Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Os pensamentos de uma simples adepta da Seleção Nacional, que não percebe assim tanto de futebol mas que é completamente maluca pela Equipa de Todos Nós.

Seleção 2018

49718026_1491365787632448_2938271261307961344_n.jp

 

Primeira publicação de 2019! Bom ano, pessoal! Uma das tradições de Ano Novo aqui do blogue é fazer um balanço do ano que termina no que toca à Seleção. Tal como aconteceu no ano passado, atrasei-me. Não é grave, na minha opinião, já que os anos das seleções só começam em março. E mais vale tarde do que nunca (um princípio que se está a tornar um lema de vida, numa altura em que já tive muito mais tempo para escrever…).

 

Esta revisão de 2018 decorrerá nos mesmos moldes que as revisões de 2016 e 2017: assinalando o melhor e o pior do ano. Assim, sem mais demoras, comecemos por…

 

O pior

 

  • A degradação do futebol português

 

Esta não se relaciona diretamente com a Seleção, mas afetou muito a maneira como encaro o futebol – e, quando digo “afetou”, quase podia dizer “estragou”. Falo da toxicidade endémica no futebol português em geral e, em particular, do ataque à Academia de Alcochete e respetivas consequências.

 

Escrevi sobre esse episódio aqui no blogue no rescaldo imediato do mesmo. Muitas das coisas de que me queixei na altura mantiveram-se durante o resto do ano – a elas se juntando uns quantos meses de novela com o, agora, ex-Presidente do Sporting (que em certos momentos foi vilão, em outros foi vítima) e o caso e-toupeira.

 

transferir.jpg

 

Quem acompanhe este blogue há algum tempo, estará fartinho de saber que não apoio a sério nenhum clube, tirando a Seleção. Ainda assim, de alguns anos a esta parte, tenho vindo a acompanhar o futebol de clubes com algum interesse. Por causa da minha irmãzinha sportinguista; para ir acompanhando o percurso dos atuais ou possíveis jogadores das Quinas; para ir tendo coisas que publicar na página do Facebook deste blogue quando a Seleção não está ativa; porque gosto genuinamente de futebol pelo futebol, puro e duro (à semelhança do meu pai, diga-se). Bem como quando serve de pretexto para trazer à tona o melhor da Humanidade

 

No entanto, à conta do ambiente degradante no futebol português, durante uma boa parte de 2018 andei alheada do futebol de clubes. Não que tenha sido o único fator, para ser sincera –  aspetos como as acusações a Ronaldo e o fim das transmissões da Champions na SportTV também contribuíram. Mas a toxicidade do futebol português foi o principal motivo. Inclusivamente, nunca mais quis voltar ao Estádio de Alvalade – não quando as pessoas cantando na curva sul podiam ter estado envolvidas, de uma forma ou de outra, na invasão a Alcochete.

 

Só agora, que as coisas estão um bocadinho mais calmas, é que estou a reaprender a gostar do futebol de clubes. Uma das minhas resoluções, que não chega a sê-lo, para 2019 é procurar focar-me no futebol puro e duro, dentro das quatro linhas, e ignorar o resto.

 

 

Tirando, claro está, as manifestações do melhor lado do futebol, como referi acima. Um bom exemplo foi o vídeo de Natal do Sporting. É de mensagens como esta que o futebol e o mundo precisam.

 

 

  • Mundial abaixo das expectativas

 

portugal_irao_16.jpg

 

Acredito que qualquer pessoa com um mínimo de realismo em relação ao futebol sabia que, mesmo com o título europeu, seria muito difícil Portugal ganhar o Mundial. Não se poderia censurar o grupo se não conseguisse. No entanto, acho que estávamos todos à espera de mais do que fizemos: uma fase de grupos sofrível, tirando o primeiro jogo, e uma eliminação nos oitavos-de-final.

 

Quando reli as crónicas desses jogos aqui no blogue, em preparação para este texto, reparei que me tinha esquecido de muitos pormenores. Tirando o jogo com a Espanha (e mesmo assim), foram exibições insípidas, esquecíveis. Continuo a preferi-las a boas exibições com resultados maus, mas não por muito, sinceramente. Tirando Cristiano Ronaldo, Rui Patrício e um ou outro, ninguém parecia saber o que estava a fazer ali.

 

Continuo sem perceber ao certo o que aconteceu na Rússia. Nervosismo e falta de confiança da parte dos mais novos? Demasiada dependência de Ronaldo? Consta que, muitas vezes, jogadores como Bernardo Silva e João Mário interrompiam jogadas de ataque para procurarem o Capitão.

 

Seremos apenas uma seleção de nível europeu, com o Mundial a ser já demasiada areia para a nossa camioneta? Estarão todos os Mundiais que não os de 1966 e 2006 fadados para nos correrem mal?

 

Não sei dizer mesmo. Só sei que esperava mais, queria mais.

 

portugal_irao_02.jpg

 

Mesmo a nível pessoal, o Campeonato do Mundo não foi um período muito fácil para mim. O mês de junho foi muito intenso no meu trabalho, já que tinha uma colega de férias e tive de trabalhar em dois sábados de manhã e num domingo, o dia todo. No meu único fim de semana livre, fui à Suíça visitar o meu irmão – não que me esteja a queixar, mas sempre me roubou tempo de escrita.

 

Para conseguir dar conta do recado, tive de saltar a parte em que rascunho as crónicas à mão. Assim, escrevia diretamente no Google Docs, no computador ou no smartphone. Lembro-me mesmo de, durante a tal viagem à Suíça, andar pelas ruas de Zurique, na véspera dos oitavos-de-final, tentando acabar a crónica do jogo com o Irão no telemóvel.

 

Não gostei disso. Não é assim que prefiro escrever. Fiquei genuinamente surpreendida quando reli esses textos e estes estavam razoavelmente bem escritos.

 

Com a derrota com o Uruguai, deixei de estar sob tanto stress para manter este blogue atualizado. Claro que, quando isso aconteceu, senti-me triste e culpada pelas minhas queixas enquanto a Seleção ainda estava no Mundial (ainda que só me queixasse a mim própria). Aliás, se o desempenho das Quinas na Rússia tivesse sido satisfatório, não estaria a queixar-me – pelo contrário, estaria a recordar esse stress de uma forma mais positiva.

 

Ainda assim, se/quando (escolham vocês) nos Qualificarmos para o Euro 2020, talvez tire férias durante o campeonato. Ou pelo menos mais folgas.

 

  • A ausência de Ronaldo

 

Dg_e-NnW0AU2JM-.jpg

 

A nossa fase de grupos da Liga das Nações correu bem, mas esteve sempre assombrada pela ausência inexplicada de Cristiano Ronaldo. Não pela ausência em si – Ronaldo não fez falta, obrigou os restantes jogadores a serem homenzinhos, a fazerem eles mesmos as coisas, sem estarem sempre à espera do Capitão-papá – antes pela falta de justificações. Na primeira jornada, ainda disseram que Ronaldo queria concentrar-se na adaptação à Juventus. Depois disso, limitaram-se a dizer que Ronaldo tinha combinado com a Federação que não voltaria às Quinas em 2018, ponto final.

 

Nenhuma das partes lidou bem com o assunto. Por um lado, tal como a Fernando Santos, irritaram-me as perguntas insistentes dos jornalistas. Já se sabia que Ronaldo só regressaria em 2019 (regressará?). A Seleção estava a conseguir os resultados sem ele. Havia necessidade de bater na mesma tecla em todas as Conferências de Imprensa?

 

Por outro lado, os jornalistas batiam na mesma tecla porque Cristiano Ronaldo, Fernando Santos e os outros responsáveis da F.P.F. insistiam em não responder às perguntas. Se dessem uma explicação qualquer, por fraquinha e polémica que fosse, o assunto ficaria arrumado. Mas assim o caso arrastou-se ao longo de toda a fase de grupos e ainda hoje continua por resolver.

 

Tudo isto é lamentável e indigno da parte de Ronaldo. Conforme escrevi antes, ninguém o censuraria se quisesse desistir da Seleção. Mas não devia ser desta forma. Não devia ser assim que os últimos quinze anos – que incluíram presenças e golos em todos os campeonatos de seleções e o primeiro título das Quinas – deviam acabar.

 

5b23d5e147f68.jpeg

 

Ronaldo devia despedir-se da Equipa de Todos Nós como deve ser: com uma carta aberta ou uma Conferência de Imprensa emotiva. Eu pessoalmente gostaria que marcassem um jogo particular de propósito para o adeus. Só mesmo para, perto do fim, ser substituído e trocar aplausos e lágrimas com o público.

 

Porque, não sei como será como vocês, mas eu vou chorar. Por amor da Santa, são quinze anos. Oito campeonatos de Seleções (nove, se contarmos com a Taça das Confederações), mais de cento e cinquenta jogos, oitenta e cinco golos, mais de metade da minha vida.

 

Mas espero que a despedida seja melhor do que estamos a receber.

 

Já se debate se Ronaldo deve ser Convocado para a fase final da Liga das Nações, quando ele mesmo se excluiu da fase de grupos. Eu acho que não devia – mas não me admirava se ele mesmo escolhesse não vir, já que são jogos no final da época.

 

Com isto tudo, quase tenho medo da primeira Convocatória do ano, em março. Tenho medo que Ronaldo fique outra vez de fora e que toda esta novela recomece.

 

ap18171439412426-f0f15ba62089dfc0e8f02d8512c6e3fa-

 

Vamos esperar, no entanto, que isso tenha ficado em 2018. Que ele regresse para a Qualificação para o Europeu, conforme os responsáveis da Federação garantem que fará. Ou então, que decida colocar o ponto final na sua história nas Quinas e que o faça condignamente.

 

O melhor

 

  • As partes boas do Mundial

 

Nem tudo foi mau no Mundial. Quem acompanhe este blogue há uns anos saberá que gosto sempre de campeonatos de seleções e da preparação dos mesmos. Dão-me mais coisas sobre que escrever aqui no blogue, sobre que publicar na página. Gosto também, até certa medida, do circo mediático e publicitário, em torno de um futebol, regra geral, menos tóxico que o dos clubes. De sonhar com um bom desempenho.

 

Muitas vezes, alás, gosto mais das semanas entre a Convocatória e o início propriamente dito do Campeonato – onde, regra geral, os sonhos e esperanças chocam de frente com a realidade.

 

Sem Título.jpg

 

Com o Mundial 2018 não foi diferente. O jogo com a Espanha permitiu-nos prolongar a ilusão durante mais uns dias – mesmo tendo sido um one-man show de Cristiano Ronaldo. Não posso deixar de referir, também, a entrevista que dei à SIC, no dia do jogo com o Irão – uma das melhores manhãs que tive em 2018. Por fim, foi divertido ver o jogo com o Uruguai num bar de desporto em Zurique, mesmo que tenhamos perdido.

 

Pode não ter sido muito, sobretudo em comparação com o Euro 2016, mas estou grata.

 

  • Qualificação para a fase final da Liga das Nações

 

A Seleção tinha um desafio considerável neste outono: conseguir o Apuramento para a final four da Liga das Nações, perante adversários de algum calibre, sem a sua maior referência. Não sendo uma tarefa dantesca, não seria fácil.

 

Felizmente Portugal passou no teste. Qualificou-se para a fase final, sem derrotas (foi a única equipa da Liga A a consegui-lo), com pelo menos duas boas exibições, nos dois primeiros jogos.

 

img_818x455$2018_10_11_20_26_40_787225.jpg

 

O primeiro decorreu na Luz, frente à Itália. Portugal venceu por uma bola a zero, com golo de André Silva e uma exibição agradável. É certo que houve demérito da parte dos italianos, mas sempre foi a primeira vitória de Portugal perante a Itália em décadas, em jogos oficiais.

 

Por sua vez, o segundo jogo do grupo, perante a Polónia, teve uma boa exibição do coletivo. Ganhámos por três bolas contra duas. Destaque para os três Silvas – Rafa Silva, André Silva e Bernardo Silva – responsáveis pelos golos portugueses.

 

Os dois jogos seguintes foram menos conseguidos. O jogo com a Itália, em San Siro, resultou num empate a zeros – fraquinho, mas ao menos selou o Apuramento. O jogo em casa, com a Polónia, serviu apenas para cumprir calendário. Teve, portanto, a qualidade exibicional de mais um particular.

 

Podia ter sido um bocadinho melhor, nas não se podia exigir mais. Esta nova geração de talentos colocou-nos em mais uma fase final de um campeonato de selecções (albergada por nós, ainda por cima!) e deixa boas indicações para o futuro das Quinas.

 

portugal-celebrate-andre-silva-goal-vs-italy_qo27x

 

Já se sabe que vamos jogar com a Suíça, nas meias-finais. Não foi um mau resultado para este sorteio – é uma equipa que conhecemos bem, da Qualificação para o Mundial 2018. Mas é evidente que não vai dar para facilitar.

 

Falando de resultados de sorteios, também acho que tivemos sorte com os adversários do Apuramento para o Euro 2020. Sorte é como quem diz… Este grupo é uma seca. Sérvia? Ucrânia? Para não falar da Lituânia e do Luxemburgo. Não são o tipo de jogos por que uma pessoa anseie.

 

Espero que tenham aproveitado a fase de grupos da Liga das Nações e que, depois, aproveitem a final four. Vai ser toda a excitação a que teremos direito até, pelo menos, ao fim de 2019.

 

Um pormenor engraçado em que reparei há tempos, quando explicava o funcionamento da Liga das Nações e do Apuramento para o Europeu, é que a constituição dos grupos funciona de maneira oposta, de uma competição para a outra. Na Liga das Nações, somos agrupados com equipas de nível teoricamente semelhante ao nosso – para aumentar a competitividade e o interesse dos jogos.

 

880x495_cmsv2_45741df1-69f2-5a76-82d4-59456b37563c

 

Por sua vez, os grupos de Qualificação são constituídos por equipas de “escalões” diferentes. Para que, pelo menos em teoria, sejam as equipas mais fortes a Apurar-se para o Europeu. Faz sentido mas, tirando várias notáveis exceções, não são jogos muito apelativos.

 

Parece ser esse o caso do nosso grupo de Qualificação. Ainda assim, não seria de todo estranho se nos atrapalhássemos perante estes adversários, teoricamente fáceis. Temos essa triste mania. Sempre daria um bocadinho de emoção a este Apuramento, mas eu prefiro não brincar com o fogo.

 

E foi isto 2018. Escrevi um pouco mais da parte d’O pior, mas isso não significa que o ano tenha sido assim tão mau. Apenas que tive mais a dizer sobre as partes más do que sobre as partes boas – às vezes acontece.

 

Admito que 2018 não foi tão bom como os anos anteriores, pelos motivos que listei acima. Mas não foi de todo um ano mau. Já apanhei a minha quota parte de anos maus da Seleção e este não foi um deles. Nenhum tem sido mau desde 2014. Desde que Fernando Santos assumiu o leme, por sinal – embora isso esteja longe de ser o único fator.

 

Esperemos, então, que 2019 seja melhor que 2018. Mais especificamente, que Portugal consiga a Qualificação direta para o Euro 2020 e que se saia bem na final four da Liga das Nações – de preferência levantando o troféu.

 

Obrigada por tudo o que fizeram por mim e por este blogue em 2018. Desejo-vos um resto de 2019 muito feliz, com saúde (mas não muita muita, que senão fico sem emprego), objetivos cumprimos, bons jogos e muitos golos da Seleção. Em março haverá mais.

 

Portugal 1 Uruguai 2 – Sem arte nem engenho

32859161_2093698397553810_7105432670020042752_n.jp

No passado sábado, a Seleção Portuguesa de Futebol perdeu perante a sua congénere uruguaia por duas bolas contra uma, em jogo a contar para os oitavos-de-final do Mundial 2018. Com este resultado, Portugal regressou a casa após uma participação que, sinceramente, soube a muito pouco.

 

No dia do jogo, estava na Suíça, de visita ao meu irmão. Ele levou-nos a um pub irlandês, daqueles com várias televisões, feitos mesmo para assistir a transmissões de desporto. Estavam lá alguns portugueses. É um conceito giro. Deviam abrir mais bares desportivos, como este, cá em Portugal.

 

Enfim, ver um jogo numa esplanada também é fixe.

 

Pena não ter saído feliz do bar. Nem quero falar muito acerca do jogo. Portugal sofreu um golo logo aos sete minutos. Suarez fez uma assistência de letra para Cavani que, nas costas de José Fonte e Raphael Guerreiro, cabeceou para as redes portuguesas.

 

Depois dessa, os uruguaios começaram a jogar à defesa. E fizeram-no com competência – enquanto nós nos fartávamos de perder bolas desnecessariamente.

 

26864330_166805173940158_2527454173406953472_n.jpg

  

A Seleção, ao menos, entrou melhor na segunda parte, disposta a lutar pela igualdade, culminando no golo de Pepe, de cabeça, na sequência de um canto. Este foi o único golo neste Mundial que consegui festejar como deve ser: sem spoilers da vizinhança, sem estar no trabalho, gritando “GOLO!” em coro com vários outros adeptos.

 

Quando for o Europeu, daqui a dois anos, vou fazer tudo para, pelo menos, evitar os spoilers.

 

Infelizmente, a alegria não durou muito. Pouco mais de cinco minutos mais tarde, os uruguaios regressavam à vantagem, numa jogada em que Pepe ficou mal na fotografia, o meio-campo português foi inútil e Cavani estava completamente desmarcado. 

 

Passámos o resto do jogo a correr atrás do empate, sem sucesso. Cristiano Ronaldo seria muito aplaudido por ter amparado Cavani para fora do campo, quando este se lesionou, mas eu desconfio que ele queria evitar que o uruguaio perdesse tempo com fitas. Nos últimos minutos do jogo, Rui Patrício subiu mesmo ao meio-campo do Uruguai – sintoma típico de equipa desesperada. Eu acreditei até ao fim – não seria a primeira vez que um marcador funcionava à beira do fim.

 

imagem de cabeçalho.jpg

  

Não serviu de nada. A derrota manteve-se.

 

Muitos dizem que esta segunda parte foi a melhor prestação de Portugal no Mundial, mas não consigo concordar. Na minha opinião, nenhuma exibição pode ser considerada “boa” se o adversário consegue marcar sempre, ou quase sempre, que vem à nossa baliza. Como reza um dos Menos Ais, “vitórias morais não têm arte nem engenho”. Não tinha saudades nenhumas – nenhumas – de “jogar bem” e perder.

 

Foi isto a nossa participação no Mundial, em suma: um inusitado empate com a Espanha, onde só deu Ronaldo; uma exibição sofrível perante Marrocos, que ao menos deu três pontos; uma exibição melhorzita perante o Irão mas que só chegou para o empate; uma boa exibição perante o Uruguai, mas sem eficácia e com erros defensivos. Foi melhor que 2014, é certo, mas não que 2010. Era irrealista apontar para o título, mas acho que todos esperávamos mais da Seleção Campeã da Europa.

 

Eu definitivamente esperava mais. Esperava ficar no Mundial até às meias, ou pelo menos aos quartos-de-final.  Como referi antes, só pude festejar um golo como deve ser. E queria ter assistido a pelo menos um jogo no Terreiro do Paço, na fan-zone, onde fui entrevistada.

 

O Mundial continua sem nós e eu confesso que não tenho grande vontade de ver os outros jogos. Não sou daquelas pessoas que, aquando do apito final, declararam prontamente que o Mundial para elas acabara. Não sou assim tão lusocêntrica. Mas não consigo evitar pensar, sempre que passam jogos ou vejo notícias sobre o Mundial, que nós podíamos ainda estar lá.

 

part_5__what_s_up_unova__by_justlex-d62gvjq.jpg

  

Não ajuda saber que outras grandes seleções, como a Alemanha, a Espanha e a Argentina, também já vieram para casa. Pelo contrário, com uma boa parte dos tubarões fora da corrida, esta era uma boa oportunidade de tentar o título.

 

Agora que estamos fora, não torço por ninguém em particular. Só não quero que a França ganhe.

 

Já conto catorze anos disto, uma mão-cheia de campeonatos de seleções, mas derrotas como esta não deixam de doer. É possível que doa mais agora, já que não tivemos de lidar com finais infelizes durante quatro anos (como escrevi na altura, a Taça das Confederações não me desiludiu por aí além).

 

Ao menos agora podemos consolar-nos recordando a final de Paris. Mais: são muito poucas as mágoas que não se curam com uma tablete grande de chocolate e o documentário “10 de julho”.

 

Há de passar. Se Fernando Santos e a Federação em geral fizerem as coisas como deve ser, hão de olhar para este Mundial, perceber porque é que não resultou e procurar corrigir os erros, para os próximos compromissos da Seleção. Daqui a dois meses começa um novo ciclo, com a Liga das Nações, uma prova novinha em folha, e a Qualificação para o Euro 2020. Os Europeus costumam correr-nos melhor, talvez dê para defendermos o nosso título… mas não nos adiantemos.

 

Um agradecimento a todos os que acompanharam o Mundial da Seleção comigo, quer através do blogue, quer através da página do Facebook. Nos próximos dois meses o blogue estará em pausa e mesmo a página terá menos atividade. Em setembro haverá mais. Obrigada e até à próxima.

 

Portugal 1 Irão 1– Se tiver de ser

916490_1249185025098166_1540780065_n.jpg

Na passada segunda-feira, a Seleção Portuguesa de Futebol empatou com a sua congénere iraniana por uma bola, em jogo a contar para a fase de grupos do Mundial 2018. Com este resultado, Portugal soma cinco pontos, ficando em segundo lugar no grupo. Assim, passa aos oitavos-de-final, indo enfrentar o Uruguai no próximo sábado, dia 30.

 

Mais uma vez, o trabalho coincidiu com o jogo. Desta feita, foi sobretudo durante a primeira parte. Felizmente, as coisas voltaram a estar calmas e consegui ir vendo o jogo aos poucos. Se me permitem a publicidade gratuita, a aplicação da RTP para o Mundial dá imenso jeito.

 

As coisas não começaram muito mal. Pareceu-me que a equipa estava a jogar melhor que no jogo da semana passada: mais posse de bola, melhor defesa, mais consistência em geral. Também ajudava o facto de os iranianos parecerem nervosos: não vi em direto, mas vi no resumo uma ocasião em que o guarda-redes iraniano e um dos defesas se desentenderam, deixando a bola ao mercê de João Mário. Noutra, o guarda-redes deixou literalmente a bola escorregar entre as mãos, mas infelizmente um dos centrais recuperou-a.

 

Talvez pudéssemos ter marcado mais cedo, mas o golo só veio em cima do intervalo. Foi uma jogada deliciosa: Ricardo Quaresma passa a Adrien, este devolve a bola com o calcanhar e Quaresma remata de trivela para as redes. Para ver e rever.

 

 

Depois de pelo menos duas ocasiões em que Quaresma foi excluído de um Mundial, o Mustang marcava finalmente num Mundial. E não foi um golo qualquer: foi uma trivela! Só prova que já devia ter pisado estes palcos antes. Como sempre, gostei de vê-lo festejando com Cristiano Ronaldo em particular: tomara muitas histórias de amor serem tão bonitas como esta.

 

Durante o intervalo estive ocupada a fechar as coisas no trabalho e quase me esqueci do jogo. Voltei a ligar na altura em que o vídeo-árbitro estudava o lance envolvendo Cristiano Ronaldo, para decidir se era penalti ou não. Acabou por dar luz verde para o castigo máximo.

 

Enquanto Ronaldo se preparava para cobrar, lembrei-me do jogo do Mundial 2006, em que ele marcara de penalti. Seria giro se ele comemorasse da mesma forma, pensei na altura.

 

Infelizmente, o guarda-redes falhou.

 

Não vou censurar o Ronaldo porque, coitado, fora ele a carregar a equipa nos dois jogos anteriores, a fazer quase tudo sozinho. Parecendo que não, ele é apenas humano. Ele dá-nos a mão inúmeras vezes, não podemos exigir o braço.

 

No entanto, a verdade é que o 2-0 naquela altura podia ter-nos poupado uns quantos anos de vida. Parece que, neste Mundial, teremos de fazer tudo da maneira difícil.

 

Mais sobre isso adiante.

 

Saí do trabalho após o penalti falhado e ouvi um bom bocado da segunda parte na rádio. Consta que, depois do falhanço do Capitão, Portugal deixou-se ir um pouco abaixo.

 

Já não tem piada, minha gente. Estamos numa fase em que, se Ronaldo espirra, a Seleção constipa-se logo. Será que os Marmanjos se esqueceram todos que ganhámos em Paris com Ronaldo no banco? Porque é que eles têm tão baixa autoestima?

 

É certo que o jogo sujo dos iranianos não ajudou – nem terão ajudado as irritantes vuvuzelas, que deviam ter ficado em 2010 (e que já não tinham deixado os portugueses dormir, na véspera). Conseguiram fazer com que o Quaresma se irritasse e visse o amarelo. Consta, aliás, que todo o banco do Irão passou o jogo em cima da equipa de arbitragem. Carlos Queiroz foi particularmente desprezível, acicatando os adeptos iranianos com gestos de vídeo-árbitro e, como já toda a gente viu, tentando provocar o João Moutinho, quando este se preparava para entrar.

 

E eu que pensava que ia tolerá-lo melhor, neste Mundial… Até Fernando Santos, que é amigo de Queiroz, se irritou com ele.

 

Felizmente, por essa altura, Espanha estava a perder com Marrocos, por incrível que parecesse. Fiquei com sentimentos de culpa por ter sido tão dura para com os nossos, na semana passada, mas o que interessa é que, com esse resultado, passávamos em primeiro.

 

Cheguei a casa no preciso momento em que o VAR tinha sido acionado por possível cartão vermelho a Ronaldo.  Vendo a jogada, não me parece que fosse vermelho: Ronaldo mete o braço à frente do jogador iraniano mas sem brusquidão, sem intenção de magoar. Nem todos se lembram, provavelmente, mas, quando era mais novo, ele já teve situações parecidas em que o cotovelo dele deixou adversários a sangrar do nariz. Acreditem, isto foi diferente. Queiroz mais tarde diria que cotovelo é sempre vermelho – ele sabe mais acerca de futebol do que eu, mas, até ao momento, não vi mais ninguém corroborando essa informação. A maior parte dos comentadores diz que não era vermelho.

 

E ainda bem que não foi vermelho que, se Ronaldo tivesse sido expulso, o resto da equipa implodia.

 

Depois desta, contudo, começou tudo a correr mal quase ao mesmo tempo: a Espanha empatou frente a Marrocos e foi marcado um penalti contra nós, por mão na bola de Cédric.

 

Sinceramente, acho que não era penalti. A bola parece tocar no braço do lateral, sim, mas isso não afeta a trajetória. Se mais provas fossem necessárias, no dia seguinte houve uma situação praticamente igual, no jogo da Argentina, e não se marcou nada.

 

Não sou capaz de censurar o árbitro, contudo – quem é que conseguiria funcionar com a pressão dos iranianos? Além disso, sejamos sinceros, Portugal pusera-se a jeito.

 

O penalti foi executado na perfeição, Rui Patrício não podia fazer nada. Ainda apanhámos um susto daqueles no minuto seguinte, com um remate que foi parar à malha lateral. Eu ia tendo um AVC… Teria sido uma maneira horrível de sair do Mundial: perante Queiroz, de todas as pessoas.

 

Felizmente, lá conseguimos segurar o empate e passar à fase seguinte, deixando o Irão pelo caminho. No final do jogo, Queiroz disparou em todas as direções – e não posso dizer que tenha ficado surpreendida. Destaque-se a guerra de palavras que ele manteve com Quaresma, em que Queiroz não conseguiu arranjar melhores argumentos que um ataque ao carácter do jogador e debitar o seu currículo no futebol – como se isso lhe desse o direito de ser mesquinho.

 

Por outro lado, adorei esta resposta do Quaresma.

 

É por isso que eu não consigo respeitá-lo. Toda a gente diz, com razão, que Queiroz fez muito pelo futebol português. Eu estou grata por isso, não me interpretem mal! Mesmo em relação ao seu trabalho como técnico das Quinas, entre 2008 e 2010, sei que ele fez o melhor que sabia. Mas nada disso atenua o seu mau carácter. Ainda bem que os iranianos gostam tanto de Queiroz. Ele que fique por lá – não faço questão nenhuma de tê-lo de volta.

 

Enfim. Espero não ter de voltar a escrever sobre Queiroz neste blogue. Pelo menos não tão cedo.

 

Como a Espanha tinha mais golos marcados, ficámos em segundo no grupo. Antes do Mundial começar, era expectável, mas, depois de termos tido o primeiro lugar na mão, é um bocadinho frustrante. Sobretudo porque o nível exibicional da equipa continua a deixar muito a desejar.

 

Sinceramente, já não sei o que dizer sobre isso. Pelo menos não que já não tenha dito antes. Continuo a achar que precisamos de mais, eu e toda a gente, mas, mal por mal, até estamos a conseguir os resultados pretendidos. Afinal de contas, em 2014, não sobrevivemos à fase de grupos, para começar. Além disso, a Espanha também teve dificuldades com Irão e Marrocos, como vimos acima. Nos outros grupos, a Argentina qualificou-se apenas à última hora e a Alemanha – a Alemanha – foi para casa.

 

Não estamos assim tão mal por comparação, mas será que chega? Vai chegar para vencermos o Uruguai amanhã?

 

Fernando Santos já veio dizer que planeia ficar muito tempo ainda na Rússia. Não falou do dia 15, mas de tempo suficiente para o neto vir vê-lo no domingo, para matar saudades.

 

Não surpreende.  O técnico só não disse isto antes, porque, como Campeões Europeus, o povo estava confiante. Agora, após estes jogos fraquinhos, é que Fernando Santos traz uma versão atenuada do “Só venho dia 11 para Portugal”.

 

Pois bem, se estamos a repetir as mensagens, os rituais de há dois anos, eu repito o meu: se tiver de ser sempre assim, a sofrer, com exibições fraquinhas, resvés Campo de Ourique, que seja. Se isso nos permitir seguir em frente na prova, quiçá chegar à final e ganhá-la, eu aceito. Vou morrer de enfarte aos quarenta anos, com tanto sofrimento acumulado, mas, com muita sorte, morrerei depois de ver Portugal Campeão do Mundo.

 

Não sei muito bem o que esperar deste primeiro mata-mata. Talvez as peças se encaixem e façamos, finalmente, um bom jogo. Talvez mantenhamos o nível da fase de grupos e seja suficiente para vencer o Uruguai… ou não. Eu ainda nem pensei pós-oitavos – nem sequer sei as datas dos quartos-de-final.

 

Dito isto, vou acreditar, como sempre. O Selecionador já acertou antes. Se ele acredita, eu acredito também. Havemos de conseguir.

 

Termino com o vídeo da minha entrevistazinha de segunda-feira ao Queridas Manhãs. Foi uma coisa curtinha, mas valeu a pena, foi divertido. O meu obrigada à equipa do Queridas Manhãs (sobretudo ao Ricardo Gama e à Maria Botelho Moniz) pelo convite e pela simpatia.

 

Portugal 1 Marrocos 0 – Brincando com o fogo

32147288_654677578198946_9021206302734417920_n.jpg

Na passada quarta-feira, dia 20 de junho, a Seleção Portuguesa de Futebol venceu a sua congénere marroquina por uma boa sem resposta, em jogo a contar para a fase de grupos do Mundial 2018. Com este resultado, Portugal soma quatro pontos, ficando muito perto dos oitavos-de-final da competição… mas ninguém está satisfeito, eu incluída.

 

O jogo começou à uma da tarde. Como era a minha hora de almoço, o meu plano era ver a primeira parte no café, só que o trabalho atrasou-se. Ligámos o rádio, mas não consegui prestar grande atenção. Tirando, claro, quando o Ronaldo marcou, a sequência de um canto: aí, deu para tirar um minuto para festejarmos.

 

Devo dizer que gostei da jogada que desaguou no golo, quando mais tarde vi os resumos. Foi interessante a maneira como o canto foi cobrado, à maneira curta: Bernardo Silva passou para João Moutinho, que por sua vez assistiu para a cabeça de Ronaldo.

 

Foi uma entrada à campeão, não haja dúvida. O pior é que, segundo consta, só durou dez minutos. Quando finalmente consegui chegar ao café, já estávamos em declínio e Marrocos crescia.

 

Gostava de apontar para uma jogada que me deu um dejá-vu do jogo com a Espanha: Cristiano Ronaldo conseguiu isolar Gonçalo Guedes, mas o remate saiu-lhe fraco, o guarda-redes defendeu com uma mão. Eu, na altura, até exclamei, lá no café: “Ó Guedes!” – Ronaldo oferecia-lhe (mais) esta prenda e  miúdo desperdiçava?!?

 

IMG_20180411_140530.jpg

 

Eu sei que toda a gente se rendeu a Guedes nesta temporada, mas as coisas não lhe estão a correr bem neste Mundial. Não está na altura de dar uma oportunidade a André Silva? Também é um miúdo, não teve uma época por aí além, mas tem a experiência de quase dois anos de parceria com Cristiano Ronaldo (incluindo a Taça das Confederações) e uma mão-cheia de golos pela Seleção. A meu ver, já devia ter sido titular frente a Marrocos.

 

Costuma-se dizer que a definição de loucura é fazer a mesma coisa várias vezes, esperando diferentes resultados. É certo que, neste caso, só se fez o mesmo duas vezes. É possível que, à terceira, Guedes entre nos eixos. Mas será prudente correr esse risco? Eu, pelo menos, nesta altura do campeonato, apostaria numa solução que já resultou várias vezes antes.

 

Gonçalo Guedes, de resto, não foi o único ineficaz neste jogo: foi ele e metade da equipa. Portugal parecia ter alergia à bola, o meio-campo era inexistente, tirando João Moutinho. Marrocos só não marcou por causa de Rui Patrício, dos nossos centrais e da sua própria falta de eficácia. 

 

Na verdade, se formos a ver, os que melhor estiveram em campo foram os veteranos: Cristiano Ronaldo (claro), Rui Patrício (com um par de defesas espetaculares), João Moutinho, José Fonte, Pepe (tirando algumas situações disciplinares parvas), Cédric até certo ponto. Quem não esteve bem foram os mais novos, tanto aqueles que se estreiam em campeonatos desta envergadura, como aqueles que já foram Campeões Europeus: Guedes, Bernardo Silva, João Mário, Bruno Fernandes, Raphael Guerreiro.

 

Estou um bocadinho desapontada com este último, aliás. Vocês sabem que ele tem sido um dos meus favoritos nos últimos anos, mas, neste jogo, foi uma porta aberta para os marroquinos. Custa-me dizê-lo, mas talvez não tenha sido boa ideia trazê-lo para a Rússia, depois de todas as lesões que teve ao longo da época.

 

IMG_20170306_1238851_HDR.jpg

  

Só acompanhei a segunda parte via rádio, já no trabalho. Felizmente, pude ir prestando atenção – estava quase tudo parado, precisamente por causa do jogo. Mas talvez tivesse sido melhor para a minha saúde se não tivesse a segui-lo: dava para perceber que Marrocos estava a dar-nos um autêntico banho de bola. Nuno Matos, de vez em quando, dizia coisas como:

 

– Ó Gelson! Ó Raphael! Vocês estão no Mundial!

 

Ao fim daquilo que pareceram horas, lá sobrevivemos ao apito final – com três pontos e, pelo menos no meu caso, com menos dez anos de vida e uma dor de cabeça que durou o dia todo.

 

Agora que penso nisso, é muito estranho estarmos mais irritados no fim de uma vitória no Mundial do que estivemos no fim de um empate. Sobretudo tendo em conta que esta vitória nos deixa com, vá lá, meio pé nos oitavos de final. E, não me interpretem mal, eu estou satisfeita com isso. Estamos numa situação muito melhor que no último Mundial, ao segundo jogo. Mesmo em relação a 2012 e 2016, estamos bem melhores em termos pontuais – e em 2016 não partilhávamos o grupo com uma equipa ao nível de Espanha!

 

916490_1249185025098166_1540780065_n.jpg

   

Por outro lado… foi um jogo paupérrimo! Uma exibição medíocre! Ainda deu para aceitar quando foi frente à Espanha porque, bem, era a Espanha. Mas isto era Marrocos! Uma seleção que não vinha ao Mundial há vinte anos! Nós somos Campeões Europeus, por amor da Santa! Não podemos ter exibições destas!

 

Eu confesso que fiquei com um bocadinho de pena dos marroquinos. Eles mereciam mais – até porque, aqui entre nós, o árbitro pareceu estar do nosso lado.

 

Não é tanto a questão de merecer, que é sempre relativa, que me incomoda. Isto preocupa-me porque… estamos a brincar com o fogo. Neste jogo, bastou-nos Cristiano Ronaldo, Rui Patrício e pouco mais para ganhar. Mas não podemos encostar-nos sempre a eles. E se o Ronaldo estiver menos inspirado num destes jogos? E se o Patrício não conseguir defender todas? E se encontramos um adversário mais eficiente a atacar?

 

Confesso que ando a ver alguns fantasmas de 2014. Também há quatro anos a Seleção vinha de alguns particulares médio/bons mas, quando o Mundial começou, quase todos se esqueceram de como se joga futebol. A diferença é que, este ano, isso só está a acontecer a uma parte da equipa, felizmente. Há quatro anos isso devia-se a uma epidemia de lesões. Desta feita, ninguém percebe ao certo o que se está a passar – nem mesmo Fernando Santos, no final do jogo.

 

tumblr_oh9ym4oznq1ru6zhto7_1280.jpg

  

Este disse, aliás, que ia falar com os jogadores. Eu espero mesmo que ele o tenha feito, que tenha havido sermão e missa cantada. Porque, se continuamos assim, não iremos longe neste Mundial. Precisamos de mais.

 

Por outro lado, a verdade é que ninguém parece estar a fazer um Mundial brilhante. Só seleções como França, Inglaterra e Bélgica, que, no entanto, estão em grupos mais “acessíveis”. A Alemanha perdeu com o México e só ganhou, ontem, à Suécia no último minuto. O Brasil empatou com a Suíça. A Argentina… coitada. A situação deles lembra-me a nossa, há quatro anos, não a desejo a ninguém. Por comparação, nós não estamos assim tão mal.

 

E contudo… eu continuo a querer mais. Quero ir o mais longe possível neste campeonato e isso só será possível se jogarmos melhor. Talvez estejamos a repetir o percurso do Euro 2016: uma fase de grupos fraquinha, mas, depois disso, só parámos na final. Talvez melhoremos já amanhã, ou mesmo nos oitavos.

 

Falemos, então, sobre o último jogo da fase de grupos. Tecnicamente, basta-nos um ponto para seguirmos em frente, mas jogar para o empate nunca é boa ideia (se a nossa exibição no jogo de quarta era o que a Seleção entende por “jogar para a vitória”, nem quero imaginar o que eles entenderão por “jogar para o empate”...). Os iranianos ainda podem ir aos oitavos, mas precisam de uma vitória. Não lhes faltará motivação – ainda por cima, têm um treinador que nos conhece bem.

 

A última coisa que quero, nesta altura, é perder contra Carlos Queiroz, de todas as pessoas. Ele que, à primeira vista, parece amigável para com a Seleção mas, de vez em quando, sai-lhe uma boca mais aziada. Como quando se queixou de não ter tido Ronaldo durante o Mundial 2010 – esquecendo-se convenientemente que, nos primeiros dois jogos pós-Queiroz, Ronaldo marcou dois golos (o mesmo número de tentos que marcara nos dois anos de Queiroz ao leme).

 

18809613_1902645163281336_3142023852700205056_n_b4

 

Vamos esperar que Ronaldo e Rui Patrício mantenham o nível dos últimos jogos e que os restantes melhorem. Nós somos capazes de muito melhor – não quero acreditar no contrário! Têm é de prová-lo em campo. Quero continuar no Mundial durante o maior tempo possível.

 

Antes de terminarmos… lembram-se de quando fui ao A Tarde é Sua, em 2012? Pois bem, vou voltar à televisão por causa daqui do blogue. Desta feita será amanhã, na Sic, no Queridas Manhãs especial Seleção. Devo aparecer algures entre as nove e as dez da manhã. Será uma coisa rápida, em princípio. Deem uma espreitadela, se puderem. Se não puderem, hei-de filmar a minha participação e pô-la aqui, na Internet. Estejam atentos e… desejem-me sorte!

Portugal 3 Espanha 3 – Como é possível?

16427212_1891025941132612_3127432905469863124_n.pn

Na passada sexta-feira, dia 15 de junho, a Seleção Portuguesa de Futebol empatou com a sua congénere espanhola por três bolas, em jogo a contar para a fase de grupos do Mundial 2018.

 

Conforme tinha dito que faria, em vez de uma análise em texto corrido, partilho com vocês algumas notas sobre o jogo. Assim, sem mais delongas...

 

1) O jogo não podia ter começado da melhor forma: eu mesma gritei “Penálti!” quando Cristiano Ronaldo caiu na área. Felizmente o árbitro concordou. Confesso que receei que Cristiano falhasse – não seria a primeira vez e poderia ser grave em termos anímicos. Mas não: Ronaldo converteu. Ainda não tinham passado cinco minutos e Portugal já seguia na frente.

 

2) Este e os outros golos foram estragados pelos meus vizinhos – que festejaram antes de o árbitro ter apitado, na nossa televisão. Quando foi na final do Europeu, não me ralei, mas neste – um jogo menos tenso – chateou-me. Se isto continuar, talvez deixe de ver os jogos em casa.

 

3) Portugal foi conseguindo dominar nos primeiros dez, vinte minutos de jogo. Houveram várias ocasiões em que a defesa recuperava a bola e, depois, ou Ronaldo ou Gonçalo Guedes partiam para o contra-ataque.

 

4) O que nos leva à muito comentada jogada, em que Ronaldo, após um sprint daqueles, centrou para Guedes e este não soube o que fazer com a bola – oportunidade de ouro desperdiçada. Ele, Bernardo Silva, Bruno Fernandes e os outros miúdos estiveram uns furos abaixo do que lhes é habitual. Acho que foi sobretudo nervosismo: era o primeiro jogo deles no Mundial e era a Espanha. Qualquer um que não estivesse habituado aquelas andanças ficaria nervoso. Nesse aspeto, talvez os próximos jogos, com adversários de menor prestígio (não necessariamente mais acessíveis), os habituem a estes palcos.

 

Mas se chegarmos ao jogo com Marrocos e eles continuarem abaixo do que deviam, vão ter de arranjar outra desculpa.

 

5) A Espanha marcou numa altura em que começava a mandar no jogo. Diego Costa fez falta a Pepe para lhe roubar a bola, fez o que quis com o resto da defesa portuga (aqui entre nós, se o Pepe tivesse parado mais cedo com a fita, talvez tivesse conseguido travar o golo) antes de rematar – Rui Patrício não pôde fazer nada.

 

Aparentemente o vídeo-árbitro não viu nada de mal na jogada – claro que não, nunca veem. Ainda hoje levo com pessoas dizendo que Portugal não mereceu ganhar o Euro 2016 – mas nós não precisámos de favores de árbitros para ganharmos. Bem pelo contrário, tivemos de lutar durante anos contra o colinho das autoridades do futebol a um lote exclusivo de seleções. E continuamos, mesmo depois de Campeões Europeus. De que serve o VAR se as equipas beneficiadas e as prejudicadas continuam as mesmas?

 

6) O segundo golo de Cristiano Ronaldo veio em cima do intervalo, um bocadinho contra a corrente do jogo. De Gea ficou muito mal na fotografia. Confesso que reagi de forma um bocadinho intempestiva a este golo. Posso ter twittado coisas como “Contra árbitros e contra VARS! É por isto que somos Campeões Europeus!”, pontuadas por palavras ainda mais expressivas – quando o resultado estava a ser melhor que a exibição. Eu mereci o que aconteceu a seguir. Em minha defesa… sabia mesmo bem estar a ganhar à Espanha num jogo oficial pela primeira vez desde 2004 – sobretudo depois de termos sido roubados.

 

7) Na segunda parte, passámos da vantagem à desvantagem em cerca de cinco minutos. No primeiro, Busquets assistiu de cabeça para Diego Costa chutar para as redes, no segundo, Nacho disparou de fora da grande área, sem hipótese para Rui Patrício – um golo verdadeiramente espetacular.

 

part_5__what_s_up_unova__by_justlex-d62gvjq.jpg

 

8) Passámos a meia hora seguinte a correr atrás do resultado, sem grande sucesso, assistindo ao famoso tiki-taka Fernando Santos fez entrar João Mário, Ricardo Quaresma e André Silva e sempre melhorou um bocadinho. Finalmente, aos 88 minutos, Piqué deu um empurrão desnecessário a Ronaldo e o árbitro marcou livre a nosso favor.

 

9) Cá em casa, achámos todos piada ao ar concentrado, mesmo feroz, de Ronaldo enquanto se preparava para marcar o livre – como se quisesse desfazer a barreira espanhola com os olhos. O meu pai estava armado em Velho do Restelo, a dizer que ele ia falhar, que ele já estava velho, enfim. Depois do golo, éramos três – eu, a minha mãe, a minha irmã – a cantarolar-lhe: “Bem feita! Bem feita!”

 

Aqui entre nós, antes do golo, eu não me atrevia a acreditar. Era demasiado presunçoso, sonhar demasiado alto, esperar que Ronaldo rematasse, desenhando uma parábola perfeita por cima da barreira espanhola, diretamente para as redes. Mas foi isso que ele fez.

 

10) Em suma, Cristiano Ronaldo, quase sozinho, garantiu-nos um empate com a Espanha. Com a Espanha – a mesma seleção a quem só tínhamos ganho uma vez em jogos oficiais, aquela que muitos referiam com uma das favoritas ao título, aquela que inclui meia dúzia de campeões europeus em clubes.

 

Como é possível? Ele tem trinta e três anos! Com a idade dele, Luís Figo retirou-se da Seleção (nem te atrevas, Ronaldo…)! Longe disso, Ronaldo parece cada vez melhor – ao longo dos anos fomos enfrentando equipas deste nível e ele nunca tinha feito isto. Nem em 2010, nem em 2012, nem em 2014, nem mesmo em 2016 – embora, nesta última, talvez pudesse tê-lo feito, se não se tivesse lesionado. Como é possível?

 

11) Como já devem saber, irrita-me quando dizem que a Seleção é Ronaldo-mais-dez. Nos últimos tempos, tenho mudado um pouco a minha perspetiva sobre o assunto: às vezes é problemático quando dependemos demasiado de Ronaldo, mas qualquer equipa abdicaria de metade do seu plantel para ter um jogador como ele. Nós somos abençoados. E, se temos Ronaldo, é para usá-lo.

 

12) Não foi de todo uma má estreia. Eu estava disposta a aceitar uma derrota. Em vez disso, conseguimos um empate e, na minha modesta e nada especializada opinião, os principais motivos para não termos conseguido um melhor resultado foram nervosismo e erros – não falta de argumentos. Conseguimos fazer melhor. Posso estar enganada, claro, mas Fernando Santos parece concordar comigo e já todos vimos jogadores como Guedes, Bernardo Silva, Bruno Fernandes num nível bem melhor.

 

Nesse aspeto, os reparos de Fernando Santos, no final do jogo, a sua exigência, dão-me mais confiança. Ele e os jogadores hão de corrigir os erros e talvez façamos coisas giras neste Mundial. Com um bocadinho de sorte, quando voltarmos a encontrar equipas do calibre de Espanha, conseguiremos mais do que um empate.

 

Mas também, se voltarmos a cumprir o “de empate em empate até ao empate final” com o mesmo sucesso de 2016, não tenho nada contra.

 

13) De nada vai servir este empate se não ganharmos amanhã a Marrocos, claro. Dizem que, depois de terem perdido frente ao Irão com um auto-golo no último minuto, os marroquinos vão querer descarregar em nós. Não vai ser um jogo fácil, mas acredito nos nossos jogadores, acredito em Fernando Santos. Vamos conseguir.

 

14) Antes de terminar, uma nota para as montagens que a RTP3 iam exibindo, com imagens do jogo e a música Sangue Oculto, dos GNR e Javier Andreu. Adorei-as: sempre gostei imenso desta música, é um membro recorrente da minha playlist da Seleção. E, claro, sendo um dueto ibérico, é mais do que adequada a um Portugal-Espanha. Muito bem sacado.

 

15) Por fim, fiquem atentos à página do Facebook deste blogue. Em breve, terei algo para anunciar, estou só à espera de receber luz verde para fazê-lo. Continuem desse lado e... força Portugal!

 

tumblr_oh9ym4oznq1ru6bozhto7_1280.jpg