Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Mulher de muitas paixões, a Seleção Nacional é uma delas.

Não estou habituada a isto

317555697_6676690409013416_7463916870834177303_n.j

Na passada segunda-feira, dia 28 de novembro, a Seleção Portuguesa de Futebol venceu a sua congénere uruguaia por duas bolas sem resposta. Com este resultado, a Seleção garantiu lugar nos oitavos de final do Mundial 2022.

 

O que é estranho.

 

Desta vez, não estava a trabalhar, vi o jogo em casa. Se tivesse sido mais cedo, teria tentado ir a uma esplanada, mas o jogo começou demasiado perto da hora do jantar. Infelizmente, isso significou levar com os spoilers dos vizinhos com uma ligação mais rápida do que a minha – algo de que não tinha saudades nenhumas. 

 

Eu por mim via o jogo com a Coreia numa esplanada para tentar evitar isto, mas a minha irmã quer ver o jogo em casa. É fazer figas para que os vizinhos estejam a trabalhar…

 

Uma vez mais, aconteceu pouco de assinalável na primeira parte: domínio português mas longe de empolgar. Infelizmente, Nuno Mendes lesionou-se e teve de ser substituído antes do intervalo – o pobre saiu do campo em lágrimas. Hoje sabemos que não poderá competir mais neste Mundial. Uma crueldade do destino, ninguém merece, mas ele ainda é jovem. Com um bocadinho de sorte, ele terá outros Mundiais. 

 

A melhor oportunidade na primeira parte pertenceu ao Uruguai, em cima da meia hora de jogo. Ironicamente, quem brilhou foi o nosso Diogo Costa: Rodrigo Betancur tinha passado por toda a gente na defesa portuguesa, eu já quase dava o golo como marcado, mas Diogo estava lá

 

naom_6385205f1ad61.jpeg

 

Como disse Iker Casillas, a nossa passagem aos oitavos começou aqui. Fico muito feliz por Diogo não se ter deixado afetar pelo erro que cometeu perante o Gana – mérito dele e dos colegas, que estiveram lá quando ele precisou. O miúdo é um espetáculo!

 

É suposto gritarmos “DIOGO!” em momentos destes?

 

A segunda parte do jogo foi mais animada, se bem que não com os níveis absurdos do jogo com o Gana. Parece que, neste Mundial, os nossos jogos estão fadados para incluírem um episódio caricato. No primeiro jogo foi o erro de Diogo Costa, neste foi a autoria do nosso primeiro golo

 

À primeira vista pareceu-me golo de Cristiano Ronaldo – dá a ideia que ele toca na bola, ele festejou como se de facto tivesse marcado. Quando um jogador celebra assim, eu costumo acreditar nele – porque não haveria de fazê-lo? Eu pensava que o mesmo se aplicava a toda a gente – aplicou-se aos comentadores da SportTV e penso que aos da RTP também – mas falei com uma senhora que disse que viu logo que Ronaldo não tinha tocado na bola. 

 

Em defesa de Ronaldo, a primeira indicação que lhe deram foi que, de facto, o golo era dele. Depois é que os ecrãs indicaram Bruno Fernandes como autor do golo. Por outro lado… Ronaldo senti-lo-ia se tivesse tocado ou não na bola, certo? Estaria a iludir-se a si mesmo? Não me admirava. 

 

Ao mesmo tempo, toda a gente concorda que, mesmo não tendo marcado ele mesmo, o posicionamento de Ronaldo baralhou o guarda-redes o suficiente para que a bola entrasse. O que também não tira o mérito a Bruno Fernandes: foi um excelente cruzamento/remate. 

 

image.jpeg

 

Isto está longe de ser uma questão dramática, bem pelo contrário. Tenho-me divertido com as piadas – Ronaldo marcando por telecinese, o cabelo de Deus, tivesse ele o cabelo mais comprido, etc. Há quem critique Ronaldo por reclamar autoria do golo mas, embora tenham razão… as reclamações foram bem humoradas. Mais tarde, saiu de campo abraçado ao Bruno, claramente bem disposto. É certo que, depois, fez queixinhas trocou mensagens com Piers Morgan insistindo que o golo era dele mas, tirando isso… E depois de ter saído a peritagem da FIFA – “As bolas têm chips, como os cães e os gatos?”, perguntou-me a minha avó – ninguém da parte do Ronaldo ou da Seleção disse mais nada. 

 

Sinceramente, não vale a pena atirar pedras a Ronaldo. Pelo menos não por isto.

 

Pelo meio, por volta dos setenta e cinco minutos, o poste travou um remate do Uruguai. Um sinal claro de que os deuses do futebol estavam do nosso lado naquela noite – apesar de, mais tarde, terem negado o hat-trick a Bruno Fernandes.

 

Em relação ao nosso penálti, vou ser sincera, tenho algumas dúvidas. Não sei que critério andam a usar para determinar o que é mão na bola e o que não é. A mim pareceu-me que José María Giménez estava a cair e usou aquela mão para se apoiar. No entanto, há quem alegue que a manobra foi deliberada e/ou pode ser abusada – os jogadores poderiam simular quedas para poderem usar as mãos. 

 

Não sei. Não sei que chegue sobre o assunto para fazer um juízo definitivo.

 

Em todo o caso, como Ronaldo já tinha ido para o banco, Bruno Fernandes foi chamado a bater o penálti e fê-lo com mestria. Segundo Anthony Lopes, impossível de defender. 

 

317088363_577561934375418_3374939419099215213_n.jp

 

Em suma, Portugal não fez uma exibição de encher o olho, mas foi a equipa que mais fez por ganhar. Fomos justos vencedores.

 

Se me dissessem há duas semanas que Portugal se qualificaria para os oitavos-de-final do Mundial à segunda jornada, não acreditaria. Como escrevi aqui, não estava com grandes expectativas para este campeonato. Foram anos, sobretudo os últimos dois, de exibições medianas com o ocasional lampejo de qualidade, apuramentos falhados por um ponto. Desempenhos, em geral, não suficientemente bons para entusiasmar mas não suficientemente maus para correr de forma unânime com Fernando Santos. 

 

Agora chegamos ao Catar e acontece isto. Duas vitórias num Mundial, algo que não acontecia desde 2006. Sobrevivemos à fase de grupos ao segundo jogo, algo que não acontecia desde o Euro 2008 – ainda no tempo de Luiz Felipe Scolari, este blogue era um bebé. Fomos a terceira equipa a passar aos oitavos, a seguir aos tubarões Brasil e França. 

 

E o nosso grupo não é assim tão fácil. O Uruguai é o Uruguai e o Gana venceu a Coreia do Sul – provando que, não sendo tubarões, também não são sardinhas. 

 

Que cronologia é esta, minha gente? Não estou habituada a isto – e não sou a única

 

img_1280x720$2022_11_29_15_42_48_2068497.jpeg

 

Até estou um bocadinho chateada porque as minhas férias estão quase no fim. Na(s) próxima(s) semana(s) já estarei a trabalhar, será mais difícil ver os jogos e ter tempo para o blogue. Um motivo extra para querer passar em primeiro neste grupo é porque, se o fizermos, jogamos terça-feira. Nesse dia estou a sair às sete e meia – o jogo começa às sete, ou seja, conseguia apanhar pelo menos a segunda parte. Na segunda-feira só saio às oito e meia, perderia o jogo todo. 

 

Ao menos depois os quartos-de-final serão no sábado. Adiante disso… não me atrevo a olhar. 

 

Como é óbvio, estou muito contente com o nosso desempenho até agora, orgulhosa dos nossos Marmanjos. Referências especiais para Diogo Costa, Pepe, William, João Félix, Bernardo Silva, Rafael Leão, Cristiano Ronaldo (até certo ponto mas, para as circunstâncias, não está mal), mesmo João Palhinha e Matheus Nunes. 

 

E sobretudo Bruno Fernandes, a nossa maior figura. 

 

Ainda assim, não consigo alinhar em grandes euforias. Em parte por incredulidade; em parte porque, apesar de tudo, não estamos a deslumbrar; em parte porque tenho medo. Tenho medo de ter demasiada esperança, de sonhar demasiado alto. Mais ou menos aquilo que sentia antes do Euro 2016, quando Fernando Santos falava em sermos campeões. 

 

Até porque, na prática, ainda não ganhámos nada. Igualámos os nossos desempenhos no Mundial 2010 e no de 2018 ao sobrevivermos ao grupo. Nada nos garante que a nossa viagem não termine nos oitavos.

 

GettyImages-1445269771.jpeg

 

Dito isto… também nada nos garante que a viagem não continuará. Os nossos jogadores têm qualidade, estão motivados, houveram melhorias de um jogo para o outro. Se continuarmos a melhorar… porque não?

 

O que sugiro, assim, é um meio-termo. Olhar para a final, mas pensar jogo a jogo. Apontar para as estrelas, mas manter os pés no chão. 

 

E, de qualquer forma, ainda nos falta um jogo neste grupo. Estou zangada por Paulo Bento se ter feito expulsar na segunda-feira. Queria vê-lo no banco, cumprimentando Pepe, Ronaldo, Rui Patrício e outros que ele costumava orientar.

 

Visto não estarmos obrigados a ganhar para ficarmos em primeiro, eu, à semelhança de toda a gente, espero que Fernando Santos rode a equipa – para gerir desgastes e cartões amarelos. Na minha opinião, temos talento suficiente nas segundas linhas para pelo menos empatarmos com a Coreia do Sul. Na verdade, os jogos do grupo G interessam-me quase tanto como os do nosso grupo: quero saber com quem iremos jogar nos oitavos. 

 

Que os sinais positivos se cumpram e que o nosso sofrimento continue por mais umas jornadas. Sofram comigo, quer aqui no blogue, quer através da sua página de Facebook e façam um donativo à Amnistia Internacional, que está a tentar ajudar os trabalhadores que construíram este campeonato. Como sempre, obrigada pela vossa visita, mantenham-se desse lado. 

 

KV23J4G7RBAL7FT6B26SGTNK54.jpeg

Cometeram-se erros...

316534754_6003335976372579_5303685560569315967_n.j

Na passada quinta-feira, dia 24 de novembro, a Seleção Portuguesa de Futebol estreou-se no Mundial 2022 com uma vitória sobre a sua congénere ganesa por três bolas contra duas. 

 

Como já tinha dito antes, estive a trabalhar durante o jogo. Tenho de confessar, desta vez custou-me imenso. Já por defeito sinto que, quanto mais velha estou, mais sofro com jogos desta envergadura. Estas circunstâncias não ajudaram. 

 

Imaginem-se trabalhando ao balcão durante o jogo, durante este jogo, com o relato radiofónico ligado num computador do backoffice. Imaginem-se atendendo pessoas enquanto a vossa colega no backoffice vai dando atualizações como: 

 

– Penálti para nós!

– O Ronaldo marcou! 

– Eles empataram.

– O Félix marcou. 

– Então, ainda está 3-1?

– Não, está 3-2.

 

Vocês aguentavam?

 

06.png

 

Eu consegui funcionar à mesma, mas custou. Sentia as mãos e a voz a tremerem ligeiramente – espero que não tenha sido perceptível. Não acho que fosse sofrer menos se visse o jogo numa televisão, mas ao menos não precisaria de concentrar-me noutras coisas. E claro, mais tarde senti inveja de quem pôde ver o jogo. Sobretudo depois das milhentas reportagens nos noticiários, de adeptos seguindo a partida em vários pontos de Portugal e do mundo. 

 

Por outro lado, fui poupada ao "comentário" de Paulo Futre – que, segundo as internetes, irritou toda a gente. De facto, se era para estar ao microfone sendo um adepto comum, a TVI podia ter-me convidado – eu aceitava metade do que terão pago a Futre. 

 

Dizem que, tirando as lágrimas de Ronaldo aquando do hino, a primeira parte foi entendiante – Portugal controlando o jogo mas arriscando pouco – e a segunda parte foi o completo oposto. Demasiado agitada para um adversário do calibre do Gana, não desfazendo. Ronaldo marcou de penálti, quebrando mais uns quantos recordes. O Gana repôs a igualdade sete minutos depois. Rúben Dias não conseguiu travar Kudus, Danilo não conseguiu segurar a bola quando esta lhe passou pelos pés e André Ayew marcou. 

 

Cinco minutos depois, Bruno Fernandes assistiu de primeira para João Félix, que não perdoou. Félix finalmente a afirmar-se na Seleção, depois destes anos todos. Algumas pessoas continuam a criticá-lo e eu não percebo porquê. Ele marcou, não marcou? Ele esteve na jogada em que o Ronaldo sofreu falta para penálti, não esteve? Andará essa gente a usar as mesmas lentes de Simeone? 

 

Não esquecer Bruno Fernandes, provavelmente o melhor em campo. Ele que também assistiu para o terceiro golo, desta feita assinado por Rafael Leão. Como tem sido amplamente assinalado, o miúdo rematou com um sorriso. Eu recordei-me deste tweet, a propósito de um falhanço caricato no segundo amigável contra o Catar.

 

Finalmente saiu. Na altura certa. 

 

07.png

 

Com outra equipa que não nós, com isto ficaria feito o resultado. Talvez até se aumentasse para 4-1. Mas éramos nós, nunca seria assim tão fácil, sobretudo em palcos como este. Os ganeses reduziram para 3-2 aos oitenta e oito minutos. João Cancelo deixou Baba fazer o que quis e este assistiu para o remate certeiro de Bukari.

 

Está na altura de falarmos na já infame fífia de Diogo Costa. Não vi em direto, mas todos me garantem que ia provocando um ataque cardíaco coletivo. Pessoalmente, achei e ainda acho hilariante – só o vi depois de o jogo ter terminado, a vitória assegurada. A cara do Ronaldo aquando do lance correu mundo – as câmaras vão sempre para ele, em parte porque Ronaldo, em parte porque ele sente tudo, reflete tudo, é incapaz de disfarçar uma emoção. Ainda assim, acho ainda mais piada a este vídeo – o banco inteiro das Quinas, Fernando Santos incluído, levando as mãos à cabeça como se fosse uma coreografia. 

 

Mesmo assim, o Ronaldo foi o mais engraçado. Juro, ele parece quinze anos mais novo nestas imagens.

 

Aspetos caricatos à parte, não tenho alma para criticar demasiado Diogo Costa. Sobretudo porque não teve consequências – por sorte, Iñaki Williams tropeçou. O Diogo é um miúdo! Só se estreou a titular na Seleção este ano! Não foi o primeiro guarda-redes nem será o último a cometer erros destes. Há quem tenha feito asneiras mais graves com muito mais experiência. Por exemplo, Rui Patrício, que assistiu para o golo do empate de Israel em 2013. 



Aliás, culpo mais Rúben Dias e, sobretudo, João Cancelo e Danilo. Eles são bem mais experientes, jogam em grandes clubes, deviam ter feito mais para impedir os golos ganeses.

 

E uma coisa é certa: o Diogo não torna a fazer uma destas.

 

 

Devo dizer que adorei o momento em que o Diogo foi consolado pelos colegas. Esta é a versão do Ronaldo de que mais gosto. O Capitão reconhecendo que o miúdo podia interiorizar demasiado aquele erro e intervindo de imediato. Aparentemente Ronaldo já tinha pedido ao “Pepinho” para falar com o Diogo. Acho deliciosa a ideia de Pepe e Ronaldo emparceirando como papás do grupo. 

 

Eu sei que isto faz parte de qualquer equipa saudável. Ainda assim, adoro a Seleção por isto.

 

Quanto a este jogo, contente pela vitória, preocupada com estes erros defensivos. Faz-me lembrar o Mundial 2018: jogadores que estavam bem antes do campeonato, mas depois, quando foi a doer, não renderam o mesmo. Não sei se isto foram apenas deslizes ou se é algo sistemático. De qualquer forma, não vai dar para repetir. Erros destes custarão mais caro perante adversários mais difíceis que o Gana – o Uruguai, amanhã, será já um desses. Num Mundial não há segundas oportunidades – e eu quero que Portugal vá longe, se possível até à final. 

 

Apesar de não me esquecer do preço deste Mundial, estou a gostar de acompanhá-lo. Não tenho tido oportunidade de ver muitos jogos, mas é giro ir sabendo dos resultados, falando sobre os jogos com outras pessoas, vendo os resumos e as reportagens. Vou tentar aproveitar esta semana que tenho de férias para ver mais jogos – nem que seja apenas enquanto escrevo. 

 

Volto a deixar o link para doarem para a Amnistia Internacional, que está a ajudar os trabalhadores maltratados na construção deste Mundial. Como sempre, obrigada pela vossa visita. Continuem a acompanhar este Mundial comigo, quer aqui quer na página de Facebook.

 

316135795_574271764703792_3871644927240425511_n.jp

Deus a rir-se

FOprpymXsAU1ncm.jpeg

Na passada quinta-feira, a Seleção Portuguesa de Futebol venceu a sua congénere turca por três bolas contra uma, em jogo a contar para as meias-finais dos play-offs de acesso ao Mundial 2022. Graças a este resultado, a Seleção irá disputar a final dos play-offs perante a Macedónia do Norte – que surpreendeu o mundo do futebol ao vencer a Itália por 1-0.

 

Aquela noite foi o culminar de meses de apreensão latente. Estava uma pilha de nervos antes do apito inicial, cantarolando partes de músicas da minha playlist da Seleção – a minha preferida neste momento é 1 Lugar ao Sol, dos Delfins – como se fossem orações. 

 

Fernando Santos apresentou um onze com algumas novidades. Otávio a titular e, para meu choque, Diogo Costa. Rui Patrício ficou no banco. Ninguém se lembra da última vez que Patrício ficou no banco por opção técnica num jogo oficial. De tal forma que, na Conferência de Imprensa após o jogo, perguntaram a Fernando Santos se Patrício estava lesionado. O Selecionador disse que não e basicamente queixou-se de ser preso por ter cão e preso por não ter no que toca a renovações.

 

É difícil argumentar contra isso – até porque Diogo Costa nem se saiu mal. Mas se isso significa que o ciclo de Rui Patrício está à beira do fim… eu fico triste. 

 

O início do jogo até correu bem para o nosso lado. Gostei de ver o ataque da Seleção nos primeiros vinte minutos. Otávio marcou o primeiro golo das Quinas em 2022, aproveitando uma bola que Bernardo Silva enviara ao poste. Mais tarde, em cima do intervalo, Otávio contribuiria para o nosso segundo golo, assistindo para a cabeça de Diogo Jota – um remate delicioso. 

 

 

Se as coisas no ataque não estavam a correr mal, o mesmo não se pode dizer da defesa. Com João Cancelo cancelado castigado, Rúben Dias lesionado, Pepe covidado e Gonçalo Inácio inexplicavelmente nem no banco, tivemos de nos desenrascar com Diogo Dalot, José Fonte e Danilo. E, infelizmente, estes viram-se atrapalhados demasiadas vezes para o nosso gosto – sobretudo quando o fulgor atacante começou a diminuir. Na primeira parte isso não teve consequências. O pior foi mais tarde.

 

Ao intervalo eu estava satisfeita, com esperanças de que Portugal fosse capaz de gerir a vantagem. Mas também me recordei do que aconteceu no jogo com a Sérvia há um ano: não conseguimos segurar uma vantagem de dois golos e estamos a pagar por isso nestes play-offs. Não podíamos cometer os mesmos erros de novo.

 

Infelizmente cometemos. A coisa não podia ficar demasiado tranquila, qual seria a piada? A reentrada em jogo nem sequer foi má, com três oportunidades em dez minutos. No entanto, aos sessenta e cinco minutos, o turco Cengiz Ünder passa a bola entre Moutinho e Danilo para Burak Yilmaz, que não perdoou. Vinte minutos depois, José Fonte fez falta para penálti.

 

Estávamos todos a pensar no mesmo: à boa maneira de Fernando Santos íamos resvalar para o empate, mesmo contra a corrente do jogo. Eu não queria de todo ir a prolongamento – um desgaste emocional para mim, um desgaste físico para os jogadores. E também emocional. Sobretudo se tivéssemos de ir a penáltis.

 

Assim, quando Yilmaz enviou a bola para a VCI, festejámos todos como se fosse um golo. Deem-nos um desconto: lembrem-se do que disse acima sobre meses de sofrimento “low-key” – que ainda não terminou. Os próprios jogadores estavam intranquilos – não devia acontecer, mas não tenho lata para criticá-los. 

 

 

Diogo Costa diria mais tarde que o falhanço de Yilmaz poderá ter sido influência dele. Sim querido, deve ter sido… Estou a brincar. Deixem-no pensar assim, se isso lhe der uma recordação feliz da sua estreia a titular. 

 

O golo da tranquilidade viria já nos descontos, obra de dois suplentes. Rafael Leão isolou Matheus Nunes que, frente ao guarda-redes, fechou o marcador. Dois luso-brasileiros que até jogam na mesma posição foram responsáveis pelos golos nesta partida.

 

Mais ou menos ao mesmo tempo que nós consolidávamos a nossa vitória, a Macedónia do Norte marcava um golo à Itália, carimbando a sua passagem à final do play-off. Os macedónios foram mais italianos que os próprios italianos, pois contaram apenas uma mão-cheia de oportunidades, quando a Itália somou umas trinta, todas falhadas. Perante este desfecho, eu soltei algumas gargalhadas algo maníacas. Depois de meses e meses em semi-pânico com a ideia de enfrentarmos os Campeões Europeus com o nível de jogo de 2021, os macedónios despacharam os italianos por nós. Deus Nosso Senhor terá passado os últimos quatro meses a rir-se de mim. 

 

Muito se tem falado sobre a “vaca” de Fernando Santos por estes dias – ele que, ainda por cima, se transformou num meme ao tentar acender um cigarro ainda em campo. Estes lampejos aleatórios de sorte que levam a fenómenos como o penálti falhado por Yilmaz e a vitória da Macedónia. É discutível se Fernando Santos e, por associação, a Equipa das Quinas, tem tido assim tanta sorte, mas pronto. 

 

E, lá está, não vou dizer que não compreendo. Há muita gente por aí que está farta de Fernando Santos, eu mesma me tenho incluído nesse grupo. Depois desta vitória, contudo, estou disposta a dar-lhe o benefício da dúvida. Sim, outra vez mas, que diabo, o homem deu-nos os nossos dois primeiros e únicos títulos!

 

img_920x518$2022_03_24_22_39_24_1976469.png

 

Por outro lado, ainda nada está ganho. Agora temos de vencer a Macedónia. Como referi no texto anterior, eles venceram os alemães há um ano e, agora, despacharam os italianos. O nosso historial com eles é reduzido – o próprio Bernardo Silva admitiu que ninguém sabe muito bem o que esperar. Por fim, eles não têm nada a perder e vêm motivados. 

 

Por outras palavras, amanhã vou estar tão nervosa como estava na quinta-feira. 

 

Recordo que quero estar no Mundial. Há por aí muita gente quase desejando o fracasso à Equipa das Quinas só para nos podermos livrar de Fernando Santos. Posso compreender e até concordar com críticas ao Selecionador, mas não a este ponto. Nunca torcerei contra a Seleção. 

 

Além disso, como escrevi antes, neste momento as nossas opiniões sobre Fernando Santos são irrelevantes. Se perdermos contra a Macedónia do Norte – três vezes na madeira – haverá imenso tempo para autópsias. Se vencermos, haverá imenso tempo para nos preocuparmos com o futuro imediato da Seleção. Mas, para já, só nos interessa o jogo de amanhã. Que é para ganhar. 

 

Obrigada pela vossa visita. Mais na página de Facebook deste blogue.