperceber que o jogo tinha começado. Como disse Fernando Santos, “podíamos ter feito dois ou três golos nos primeiros vinte e cinco minutos”. O problema era a finalização – Diogo Jota, por exemplo, não estava inspirado.

 

Por estes dias, tem havido quem fale em alinhar André Silva ao lado de Cristiano Ronaldo: o segundo melhor marcador do campeonato alemão ao lado do melhor marcador do campeonato italiano. Compreendo que critiquem Fernando Santos por, ao que parece, não investir nessa opção. Até concordo em parte – afinal de contas, essa dupla deu bons resultados entre 2016 e 2018, mais coisa menos coisa.

 

Dito isto, também compreendo que Fernando Santos não queira ir por aí, para já. André Silva teve um par de épocas menos conseguidas e acabou por perder lugar na Seleção – nas poucas oportunidades de que tem disposto, ainda não deu motivos ao Selecionador para apostar nele. Ao mesmo tempo, Diogo Jota tem sido uma peça importante na Turma das Quinas após o hiato da pandemia – e toda a gente sabe o que se diz sobre equipas que ganham. 

 

É daquelas coisas que, em teoria, são boa ideia mas que é difícil passar à prática. Infelizmente não estou a ver André Silva como opção de primeira linha neste Europeu. Mas poderá vir a ser um trunfo secreto numa situação de aperto. 

 

Regressando ao jogo com Israel, foram precisos quarenta e dois minutos para se chegar ao golo. Bom entendimento à direita entre Bernardo Silva e João Cancelo, este último assistiu para Bruno Fernandes que não falhou. 

 

 

Este jogo estava fadado para ter golos aos pares, perto do final de cada uma das partes. O segundo golo veio poucos minutos depois do primeiro. Bruno Fernandes também esteve neste – assistiu para Ronaldo, que beneficiou de um frango do guarda-redes Marciano. 

 

Na segunda parte, Fernando Santos mudou a estratégia e, como acontece em muitos particulares deste género, a qualidade decaiu. Chegou a ser secante nalguns momentos. Mas felizmente tivemos direito a um segundo par de golos, ao cair do pano.

 

Aquele remate de João Cancelo, encontrando um corredor para a baliza no meio de uma grande área cheia, para começar. E depois o tiro de Bruno Fernandes (após assistência de Gonçalo Guedes), à entrada da área, mesmo no canto superior esquerdo da baliza. Ninguém podia defender aquela.

 

Para mim estes foram os melhores em campo: Cancelo e Bruno Fernandes. Quem diria que finalistas europeus de clubes fariam a diferença, não é? 

 

Pena é Cancelo ter testado positivo para o Coronavírus e ir falhar o Europeu. Logo agora que ele se revelava tão promissor, ele que podia combinar-se com Bernardo Silva! 

 

Ao menos sempre é uma oportunidade para o Diogo Dalot.

 

 

Regressando ao particular com Israel, este foi um bom jogo. É claro que temos de dar um desconto por ser uma equipa como Israel, no entanto. Quem nos dera que as coisas fossem assim tão fáceis no Euro.

 

...e daí talvez não. Como toda a gente sabe, é quando as coisas são demasiado difíceis que Portugal se atrapalha.

 

De qualquer forma, os particulares são águas passadas, o Europeu já começou. Citando Rui Reininho, “agora é a doer”. E vai doer, não se iludam. 

 

Ainda não tive oportunidade de falar sobre a Hungria como adversário. São a seleção mais fraca do grupo F, ninguém discorda, mas eu não os descreveria como sardinhas, como fiz antes. Mal por mal, vão em onze jogos sem perder e, na última fase de grupos da Liga das Nações, subiram à divisão A.

 

Isto para não falar do caricato jogo da fase de grupos de 2016. Por outro lado, recordar que os húngaros vão jogar em casa, com um estádio cheio e tudo. Da última vez que visitámos a Hungria vencemos… mas houve sangue.

 

Por fim, recordo que Portugal tem a mania infeliz de não ganhar o primeiro jogo de um Europeu ou Mundial. A última vez que o conseguiu foi em 2008, ainda este blogue era um bebé. Mas desta feita não vai dar – não podemos dar-nos a esse luxo.

 

02.png

 

Em suma, não esperem facilidades. Nem perante a Hungria, nem perante a Alemanha ou a França, nem perante qualquer adversário que se cruze connosco, caso passemos a fase de grupos. Estive a ver este vídeo de uma previsão do Europeu e olhemos para as possíveis seleções no nosso caminho: ele é Espanha, ele é Croácia, ele é Inglaterra, ele é Bélgica, ele é uma Itália que teve uma boa estreia neste Europeu… 

 

Eu não sei se vou aguentar, minha gente. 

 

Dito isto, na minha opinião, pelo menos no que toca a individualidades, esta é a melhor seleção que temos em anos – desde o Euro 2004 e o Mundial 2006, arrisco-me a dizer. Como referi antes, temos três finalistas europeus de clubes (tínhamos quatro, mas o FDP do Covid…), temos muitos jogadores que foram campeões nos respectivos campeonatos, temos o Melhor do Mundo. Se há Equipa de Todos Nós à altura deste desafio... é esta. 

 

É claro que o talento por si só não basta. É preciso saber usá-lo – e há muita gente que não perdoará a Fernando Santos, se ele não for capaz de canalizar esta qualidade toda para um bom desempenho neste Europeu.

 

Pois bem, eu acredito. Vai ser difícil, cada jogo vai ser um sofrimento atroz. Racionalmente, não ponho as mãos no fogo. Mas acredito dos jogadores e equipa técnica, acredito na sua determinação e entrega, na sua capacidade de superação. Afinal de contas, Portugal costuma dar-se bem em circunstâncias como estas. É certo que, até agora, só a Espanha foi capaz de revalidar um título europeu, mas nunca se sabe… 

 

O melhor é ir encarando um jogo de cada vez. Para já é importante começarmos com uma vitória perante a Hungria, o que nos facilitará bastante a vida no chamado Grupo da Morte, ou Grupo da Vida, ou Grupo da Glória (é bom que Portugal ultrapasse as suas manias de não ganhar o primeiro jogo, de se boicotar a si mesmo). Depois logo se vê.

 

naom_60c13e012d1cf.jpeg

 

O jogo é terça-feira às cinco da tarde, que é a hora a que saio do trabalho. Estive a pensar em hipóteses diferentes, mas em princípio venho ver o jogo para casa, mesmo que tenha de acompanhar a primeira parte na rádio, no caminho. Por um lado, quero ver se não perco muita coisa por não ter acesso à televisão. Por outro, até será simpático se marcarem um golo durante o meu regresso a casa – para além das vantagens de marcar um golo cedo, dava para eu cumprir um desejo antigo de festejar com buzinadelas. 

 

Em relação a este blogue, ainda não sei quando tornarei a publicar de novo, mas em princípio vou tentar escrever uma crónica sobre os dois primeiros jogos. Em último caso, escrevo um texto sobre os três jogos da fase de grupos. De qualquer forma, como habitual, vou deixando as minhas impressões na página de Facebook deste blogue. 

 

Terça-feira saltamos para a toca de coelho. Vemo-nos no outro lado.