Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Os pensamentos de uma simples adepta da Seleção Nacional, que não percebe assim tanto de futebol mas que é completamente maluca pela Equipa de Todos Nós.

Voltaremos!

avatar.jpg

No passado dia 28 de junho, a Seleção Portuguesa de Futebol foi derrotada nos pénaltis, nas meias-finais da Taça das Confederações, pela sua congénere chilena. Quatro dias mais tarde, disputou o terceiro lugar na prova com a sua congénere mexicana, vencendo-a por duas bolas contra uma.

 

O jogo com o Chile nem começou mal. Pelo contrário, a primeira parte foi muito bem disputada por ambas as equipas. Dava gosto ver.

 

Algo a que achei piada foram as ocasiões (pelo menos duas), em que um dos guarda-redes fazia uma defesa espetacular para depois, na resposta, o guarda-redes adversário fazer uma defesa idêntica.

 

DC2KQJlW0AAtQSf.jpg

 

No entanto, na segunda parte, a qualidade do jogo começou a decair. A ideia que ficou era de que Fernando Santos queria jogar para o prolongamento, para os penáltis. Talvez contasse com a (relativa) sorte que nos ajudou a conquistar o título europeu, no ano passado.

 

E até parecia que a Sorte (e o árbitro, diga-se de passagem) estava do nosso lado. Sobretudo quando chegou o prolongamento e Portugal parecia resignado a aguentar os chilenos, à espera do desempate final. José Fonte cometeu uma falta para grande penalidade que, por algum motivo, escapou ao vídeo-árbitro (provando que este ainda possui muitas arestas por limar).

 

O caso mais caricato, contudo, ocorreu em cima do final do prolongamento: um lance em que a bola bateu duas vezes nos ferros portugueses.

 

 

Eh pá, lembram-se de quando os postes costumavam ser os nossos maiores adversários?

 

O Rui Patrício até se riu após esse lance. Mas quem ri por último…

 

É a terceira vez que escrevo sobre desempates por grandes penalidades. Volto a dizer que não acredito na corrente de que os penáltis são cem por cento lotaria. Sobretudo depois deste jogo.

 

A sério, pessoal. Acham mesmo que uma equipa falha três penáltis seguidos por azar? Tenham juízo!

 

Conforme já referi duas vezes antes, na minha opinião, os penáltis são quarenta por cento perícia, trinta por cento estado psicológico e emocional, trinta por cento sorte. Ricardo Quaresma pode ter falhado o primeiro penálti por falta de sorte, admito. Mas depois disso deu-se o efeito bola de neve.

 

Portugal-Gana06.jpg

 

João Moutinho tem um conhecido historial de penáltis falhados – afinal de contas, Cristiano Ronaldo teve de encorajá-lo, num momento que já se tornou icónico, aquando das grandes penalidades contra a Polónia, no ano passado. No entanto, neste jogo, perante o falhanço de Quaresma, não me surpreendeu que tivesse sucumbido à pressão. Nem que o mesmo tenha acontecido a Nani.

 

Depois do jogo, debateu-se se Cristiano Ronaldo deveria ter batido o primeiro penálti, tal como tinha feito aquando do jogo com a Polónia. Eu sou da opinião de que devia. Nos quartos-de-final do Europeu, foi importante termos tido o Capitão dando o exemplo aos colegas, sobretudo a Moutinho. Além disso, da outra vez em que tínhamos caído nas grandes penalidades, Ronaldo também não chegou a bater a sua. Não me parece que tenha sido coincidência. Como tal, não compreendo que não tenhamos começado pelo Ronaldo nestes penáltis.

 

A única explicação que me ocorre é que Fernando Santos quis apostar nos jogadores suplentes, menos desgastados.

 

Por outro lado, também admito que não fosse certo que Cristiano Ronaldo tivesse acertado o primeiro penálti. Além disso… o Quaresma é um dos mais experientes do grupo. Ele devia ter marcado.

 

portugal.jpg

 

Havemos de voltar a falar sobre penáltis mais à frente.

 

Não, Portugal só se pode culpar a si próprio por este desfecho. Não apenas pela maneira como abordou os penáltis, mas também por ter sido demasiado conservador ao longo dos cento e vinte minutos de jogo. Quase todos concordam que a Seleção tinha capacidade para ir à final e lutar pelo título. Podemos ter desperdiçado uma oportunidade única. Não só porque será difícil Portugal voltar a Qualificar-se para uma Taça das Confederações, como também porque talvez esta tenha sido a última edição da prova.

 

No entanto, há que recordar que isto é “apenas” a Taça das Confederações: uma prova a respeitar, mas que não tem o mesmo prestígio que um Europeu ou Mundial. Até agora, seleções que vencem a Taça das Confederações nunca venceram o Mundial do ano seguinte. Tal como referiu António Tadeia, um dos possíveis motivos será a tentação dos selecionadores em apostarem na mesma equipa e/ou na(s) mesma(s) tática(s) que resultara bem antes – quando, se calhar, os jogadores já não têm o mesmo rendimento que um ano ou dois antes e a(s) tática(s) não são adequadas àquela estrutura de prova e àqueles adversários.

 

Em linha com isso, prefiro que a Seleção Portuguesa e Fernando Santos tenham cometido esses erros nesta prova, em vez de os terem cometido num Europeu ou Mundial. Pode ser que aprendamos a não depender demasiado da tática do Euro 2016. Até porque, agora, temos jogadores como André Silva, Bernardo Silva, Gelson Martins – bons para jogar ao ataque.

 

IMG_20170306_124546_HDR.jpg

  

Antes das alegações finais, falemos do jogo pelo terceiro lugar, contra o México… outra vez.

 

Confesso que não estava particularmente interessada neste encontro. Jogos pelo terceiro lugar são um bocadinho fúteis. Chegam mesmo a ser cruéis para os jogadores: estes estão cansados, deprimidos por terem falhado a final, talvez com saudades e casa, das respetivas famílias. O bronze não é grande motivador. Eu mesma já pensava assim aquando do Mundial 2006.

 

Curiosidade: o jogo pelo terceiro lugar foi abolido em Europeus em 1980 por (segundo o livro A Fúria do Euro, de Michael Coleman) o encontro dessa prova, entre a Itália e a Checoslováquia, ter sido uma seca – o desempate por grandes penalidades ficou em 9-8, a favor da Checoslováquia.

 

Por sua vez, a Seleção deixou bem claro o investimento que faria no jogo quando dispensou Cristiano Ronaldo para que pudesse conhecer os filhos.

 

cristiano-ronaldo-filhos-023.jpg

  

Confesso que essa decisão me deixou desconfortável. É certo que os filhos nasceram há pouco tempo e que Ronaldo abdicou de ir vê-los mais cedo. Mas ele não é o único com filhos e outros compromissos familiares entre os Marmanjos. O Rui Patrício, por exemplo, tem um filho com menos de um ano e uma filha por nascer. Pizzi tem um filho com um ano de idade e adiou a sua lua-de-mel para vir à Taça das Confederações. Porque não tiveram eles, também, direito a dispensa?

 

Incomoda-me ainda mais o discurso de alguns dos protagonistas da Seleção, dando a entender que devíamos estar gratos por Cristiano Ronaldo nos ter feito o especial favor de comparecer na Taça das Confederações.

 

Tudo isto são precedentes perigosos. Receio que, um dia, tudo isto se volte contra os responsáveis pela Seleção.

 

Regressando ao jogo com o México, nesse dia, tive pessoas em casa a almoçar. Como tal, nem sempre consegui acompanhar o jogo como deve ser, sobretudo durante a segunda parte.

 

Conforme era de esperar, Portugal alinhou com um onze com oito alterações em relação ao jogo com o Chile (destaque para Pizzi e Gelson Martins a titulares). Entrámos melhor que no primeiro jogo com o México (não que fosse difícil), claramente por cima, mas incapazes de acertar com a baliza.

 

IMG_20170325_194109_1.jpg

 

Um bom exemplo da nossa falta de acerto foi o penálti assinalado a favor de Portugal, aos dezasseis minutos, que André Silva desperdiçou – ainda a bola de neve que começara no jogo com o Chile.

 

Como toda a gente sabe, nestas coisas, que não marca sofre. E acabámos por ser nós mesmos a boicotar-nos, via auto-golo de Luís Neto, no início da segunda parte.

 

Tal como referi acima, não consegui prestar muita atenção durante esse período do jogo. Consta que Portugal continuava a desperdiçar oportunidades. A partir de certa altura, resignei-me: não me apetecia estar a sofrer por um mísero terceiro lugar.

 

Os Marmanjos não pensavam assim, felizmente. Desse modo, Pepe acabou por obrigar os mexicanos a provarem do seu próprio veneno, ao marcar um golo no tempo de compensação.

 

IMG_20170414_125039_HDR.jpg

  

Nunca me vou cansar da celebração de Pepe, beijando as Quinas que traz no peito. É por estas e por outras que o adoramos e lhe vamos perdoando a sua cabeça quente.

 

O jogo foi, desse modo, a prolongamento. Outra vez. Por motivos óbvios, ninguém do lado de Portugal queria ir a penáltis. Eu mesma quase preferia que os mexicanos marcassem, só para nós pouparem à vergonha.

 

Não foi preciso, graças a Deus. Perto do fim da primeira parte do prolongamento, foi assinalado pénalti a favor de Portugal. Desta vez, estava já Adrien Silva em campo – um perito na marca dos onze metros, mais experiente e, pelos vistos, melhor a lidar com a pressão que André Silva (são muitos “Silvas" na Turma das Quinas…). Assim, foi chamado a bater o penálti e, ao contrário de quatro dos seus colegas, não perdoou.

 

Ainda bem. De outra maneira, a bola de neve podia prolongar-se até aos próximos jogos da Seleção.

 

IMG_20170513_140959_HDR.jpg

  

Dizia eu antes que não planeava sofrer pelo terceiro lugar. No entanto, agora que estávamos em vantagem no marcador, queria que a mantivessem, claro.

 

Não foi fácil. O Nelson Semedo arranjou maneira de ver o segundo amarelo e Portugal ficou obrigado a segurar a vantagem em inferioridade numérica (Gelson acabou como lateral direito). O que nos valeu foi Jiménez, que teve a bondade de repôr a igualdade numérica… após entrada dura sobre o colega de equipa, Eliseu (não se faz…).

 

Os mexicanos não deixaram de tentar o empate. A certa altura quase se pegavam com o árbitro, após um lance duvidoso. Chegaram a bater um livre em que o guarda-redes mexicano, Ochoa (que se parece imenso com o Ted Mosby, de How I Met Your Mother), se veio juntar à barreira (sempre achei piada a essas ocasiões).

 

Mas a vitória já não escapou a Portugal. A Seleção ganhou, assim, a medalha de bronze.

 

IMG_20170414_001557.jpg

  

E sabem uma coisa? Estou satisfeita. Chegar às meias-finais de qualquer prova é sempre bom. Tínhamos meios para ir mais longe, sim, mas não há que ter vergonha do percurso que fizemos na Taça das Confederações – até porque esta foi a nossa primeira vez na competição.

 

Agora o importante é aprender com os erros cometidos, sobretudo no jogo com o Chile, e apontar baterias para o Mundial. Podemos ter perdido agora, mas voltaremos! No próximo ano haverá Mundial na Rússia e Portugal estará lá. Não perdem pela demora.

 

Um agradecimento a todos os que acompanharam o percurso da Seleção na Taça das Confederações comigo, quer através deste blogue, quer da página de Facebook.

 

IMG_20170414_001567.jpg

Portugal 2 Gales 0 - Isto está mesmo a acontecer?

bruno alves por cima.jfif

Na passada quarta-feira, dia 10 de julho, a Seleção Portuguesa de Futebol venceu a sua congénere galesa por duas bolas sem resposta, em jogo a contar para as meias-finais do Campeonato Europeu da modalidade. A Seleção segue agora para a final de Paris, onde vai enfrentar a sua congénere... francesa.

 

Esta é a minha ducentésima publicação aqui no blogue (publicação número duzentos, para os amigos). Dificilmente o timing seria melhor - só mesmo se esta crónica fosse sobre a conquista de um título. Foi para ocasiões como a que estamos a viver neste preciso momento que inaugurei O Meu Clube é a Seleção. Esperei oito anos pela oportunidade de escrever sobre a presença da Equipa de Todos Nós numa final de um campeonato de seleções. Valeu a pena. 

 

Mas falemos do jogo das meias, antes. Não que haja muito a dizer. A primeira parte foi razoavelmente aberta, não desgostei do futebol praticado pelos portugueses, ainda que não tenham havido muitas oportunidades de golo. Da Gales, os lances de maior perigo partiram de Gareth Bale, naturalmente. Em várias ocasiões, valeu-nos Rui Patrício.

 

Na verdade, o jogo resume-se aos dois golos portugueses, aos cinco minutos da segunda parte. Na sequência de um pontapé de canto, Raphael Guerreiro centrou para o meio da grande área galesa. Cristiano Ronaldo deu um salto de quase oitenta centímetros - um daqueles que ele faz de vez em quando e deslumbram toda a gente - e cabeceou a bola diretamente para as redes. Cá em casa estávamos a jantar por esta altura e não consegui gritar "GOLO!" pois estava com a boca cheia de cenoura ralada - à semelhança do que já tinha acontecido antes, só que com esparguete.

 

Ronaldo não se ficou por aqui. Três minutos depois, fez nova tentativa à baliza galesa. A bola acabou por sobrar para Nani, que ampliou a vantagem para as duas bolas. Já conta três golos neste Europeu, mas continua a receber poucos louvores por isso. 

 

golo de nani.jfif

 

Pouco mais aconteceu no jogo depois destes golos. A Gales ainda tentou reduzir a desvantagem, sem sucesso. Portugal podia ter marcado pelo menos mais um golo, teve oportunidades para isso. O marcador não se voltou a alterar até ao fim do jogo.

 

Acreditam que, mesmo passado este tempo todo, ainda não estou cem por cento convencida de que isto não é um sonho? Que Portugal está mesmo na final do Europeu? Que me sinto como aquele miúdo, meio anestesiado depois de ir ao dentista? Eu e a minha irmã, nos primeiros minutos após o apito final, perguntávamos isso uma à outra:

 

- Estamos mesmo na final?

- Isto está mesmo a acontecer?

 

Ainda ontem à tarde estava a comentá-lo para a minha cadela (sim, eu falo para a minha cadela, que é a única que tem sempre paciência para mim...) e, um pouco do nada, comecei a rir-me e não consegui parar durante minutos. Só depois de a França derrotar a Alemanha, conquistando um lugar na final, é que a verdade me atingiu. Portugal vai à final do Europeu. Com a França.

 

aquele abraço.jpg

 

Não é que Fernando Santos tinha razão? Não é que a Seleção vai ficar em Marcoussis até dia 11? Não é que a fé que resolvi adotar no início da preparação do Europeu se está a justificar?

 

Estive doze anos à espera deste momento - quase metade da minha vida. Desde aquela malfadada derrota perante a Grécia. À espera de uma oportunidade concreta de ver Portugal conquistar um título que lhe escapa há demasiado tempo, de desforrar, dentro do possível, a final do Euro 2004, as meias-finais do Mundial 2006 e do Euro 2012.

 

De certa forma, é perfeito. Foi frente à França, no próprio palco da final, que Fernando Santos se estreou como Selecionador. Não vencemos esse jogo (nem qualquer jogo com a França nos últimos quarenta anos, diga-se de passagem...). Mas foi nesse dia, nesse balneário, que jogadores e Selecionadores prometeram tudo fazer para regressarem a esse palco, daí a quase exatamente 21 meses, e sagrarem-se campeões da Europa. 

 

Também é perfeito de outra forma. Perfeito por o nosso adversário ser um dos nossos maiores "inimigos" no futebol. O adversário que nos derrubou nas meias-finais de 1984, 2000 e 2006 (de forma injusta no último caso, pelo menos). Houve até uma altura, após o Mundial 2006, em que fantasiei com uma final Portugal-França, precisamente para nos desforrarmos disso tudo (fantasia essa que contribui para a minha sensação de irrealidade). Além do mais, os franceses têm tido anos e anos de colinho por parte da FIFA e da UEFA, destaque para aquela mão de Deus do Thierry Henry, nos playoffs para o Mundial 2010. Por fim, têm passado o Europeu a criticar-nos, e continuam a fazê-lo. Existirá vingança mais doce do que dar-lhes o seu próprio Euro 2004? Uma derrota caseira na sua final para lamentar para o resto das suas vidas? 

 

renato e bale.jfif

 

Mas isto eu a fantasiar. Voltando à realidade, sei perfeitamente que isto não vai ser nada fácil, raia mesmo o impossível. Como disse antes, a França é um dos nossos maiores demónios e, ainda por cima, joga em casa. Em termos de qualidade, na minha opinião, estão abaixo dos alemães, que perderam a meia-final por erros seus, mas, mesmo assim, os franceses estão muito acima das equipas que temos enfrentado neste Europeu. Vou ser brutalmente sincera: a possibilidade de perdermos é forte. 

 

No entanto, Fernando Santos também tem razão quando diz que é difícil ganhar a Portugal. Não convém esquecer que não perdemos nenhum jogo oficial no seu "mandato". Também acredito no empenho, no espírito de equipa,de sacrifício dos nossos jogadores. 

 

De qualquer forma, aconteça o que acontecer, no dia 11, a seguir à final, estarei no aeroporto da Portela para receber os jogadores, tal como fiz em 2012. Se nem depois do Mundial 2014 fui capaz de virar as costas à Seleção, muito menos fá-lo-ei agora.

 

Feita essa promessa, quero deixar uma mensagem aos jogadores (*põe a tocar como música de fundo um tema épico, estilo Heart of Courage dos Two Steps From Hell. O This One's For You também serve*).

 

Ganhem a final. 

 

todos em cima de ronaldo.jpeg

 

Ganhem pela vossa família e amigos, colegas e treinadores, antigos e atuais, as pessoas que acreditaram em vocês, que tomaram conta de vocês, que vos deram oportunidades para mostrarem o vosso valor, que vos ensinaram, que vos ajudaram, de uma forma ou de outra, a chegar a onde estão agora.

 

Ganhem pelo Eusébio e pelos outros Magriços, pelo Jordão, pelo Chalana, pelo Paulo Futre, pelo Luís Figo, o Rui Costa, o Pedro Pauleta, toda a Geração de Outro, pelo Deco, pelo Maniche. Por todos os jogadores portugueses que também tentaram tornar este sonho realidade, que vos ensinaram direta ou indiretamente, que vos serviram de exemplo e inspiração para se tornarem nos jogadores que são hoje.

 

Ganhem para acertarmos contas com o Destino pela derrota aos pés da Inglaterra há cinquenta anos, pelo golo de Michel Platini a um minuto do prolongamento das meias-finais de 84, pela mão de Abel Xavier em 2000, pela Grécia em 2004, pela falta do Ricardo Carvalho em 2006, pelos penáltis falhados em 2012. Ganhem para vingarmos os inúmeros favorecimentos descarados à seleção francesa e que, a nós, chegaram a ser negados, pelas desconsiderações que pessoas como Michel Platini e Joseph Blatter nos têm feito ao longo dos anos, pelas críticas que franceses (e não só) nos têm dirigido neste Europeu.

 

cachecóis.jpg

 

Ganhem pelos vossos admiradores, pelos adeptos da nossa Seleção espalhados pelo Mundo inteiro (que não se limitam a portugueses), pelos que têm estado convosco nos bons e nos maus momentos. Por mim. Pelos emigrantes em França, porteiros, empregados de limpeza, trabalhadores das obras, que durante anos lutaram por sobreviver à precariedade, à arrogância e xenofobia de muitos franceses. Ganhem para que eles tenham orgulho, por pouco e fútil que seja, na sua nacionalidade.

 

Ganhem para que todos nós possamos falar de vocês aos nossos filhos e netos. Falar da capacidade de liderança de Cristiano Ronaldo, que obrigou João Moutinho a bater o penálti contra a Polónia. Da constante entrega de Nani. Da magia e perseverança de Ricardo Quaresma. Do ímpeto de Renato Sanches. Da elegância de William. Do talento deslumbrante de Raphael Guerreiro. Do imperialismo de Pepe. Das defesas milagrosas de Rui Patrício. Do empenho de todos os que não mencionei aqui, que se têm ajudado uns aos outros a melhorar e que têm honrado a Camisola das Quinas. Da crença inabalável de Fernando Santos. Ganhem por tudo isto e por muito mais.

 

Este vai ser o jogo das vossas carreiras, das vossas vidas. De todas as nossas vidas. Ajam de acordo com isso. 

 

Sem pressão.

 

estamos na final.jpg

 

(Se por acaso exagerei no dramatismo, peço desculpa. Mas também, se existe altura para palavras grandiosas e dramáticas, é esta).

Portugal 0 Espanha 0 (4-2 após penáltis) - Travados

11.JPG

O Campeonato da Europa de Futebol, que se realizou na Polónia e na Ucrânia, já acabou há alguns dias, o jogo das meias-finais que opôs a Seleção Portuguesa de Futebol à sua congénere espanhola já se realizou há mais de uma semana. Devia ter publicado bem mais cedo, mas tem-me faltado tempo. É a velha questão das fases finais em época de exames. Aquando dos outros jogos, era catalisada pela necessidade de publicar antes do jogo seguinte. Mas agora...

 
Tal como se previa, o jogo despertou interesse um pouco por todo o planeta. Os olhos do Mundo estiveram pousados em Donetsk. Dave Phoenix Farrel, dos Linkin Park - mais conhecido por, simplesmente, Phoenix - afirmou no Twitter não saber por quem torcer. Chuck Comeau, dos Simple Plan, estava aflito por não ter maneira de ver o jogo, acabou por seguir os penáltis via rádio. Por sua vez, a Nelly Furtado, da eterna "Força" do Euro 2004, não teve problemas em dizer que estava a torcer por nós. Parece, inclusivamente, que o jogo bateu recordes de audiência televisiva, tanto cá em Portugal como em Espanha.
 
 
Vou ter saudades disso. De ter a Seleção no centro das atenções, sobretudo quando se começou a perceber que os portugueses tinham uma palavra a dizer neste Europeu. Dos programas de rádio e televisão sobre o assunto - mesmo que, em certas alturas, me tenham parecido exagerados. De estar na Faculdade, nos cafés, no Metro, no comboio, no autocarro, escutando por acaso conversas alheias sobre a Seleção, por vezes metendo-me nelas. Das bandeiras. Das publicações no Facebook. De ver o nome do País, o nome dos nossos jogadores, nos Trending Topics do Twitter. De ver os jogos com a minha irmã, de ela conhecer pelo metade dos jogadores pelo nome, de consultar a caderneta de cromos para saber o peso e a altura de cada um deles, para se ter uma ideia do que terá sido quando um dos nossos levavam com um adversário em cima.  Da blusa vermelha que usei no "A Tarde é Sua" e em todos os dias de jogos.  Do meu velho cachecol. De ver pessoas que, em circunstâncias normais, pouco ligariam ao futebol, tão entusiasmadas quanto eu.


Mas regressemos ao jogo antes de irmos por aí. Que, como seria de esperar, foi muito intenso, inadequado para cardíacos. Muita gente se queixou no Twitter ao longo de todo o encontro. Cedo, faríamos companhia a Eusébio...

Os primeiros noventa minutos foram muito equilibrados. Portugal foi a primeira - e única - equipa que conseguiu contrariar o tiki-taka espanhol neste Europeu. Dou graças à nossa defesa por tal feito, com destaque para Pepe e Rui Patrício. O primeiro surgia quase sempre que nuestros hermanos se aproximavam da nossa grande área. O segundo defendeu várias. Eu cheguei a pedir a canonização de ambos, comecei a chamá-los São Pepe e São Patrício, os nossos salvadores...

 

O pior é que a defesa espanhola não era inferior. O maldito Iker Casilhas agarrava todas!
 
Tirando isso, Portugal foi dominante durante quase todo o encontro. Mesmo no prolongamento, quando os nossos já estavam a meio-gás e os espanhóis começaram a encostar-nos ao nosso meio-campo, a nossa defesa continuava suficientemente organizada para lhes anular os ataques.
 
Cedo se percebeu que a coisa só se resolveria nos penáltis. E ninguém se sentia particularmente feliz com isso. Desempatando o jogo dessa forma, tudo podia acontecer - tinha noção disso mesmo antes do fim do prolongamento. Não acho que os penáltis sejam propriamente uma lotaria, mas, na minha opinião, são quarenta por cento perícia, trinta por cento estado psicológico e emocional, tanto do guarda-redes como do marcador, trinta por cento sorte.

 

 

 

A coisa até começou bem para o nosso lado, com o Rui Patrício a defender a primeira grande penalidade dos espanhóis. São Patrício, São Patrício... Pena foi João Moutinho ter estragado tudo. Quando ele ia bater o penálti, recordei-me, inevitavelmente, de um jogo da Taça de Portugal há alguns anos, entre o Sporting e o F.C.Porto, em que o Moutinho falhara o primeiro penálti de um desempate semelhante, decidindo o desfecho do jogo. Lembrei-me de o meu pai comentar que fora má ideia colocar tal pressão, tal responsabilidade, nos ombros de um jogador na altura tão jovem. Contudo, disse a mim própria que isso não significava nada, que o Moutinho já não tinha vinte anos, que ele era capaz de dar conta do recado. Ledo engano. Casilhas era demasiado bom.

 

 

Depois o penálti do Bruno Alves foi à trave. Não sei se foi por nervosismo do nosso defesa, se foi simplesmente azar. Voto na segunda - os ferros na baliza acabaram por ser os nossos maiores opositores neste Europeu. E os exemplos abundam. De tal forma que, como que para que não houvesse dúvidas de que os limites metálicos das balizas estavam contra nós, o remate de Fabregas também foi ao poste... mas a bola entrou, à mesma!

 

 

Talvez agora compreendam o título "Travados". A trave expulsou-nos do Europeu, mais do que os espanhóis!

 

 

Entretanto, já o Europeu terminou, já a Espanha se sagrou campeã, tornando-se a primeira seleção a conquistar três títulos consecutivos. Os italianos não tiveram qualquer hipótese, foram completamente cilindrados. A verdadeira final foi em Donetsk, connosco. Nós fomos a única equipa capaz de fazer frente aos espanhóis.
 
Contudo, não foi suficiente. Eu sabia que ia ser assim. Já tinha alertado para tal aqui no blogue, até mesmo antes do Europeu: nestes jogos, não chega jogar melhor, os desfechos são definidos com base em detalhes, em pormenores tornados pormaiores. Mas também é aquela: não se podia exigir muito mais aos jogadores portugueses.
 
Como muitos diriam, o futebol tem destas coisas.

 

 

Isto coloca um ponto final no Europeu da Polónia e da Ucrânia, nestas semanas gloriosas em que a Seleção esteve reunida, em que foi rainha e senhora das nossas atenções. Acho que aproveitei bem este mês e meio, mais coisa menos coisa. Não escrevi cá no blogue com tanta frequência como, se calhar, no Euro 2008 ou no Mundial 2010 porque, desta vez, tive - e vou continuar a ter - uma página no Facebook. As entradas no blogue são extensas, exigem bastante tempo - que o diga esta, que demorou mais de uma semana! No Facebook, é tudo muito mais rápido. Mesmo quando publico uma opinião um pouco mais extensa, demoro muito menos tempo. Além de que me permitiu, não só opinar sobre quase tudo o que saiu sobre a Seleção, mas também guardá-lo para a posteridade. Mantive-me, portanto, a parte de quase tudo. Acompanhei umas quantas conferências de Imprensa em direto. Vi e escutei diversos programas sobre o assunto. Gastei quase um caderno A5 inteiro, de espessura considerável, com notas e rascunhos de entradas. Fui à televisão dar a cara pela Turma das Quinas. Festejei a vitória frente à República Checa na rua, seis anos depois da última vez que o fizera.
 
A única coisa que lamento não ter feito é ter visto os jogos com várias pessoas, quer fosse no Campo Pequeno ou assim ou, simplesmente, num café ou restaurante. Posso ter estado acompanhada por muitos, um pouco por todo o Mundo, através do Twitter, mas não é a mesma coisa. Eu queria ver e ouvir as reações das pessoas, em vez de apenas lê-las.

 

 

 
Sim, aproveitei bem. E, sobretudo, valeu a pena aproveitá-lo. Pela primeira vez desde que tenho este blogue, a Seleção Nacional fez uma campanha num campeonato de seleções que vale a pena ser recordada. Pela primeira vez, sinto que fiz bem ao ter o blogue, a página do Facebook, ao não ter deitado fora os jornais dos dias que se seguiram aos jogos. 
 
Tem-me deprimido um pouco, mais do que o facto de não termos ido à final, a ideia de que o Europeu já acabou, que a Seleção já não está reunida, que a atenção já está a regressar aos clubes. Isto, adicionado ao facto de ainda estar em exames, faz-me, por vezes, desejar dolorosamente que a Equipa de Todos Nós estivesse, de novo, em estágio, que me levassem com eles para lá - fisicamente, não apenas uma parte de mim. Há quem recorde que a Qualificação para o Mundial 2014 já começa em setembro mas não é a mesma coisa.
 
Em suma, estou em ressaca de Seleção. Há de passar.
 
 
Uma das coisas que tem ajudado é pensar no próximo Apuramento. Os nossos adversários já são conhecidos desde há um ano. Em princípio, só a Rússia nos colocará dificuldades significativas, embora suspeite que Israel e a Irlanda do Norte não sejam tão inofensivos como parecem. De qualquer forma, espero que esta Qualificação seja bem menos atribulada que as duas anteriores. Sem tropeções graves, sem grandes polémicas, sem calculadoras. Sê-lo-á, certamente. Paulo Bento parece estar de pedra e cal ao leme na Seleção. Os Marmanjos provaram ter carácter. Alguns deles, como o Cristiano Ronaldo, o Nani, o Hugo Almeida, o João Moutinho, o Raúl Meireles, o Pepe, entre outros, já jogam juntos na Seleção há alguns anos. Além disso, Paulo Bento teve o mérito de, não tenho a espinha dorsal de nenhum clube, formar uma equipa sólida a partir de jogadores de clubes e campeonatos diferentes. 
 
Talvez dê para assistir a um jogo. Os meus pais, pela primeira vez em vários anos, parecem recetivos à ideia - ao preço a que estão os bilhetes, não dá para ir sem financiamento parental. E, definitivamente, vou voltar a assistir a treinos abertos, assim que eles voltarem ao Jamor.
 
 
Há quem já nos considere candidatos ao título no Mundial 2014 - que é o suposto prazo de validade desta equipa. Eu não estou assim tão otimista. Tenho medo que as circunstâncias deste Europeu não se repitam, que tenhamos perdido outra boa oportunidade. Que, em 2014, as coisas não corram tão bem para o nosso lado.
 
No entanto, ao longo do ano passado, tal como já mencionei em entradas anteriores, pressenti - não de uma forma cem por cento racional - que a Seleção estava lentamente a fortalecer-se cada vez mais, a regressar aos seus melhores tempos, tornando o sonho cada vez menos impossível. Este Europeu confirmou tais suspeitas. Podemos ter sido travados, mas tornámo-nos grandes de novo, somos outra vez uma das melhores seleções do Mundo e não é apenas por termos o Cristiano Ronaldo.
 
E o meu pressentimento agora é de que continuaremos a crescer, ao longo dos próximos dois anos. De que chegaremos ao Brasil ainda mais fortes. Talvez suficientemente fortes para voltarmos a lutar pelo título. 
 
 
Por enquanto, a curto e a médio prazo, uma coisa não mudará: a Seleção continuará a ser uma das poucas coisas em que poderemos acreditar no nosso País, que retribuirá todo o apoio que lhe for dado, que nos permitirá esperar por algo de bom no futuro. Foi o que aconteceu agora, neste Europeu. As próximas alegrias serão menores, provavelmente não durarão mais do que uma noite, na maior parte dos casos. Não resolverão os problemas a ninguém. Mas se ajudar alguém a dormir melhor nessa noite, já valerá a pena.
 
Deixo aqui o calendário da Qualificação para o Mundial 2014:
 

O capítulo Euro 2012 terminou, o capítulo Mundial 2014 começa em setembro. A coisa boa disto tudo é que há sempre um campeonato de seleções a cada dois anos, há sempre um recomeço, há sempre uma nova oportunidade se lutar pelo sonho. Temos sempre desculpas para continuar a acreditar. Ainda me encontro um pouco em luto mas temos o verão para recuperar. Continuarei a atualizar a página do Facebook - não tão frequentemente como nas últimas semanas pois as notícias escassearão e poderei, inclusivamente, estar de férias sem acesso à Internet. Mas se surgir algo sobre a Seleção, falarei disso. Mantenham-se ligados. A história continuará a ser escrita em setembro.