Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Os pensamentos de uma simples adepta da Seleção Nacional, que não percebe assim tanto de futebol mas que é completamente maluca pela Equipa de Todos Nós.

Terapia das Quinas

Nos últimos dois dias, Cristiano Ronaldo tem sido protagonista de muitas capas de jornais, muitas notícias, muitas declarações, enfim, de toda uma polémica, daquelas bem sumarentas. Tudo isto consequência de umas declarações, após um desafio da Liga Espanhola que opôs o Real Madrid ao Granada, nas quais o jogador afirmou estar "triste".

De repente, transformámo-nos todos em psicólogos, tentando diagnosticar as causas desta tristeza do madeirense. Junto-me, por este meio, a essa onda. Analisemos então este assunto que, suspeito, tão cedo não sairá dos destaques do mundo desportivo.

Eu e a minha irmã, por acaso, assistimos a parte do tal jogo em que Ronaldo bisou mas não festejou. Por acaso, foi na altura em que publicava a entrada anterior do blogue, logo, não estava a prestar muita atenção. A minha irmã é que me disse que, depois de o madeirense ser substituído, parecia estar quase a chorar.

Tal situação recordou-me as lágrimas do Cristiano no Portugal-Holanda do Mundial 2006 aquando, igualmente, de uma lesão. Mostrei o vídeo desse momento à minha irmã e mostro igualmente aqui. Expliquei-lhe que as lágrimas se deviam, pura e simplesmente, a não poder jogar. Mas já volto a esse assunto.


Ainda antes de sabermos das declarações de Ronaldo, já nessa noite a minha mãe comentou que ele, de facto, parecia triste. No entanto, não deixei de ser apanhada de surpresa quando, na manhã seguinte, a minha irmã me disse que o Cristiano queria sair do Real Madrid.

Não demorei muito a ficar a par do que se passava realmente: o Ronaldo não dissera que queria sair do Real Madrid, apenas dissera estar triste. Desde essa altura, tenho, à semelhança de muita gente, interrogado-me sobre os motivos desta infelicidade do Cristiano.

Uma das hipóteses é tudo isto ser, pura e simplesmente, uma birra, um amuo, uma chamada de atenção. A minha irmã chegou mesmo a alegar que ele está "naquela altura do mês" - neste momento, é a piada preferida dela. Sei por experiência própria que essa altura é complicada, de facto, mas tenho um feeling de que não é disso que se trata.

Outra hipótese era um possível desentendimento com Mourinho e/ou com colegas de equipa. Contudo, esta foi depressa posta de parte pois Mourinho mostrou-se surpreendido com estas delcarações do madeirense. Além disso, já vários jogadores merengues vieram manifestar solidariedade para com o colega. Mesmo que estes últimos nada tivessem dito, o Cristiano não parece ser do género de ter zangas com companheiros de balneário, antes pelo contrário.


Há quem diga que ele está de mau humor por não ter ganho o prémio FIFA de Melhor Jogador do Ano. O Cristiano desmentiu logo esta teoria e, mesmo que não o tivesse feito, também não ia nessa. Não foi a primeira vez que o madeirense perdeu um prémio destes para outro jogador, ele deve saber lidar com isso. Se não sabe, já devia ter aprendido há muito tempo.

Uma das hipóteses mais faladas era isto ser uma tentativa de cravar um aumento. Muito se tem falado do Imposto Beckham ou lá o que é. Como seria de esperar, já li algumas opiniões ressentidas - eufemismo! - as redes sociais a propósito desta hipótese. A mim, custava-me a acreditar. Ele já é um dos jogadores mais bem pagos do Planeta, por amor de Deus! Será assim tão essencial receber ainda mais uns milhões? Será que estaria como o outro, será que o seu atual ordenado não lhe chega para as despesas? Não acreditava nisso, não queria acreditar nisso. A ser verdade, se ele tivesse criado toda esta confusão, perturbando o estágio da Equipa das Quinas, por dinheiro, o Cristiano desceria consideravelmente na minha consideração.

Como tal, fiquei satisfeita com a sua publicação no Facebook na qual afirmava que aquilo não tinha a ver com o dinheiro e exprimia a sua dedicação ao Real Madrid.

A hipótese que me parece mais provável é de que Ronaldo não se sente devidamente apoiado pelos dirigentes do seu clube. Ouvi mesmo um par de jornalistas espanhóis afirmarem que isto se trata, não de um desabafo espontâneo ma sim de algo ponderado, de um último recurso, de modo a que o clube o oiça.

Enfim, isto sou eu, somos todos nós a especular. Nenhum de nós sabe a verdade. Em todo o caso, o Cristiano deu a entender que tenciona explicar tudo isto, eventualmente.


Tenho acompanhado a carreira de Cristiano Ronaldo desde os seus tempos no Sporting, ou seja, há cerca de dez anos. Ele tem os seus defeitos, muitas vezes toma atitudes que não compreendo e/ou não aprovo. No entanto, existe muito nele que eu admiro. Ele agora é uma superestrela milionária mas foi ele mesmo que o construiu de raiz. Em criança, não tinha onde cair morto. Aos onze anos, veio sozinho para o continente, deixando a família para trás. Ao longo de anos, fez horas extraordinárias nos treinos, querendo sempre tornar-se ainda melhor do que já era. Orgulhamo-nos do facto de ele ser português mas, na verdade, Ronaldo pouco tem a ver com a mentalidade do nosso País - preguiçoso, invejoso, lamuriento, culpando todos menos ele próprio. O Cristiano nada tem a ver com isto, é um lutador, sempre o foi, se mais portugueses fossem como ele talvez não estivéssemos onde estamos agora.

Claro que ajuda sempre o facto de ele fazer o que gosta - nem todos têm esse privilégio. É outra coisa que admiro nele: a sua paixão, o facto de ele gostar de jogar futebol por jogar. Foi isso que disse à minha irmã quando ela estranhou o facto de o Cristiano ter chorado no jogo com a Holanda quando Portugal até estava a ganhar.

É por estas e por outras que Cristiano Ronaldo, para mim, é e sempre será, até mesmo depois de se retirar do futebol, o Melhor do Mundo. Como já disse em cima, mesmo que não goste de tudo o que ele faz - ainda não sei se inclua esta polémica na lista - apoiá-lo-ei sempre. Existem muitos miúdos a idolatrá-lo, a quererem ser como ele, a serem grandes jogadores de futebol como ele. Eu, contudo, aconselhar-lhos-ia a serem como ele, não no sentido futebolístico, mas no sentido de serem trabalhadores, lutadores, no que toca  aos seus próprios sonhos, às suas próprias paixões, estejam estas relacionadas com o desporto, a música ou a Medicina. 



No que toca a esta questão em específico, quer isto se trate de coisa de puto mimado ou de algo a sério, se pudesse dar um conselho ao Cristiano, dir-lhe-ia para fazer como eu: para procurar consolo na Seleção, a seguir a Terapia das Quinas. Não será muito difícil, com o bom ambiente que, ao que parece, já é característico da Equipa de Todos Nós. Dir-lhe-ia também para se vingar dando o seu melhor nos treinos e em campo, quer no Real, quer na Turma das Quinas. Tendo em conta a dedicação de Ronaldo ao seu clube, estou certa que cedo arranjará uma maneira de resolver esta situação. Para já, espero que dê uma alegria, por pequena que seja, tanto a si como a todos os portugueses, ao ajudar a Seleção Nacional a levar de vencida os dois primeiros jogos da Qualificação para o Mundial do Brasil.

A duas finais do término da qualificação

Nestas últimas semanas tenho tido pouquíssimo tempo para vir à Internet, visto que estive quase sempre fora de casa. Por um lado, foi saudável, para garantir que não me vicio nas redes sociais e afins. Por outro lado, quis actualizar o blogue diversas vezes e só hoje é que consegui. Pior foi mesmo na semana passada, quando estive no estrangeiro e a Selecção Nacional preparava o embate com o Chipre. Estive literalmente a leste de tudo o que se passava na Turma das Quinas nessa altura. Nem sequer pude saber quem foram os Convocados. O meu coração está sempre com a Equipa de Todos Nós, independentemente das circunstâncias, mas o meu cérebro ansiava por notícias. Por saber o que se dizia nas entrevistas e conferências de imprensa, sobre o desafio e não só. Não estava preocupada, contudo. Achava que as coisas não estariam muito diferentes do que estavam antes de outros jogos da Selecção. Não fazia a mínima ideia que, enquanto eu estava fora, Ricardo Carvalho havia abandonado o estágio da Equipa das Quinas.

Este caso é a primeira nódoa da era Paulo Bento, que começou há já quase um ano e, até agora, se havia mantido quase completamente imaculada. Mas suponho que teria de haver alguma mais cedo ou mais tarde. Só soube da história no Domingo e, até agora, tudo o que consegui perceber foi que o Ricardo não terá gostado de ter de disputar a titularidade com Pepe, o que o levou a sair, ao que parece, só com a roupa que tinha no corpo. Paulo Bento descreveu este abandono como uma "deserção" e já veio dizer que não torna a convocar o jogador.

É pena. O Ricardo Carvalho está na Selecção há tantos anos, foi inúmeras vezes uma mais-valia para a Equipa das Quinas. Eu gostava dele (e não devo ser a única). Vi-o celebrar um golo a pouca distância de mim. Como pôde ele arruinar a sua carreira na Selecção com aquilo que, aparentemente, se tratou de uma decisão precipitada, de um amuo de criança?!?!?! Os seus motivos até podiam ser perfeitamente legítimos mas a forma como ele fez as coisas não foi a melhor. Ele podia ter esperado pelo fim do estágio. Talvez mudasse de ideias. Se não, ao menos saía desta história com a dignidade intacta.

Paulo Bento e os outros Marmanjos garantem que o caso não afectou a Selecção, que o ambiente continua bom, mas eu duvido que isto não tenha deixado mazelas. Mas também percebo que eles não se iam pôr a dizer: Ai e tal, aquilo está de cortar à faca na Selecção ou assim... Devo mesmo elogiar a atitude dos jogadores e fa-lo-ei, mais à frente. Em todo o caso, espero que a Equipa das Quinas não se deixe afectar pelo caso, agora que estamos a duas finais do encerramento da qualificação.

Consegui, ao menos, saber o resultado do jogo com o Chipre logo no dia seguinte, através da Euronews. Já estava mais ou menos à espera de uma vitória folgada, mas a confirmação da minha expectativa deixou-me aliviada e feliz, como é habitual. Depois de saber o resultado, sugeri à minha irmã uma "aposta" nos marcadores. Ela sugeriu Ronaldo, Nani, Hugo Almeida e Coentrão. Eu concordei, mas substitui Coentrão por Hélder Postiga. Como podem ver, acertámos em dois.

Já em Portugal pude informar-me melhor sobre o jogo. Parece que foi um daqueles típicos da Selecção, com muitos nervos derivados da vantagem facilmente anulável durante a maior parte do encontro e uma exibição que terá deixado muito a desejar. Ah, mas aqueles três golos quase de seguida devem ter adoçado tanto o fim do jogo... Quem me dera ter podido ver!

Cristiano Ronaldo foi o homem do jogo. Marcou dois golos, assistiu um, carregou a equipa às costas. Desta vez, portou-se à altura da braçadeira de capitão da Equipa das Quinas. Parece que os cipriotas foram mauzinhos para ele: alguns vieram vestidos à Barcelona e a larga maioria passou o jogo quase todo gritando por Messi, irritando até a própria selecção cipriota. O Cristiano, esse, respondeu às provocações fazendo uma excelente exibição. E, apesar de dizer que já está habituado a tais cenários, que "cala gente todo o ano", não resistiu a desafiar gestualmente os cipriotas a continuarem com as provocações, depois do segundo golo. Não se livrou do amarelo... Eu devia dizer que o Ronaldo podia ter mantido a postura e tal, não se ter deixado afectar, mas o que, na verdade quero dizer é "Grande Ronaldo!". Uma miúda não é de ferro... Mais uma vez, gostava de ter visto aquelas cenas em directo.

Em todo o caso, o Ronaldo pôde dar um exemplo de maturidade, pôde voltar a mostrar que merece a braçadeira de Capitão quando lhe foi pedido que comentasse o caso Ricardo Carvalho:

- Tudo o que se passou está ultrapassado, o mister Paulo Bento já falou, o que pensamos fica dentro do grupo - disse ele.

O Cristiano podia ter dito o que pensava, mas não ia servir de nada, a não ser para criar polémicas cujo único efeito seria prejudicar a Selecção. Como já antes referi cá no blogue, atitudes como esta podem a´te ser mais importantes do que o desempenho em capo. O próprio Ronaldo admitiu que não pode julgar, que "se calhar não é o melhor exemplo". Também ele tomou muitas más decisões de cabeça quente... Em todo o caso, louvo-o, a ele e aos colegas de Selecção, por terem colocado a equipa em primeiro lugar. 

Entretanto, na Terça-feira, a Dinamarca venceu a Noruega. Como resultado, encontram-se três equipas em primeiro lugar, cada uma com treze pontos. Portugal tem a vantagem do número de golos e, pelo que percebi, basta ganhar à Islândia (dia 7 de Outubro) e empatar com a Dinamarca (dia 11), para pelo menos ficar em segundo. Talvez... mas eu preferiria que o assunto ficasse encerrado já no mês que vem. Eu e outros... Ninguém duvida que Portugal tenha qualidade para acabar a qualificação no topo da tabela, mas já se sabe como é o futebol. Acredito que nos vamos qualificar de uma forma ou de outra, seria demasiado mau se tal não acontecesse. Mas acho que só se vai decidir tudo mesmo na última jornada. Até lá...

Antes de terminar, quero ainda falar da Selecção Nacional de Sub-20. Não vou mentir, só comecei a interessar-me pelo Mundial deles quando percebi que aqueles miúdos estavam a chegar aos oitavos-de-final, quartos-de-final, meias-finais, final... Suponho que o mesmo tenha acontecido com imensa gente; quase com os próprios jogadores e equipa técnica que, segundo consta, abordaram o campeonato sem grandes expectativas. Em todo o caso, na madrugada da final, dei-me ao trabalho de ficar acordada para ver o jogo. E, apesar de a Selecção ter sido derrotada, não me arrependo.

O jogo passou-se praticamente quase todo a alta velocidade. Não me lembro de alguma vez ter visto um jogo em que os jogadores corressem tanto. Os brasileiros marcaram cedo mas, ao contrário daquilo que muitas equipas sénior fariam, os miúdos reagiram da melhor forma, repuseram, rapidamente, a igualdade. O jogo manteve-se praticamente do princípio ao fim muito renhido, qualquer uma das equipas podia ganhar. Os jogadores, coitados, de tanto correrem, já estavam prestes a cair para o lado pelo prolongamento. Terá precisamente sido por isso que o terceiro golo foi marcado. Eu ainda me mantive fiel à velha máxima de acreditar até ao fim mas era óbvio que os portugueses já tinham dado tudo o que podiam. Um deles (já não me lembro de quem), coitado, caiu logo a seguir ao terceiro tento brasileiro e não conseguiu levantar-se mais. Juro que, em quase dez anos em que me interesso por futebol, não me lembro de alguma vez ter visto um jogo em que os jogadores lutassem literalmente até ao limite das suas forças. Deste modo, a Selecção de Sub-20 deu uma lição de coragem, garra, empenho, ficando anos-luz à frente de não assim tão poucos jogadores e equipas sénior.

Não sei que consequências terá este Mundial na carreira dos jogadores. Gostava de pensar que serão aqueles miúdos que, daqui a meia dúzia de anos, vestirão a camisola da Equipa de Todos Nós Sénior, mas já percebi que não é assim tão provável. Em todo o caso, esta prestação dos Sub-20 veio mesmo a calhar, numa altura em que os clubes privilegiam cada vez mais os jogadores estrangeiros em detrimento dos nacionais. Pode ser que isto mude mentalidades. Eu, pelo menos, vou fazer figas por isso. E por que o Nelson Oliveira, o Danilo, o Mika e os outros estejam daqui a uns anos a fazer o que o Cristiano Ronaldo, o Nani, o Rui Patrício e o Fábio Coentrão fazem hoje pela Equipa das Quinas!

Adeus, Professor

Ontem, após quatro horas de reunião, Gilberto Madaíl pegou no telefone, ligou a Carlos Queiroz e anunciou-lhe que este não seria mais Seleccionador Nacional. Espera-se que este seja o fim, ou pelo menos o princípio do fim desta novela que já dura há tempo de mais. Entretanto, irão também ocorrer eleições antecipadas na Federação Portuguesa de Futebol.

Era o que toda a gente desejava (incluindo eu) e que toda a gente sabia que ia acabar por acontecer. O próximo capítulo será a escolha de um novo Seleccionador. Mencionam-se vários nomes, mas até agora nenhum foi confirmado.

Na minha opinião, esta decisão peca por tardia. Pode, aliás, ter sido tarde de mais. Teria sido bem melhor se o Professor tivesse sido demitido imediatamente depois do Mundial. Apesar de eu considerar que não teria sido justo, visto que o Campeonato do Mundo não foi tão mau como alguns pintam - só perdemos com a selecção que acabou por ser campeã, pela margem mínima, com um golo de legalidade discutível; se nos tivesse calhado outro adversário nos oitavos-de-final, a história poderia ter sido diferente. Eu protestaria na altura, mas, como já disse na entrada anterior, pior do que o que estamos a viver, seria difícil. Teria havido tempo para contratar um novo técnico, para este ter feito meia dúzia de treinos com a Selecção, talvez um jogo particular em meados de Agosto. E talvez não teríamos perdido cinco pontos na primeira jornada dupla da qualificação para o Europeu de 2012. Mas não. Foi preciso invocar ofensas ao Controlo Anti-Dopping, uma entrevista infeliz ao Expresso, prolongar a trapalhada até a situação se tornar insustentável, até toda a gente suplicar pelo fim da novela, com jogadores a sair e cinco pontos a voar pelo meio, para a Federação tomar uma decisão. Mais uma vez, obrigada!

Entretanto, já o Miguel veio anunciar que ia fugir, perdão, sair da Selecção. Sem comentários...

Agora, terão de escolher um novo Seleccionador. Não sei quem será o masoquista que reparar uma Selecção esmigalhada, tendo, talvez, de colar os cacos um a um, já em risco de ver o Europeu pela televisão. Se ficarmos fora da corrida, ele é que terá de lidar com as críticas quando a culpa nem sequer é dele, ou não totalmente dele. Em todo o caso, seja ele quem for, goste dele ou não, concorde com a sua contratação ou não, contará com o meu apoio incondicional. Tal como o Professor contou.

Quero, desde já, agradecer a Queiroz. Apesar de todos os erros que cometeu, que lhe custaram o cargo de Seleccionador, quero agradecer-lhe por ter tomado conta da Selecção, pelos bons momentos que me proporcionou através dela, por aturar tanto ataque, tanta crítica, em nome da Selecção. Obrigada, Professor. Apesar de tudo, obrigada.

Espero agora que esta novela termine rapidamente e que a Selecção Nacional regresse ao bom caminho. Isso inclui qualificarmo-nos para o Europeu.

Em vésperas do início da qualificação... e a novela continua

Domingo à noite, no sítio da Federação, foram divulgados os Convocados para a jornada dupla inaugural da Qualificação para o Campeonato Europeu de 2012, a realizar na Polónia e na Ucrânia.

Devo dizer, "Polónia e Ucrânia" não tem a mesma sonoridade que "África do Sul" tem. Nem de longe, nem de perto. Sem ofensa para eventuais polacos e ucranianos que lerem isto.

Visto que na Quarta-feira vou passar férias no estrangeiro, não terei oportunidade de ver o primeiro jogo da jornada, frente ao Chipre. Regresso no dia 6, mas só escrevo outra entrada depois do jogo frente à Noruega.

As grandes novidades da Convocatória são a Chamada de Sílvio e de Nuno André Coelho. Outro ponto a assinalar é a lesão de Ronaldo, que permitiu a Ricardo Quaresma regressar à Selecção depois de cerca de dois anos de ausência. A lesão de Silvestre Varela também deu oportunidade a Yannick Djaló de se juntar à turma das Quinas. Noutras circustâncias, analisar-se-iam com mais detalhe, mas a história do momento é outra.

Como consequência dos incidentes decorridos durante a visita da Autoridade Antidopagem ao Estágio de Preparação do Mundial 2010, na Covilhã, a Federação puniu Carlos Queiroz com um mês de suspensão e uma multa, cujo valor não me recordo agora. Por sua vez a Autoridade Antidopagem vai castigar o Seleccionador com uma suspensão de seis meses. Como resultado, Queiroz falhará, não só os jogos desta jornada, contra o Chipre e a Noruega, mas também falhará os da outra jornada: frente à Dinamarca, dia 8 de Outubro, e frente à Islândia, no dia 12 do mesmo mês. Mas os processos não ficam por aqui, já que parece que Armândio de Carvalho pretende também agir judicialmente contra o Professor a propósito de umas declarações que este último fez ao semanário Expresso.


Em suma, as coisas vão de mal a pior.

Em relação à sanção aplicada pela Autoridade Antidopagem, acho que é muito discutível considerar que o Professor tentou impedir o controlo anti-dopping, mas já falei disso na entrada anterior. Visto que, pelos vistos, a pena para estes casos vai de dois a quatro anos de suspensão, mas "atenuantes" foram consideradas e "só" o puniram com seis meses de suspensão. Inicialmente, pensei que podia ter sido pior, que "só" ia falhar quatro jogos, noutro ano se calhar falharia mais. Só que depois lembrei-me que esses quatro jogos correspondem a metade da fase de qualificação (!). Não que ache que a Selecção sofra muito com a ausência dele. O adjunto Agostinho Oliveira deve ter, certamente, um estilo de treino semelhante ao de Queiroz. Por outro lado, se o periodo de suspensão fosse de dois a quatro anos, a questão da continuidade ou não de Carlos Queiroz como Seleccionador Nacional estaria arrumada: o Professor saía, viesse o próximo. Com seis meses, não sei mesmo como é que a novela acaba, se é que algum dia irá acabar.

Pelo que vou percebendo das notícias, dos comentadores e das conversas de café, existe uma facção dentro da Federação que se quer livrar de Queiroz, sem ter de pagar a cláusula de rescisão, e outra facção que quer que ele continue. Só que ninguém está disposto a assumir abertamente a sua posição, a novela vai continuando e a credibilidade da Selecção vai descendo, encontrando-se, neste momento, nas ruas da amargura.

Entretanto, no meio de toda esta confusão, o Simão Sabrosa e o Paulo Ferreira anunciaram que não voltam a representar Portugal. Ambos alegam "motivos pessoais" e que é preciso dar o lugar a jogadores mais jovens. Estas renúncias provocam-me sempre uma certa nostalgia e tornam notória a passagem dos anos, mas, desta feita, há mais. Estas decisões podem ter já sido tomadas há algum tempo, acho que o Paulo já o comunicara ao Professor há umas semanas. Contudo, nestas circunstâncias, não consigo evitar pensar nos marinheiros que pegam nos salva-vidas e saltam para o mar, abandonando o navio que se afunda sem sequer tentarem repará-lo.

Já que comecei com esta metáfora do navio, devo dizer que o Presidente da Federação parece um daqueles violinistas do Titanic, que continuavam a tocar apesar de o navio se estar a afundar. Por amor de Deus, como é que ele pode dizer que esta situação não vai afectar a equipa?!?!?!? Nem eu sou assim tão ingénua...

O que aconteceu à Selecção? Como é que chegámos a isto? Ainda há poucos anos estávamos tão bem, éramos uma das melhores Selecções do Mundo inteiro, as pessoas penduravam bandeiras às janelas, seguiam e apaparicavam a Selecção onde quer que esta estagiasse, os marmanjos eram a única razão que tínhamos para nos orgulharmos de ser portugueses... Não há tanto tempo quanto isso eu sentia um vibrante entusiasmo sempre que se aproximava um jogo da Selecção, mesmo quando nos encontrávamos num trapézio sem rede. Agora, estamos a três ou quatro dias do início de uma fase de qualificação. Entusiasmo? Zero. Só vejo a Selecção cair aos bocados e ninguém a fazer nada. É pior, muito pior, do que sermos expulsos do Mundial ou do que falharmos a qualificação para o Europeu. Só tenho vontade de dar uns valentes abanões aos protagonistas da novela, sejam eles quem forem, técnicos, jogadores fugitivos, funcionários da Federação e de lhes gritar nos ouvidos:

- Por amor de Deus, façam alguma coisa!!! Tomem uma decisão!!! É da Selecção que estamos a falar, é vosso dever não deixá-la afundar-se ainda mais!!! - isto, talvez, com um ou outro palavrão no meio.

Se pudesse, se tivesse conhecimentos para tal, eu própria impediria a Selecção de se desmoronar, mesmo que tivesse de colar os cacos um a um. Só me resta passar os meus sentimentos para o QWERTY e rezar para que alguém com os poderes que eu não tenho os leia no meu blogue.

Noutras circunstâncias, analisaria os nossos próximos adversários, mas agora não estou para isso. Não sei quase nada sobre o Chipre nem sobre a Noruega, de qualquer forma. Nem sequer consigo sentir grande pena de não poder ver o jogo na Sexta-feira. A única coisa que acho que vou perder é o regresso do Quaresma. Nem sequer tenho uma opinião formada em relação às hipóteses de ganharmos - nas actuais circunstâncias tudo pode acontecer.

Por acaso, achei graça ao que Octávio Ribeiro escreveu na sua coluna do Record de hoje: "E, como historicamente somos perfeitos na arte do improviso, a dar ordem ao caos, tudo aponta para a obtenção de duas vitórias folgadas. Ao Chipre a Noruega já ganhámos!".

Rio-me para não chorar...

Ainda bem que amanhã abandono este triste país, se bem que apenas por uns dias. Pode ser que quando regresse já tudo isto esteja morto e enterrado. Contudo, também há duas ou três semanas esperava mais ou menos o mesmo e, até agora, está visto, não tenho tido grande sorte.

Quando estala a polémica, a Selecção é que se lixa

Visto que, neste momento, a Selecção atravessa uma situação complicada, achei por bem falar disso cá no blogue. Era para ter escrito mais cedo, mas estive fora e só agora tenho acesso à Internet.

Confesso que só muito recentemente é que consegui perceber ao certo do que é que se trata. Em férias não há horários fixos, nem sempre conseguia cumprir o ritual de ver o noticiário durante o jantar. Se bem que ainda existam alguns pormenores que me causam confusão nesta história das ofensas que o Seleccionador Nacional terá dirigido aos funcionários da Autoridade Anti-dopagem. Mas já lá vamos.

Segundo o Correio da Manhã de Quarta-feira, dia 11 de Agosto, Carlos Queiroz não terá gostado de ver a rotina do estágio de preparação do Mundial 2010 perturbada pela súbita aparição da Autoridade Anti-dopagem (embora não saiba se é assim que se chama). À boa maneira portuguesa, Queiroz terá expressado dúvidas sobre a honra da mãe do director da Autoridade – Luís Horta – e o senhor terá ficado tão perturbado que não conseguiu analisar correctamente a urina de um dos jogadores.

Isto supostamente passou-se há três meses, durante o estágio na Covilhã. Porque é que só veio a lume há poucas semanas?

Talvez tenha sido a própria Federação Portuguesa de Futebol a abafar o caso na altura, para não perturbar a preparação do Campeonato do Mundo. Sim, porque se um órgão qualquer de Comunicação Social tivesse sabido, não deixaria escapar a oportunidade de lançar a bomba mediática cujos efeitos seriam muito mais significativos do numa altura em que a Selecção se encontrava no centro das atenções que estão a ser agora.


Já li alguns artigos de opinião em que comparavam Queiroz a José Sócrates. Vou fazer o mesmo agora: como não conseguiram tirar o actual Primeiro-Ministro do Governo através de eleições legislativas, há quem insinue que o caso Face Oculta, surgido poucas semanas depois do escrutínio, não passou de uma segunda tentativa de tirar Sócrates do lugar de Primeiro-Ministro. Este caso dos insultos à Autoridade Anti-dopagem é capaz de ser o caso Face Oculta de Queiroz. No CM diziam que havia gente da FPF que desejava a saída de Carlos Queiroz do cargo de Seleccionador Nacional, devido ao desempenho abaixo do desejado do Mundial e à falta de progresso assinalável nas Selecções jovens. E como não conseguiram livrar-se de Queiroz depois do Campeonato do Mundo… Há quem diga que, se nos tivéssemos saído melhor no Mundial, ninguém saberia deste caso.

De qualquer forma, parece que Queiroz terá mesmo proferido as alegadas ofensas. O que é sempre reprovável, é claro. Contudo, não sei se estarão a exagerar, a fazer uma tempestade num copo sem água, como diz o Professor. Quer dizer, não me parece que se trate de uma obstrução à Autoridade Anti-dopagem que, pelos vistos, pode dar direito entre dois a quatro anos de suspensão – o que, neste caso, significaria que Queiroz deixaria de ser Seleccionador Nacional. Tanto quanto percebi, o Professor não se queixou no controlo, queixou-se do mau timing. Não, isto não é mais grave do que o murro de João Pinto ao árbitro ou do que o soco-que-não-chegou-a-sê-lo de Scolari a Dragutinovic. Mas já ouvi dizer que tencionam apresentar uma queixa-crime, com possibilidade de prisão. Por amor de Deus! Por essa lógica, prendiam quase todos os profissionais do futebol. Basta olhar para os lábios de jogadores de treinadores durante os jogos para adivinhar facilmente que estão a dirigir palavrões ao árbitro e/ou aos adversários, mas ninguém faz nada. Haja senso! Em todo o caso, na minha opinião, o actual Seleccionador não deveria escapar impune.

O que mais me irrita no meio desta história toda é que, quer a razão esteja do lado de Queiroz ou da Autoridade Anti-dopagem, a Selecção Nacional é que – passe a expressão – se lixa. Vimos de um Campeonato do Mundo em que ficámos abaixo das expectativas, vamos começar a fase de apuramento para o Campeonato da Europa. Supostamente, devíamos estar todos empenhados em começar bem a qualificação para não termos de passar pelas dificuldades por que passámos na Qualificação para o Mundial, mas nãããããããããããããoooooo! Tinha de surgir este caso, tinha de se dar mais uma machadada na credibilidade da Selecção. Muito obrigada!

Ainda recentemente, pensava que, neste momento, o melhor para a Selecção era que Carlos Queiroz continuasse à frente do comando técnico. Mas agora, não sei. Mesmo que o Seleccionador saia ilibado, ou que o caso seja arquivado, a sua credibilidade está irremediavelmente (ainda mais) comprometida. Além disso, pelas bocas que alguns jogadores lançaram durante o Mundial e pelo facto de só o Ricardo Costa ter defendido Queiroz (mas como este não é titular habitual, as suas intenções são duvidosas, pelo menos para mim - sem ofensa). Parece que a relação entre jogadores e treinador já viu melhores dias. Eu ainda acho que, a curto prazo, a troca de Seleccionadores traria mais desvantagens do que vantagens, mas já não sei se valerá a pena manter o actual Seleccionador. Não sei realmente o que pensar. Para mim, o bem-estar da Selecção Nacional está acima de tudo, mas parece que sou a única a pensar assim… Só quero que esta história acabe de vez e que a Selecção seja o menos prejudicada possível.