Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Mulher de muitas paixões, a Seleção Nacional é uma delas.

Em transição

399803477124a6298025defaultlarge_1024.jpeg

No passado dia 10 de dezembro, a Seleção Portuguesa de Futebol perdeu perante a sua congénere marroquina por uma bola sem resposta. Com este resultado, Portugal falhou a passagem às meias-finais do Mundial 2022.

 

Eu estava a isto de acreditar a sério…

 

Antes de mais nada, um breve pedido de desculpas pelo atraso com esta crónica. Por norma, na altura das festas tenho sempre menos tempo para escrever. Para além das compras e dos preparativos, é também a altura em que o meu irmão emigrante vem para casa e combinamos sempre coisas. 

 

Mais um argumento contra fazer-se um Mundial nesta altura do ano. Teve a sua graça, mas espero que não se repita. No verão dá mais jeito. 

 

Como muitos têm referido, Portugal ofereceu a primeira parte do jogo a Marrocos. Sabíamos que eles defendiam bem, que se organizavam bem, mas não soubemos lidar com isso. Eu mesma reparei nas várias vezes em que os nossos jogadores se punham a trocar a bola entre si, como que fazendo tempo enquanto pensavam numa maneira de furar a muralha. 

 

3997979343429cee8c4cdefaultlarge_1024.jpeg

 

Depois, acabámos por sofrer um golo por culpa própria perto do intervalo e passámos o resto do jogo a correr atrás do resultado. Nesse aspeto, lembrou-me um pouco o jogo com a Bélgica, no Euro 2020. E mesmo o jogo com o Uruguai, no Mundial 2018.

 

Por falar no golo que sofremos, Diogo Costa tem estado na berlinda pela sua saída infeliz – fazendo lembrar Ricardo no golo sofrido na final do Euro 2004, mesmo para doer mais. Sim, o experiente Rui Patrício talvez não cometesse este erro, mas também é aquela: como é que os jogadores ganham experiência?

 

Além de que o Diogo não foi o único a errar. Rúben Dias também ficou mal na fotografia. E o nosso corredor direito todo deixou o marroquino Attiat-Allah completamente à vontade para fazer a assistência. 

 

Como noutras ocasiões semelhantes em que tínhamos de correr atrás do resultado, até tivemos momentos bonitos – pena não terem resultado em nada. Faltou um bocadinho de sorte, é certo. Bruno Fernandes atirou uma bola à barra, o guarda-redes Bono esmerou-se para defender um remate de João Félix, o Pepe falhou uma mesmo no último minuto. Mas a verdade é que só nos podemos culpar a nós mesmos por termos falhado. 

 

Não vou mentir, esta doeu. Não é a primeira vez que falhamos a conquista de um título, não será a última. Seria de esperar que eu já estivesse habituada a desilusões como estas. Pelos vistos não estou. Custa sempre cair dos céus, regressar à realidade. 

 

Vocês podem ler nos textos anteriores, estava a gostar deste Mundial e estava a começar a acreditar no título. Mesmo não estando a ser perfeitos, estávamos a fazer o nosso melhor Mundial desde 2006, temos carradas de talento, tínhamos vários tubarões ficando pelo caminho – Espanha, Brasil, Alemanha, Bélgica. Esta era a nossa melhor ocasião para conquistarmos o título mundial, tanto para Pepe e Cristiano Ronaldo (mais sobre isso a seguir) como para esta geração tão talentosa. Ou para, pelo menos, ficarmos no top 4, igualando as participações de 1966 ou 2006. 

 

2022-12-10t172422z-1670693058-dpaf221210x99x855800

 

Foi uma oportunidade desperdiçada. Mais outra. Perante Marrocos.

 

Não quero com isto menosprezar os marroquinos. Pelo contrário, eles ganharam a minha simpatia, mesmo antes do nosso jogo. Pelo seu estatuto de underdogs, por Sofiane Boufal, que celebrava as vitórias no relvado com a mãe, pelos que tentaram consolar Ronaldo no fim do jogo, por Hakim Ziyech, que tem doado todo o salário que recebe da seleção marroquina a funcionários dessa seleção e a famílias carenciadas, por aquilo que Marrocos representava como uma seleção islâmica, como uma seleção africana. Sobretudo depois de toda a riqueza e alegria que as equipas africanas trouxeram a este Mundial.

 

Eu estava a torcer por eles na meia-final perante a França. Infelizmente, os nossos amigos franceses fizeram em cinco minutos o que várias seleções não conseguiram fazer em noventa – ou, no caso dos espanhóis, cento e vinte mais penáltis. Ainda assim, uma campanha respeitável para Marrocos, conquistaram os corações de muitos.

 

Dito isto… nós éramos a melhor equipa e tínhamos a obrigação de ganhar. Sim, este foi o nosso terceiro melhor Mundial, superou as minhas expectativas, na minha opinião foi melhor que o Mundial 2018 e o Euro 2020. Mas uma coisa seria termos sido eliminados pela Espanha, França ou mesmo pela Inglaterra. Outra coisa é termos sido eliminados por Marrocos. 

 

Tendo tudo isto em conta, Fernando Santos tinha de ir. E foi. 

 

 

A decisão foi anunciada no dia 15 após alguns dias de rumores. Não sei como decorreu o processo todo dentro de portas, mas a maneira como foi comunicado foi exemplar – das transições mais pacíficas de que me recordo. Por um lado, pela mensagem de despedida de Fernando Santos, com agradecimentos a todos os jogadores que orientou, à equipa técnica, à Federação e aos adeptos. Só mostra o carácter dele. 

 

Por outro lado, também gostei do vídeo do vídeo que as redes sociais das Seleções publicaram, agradecendo a Fernando Santos. Um pormenor que me agradou foi terem começado pelo início – porque é importante recordarmo-nos. Vínhamos de um Mundial 2014 desastroso e a Qualificação para o Euro 2016 começara mal. Aquele primeiro jogo com a Dinamarca, em outubro de 2014, aquela vitória mesmo ao cair do pano, foi a primeira vez em muito tempo em que senti esperança em relação ao futuro da Equipa de Todos Nós. Foi o início de algo que terminou quando levantámos a Henri Delaunay

 

Terá sido na altura desse jogo, aliás, que Fernando Santos começou a falar de ganharmos o Europeu. Menos de quatro meses depois de termos sido goleados pela Alemanha. Pois claro.

 

De uma maneira estranha, às vezes tenho saudades desse primeiro ano. Um ano de exibições assim-assim, mas suficientes para cumprir – hoje não seria suficiente, mas na altura soube bem depois do turbulento ciclo do Mundial 2014. Além disso, ganhámos à Argentina e à Itália em jogos particulares, o que foi agradável.

 

E, claro, os nossos dois primeiros títulos. Há quem hoje desdenhe, como se tivéssemos ganho por acaso, esquecendo-se que a Seleção esteve quase cem anos sem ganhar um título desta envergadura. E que precisou de vinte anos, mais coisa menos coisa, de presenças regulares em Europeus e Mundiais. Pode ter sido sorte e fé mas, como disse Ricardo Quaresma, “fé e sorte dão muito trabalho”. 

 

Dito isto, por muito grata que esteja… esta é a decisão certa. Só peca por tardia.

 

 

Por outro lado, este até é um timing perfeito para esta transição. Faltam vários meses para o próximo compromisso da Seleção e os primeiros jogos são contra Luxemburgo e Liechtenstein.

 

O próximo passo agora, naturalmente, encontrar um sucessor. Eu não tenho opinião, não percebo o suficiente para fazer sugestões. José Mourinho tem sido um dos nomes mais falados. Uma opção óbvia, talvez. Mourinho costumava dizer que queria ser Selecionador quando fizesse sessenta e cinco – ainda lhe faltam cinco anos e trocos, mas suponho que ele não estivesse a ser literal. 

 

No entanto, ele ainda está no AS Roma. Chegou a falar-se da possibilidade de ele conjugar o emprego de Selecionador com o de técnico do Roma. Isso a mim parecia-me bizarro e duvidoso do ponto de vista ético (ele poderia Convocar jogadores do próprio clube de modo a valorizá-los no mercado? Ou, pelo contrário, poderia não Convocá-los para mantê-los em forma para o clube?), mas aparentemente não é assim tão raro. Fui pesquisar sobre o assunto e descobri alguns exemplos – incluindo Sir Alex Ferguson, de todas as pessoas, antes de treinar o Manchester United. 

 

Eu mesmo assim não acho que resultasse. E consta que o Roma também não morre de amores pela ideia. Diz que, agora, o plano é que Rui Jorge assuma o cargo interinamente durante a dupla jornada de março e que, em junho, Mourinho deixe o Roma e venha treinar a Seleção. Isto sim, já me parece mais aceitável. 

 

Por outro lado, já que falamos de Rui Jorge, há quem o aponte como possível sucessor. Em teoria faz sentido, na prática talvez não. António Tadeia diz que ele não quererá – ele será demasiado pacato para estas andanças, estará satisfeito no seu cantinho, com os Sub-21. Para além disso, aqui o Gonzaal deu bons argumentos a favor de Jorge Jesus. Não simpatizo muito com o senhor mas, se tiver de ser… 

 

Por fim, de vez em quando alguém lembra-se de sugerir Carlos Queiroz e eu fico com vontade de dar um berro. Sou a única aqui que se recorda do que aconteceu em 2010?!? 

 

11.png

 

Ficamos a aguardar. Há tempo para tomar esta decisão. Ainda assim, espero que não demorem muito, para que o novo Selecionador possa começar a preparar o novo ciclo com tempo. 

 

E por falar em novos ciclos…

 

Uma das coisas que mais dói em relação a este fracasso é o facto de este ter sido o último Mundial de Pepe e Cristiano Ronaldo. As imagens das lágrimas do último correram mundo e partiram o coração de toda a gente. Este terá sido o pior ano da vida de Ronaldo, tanto a nível pessoal como profissional. Agora perdia a sua última oportunidade de levantar este troféu. Pouco mais de uma semana mais tarde, viu o seu velho rival Lionel Messi ganhar esta corrida e encerrar de vez o debate sobre quem é o melhor do Mundo. Por estes dias tem recebido críticas de todo o lado.

 

Não é difícil sentir compaixão por ele. Por outro lado, se Ronaldo neste momento está no fundo do poço, é em parte por culpa própria.

 

Todo o mediatismo em torno de Ronaldo foi sem dúvida a pior parte da nossa participação neste Mundial. Não digo que tenha sido por isso que perdemos, mas foi uma distração, uma irritação, tempo gasto com discussões inúteis. 

 

Não, nem tudo foi culpa do próprio Ronaldo. Pode-se argumentar que isso aconteceria sempre, independentemente das circunstâncias. Sobretudo tendo em conta que, no Catar, a larga maioria dos adeptos de Portugal eram na verdade adeptos de Ronaldo. 

 

2022-12-10t174203z-257012092-up1eica1d61s7-rtrmadp

 

Ao mesmo tempo, ninguém mandou Ronaldo dar aquela entrevista a Piers Morgan, nem lançá-la na véspera da preparação do Mundial. Ele bem tentou fazer-se de inocente mais tarde, mas sabia perfeitamente o que aconteceria.

 

Agora, no pós-Mundial, Ronaldo está sem clube e isso já está a ser outra novela. Ainda no outro dia saiu a notícia de que, se de facto assinar pelo Al Nassr, será também embaixador da Arábia Saudita na corrida à organização do Mundial 2030… contra a candidatura de Portugal e Espanha. 

 

Eu ainda quero ver se alguma destas coisas será confirmada oficialmente. Para já, um consolo para mim é saber que, a curto prazo, os dramas de Ronaldo não afetarão diretamente a Turma das Quinas. A médio/longo prazo já é outra questão.

 

O que nos leva ao futuro de Ronaldo na Equipa de Todos Nós. Se é que ele existe. 

 

Ainda no rescaldo do jogo começaram a circular mensagens de despedida a Pepe e a Cristiano Ronaldo. Devo confessar que isso foi uma das coisas que mais contribuiu para a minha azia com a eliminação. 

 

Uma coisa é este ter sido o último Mundial de Ronaldo. Outra coisa muito diferente é estes terem sido os últimos jogos de Ronaldo na Seleção. Se foi o último caso… não estou preparada. Mesmo tendo em conta o que escrevi recentemente sobre ele, sobre termos mais desvantagens do que vantagens neste momento. 

 

399802776910aab8490edefaultlarge_1024.jpeg

 

Ronaldo tem sido a grande constante da Seleção desde o Euro 2004. Foi um dos motivos pelos quais me afeiçoei à Equipa de Todos Nós depois desse campeonato. É um pouco como a Rainha de Inglaterra: existe toda uma geração já adulta – incluindo, talvez, metade da Seleção atual – que não se recorda das Quinas sem Ronaldo. Isto para não falar, claro, de tudo o que o Capitão tem feito pelo futebol português, mesmo pelo país em si. Pense-se o que se pense sobre Ronaldo, vai custar-nos a todos quando ele se for embora. 

 

Suponho que haja uma lição de vida qualquer sobre crescer aqui.

 

Se estiver mesmo na hora, espero que se faça uma despedida como deve ser. Por mim, marcava-se um jogo particular em casa, com uma equipa “pequena” a quem Ronaldo pudesse marcar os últimos golos. Perto dos noventa far-se-ia a substituição e o estádio todo aplaudiria de pé durante minutos, com muitas lágrimas à mistura.

 

Mas isto é uma fantasia minha. Pode não ser possível prever quando é que Ronaldo deixará a Seleção. Vai depender do que acontecer no mercado de transferências. Tal como em relação à questão do Selecionador, ficamos a aguardar.

 

Apesar de ter partido para este Mundial com baixas expectativas, expectativas essas que acabaram por se cumprir (mesmo com várias atenuantes, isto foi uma desilusão), não me arrependo de, a certa altura, ter começado a acreditar e a entusiasmar-me. Em futebol costuma-se falar em “esperança que mata” mas, para mim, a esperança vale sempre a pena. Para que servem estes campeonatos ou mesmo o futebol em geral se não o encaramos com alegria e um bocadinho de fé?

 

E este Mundial foi divertido, melhor do que tinha o direito de ser tendo em conta as circunstâncias, com todas as surpresas e reviravoltas. A final, então, foi um reflexo perfeito disso: um empate 3 a 3, que parece ficcionado (Não simpatizava particularmente com nenhum dos finalistas, mas estou contente por a França não ter ganho. Os franceses continuam péssimos perdedores). Foram umas semanas alegres, fora da rotina – como já é habitual, de resto – que souberam bem no final de um ano difícil.

 

12.png

 

E infelizmente teremos de esperar pelo menos um ano e meio para voltarmos a senti-lo.

 

Outra coisa boa em relação ao Mundial foi ter dado oportunidade a vários Marmanjos de darem provas do seu talento: Bruno Fernandes, Gonçalo Ramos, João Félix, Rafael Leão. Como vários têm assinalado, esta geração tem muito potencial e estamos todos ansiosos por ver de que serão capazes daqui a um par de anos. 

 

Antes de terminarmos, façamos um rápido apanhado a 2022 (acho que não torno a fazer balanços anuais como fazia antes). Foi melhor que 2021, com mais pontos altos – as vitórias na fase de grupos da Liga das Nações, sobretudo esta, as vitórias no Mundial. Infelizmente, foi igualmente infrutífero. A alegria das vitórias valeu a pena mas teve curta duração.

 

Com um Selecionador novo e Ronaldo incerto, 2023 será um ano de mudança de página, de transição. Será pouco excitante: sem Europeu ou Mundial, sem sequer a fase de grupos da Liga das Nações, com adversários de maior calibre. Temos apenas a Qualificação para o Euro 2024, com um grupo teoricamente acessível – se houver excitação, será à mistura com exasperação, quando inevitavelmente metermos água e nos Apurarmos à rasquinha. 

 

Por outro lado, como referimos antes, dificilmente conseguiríamos melhores circunstâncias para uma mudança de ciclo.

 

Que 2023 nos corra melhor que 2022. Obrigada a todos os que acompanharam este Mundial comigo, quer através do blogue quer através da sua página de Facebook. Última chamada para fazerem um donativo à Amnistia Internacional, que está a ajudar os trabalhadores maltratados na construção do Mundial. Votos de boas festas e boas entradas em 2023. Até à próxima!

Portugal 1 Marrocos 0 – Brincando com o fogo

32147288_654677578198946_9021206302734417920_n.jpg

Na passada quarta-feira, dia 20 de junho, a Seleção Portuguesa de Futebol venceu a sua congénere marroquina por uma boa sem resposta, em jogo a contar para a fase de grupos do Mundial 2018. Com este resultado, Portugal soma quatro pontos, ficando muito perto dos oitavos-de-final da competição… mas ninguém está satisfeito, eu incluída.

 

O jogo começou à uma da tarde. Como era a minha hora de almoço, o meu plano era ver a primeira parte no café, só que o trabalho atrasou-se. Ligámos o rádio, mas não consegui prestar grande atenção. Tirando, claro, quando o Ronaldo marcou, a sequência de um canto: aí, deu para tirar um minuto para festejarmos.

 

Devo dizer que gostei da jogada que desaguou no golo, quando mais tarde vi os resumos. Foi interessante a maneira como o canto foi cobrado, à maneira curta: Bernardo Silva passou para João Moutinho, que por sua vez assistiu para a cabeça de Ronaldo.

 

Foi uma entrada à campeão, não haja dúvida. O pior é que, segundo consta, só durou dez minutos. Quando finalmente consegui chegar ao café, já estávamos em declínio e Marrocos crescia.

 

Gostava de apontar para uma jogada que me deu um dejá-vu do jogo com a Espanha: Cristiano Ronaldo conseguiu isolar Gonçalo Guedes, mas o remate saiu-lhe fraco, o guarda-redes defendeu com uma mão. Eu, na altura, até exclamei, lá no café: “Ó Guedes!” – Ronaldo oferecia-lhe (mais) esta prenda e  miúdo desperdiçava?!?

 

IMG_20180411_140530.jpg

 

Eu sei que toda a gente se rendeu a Guedes nesta temporada, mas as coisas não lhe estão a correr bem neste Mundial. Não está na altura de dar uma oportunidade a André Silva? Também é um miúdo, não teve uma época por aí além, mas tem a experiência de quase dois anos de parceria com Cristiano Ronaldo (incluindo a Taça das Confederações) e uma mão-cheia de golos pela Seleção. A meu ver, já devia ter sido titular frente a Marrocos.

 

Costuma-se dizer que a definição de loucura é fazer a mesma coisa várias vezes, esperando diferentes resultados. É certo que, neste caso, só se fez o mesmo duas vezes. É possível que, à terceira, Guedes entre nos eixos. Mas será prudente correr esse risco? Eu, pelo menos, nesta altura do campeonato, apostaria numa solução que já resultou várias vezes antes.

 

Gonçalo Guedes, de resto, não foi o único ineficaz neste jogo: foi ele e metade da equipa. Portugal parecia ter alergia à bola, o meio-campo era inexistente, tirando João Moutinho. Marrocos só não marcou por causa de Rui Patrício, dos nossos centrais e da sua própria falta de eficácia. 

 

Na verdade, se formos a ver, os que melhor estiveram em campo foram os veteranos: Cristiano Ronaldo (claro), Rui Patrício (com um par de defesas espetaculares), João Moutinho, José Fonte, Pepe (tirando algumas situações disciplinares parvas), Cédric até certo ponto. Quem não esteve bem foram os mais novos, tanto aqueles que se estreiam em campeonatos desta envergadura, como aqueles que já foram Campeões Europeus: Guedes, Bernardo Silva, João Mário, Bruno Fernandes, Raphael Guerreiro.

 

Estou um bocadinho desapontada com este último, aliás. Vocês sabem que ele tem sido um dos meus favoritos nos últimos anos, mas, neste jogo, foi uma porta aberta para os marroquinos. Custa-me dizê-lo, mas talvez não tenha sido boa ideia trazê-lo para a Rússia, depois de todas as lesões que teve ao longo da época.

 

IMG_20170306_1238851_HDR.jpg

  

Só acompanhei a segunda parte via rádio, já no trabalho. Felizmente, pude ir prestando atenção – estava quase tudo parado, precisamente por causa do jogo. Mas talvez tivesse sido melhor para a minha saúde se não tivesse a segui-lo: dava para perceber que Marrocos estava a dar-nos um autêntico banho de bola. Nuno Matos, de vez em quando, dizia coisas como:

 

– Ó Gelson! Ó Raphael! Vocês estão no Mundial!

 

Ao fim daquilo que pareceram horas, lá sobrevivemos ao apito final – com três pontos e, pelo menos no meu caso, com menos dez anos de vida e uma dor de cabeça que durou o dia todo.

 

Agora que penso nisso, é muito estranho estarmos mais irritados no fim de uma vitória no Mundial do que estivemos no fim de um empate. Sobretudo tendo em conta que esta vitória nos deixa com, vá lá, meio pé nos oitavos de final. E, não me interpretem mal, eu estou satisfeita com isso. Estamos numa situação muito melhor que no último Mundial, ao segundo jogo. Mesmo em relação a 2012 e 2016, estamos bem melhores em termos pontuais – e em 2016 não partilhávamos o grupo com uma equipa ao nível de Espanha!

 

916490_1249185025098166_1540780065_n.jpg

   

Por outro lado… foi um jogo paupérrimo! Uma exibição medíocre! Ainda deu para aceitar quando foi frente à Espanha porque, bem, era a Espanha. Mas isto era Marrocos! Uma seleção que não vinha ao Mundial há vinte anos! Nós somos Campeões Europeus, por amor da Santa! Não podemos ter exibições destas!

 

Eu confesso que fiquei com um bocadinho de pena dos marroquinos. Eles mereciam mais – até porque, aqui entre nós, o árbitro pareceu estar do nosso lado.

 

Não é tanto a questão de merecer, que é sempre relativa, que me incomoda. Isto preocupa-me porque… estamos a brincar com o fogo. Neste jogo, bastou-nos Cristiano Ronaldo, Rui Patrício e pouco mais para ganhar. Mas não podemos encostar-nos sempre a eles. E se o Ronaldo estiver menos inspirado num destes jogos? E se o Patrício não conseguir defender todas? E se encontramos um adversário mais eficiente a atacar?

 

Confesso que ando a ver alguns fantasmas de 2014. Também há quatro anos a Seleção vinha de alguns particulares médio/bons mas, quando o Mundial começou, quase todos se esqueceram de como se joga futebol. A diferença é que, este ano, isso só está a acontecer a uma parte da equipa, felizmente. Há quatro anos isso devia-se a uma epidemia de lesões. Desta feita, ninguém percebe ao certo o que se está a passar – nem mesmo Fernando Santos, no final do jogo.

 

tumblr_oh9ym4oznq1ru6zhto7_1280.jpg

  

Este disse, aliás, que ia falar com os jogadores. Eu espero mesmo que ele o tenha feito, que tenha havido sermão e missa cantada. Porque, se continuamos assim, não iremos longe neste Mundial. Precisamos de mais.

 

Por outro lado, a verdade é que ninguém parece estar a fazer um Mundial brilhante. Só seleções como França, Inglaterra e Bélgica, que, no entanto, estão em grupos mais “acessíveis”. A Alemanha perdeu com o México e só ganhou, ontem, à Suécia no último minuto. O Brasil empatou com a Suíça. A Argentina… coitada. A situação deles lembra-me a nossa, há quatro anos, não a desejo a ninguém. Por comparação, nós não estamos assim tão mal.

 

E contudo… eu continuo a querer mais. Quero ir o mais longe possível neste campeonato e isso só será possível se jogarmos melhor. Talvez estejamos a repetir o percurso do Euro 2016: uma fase de grupos fraquinha, mas, depois disso, só parámos na final. Talvez melhoremos já amanhã, ou mesmo nos oitavos.

 

Falemos, então, sobre o último jogo da fase de grupos. Tecnicamente, basta-nos um ponto para seguirmos em frente, mas jogar para o empate nunca é boa ideia (se a nossa exibição no jogo de quarta era o que a Seleção entende por “jogar para a vitória”, nem quero imaginar o que eles entenderão por “jogar para o empate”...). Os iranianos ainda podem ir aos oitavos, mas precisam de uma vitória. Não lhes faltará motivação – ainda por cima, têm um treinador que nos conhece bem.

 

A última coisa que quero, nesta altura, é perder contra Carlos Queiroz, de todas as pessoas. Ele que, à primeira vista, parece amigável para com a Seleção mas, de vez em quando, sai-lhe uma boca mais aziada. Como quando se queixou de não ter tido Ronaldo durante o Mundial 2010 – esquecendo-se convenientemente que, nos primeiros dois jogos pós-Queiroz, Ronaldo marcou dois golos (o mesmo número de tentos que marcara nos dois anos de Queiroz ao leme).

 

18809613_1902645163281336_3142023852700205056_n_b4

 

Vamos esperar que Ronaldo e Rui Patrício mantenham o nível dos últimos jogos e que os restantes melhorem. Nós somos capazes de muito melhor – não quero acreditar no contrário! Têm é de prová-lo em campo. Quero continuar no Mundial durante o maior tempo possível.

 

Antes de terminarmos… lembram-se de quando fui ao A Tarde é Sua, em 2012? Pois bem, vou voltar à televisão por causa daqui do blogue. Desta feita será amanhã, na Sic, no Queridas Manhãs especial Seleção. Devo aparecer algures entre as nove e as dez da manhã. Será uma coisa rápida, em princípio. Deem uma espreitadela, se puderem. Se não puderem, hei-de filmar a minha participação e pô-la aqui, na Internet. Estejam atentos e… desejem-me sorte!

Escolhido a dedo

hqdefault.jpg

Na passada sexta-feira, dia 1 de dezembro, realizou-se o sorteio para a fase de grupos do Campeonato do Mundo, que terá lugar na Rússia, no próximo ano. Portugal foi sorteado para o grupo B, juntamente com a Espanha, o Irão e Marrocos.

 

Conforme comentou a minha irmã depois do sorteio, este grupo parece ter sido escolhido a dedo. Bem, dois terços dele. Vamos defrontar a seleção que nos expulsou do Mundial 2010… e a seleção comandada pelo treinador que nos orientou nesse mesmo Mundial.

 

Com um sorteio marcado para o Primeiro de Dezembro, acho que era inevitável Portugal e Espanha serem colocados no mesmo grupo. Eu mesma comentei-o na página de Facebook deste blogue, umas horas antes. Deus Nosso Senhor não conseguiu resistir.

 

Eu, para ser sincera, também não resistiria se estivesse no lugar d’Ele.

 

Não nos faltavam motivos para não querermos Espanha como adversária. Nuestros hermanos são um dos nossos maiores borregos. O único jogo oficial em que vencemos foi no Euro 2004 – que continua a ser o jogo mais importante da minha vida (sim, acima da final do Euro 2016. Mais sobre isso um dia destes.) E mesmo assim, em trinta e oito jogos, só contamos oito vitórias.

 

oF3Ky.jpg

  

Nesse aspeto, até dá jeito enfrentarmos a Espanha na fase de grupos e não no mata-mata. Desde que não ocorra nenhuma tragédia, como no último Mundial, bem entendido.

 

Por outro lado, Portugal até tem matado muitos borregos desde que Fernando Santos assumiu o comando – os maiores morreram na final do Euro 2016. Pode ser que Portugal consiga vencer a Espanha… mas continuo a achar pouco provável.

 

Não posso deixar de comentar o motivo pelo qual os espanhóis estavam no pote 2, em vez de entre os cabeças-de-série. A culpa é da Polónia que, para se manter no top 10 do ranking da FIFA e garantir um lugar no pote 1, não realizou nenhum particular durante um ano, até novembro passado.

 

Se o karma funcionasse como deve ser, os polacos teriam ficado com a Espanha no grupo, mas pronto. Só prova aquilo que venho a defender há anos: o ranking não reflete o valor real das seleções – se a Polónia conseguiu manipulá-lo!

 

18809613_1902645163281336_3142023852700205056_n_b4

  

Mas regressemos à nossa Seleção.

 

Não fiquei lá muito contente com o sorteio do Irão para o nosso grupo – por causa do seu Selecionador. Ainda não consegui perdoar Carlos Queiroz – não tanto pelo que aconteceu em 2010, mais pela maneira como reagiu, as declarações que prestou ao longo dos anos que se seguiram.

 

Além disso, sejamos sinceros, os dois anos de Queiroz no leme da Seleção foram dos piores da última década.

 

Dito isto, Carlos Queiroz não parece tão rancoroso como antes – pelo contrário, em declarações pós-sorteio, afirmou-se “muito contente”. Se ele continuar a deixar de lado o eventual azedume que ainda sinta pelo que aconteceu, eu farei o mesmo. A vida é demasiado curta.

 

IMG_20171010_211058_HDR.jpg

  

Dizem que o Irão era a equipa do pote 3 que todos desejavam para os seus grupos. Eu, no entanto, não acredito que os iranianos nos tragam facilidades. É certo que Portugal ganhou os únicos jogos que disputou contra eles – um particular em 1972 (3-0) e um na fase de grupos do Mundial 2006 (2-0). Mas o Irão estará uns furos acima do que estava nessa altura. Muito graças a Queiroz, na verdade, que os orienta desde 2011.

 

Esta foi, aliás, a primeira vez que o Irão se Qualificou para dois Mundiais de seguida. Foram, também, a primeira seleção asiática a garantir o Apuramento. Pelo meio, tiveram uma série de doze jogos sem sofrer golos. São definitivamente uma equipa a respeitar.

 

Só falta falar sobre o jogo com Marrocos. O nosso histórico com esta Seleção é reduzido: um só jogo, no Mundial de 1986, no México.

 

É o problema dos Mundiais, de resto: enfrentamos equipas de outros continentes, contra quem raramente jogamos, logo, que conhecemos mal.

 

DOqmy45WsAA6r4-.jpg

  

No caso do histórico com Marrocos, o nosso único jogo com eles não nos permite tirar grandes ilações – deu-se durante o chamado “caso Saltillo” Eu já tinha lido ou ouvido uma ou outra coisa sobre este caso mas só agora, em preparação para este texto, é que fui ao Google e… meu Deus. Tão cedo não me apanham a queixar-me do que aconteceu em 2010 e 2014.

 

Eu gostava de perceber porque raio todos os Mundiais em que Portugal participou, tirando o de 66 (que eu saiba!) e o de 2006, resultaram numa crise, com maior ou menor gravidade, mas sempre pouco dignificante para o futebol português.

 

Acho que a Federação já aprendeu com todos estes erros e tem procurado corrigi-los. Com a construção da Cidade do Futebol, com uma escolha mais cuidada dos locais de estágio e medidas como pedir boleia à Força Aérea para a Andorra. Este profissionalismo foi um dos motivos pelos quais nos sagrámos Campeões Europeus. Se este Mundial não correr a nosso favor, não será por falta de organização – espero!

 

Regressemos a Marrocos (a seleção, não o país). Os marroquinos estão de volta ao Mundial vinte anos após a sua última participação. Foram a única equipa africana a Qualificar-se para o Mundial sem sofrer golos.

 

20398733_scvlm.png

  

Ou seja, vamos defrontar dois adversários de menor prestígio e experiência, mas com boas defesas. Portugal não costuma dar-se muito bem com seleções assim. Não podemos facilitar.

 

Estes prognósticos valem o que valem. Na maior parte das vezes, a realidade troca-nos as voltas, para o melhor e para o pior. Veja-se o que aconteceu no grupo do Euro 2016: um dos mais “fáceis” de sempre, um dos nossos piores desempenhos.

 

Isto também se explica, pelo menos em parte, pelo facto de, por muitos sorteios que se façam, o pior adversário de Portugal continua a ser… ele próprio.

 

Em todo o caso, temos seis meses para nos prepararmos para este Mundial, começando por estes três adversários. Alguns adeptos apontam já para o título… mas isso é conversa para as vésperas da Convocatória Final, como já é costume.

 

Para já, as próximas crónicas serão as revisões de 2016 e 2017, tal como tinha referido no texto anterior. Estou já a trabalhar na de 2016 e, desta vez, espero conseguir acabá-la e publicá-la sem grandes dramas.

 

Continuem por aí – quer através do blogue, quer através da página do Facebook.