Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Os pensamentos de uma simples adepta da Seleção Nacional, que não percebe assim tanto de futebol mas que é completamente maluca pela Equipa de Todos Nós.

Exorcizar o demónio

O estágio de preparação do Campeonato do Mundo de futebol, que terá lugar no Brasil - estágio esse também conhecido por Operação Mundial -  já começou há alguns dias. Mais de uma semana, se considerarmos os três dias de pré-estágio no Estoril. A preparação vai ainda numa fase muito inicial - os portugueses do Real Madrid, Fábio Coentrão, Pepe e, claro, Cristiano Ronaldo só se juntaram à comitiva na quinta-feira - pelo que as coisas têm andado relativamente calmas, em termos mediáticos pelo menos. Só uma ou outra réplica das polémicas em torno da Convocatória. Como já vai sendo hábito, os jogadores que participam nas Rodas de Imprensa adotam discursos tranquilos, prudentes, evitando ao máximo desestabilizar a equipa. Podem não ser os mais interessantes mas, em particular nesta altura do campeonato, ninguém duvida que são os que mais beneficiam a Equipa de Todos Nós. Haverá tempo, sem dúvida, mais adiante, para polémicas, não sentiremos falta delas - pelo menos foi o que aconteceu há dois anos.
 
Nem sempre me tem sido fácil estar a par do que vai acontecendo, estando eu em estágio (um estágio diferente do da Seleção, claro) das nove às seis. Mesmo não podendo atualizar de imediato a página, gosto - sempre gostei - de ir sabendo destas coisas à medida que vão acontecendo. Ao longo do dia, tento prestar atenção às notícias horárias da rádio. Uma das poucas vantagens de tê-la ligada a título quase constante no meu local de estágio - acreditem, é cansativo. Até Nelson Mandela se cansaria de Ordinary Love se tivessse de ouvi-la tantas vezes quanto eu. Outra vantagem diz respeito aos anúncios alusivos ao Mundial, cada vez mais frequentes - que sempre tornam os irritantes intervalos publicitários um pouco mais suportáveis. 
 
Adicionalmente, quando vou almoçar, tento sempre apanhar as reportagens dos telejornais. A caminho de casa, sintonizo as notícias do desporto na rádio, quando saio a tempo. Vou, também, tentando ir a cafés e esplanadas que tenham A Bola ou o Record, que geralmente têm algo mais que a televisão, a rádio ou a Internet - artigos de opinião, sobretudo. Gosto sempre de lê-los, quer concorde com eles ou não.
 
Quando chego, finalmente, a casa, ao fim da tarde ou à noite, atualizo a página. É aqui que agradeço ao blogue do meu parceiro, ao tumblr Fuck Yeah Portugal National Team e à página Seleção Nacional de Portugal - estas três fontes têm-me permitido aceder rapidamente a notícias e fotografias sobre a Turma das Quinas, para depois publicar.
 
 
 
Têm sido as fotografias a despertarem-me maior interesse. Sobretudo aquelas que mostram os momentos de galhofa, de bullying, como digo na brincadeira, entre os Marmanjos. Que representam bem uma das facetas de que mais gosto na Seleção: o facto de ser um grupo de amigos, um bromance a vinte e três, como às vezes digo, uma grande família; a maneira como estão sempre a brincar, como uma matilha de cachorrinhos. 
 
Ainda não está a ser bem o verão que antecipei ao longo de semanas. No entanto, não duvido que, dentro de poucos meses, vou sentir saudades destes dias. Sobretudo quando dispuser de mais tempo livre que agora sem ter nenhuma Operação Mundial para seguir.
 
Por enquanto, a minha disponibilidade reduzida tem-me privado de relativamente pouco. Isso provavelmente mudará à medida que nos formos aproximando do Mundial, mas hei-de arranjar uma solução. Por outro lado, uma grande vantagem da minha falta de tempo e, por vezes, paciência é deixar-me de importar com certas ninharias que surgem nas redes sociais, relativas à Seleção e não só. Tenho, literalmente, mais que fazer.

Entretanto, hoje, pelas sete e meia da tarde, a Seleção Portuguesa recebe no Estádio Nacional a sua congénere grega em jogo de carácter particular. Um encontro em teoria amigável, mas com um adversário que traz demasiadas recordações amargas. A malfadada final do Euro 2004 na Luz, o título que deveria ter sido nosso, que tinha tudo para ser nosso, mas que deixámos escapar. Uma oportunidade que não se tornou a repetir e que, provavelmente, não se repetirá nunca. Chegámos a defrontá-los de novo em 2008, pouco antes do Europeu, mas tornámos a perder, desta feita por 2-1 (foi um ano estranho aquele...).

Não nego que sinto uma certa vontade de ajustar contas com os gregos, ainda que apenas na teoria - é apenas um particular, obviamente não nos vai devolver a Taça e nem sequer nos dará três pontos. Por outro lado, os gregos acabaram por ganhar a minha simpatia por, entre outros motivos, serem treinados pelo português Fernando Santos e pela atitude que demonstraram no Euro 2012. Já não lhes guardo nenhum ressentimento em particular (o erro de 2004 foi nosso) e desejo-lhes a melhor das sortes para o Mundial - excepto caso se cruzem connosco, evidentemente.

840829.jpg

O jogo terá lugar no Estádio Nacional, no Jamor, uma arena com grande simbolismo para o futebol português, e estará integrado nas comemorações do centenário da Federação Portuguesa de Futebol. Consigo compreender esta escolha visto que, para mim, é uma das casas da Seleção, se não for "a" casa. Sobretudo ao longo dos últimos anos, em que tenho lá ido assistir aos treinos abertos. Além disso, acredido que, se algum dia conseguirmos ganhar um Europeu ou Mundial, será lá que a Seleção festejará com os seus adeptos.

A desvantagem continua a residir os fracos acessos, tanto em termos de entradas para o Estádio - depois do que aconteceu na final da Taça de Portugal, espero que as pessoas tenham a sensatez de chegarem com antecedência - como em transportes públicos. 

Seria bom deixarmos este demónio exorcizado, dentro do possível, a tempo do Mundial. No entanto, duvido que os Marmanjos estejam para aí virados. Nos primeiros particulares dos estágios de 2010 e 2012 (com o Cabo Verde e a Macedónia, respetivamente) não estiveram e ambos acabaram sem golos. Como se tal não bastasse, bem como a experiência de muitos outros particulares, desta feita temos metade da Seleção em momentos de forma duvidosos. Já se sabe que Pepe e Ronaldo não jogam (estou a mentalizar-me de que o madeirense será uma dúvida constante até ao nosso primeiro jogo no Brasil, se não mesmo depois disso). Não me parece que os jogadores queiram arriscar lesões que os afastem do Mundial. Pode ser que o nome e o simbolismo do adversário tenham algum peso. Mas não sei se será suficiente.

Espero que o seja para, pelo menos, fazerem um jogo decente. Invariavelmente, eu peço uma vitória, mesmo que não venha acompanhada de uma boa exibição. Até porque, durante o jogo, homenagearão Eusébio e Mário Coluna, ficaria bem honrá-los com um bom resultado. No entanto, se tudo isso falhar, ao menos que sirva para nos prepararmos para o Mundial. Que todos esperamos que seja inesquecível pelos melhores motivos.

O primeiro dia de verão

Cá vamos nós outra vez. Amanhã, dia 19 de maio, Paulo Bento, o Selecionador Nacional de Futebol
anunciará os Convocados para representar Portugal no Campeonato do Mundo da modalidade, que se terá início dentro de pouco menos de um mês, no Brasil.

Quem acompanha este meu blogue há algum tempo saberá, certamente, que para mim este é sempre um dia especial, o dia em que o Mundial começa. Já usei várias metáforas para explicá-lo, hoje usarei mais uma - que poderão já ter visto na minha página. Uma vez que, durante os períodos em que a Seleção Nacional se encontra reunida, quebra-se um pouco a monotonia da rotina, a vida ganha mais cor, como se o Sol brilhasse mais. Daí que sinta que o verão começa, não daqui a um mês, e sim já amanhã. 

Há pouco menos de uma semana, no dia doze, este blogue, O Meu Clube é a Seleção, completou seis anos online. Pena o Anúncio dos Convocados não ter ocorrido naquele dia, como pensei que ocorreria da primeira vez que olhei para o calendário de 2014, para o aniversário ser perfeito. Mas não faz mal, porque assim vai ocorrer exatamente seis meses após a épica segunda mão dos playoffs com a Suécia. Não tenho nada a dizer sobre estes seis anos que não tenha dito anteriormente, tirando apenas que nunca, por um único momento, me arrependi de ter criado este blogue nem senti vontade de desistir, nem mesmo quando me apercebo da fraca audiência. Enquanto tiver disponibilidade, manterei o blogue. Disponibilidade, essa, que já será um problema ao longo deste Mundial. Há dois anos, no Euro 2012, quase nunca me faltou tempo para atualizar a página nem ara escrever no blogue. Agora, no entanto, conforme já disse aqui, estou a fazer estágio das nove às seis, logo, não tenho tanto tempo. Não se admirem, portanto, se as crónicas forem reduzidas e/ou demorarem a ser publicadas.

Não acredito que isso seja muito grave, pelo menos durante as primeiras semanas - se for como há dois anos, esse será um período mais morno. O pior será o facto de, por causa do meu horário, ir perder a primeira parte dos jogos com a Alemanha e o Gana. Hei de arranjar maneira de ir acompanhando, dentro do que me for possível, o que acontecer durante esses quarenta e cinco minutos. Mas chateia-me não poder vê-los como deve ser. Afinal de contas, o Mundial só vem de quatro em quatro anos. 


Este ano, para além de se comemorar o centenário da Federação Portuguesa de Futebol, faz dez anos desde o Euro 2004. O que significa que acompanho de perto a Seleção há pelo menos uma década. Dez ano de alegrias e tristeza, triunfos e desilusões, sonhos, esperanças. Três selecionadores, cinco fases finais, cinco Apuramentos, inúmeros Marmanjos, muitos que chegaram e partiram passando quase despercebidos, muito que se destacaram, ou por fases, ou a título quase constante, centenas de jogos. A Seleção entranhou-se de tal maneira em mim que já faz parte, de certa forma, dos meus ritmos biológicos, já se tornou quase uma dependência física - ao ponto de, conforme já o referi várias vezes aqui no blogue, desenvolver sintomas de abstinência em períodos de poucas notícias sobre a Equipa de Todos Nós. E, por muito que certos aspetos venham a tornar-se repetitivos, cada jogo é único, com os seus próprios protagonistas, as suas próprias peripécias, pelo que ainda não me canso deles.

Esta é a quarta fase final que acompanho neste blogue e, apesar de cada um dos três campeonatos anteriores ter tido a sua própria história, hoje sinto-me mais ou menos da mesma maneira que me sentia no início de cada uma das fases finais anteriores: com algumas dúvidas, sem me atrever a sonhar demasiado alto, mas entusiasmada, esperançosa, decidida a encarar um jogo de cada vez, a saborear cada momento.

Com o tempo vou, também, tendo cada vez menos ilusões, vou tendo mais noção de que a equipa atual não é tão forte - ou pelo menos não tão consistente - como equipas anteriores. Por muito que me custe admiti-lo, em 2004 e 2006 tínhamos - adotando uma metáfora que ouvi recentemente - uma Seleção de Liga dos Campeões, hoje temos, mais do que "Ronaldo mais dez", uma Seleção de Liga Europa. Num campeonato como o Mundial, esses detalhes podem fazer a diferença. O período compreendido entre o Euro 2004 e o Mundial 2006 foi o mais consistente de que me recordo na Seleção - os meus dois primeiros anos acompanhando a Equipa das Quinas, daí que me tenha habituado mal. Todas as fases de Qualificação que se seguiram foram um drama, ainda que por motivos diferentes. A falta de opções para além do núcleo duro foi um dos factores que contribuiu para as dificuldades do nosso último Apuranmento. As circunstâncias em 2004 e 2006 eram-nos mais favoráveis que agora.


No entanto, a verdade é que tais circunstâncias não foram suficientes para levantarmos a Taça. E embora continue a achar que tais títulos foram injustamente atribuídos, ando a aprender que a justiça no futebol nem sempre é clara. Não ganha quem joga bem, ganha quem marca e sofre o menos possível, quer isso aconteça por mérito próprio ou por mera sorte. Isto para não falar da cumplicidade de árbitros e dirigentes da alta hierarquia do futebol.

Por outro lado, a Seleção tem vícios quase congénitos, sobretudo no que toca à tendência para sermos o nosso próprio maior adversário, de nos boicotarmos a nós mesmos, perante opositores que, em muitos casos, não nos causariam grandes problemas. Foi algo que se repetiu ao longo deste último Apuramento mas que, na verdade, também aconteceu no mítico Portugal x Coreia do Sul, do Mundial de 66 - pude testemunhá-lo quando o jogo foi transmitido pouco após a morte de Eusébio. Portugal facilitou, enfiou-se num buraco, ficando obrigado a superar-se de uma forma quase milagrosa, liderado pelo Pantera Negra - à semelhança do que aconteceu nos playoffs frente à Suécia, desta feita liderado por Cristiano Ronaldo. Dessas vezes, a coisa correu bem. No Mundial, perante seleções de calibre elevado, contudo, tal complacência pode muito bem representar a morte do artista.

Além disso, não basta uma mão-cheia de individualidades para se fazer uma equipa. Um bom exemplo é o Mundial 2002, que tinha nomes como Figo, Pauleta, Rui Costa, Fernando Couto, João Pinto, Vítor Baía, Sérgio Conceição, mas que teve um desempenho para esquecer, nesse campeonato. Em oposição, temos o Euro 2012, com uma equipa com "mais vulgaridade que qualidade", nas palavras de pessoas certamente bem mais sábias do que eu, que chegou a onde todos sabemos.

Eu quero acreditar que tal não aconteceu por acaso, por sorte, que aquilo foi a regra e não a exceção. Que é possível tal acontecer de novo. Que Paulo Bento tem razão quando diz que, mesmo não sendo favorito, Portugal tem condições para competir com os candidatos ao título (Brasil, Espanha, Argentina, Alemanha...) e mesmo vencê-los. Se por um lado considero que as premissas já nos foram mais favoráveis, por outro receio não tornar a ter uma oportunidade tão boa. Irrita-me o nosso historial de chegarmos a todos os campeonatos de seleções sob o estatuto, mais ou menos assumido, de candidatos ao título quando, na verdade, nunca ganhámos nada, falta-nos sempre aquele "quase". Dez anos depois do primeiro Menos Ais, está na altura de "passarmos à próxima fase", de uma vez por todas. Pode ser até que nos aconteça o mesmo que aconteceu à Espanha, que, depois de tantos anos numa situação semelhante à nossa, ganhou três títulos de seguida... mas não me atrevo a sonhar tão alto. A solução acaba por ser a mesma de sempre: abordar um jogo de cada vez e esperar que Deus, ou a Sorte, ou outra qualquer entidade sobrenatural em que acreditem, seja generoso(a) para connosco.


Já se volta a esse assunto, para já falemos dos Convocados. Este ano, a habitual polémica começou mais cedo, já que, desta feita, a pré-Convocatória foi divulgada pouco menos de uma semana antes da Lista Final. Jogadores como Carlos Mané, Adrien e Cédric foram já excluídos desta primeira Escolha, ao passo que jogadores como André Gomes e Ivan Cavaleiro, que tanto quanto sei jogaram pouquíssimas vezes pelo Benfica esta temporada, foram incluídos na Lista. Ninguém é capaz de compreender tais opções, nem mesmo eu, que nestas coisas, como sabem, tenho sempre muito boa vontade, até demais por vezes. A diferença deste ano em relação a campeonatos anteriores é que, por desde o Euro 2012 andar a acompanhar o futebol de clubes mais de perto, tenho uma ideia mais clara de quem, na minha opinião, merece ser Convocado ou excluído. Admito que não sou cem por cento isenta, à semelhança da maioria das pessoas - afinal de contas, tenho uma sportinguista ferrenha em casa - mas até adeptos de outros clubes contestam a exclusão de, pelo menos, Adrien. Ele e Cédric foram titulares de forma quase constante ao longo da época pelo seu clube, que até não se saiu mal este ano, tendo contribuído mais para o sucesso dele que, por exemplo, André Gomes, André Almeida e Ivan Cavaleiro contribuíram para a bela época que o Benfica fez. E se Ivan Cavaleiro até teve bons momentos - ainda assim, na minha modesta opinião, insuficientes para determinar que ele merece ir ao Mundial - e André Almeida até jogou na reta final do Apuramento, não me recordo de nada particularmente positivo sobre André Gomes, pelo menos não ao ponto de o incluírem na Convocatória. Aliás, durante a final da Liga Europa, não o vi dar uma para a caixa, antes pelo contrário, fartava-se de perder bolas comprometedoras.

Paulo Bento falou, em entrevistas recentes, de jogadores que poderiam ser excluídos por não se encaixarem no plano que ele tem traçado para a Seleção, ou por ele considerar que não têm perfil para vestirem as Quinas. Em contrapartida, referiu também jogadores que se saem melhor pela Seleção do que pelos clubes - não é difícil pensar em exemplos. No entanto, tanto Cédric como Adrien apenas foram Convocados uma vez e, se não estou errada, apenas para substituir habituais titulares ausentes por lesão. Não chegaram a ser utilizados, sequer. Como é que Paulo Bento conseguiu, desta forma, recolher dados suficientes para concluir que estes jogadores não tinham perfil para a Seleção?

A única explicação que me ocorre é André Gomes, Almeida e Cavaleiro já terem percurso nas seleções de formação, percurso esse que Paulo Bento, às tantas, considerou mais relevante que o desempenho de Cédric, Adrien e, também, o guarda-redes Ricardo da Académica - um critério discutível. Até porque o percurso dos rejeitados não deve ser assim tão diferente. Eu não quero entrar no campo das teorias da conspiração, como as que dizem respeito a um qualquer ressentimento de Paulo Bento contra o Sporting ou a um conluio com Jorge Mendes. No entanto, não deixo de achar que o Selecionador deve uma explicação. Estou certa, até, que lha vão pedir (se não exigirem) já no Anúncio dos Convocados.


Por outro lado, admito que, independentemente dos muitos sites por aí que nos permitem brincar aos Selecionadores e fazermos as nossas próprias Listas de Convocados, nenhum de nós é Paulo Bento. Nenhum de nós, tirando evidentemente o resto da equipa técnica, conhece os jogadores, o funcionamento das Seleções - tanto a principal com as de formação - como ele. Nenhum de nós conhece a forma como ele pretende abordar o Mundial. Mesmo com as minhas dúvidas e as de toda a gente, perfeitamente legítimas, acredito que o Selecionador saberá usar os jogadores que escolheu, saberá extrair o melhor de cada um e colocá-lo ao serviço da Seleção, de modo a que façamos um bom Mundial. Nem sequer sabemos quais dos trinta pré-Convocados sobreviverão até à Convocatória. Contestação existiria sempre, em maior ou menor grau, independentemente da Lista Final. De outra forma, eu não teria nada sobre que escrever na entrada pós-Convocatória - e já me preocupa que a polémica esteja a ocorrer agora, antes do Anúncio dos Convocados. Podem existir por aí muitos fanáticos do Sporting a dizer que, por causa disto, não vão torcer pela Turma das Quinas. Eu sei que, caso o Mundial corra bem, muitos deles, se não todos, esquecerão tais promessas e juntar-se-ão à alegria coletiva.

Não adianta concentrarmo-nos demasiado nestes aspetos, nas comparações com as seleções do passado - afinal de contas, o slogan escolhido para o autocarro da Equipa de Todos Nós diz precisamente que "O passado é história, o futuro é a vitória." - nos jogadores que estarão ou não na Convocatória. Interessa concentrarmo-nos no presente, no momento, empenharmo-nos em fazer o melhor Mundial possível, em escrevermos novas páginas da História do futebol português. Por muitas dúvidas que tenha, nenhuma delas mancha a felicidade que sinto por, tirando a final da Liga dos Campeões, a temporada clubística ter finalmente terminado (só aguento o futebol de clubes até certo ponto, as clubites continuam a irritar-me) e a a preparação do Campeonato do Mundo estar prestes a começar. Estou ansiosa por tudo o que aí vem - os Convocados, o estágio de preparação, com as respetivas notícias, fotografias, eventuais publicações nas redes sociais por parte dos Marmanjos, os particulares preparatórios, a cobertura mediática, as campanhas publicitárias e, claro, os jogos "a sério" - e por escrever sobre isso aqui no blogue. Ou seja, por tudo o que está ligado àquela que é a festa suprema do futebol e por deixar aqui o meu testemunho daquilo que se espera ser uma épica aventura. Que começa já amanhã.

Seleção 2013

 
Mais um ano encontra-se à beira do fim, mais um ano encontra-se à beira do início. Como já faz parte da praxe, segue-se a revisão de 2013.
 
Este, depois de 2012, tornou a ser um ano de altos e baixos. Começo a perceber que esta é a regra, que 2011 foi a exceção. É pena... Bem, 2013, ao menos, teve um final feliz, esperançoso. Embora tenha começado por dar seguimento à má fase com que 2012 terminou.
 
O primeiro jogo do ano foi um particular com o Equador, que teve lugar no Estádio Afonso Henriques, em Guimarães. À semelhança do que aconteceu em muitos, muitos jogos dos últimos dois anos, a Seleção tinha todas as condições e mais algumas para proporcionar um bom jogo aos inúmeros adeptos que vieram ao estádio e desperdiçou-as. Para além do habitual circo publicitário, dos pedidos de moldura humana, Cristiano Ronaldo completava vinte e oito anos na véspera do jogo. Em jeito de celebração, entre outros motivos, cinco mil adeptos assistiram ao treino e cantaram os parabéns a Ronaldo. 
 
Como é que a Seleção agradeceu? Perdendo 3-2 com o Equador.
 
 
 
É certo que a equipa visitante era forte, não estava ali apenas para elevar a auto-estima da seleção da casa. Chegou mesmo a Qualificar-se para o Mundial 2014. No entanto, encontrava-se perfeitamente ao alcance de Portugal. A Seleção até teve bons momentos no jogo: Ronaldo marcou o primeiro golo da Turma das Quinas do ano (mais tarde, marcaria igualmente o último); Hélder Postiga marcaria na segunda parte, colocando Portugal em vantagem durante... dois minutos. A Turma das Quinas acabou por ser vítima de si mesma com o Eduardo ficando mal na fotografia no primeiro golo, no início do jogo e, dois minutos após o golo de Postiga, com uma parvoíce do guarda-redes e de João Pereira. Depois, com Ronaldo e Postiga já fora de campo, os equatorianos marcaram pela terceira vez - e até foi um belo remate.
 
Apesar de este jogo ter sido (mais) uma desilusão, tinha a atenuante de ter sido apenas um particular. O verdadeiro balde de água fria veio mês e meio mais tarde, em Telavive, perante Israel. As circunstâncias, diga-se, não eram as ideiais: Nani lesionado e João Moutinho em forma duvidosa. Mesmo assim, tudo indicava que os israelitas não nos dariam grandes problemas. Estávamos enganados. Ou melhor, não foram propriamente os israelitas a dar-nos problemas. Mais uma vez, fomos nós mesmos.
 
 
Portugal até começou bem no jogo, com o Bruno Alves marcando um golo logo no primeiro minuto. Só que depois, pensando certamente que a coisa se resolveria sozinha, os portugueses entraram numa de "deixa andar". Como resultado, das três vezes que os israelitas foram à nossa baliza, marcaram. O que nos valeu foi Hélder Postiga - após ter falhado inúmeras oportunidades na primeira parte, diga-se - ter marcado no rescaldo no terceiro golo israelita, relançando a equipa. Os portugueses lá tentaram reverter a situação e lá conseguiram anular a desvantagem ao cair do pano. Tendo em conta que tínhamos estado a perder por 3-1, este empate quase pareceu uma vitória. No entanto, a exibição roçou o medíocre, as contas para o Apuramento estavam comprometidas, era o nosso quinto jogo consecutivo sem ganhar. O otimismo atingia mínimos históricos. Não me lembro de alguma vez ter estado tão furiosa com os Marmanjos como estive nessa altura. Considero, mesmo, que este foi o pior momento da Seleção em 2013.
 
 
 
 
A Seleção viajou para Baku, no Afeganistão, amputada de Cristiano Ronaldo - que vira o segundo cartão amarelo no jogo de Telavive - obrigada a ganhar. Apesar de, na teoria, o Azerbaijão pertencer a um campeonato inferior ao nosso, na prática, ainda nos vimos um bocadinho à nora para ganhar - culpa, sobretudo, do eterno problema da finalização. Acabou por ser necessário os azeris verem-se reduzidos a dez para os portugueses marcarem. Primeiro, por cortesia de Bruno Alves. Depois, de Hugo Almeida. Um jogo longe de brilhante mas, em todo o caso, a primeira vitória em mais de seis meses. Na altura, tive esperança de que isto representasse um ponto de viragem na Qualificação para o Mundial 2014. E até foi. Mais ou menos.
 
Seguiu-se o jogo com a Rússia, em junho. Um jogo de grau de dificuldade acima da média visto que o momento de forma da maioria dos jogadores não era o ideal, a Rússia era o nosso maior adversário na Qualificação e Portugal já não se podia dar a luxo de perder mais pontos. Visto que o jogo se realizava na Luz, fizeram-se, mais uma vez, apelos aos adeptos para que enchessem o Estádio. Não foi um jogo brilhante mas foi bem conseguido por parte dos portugueses, a equipa esteve bem, dominou o jogo. Hélder Postiga marcou o único golo.
 
 
Três dias após este jogo, a Seleção foi recebida na Croácia num jogo de carácter particular. Acabou por ser um jogo semelhante ao da Rússia: sem deslumbrar, houve boa atitude por parte da Turma das Quinas, o domínio foi português. Desta feita, foi Cristiano Ronaldo a marcar o único golo da partida. Este tornar-se-ia um caso sério em termos de golos ao longo da segunda metade do ano.
 
 
 
 
 
Houve um novo jogo particular a meio de agosto. Desta feita, a Seleção enfrentaria a Holanda no Estádio do Algarve. Antes disso, treinou-se no Estádio Nacional, no Jamor. Eu e a minha irmã fomos assistir ao único treino aberto e tivemos o privilégio de tirar fotografias com Miguel Veloso, Eduardo, Beto (no caso da minha irmã) e Paulo Bento. 
 
O jogo com a Holanda não foi brilhante - até porque o número de baixas foi uma coisa parva - mas, mais uma vez, a exibição portuguesa foi convincente, sobretudo ao longo da segunda parte. Verhaegh marcou o golo holandês, aos dezasseis minutos da primeira parte. Ronaldo igualou o marcador aos oitenta e seis minutos.
 
 
Duas ou três semanas mais tarde, no início de setembro, Portugal deslocou-se a Belfast para defrontar a Irlanda do Norte. Nos dias anteriores, falou-se bastante do facto de os irlandeses terem derrotado a Rússia no mês anterior, de serem tomba-gigantes e terem gozo nisso, sobretudo quando jogavam em casa. Algo que acabou por se confirmar dentro de campo, de certa forma. Foi, aliás, um jogo muito estranho, muito por causa de um árbitro caprichoso. A primeira parte do jogo revelou-se dantesca. Bruno Alves marcou mas os irlandeses rapidamente repuseram a igualdade no marcador. Isto nem seria muito grave se, ainda antes do intervalo, Hélder Postiga não tivesse tido a ideia parva de dar uma "turrinha" a um irlandês e o árbitro não o tivesse castigado com o vermelho direto. Uma penalização exagerada, é certo, mas o gesto de Postiga fora desnecessário. Na segunda parte, sem grande surpresa, a Irlanda adiantou-se no marcador, com um golo em fora-de-jogo. As coisas começavam a ficar verdadeiramente negras para Portugal
 
Felizmente, estava lá Ronaldo para salvar o dia. Catalisado tanto pelo buraco em que Portugal se havia deixado cair como, certamente, pelos adeptos que gritavam por Messi, o madeirense marcou o seu primeiro hat-trick com a Camisola das Quinas. Resolveu, deste modo, o imbróglio em que o jogo se transformara e ainda ultrapassou o recorde de Eusébio.
 
 
Infelizmente, o herói de Belfast ficou indisponível para o particular com o Brasil, que se realizou em Boston, nos Estados Unidos. Eu tinha grandes expectativas para este jogo, com o reencontro com Luiz Felipe Scolari e tudo mais. Nesse aspeto, o jogo revelou-se algo anti-climático. Portugal até teve bons momentos, com destaque para o golo de Raul Meireles. No entanto, sobretudo durante a segunda parte, faltou agressividade à Equipa das Quinas - embora os brasileiros se queixassem do jogo faltoso de Bruno Alves. No final, o resultado foi 3-1 para a seleção canarinha.
 
Um mês mais tarde, a Seleção Portuguesa recebeu a sua congénere israelita no Estádio de Alvalade. Foi o primeiro jogo a que assisti em mais de seis anos. Mais uma vez, tínhamos uma série de ausentes: Meireles e Bruno Alves por lesão, Hélder Postiga (GRRR!!!!) e Fábio Coentrão por castigo. Mas, se conseguíssemos vencer, o segundo lugar ficaria consolidado e ainda poderíamos sonhar com o primeiro lugar - bastaria a Rússia cometer um deslize. 
 
 
É claro que Portugal, eterno adepto dos caminhos mais difíceis, não soube aproveitar a oportunidade. A exibição foi fraca, os israelitas não fizeram nada para levar o jogo de vencida, passaram uma boa parte do tempo a engonhar até mesmo quando ainda se encontravam em desvantagem, depois do golo de Ricardo Costa. À semelhança do que aconteceu repetidas vezes ao longo deste Apuramento, foi Portugal a prejudicar-se a si mesmo. Desta feita, através de uma fífia de Rui Patrício. Só não considero este o pior jogo da Seleção do ano porque, mal por mal, garantiu-nos o playoff. De uma maneira extremamente amarga, contudo.
 
O jogo com o Luxemburgo, em Coimbra, foi quase só para cumprir calendário. A Seleção não jogo melhor do que tinha jogado contra Israel, nem precisou. Os luxemburgueses, como seria de esperar, poucas hipóteses tinham contra nós, sobretudo depois de se verem reduzidos a dez. Portugal podia ter arrecadado uma vitória bem mais expressiva mas não esteve para isso - jogo chegou a ser extremamente enfadonho em certas alturas -  contentou-se com o 3-0, cortesia de Varela, Nani (pontos para a assistência de João Moutinho) e Hélder Postiga. Terminava deste modo a fase de grupos da Qualificação para o Mundial 2014, com Portugal no segundo lugar, obrigado a ir aos playoffs lutar por uma vaga no Brasil.
 
O sorteio para definição do adversário do playoff realizou-se cerca de duas semanas mais tarde. Quis a Sorte que defrontássemos a Suécia, primeiro em casa, depois fora. Antes dessa dupla jornada deu-se algo que, tecnicamente, não se relacionava com a Turma das Quinas mas que, na minha opinião, influenciou o seu percurso: as tristes figuras e palavras de Joseph Blatter sobre Cristiano Ronaldo.

 


Considero que ficámos todos em dívida para com o presidente da FIFA. Pouco após uma jornada dupla de Seleção que deixou muito a desejar, em que Ronaldo esteve algo apagado, Blatter teve o condão, não apenas de espicaçar o nosso Capitão - o Comandante - mas também de unir a massa adepta portuguesa em torno da Seleção contra um inimigo comum. O sentimento generalizado anti-Troika, anti-topo da hierarquia europeia, ajudou. Juro, se algum dia ocorrer a improbabilidade de me encontrar com Joseph Blatter, eu abraçá-lo-ei, agradecer-lhe-ei e explicar-lhe-ei porquê. E quero ver a cara com que ficará.
 
A primeira mão do playoff contra a Suécia realizou-se pouco mais de duas semanas depois, perante um Estádio da Luz esgotadíssimo. Conforme seria de esperar, Portugal jogou melhor do que durante a Qualificação. Também ajudou o facto de a Suécia ter jogado para o empate. O poderio físico dos suecos e o seu jogo defensivo cumpriram o seu papel até mais ou menos a meio da segunda parte - aí Cristiano Ronaldo marcou o único golo da partida, conferindo a Portugal uma importante vantagem no playoff.
 

 

A segunda mão do playoff realizou-se na Suécia. Os adeptos da casa, abençoados sejam, ainda não se tinham apercebido do nexo de causalidade entre um Ronaldo alvo de provocações e os desempenhos estratosféricos que ele tem nos jogos que se seguem - apesar de até ter havido um exemplo bem recente de tal. Ou não perceberam ou então deixaram-se levar pelo medo que tinham do Comandante. Não me admiraria se tivesse sido um misto de ambas as situações. Deste modo, os suecos fizeram tudo para destabilizar os portugueses, praticamente desde que estes deram os primeiros passos no país escandinavo. Destaque para a banda que os recebeu no aeroporto, para o animador de rádio que foi de madrugada fazer barulho para junto do hotel da Seleção Portuguesa e, claro, para a infeliz campanha da Pepsi sueca. Eu, na altura, ria-me pois os suecos não sabiam aquilo que estavam a preparar. Hoje, que sei o que aconteceu, ainda me rio mais. Eles mereceram aquilo que apanharam.
 
A noite do jogo em si foi uma das melhores deste ano. A minha irmã fazia anos, tivemos amigos e familiares em casa, vimos e celebrámos o jogo todos juntos. A primeira parte foi relativamente morna, relativamente equilibrada, com a exibição portuguesa a melhorar com o tempo. A segunda parte foi uma montanha russa de emoções. O primeiro golo de Ronaldo deixou-nos a todos a pensar que eram já favas contadas. Os dois golos de Ibrahimovic que se seguiram forma fruto da nossa negligência. O 2-1 ainda nos era favorável mas, pelo que se via, a coisa poderia facilmente dar para o torto. De uma maneira caricata, regressámos pela enésima vez em todo o Apuramento à fase do "Ai Jesus!". E, tal como acontecera em Belfast, teve de vir Ronaldo ao resgate, com mais dois golos que puseram um ponto final na questão.
 

 

Eu sei que, ao longo dos próximos seis, sete meses, não vai interessar mas eu espero que esta nossa campanha de Qualificação não seja esquecida tão depressa. Teve um final feliz, com contornos apoteóticos, mas podia não ter tido. Podia ter corrido muito mal. Tirando, talvez, os jogos com a Rússia, não houve um único jogo em que não nos boicotássemos a nós mesmos. Na maior parte desses jogos, bastaria não termos cometido determinados erros, termo-nos esforçado um bocadinho mais, para conquistarmos o primeiro lugar do grupo.

E não é apenas pelo primeiro ou pelo segundo lugar. Também não é bom em termos de adesão por parte dos adeptos. Ainda no mês passado, aquando dos jogos com a Suécia, ouvi um colega meu afirmar que, no que tocava á Seleção, só lhe interessam os jogos das fases finais ou dos playoffs. Os da Qualificação e os particulares eram-lhe indiferentes. Paulo Bento, uma vez, lamentou que muita gente pensasse assim e eu, há um ano o dois, criticaria atitudes semelhantes à do meu colega. No entanto, se nem os jogadores estiveram para se chatear na maior parte dos jogos de Apuramento, porque haveríamos nós de fazê-lo?
 
Os títulos de algumas das crónicas pós-jogo que escrevi aqui no blogue acabam por ser aplicáveis a toda a Qualificação. "Uma epopeia com contornos dantescos" e "Não havia necessidade". Aquando daquele primeiro jogo com o Luxemburgo, eu não fazia ideia de que o resto do Apuramento se desenrolaria desta maneira. Sim, eu sei que assim soube melhor, eu mesma o admiti. Mas não sei até quando seremos capazes de brincar com o fogo sem nos queimarmos a sério.
 
 

Além disso, caso a Rússia tivesse conseguido o segundo lugar, a Suécia provavelmente teria sido capaz de vencê-los no playoff. Assim, Ibrahimovic não teria ficado de fora do Mundial. É que fiquei a gostar do tipo... É arrogante mas tem piada.
 
Parece que o sorteio dos grupos da Qualificação para o Euro 2016 se realizará algures em Fevereiro. Consta, igualmente, que as regras do jogo vão mudar. Agora que a prova foi alargada de dezasseis a vinte e quatro participantes - ainda estou para ver como é que isso vai funcionar - os dois primeiros classificados em cada grupo Apuram-se diretamente. Os terceiros lugares, tirando o pior, disputarão o playoff. Eu devia estar satisfeita com este baixar de fasquia mas não me custa nada imaginar a Seleção, em resposta, desleixar-se ainda mais do que se desleixou neste Apuramento, contentar-se com o terceiro lugar. Aliás, agora que penso nisso, este facilitismo pode levar a uma quebra geral na qualidade dos jogos desta Qualificação, sobretudo para as grandes candidatas ao Apuramento. Não que me preocupe demasiado com isso, só quero saber de Portugal. Espero que não nos calhe um grupo fácil, dava até jeito ficarmos com uma seleção dita "grande", motivadora. De qualquer forma, o pior adversário de Portugal continuará a ser ele mesmo.

Entretanto, no início deste mês, a Sorte determinou que Portugal ficasse agrupado com a Alemanha, os Estados Unidos e o Gana no Mundial. Um grupo teoricamente mais fácil que o do Euro 2012 mas imprevisível. Todos consideram que está ao alcance de Portugal mas a Equipa de Todos Nós terá de confirmá-lo em campo.

Foi assim o ano da Seleção. Em termos pessoais, foi um ano relativamente morno: mais estável que 2012, mas não mais do que isso. Algumas das maiores alegrias deste ano, dos dias mais felizes, estiveram ligados à Turma das Quinas: a antecipação dos jogos, o rescaldo das vitórias, a visita ao Jamor em agosto, o jogo a que assisti em Alvalade, a festa de anos da minha irmã no dia da segunda mão dos playoffs. 2013 mostrou-me, aliás, que embora algumas das minhas paixões não me despertem o mesmo interesse de antigamente, a Seleção é das poucas de que não me canso. Vão fazer dez anos desde que acompanho fielmente a Turma das Quinas mas meu interesse manteve-se praticamente sempre alto. Acho que em nenhuma altura desta última década deixei de ansiar pelo jogo seguinte. Posso já não escrever aqui no blogue tão frequentemente como antes - porque perco mais tempo a preparar as entradas e muitos dos assuntos acabam sendo abordados na página do Facebook - e certos aspetos, sobretudo antes dos jogos, depois destes anos todos, tornaram-se demasiado batidos. No entanto, cada jogo em si é único. Seja ele um mata-mata de um campeonato de seleções ou um particular com uma equipa de expressão irrelevante.

É a beleza do futebol em si, aliás. Há coisa de um ano ou dois, eu não compreendia como é que as pessoas tinham paciência para acompanhar a liga portuguesa ano após ano - sobretudo durante a altura em que, invariavelmente, o F.C.Porto se sagra campeão. Hoje compreendo: porque, para além de imprevisível, de caprichoso, o futebol é uma história que nunca acaba.

 
Em termos pessoais, 2014 vai ser um ano bem mais empolgante, bem mais decisivo, do que 2013. Em termos de Seleção, também. Já é habitual, para mim os anos pares são os mais interessantes pois, com eles, veem os grandes campeonatos de seleções. Infelizmente, não sei se me vai ser possível acompanhar o Mundial da maneira que acompanhei o Euro 2012 - posso estar a estagiar nessa altura. Vai depender de muitos fatores mas duvido que tenha tempo para ter a página do Facebook atualizada ao minuto com todas as peripécias, como chegava a estar há ano e meio. Já o tinha dito na entrada anterior, nem sequer sei se poderei acompanhar os jogos do Mundial. No entanto, não deixarei de escrever e publicar as respetivas crónicas pós-jogo. Nem que tenha de perder refeições ou mesmo noites para tal. 
 
Algumas das pessoas com quem tenho falado afirmam-se crentes de que 2014 será o nosso ano. Eu quero crer o mesmo, quero muito crer o mesmo, mas uma parte de mim concorda com os artigos de opinião da praxe, que afirmam que esta Seleção não se compara à de 2004 ou 2006. Por outro lado, a acontecer, a nós ganharmos um título, terá de ser em 2014. Não vou ao extremo de dizer "Agora ou nunca!" mas a verdade é que já deixamos fugir demasiadas oportunidades. A certa altura terá de deixar de ser um sonho. Que deixe de sê-lo em 2014.
 
Esa será uma das passas da Noite de Ano Novo - não gosto de passas mas gosto do ritual de pedir os doze desejos ou de definir os doze objetivos para o ano que começa. Sugiro que, roubando a ideia a uma campanha realizada aquando da passagem de 2005 para 2006, guardem também "uma passa para a Taça". Também desejarei, se não o fim da crise, pelo menos o início (ou a continuação) da recuperação económica. Que possamos ser campeões mundiais e que as nossas vidas melhorem no ano que vêm. A todos os meus leitores e seguidores da página do Facebook, os meus votos de um Feliz Natal e de um 2014, se não cheio de sonhos realizados, pelo menos cheio de bons momentos.

Traiçoeiro

grupo G.jpg

Na passada sexta-feira, dia 6 de dezembro, as 32 seleções que se Qualificaram para a fase de grupos do Campeonato do Mundo, que se realizará no próximo ano, no Brasil, ficaram a conhecer os seus destinos no que toca à distribuição pelos grupos da primeira fase do campeonato. Portugal ficou colocado no grupo G, juntamente com a Alemanha, os Estados Unidos e o Gana.

 
Eu queria acompanhar o sorteio como deve ser: pela televisão, com o computador ao colo ligado à Internet, mas não deu. Talvez até tenha sido pelo melhor pois o sorteio propriamente dito só começou uma hora após o início da cerimónia. Até lá, deve ter sido só cantoria e dançarico - já tinha tido a minha dose disso durante o sorteio do Euro 2012. Em vez disso, acompanhei-a pela rádio, quando vinha no carro. Estacionei junto ao meu prédio ainda decorria o sorteio. Não quis perder pitada, por isso, fiquei dentro do carro ouvindo o relato, só no fim fui para casa.
 
Portugal foi a penúltima equipa a ser colocada. Como os locutores da rádio comentaram, até aqui é sofrer até ao fim... Eles iam dizendo coisas do género: "Ai e tal, este grupo E, com as Honduras e a Suíça, era simpático", afirmações que me irritavam. Depois de nos termos visto aflitos para ficar em segundo lugar neste grupo de Qualificação aparentemente acessível, eu não queria um grupo fácil. 
 
Quis a sorte que ficássemos no grupo G.
 
 
 
 
 
 
 
 
A minha primeira reação foi de satisfação por não termos calhado num grupo demasiado "fácil". Nesse aspeto, o grupo G é o ideal pois não é nem demasiado acessível, nem demasiado difícil. Isto na teoria, claro. Na prática, pode tornar-se traiçoeiro.
 
Comecemos pela Alemanha, com quem nos estreamos no Mundial, dia 16 de junho, segunda-feira, às cinco da tarde, hora portuguesa. Esta seleção é uma velha conhecida nossa, com quem nos estreámos, igualmente, no Euro 2012. Apesar do seu poderio, nós fomos capazes de fazer-lhe frente, se não tivéssemos sido demasiado cautelosos com eles, se tivéssemos tido um bocadinho mais de sorte, podíamos, pelo menos, ter empatado. O pior é que suspeito que eles, em junho, estarão melhores: tiveram duas equipas na última final da Champions, equipa essas que em muito contribuem para a seleção. Destaque para o campeão europeu Bayern de Munique. Que, ainda por cima, está a ser treinado por Pep Guardiola, o grande difusor do tiki-taka. Isto para não falar de Özil, que hoje é o órgão propulsor do Arsenal.
 
Ainda a fazer figas para que, quando jogar com Portugal, Özil entre em modo Real Madrid e faça assistências para Ronaldo marcar na baliza alemã....
 
 
Considero, mesmo, que a Alemanha é a grande candidata a vencer o Mundial, mais ainda do que a Espanha. Só mesmo o Brasil, com Scolari e o fator casa, poderão, eventualmente, igualá-los. Como poderão calcular, é extremamente difícil uma equipa caprichosa como Portugal vencer os altamente organizados alemães.
 
Nessa linha, calha bem o nosso primeiro jogo ser contra eles. Porque assim entraremos em campo contra os Estados Unidos e o Gana obrigados a ganhar - e Portugal dá-se bem nessas circunstâncias. Se fosse ao contrário, era provável que os portugueses se desleixassem perante as equipas "menores e, depois, entrassem em campo com a Alemanha com a corda ao pescoço.
 
Há dois anos, fiquei apreensiva com os resultados do sorteio dos grupos do Euro 2012. Contudo, hoje vejo que esse grupo tinha uma vantagem: era previsível. Conhecíamos bem os nossos adversários, sabíamos o que esperar deles: dificuldades. Tal não acontece neste grupo, sobretudo no que toca aos Estados Unidos e ao Gana.

 

 
O jogo com os americanos realizar-se-à no dia 22, domingo, às onze da noite. Infelizmente, ainda me lembro da última vez que jogámos contra os Estados Unidos: tinha eu doze anos e começava a interessar-me a sério por futebol. Lembro-me da vergonha que foi sofrermos três golos durante a primeira meia hora do jogo, mais coisa menos coisa. Todo esse Mundial foi uma humilhação, de resto, tirando o jogo com a Polónia. O jogo com os Estados Unidos nem foi o pior. Segundo o que li e ouvi recentemente, passados estes anos todos, parece que tudo aquilo foi uma palhaçada, desde mesmo antes do Anúncio dos Convocados. Não faço particular questão de saber pormenores - já tive a minha dose com o caso Queiroz. 
 
Um aparte, aliás, para referir que fiquei satisfeita por termos evitado o Irão na fase de grupos. Não queria ter de levar com mais provocações por parte do nosso ex-selecionador - que desprezo mais do que Joseph Blatter ou Michel Platini. A Argentina que trate dele.
 
O selecionador da América é alemão, chegou mesmo a ser selecionador da Alemanha entre 2004 e 2006. O atual selecionador da Alemanha, Joachim Löw, chegou a ser seu adjunto. Jurgen Klinsmann terá, segundo consta, um estilo semelhante ao de Löw mas pior matéria-prima. Em princípio, os Estados Unidos estarão ao nosso alcance mas, conforme o jogo de 2002 provou, não é sensato subestimá-los. Pela parte que me toca, não quero de todo perder perante a seleção de um dos poucos países do Mundo para quem o futebol é um desporto secundário.
O Gana é, para nós, a grande incógnita deste grupo. Jogaremos pela primeira vez contra eles no dia 26, quinta-feira, às cinco da tarde de cá. Dizem que é das melhores seleções africanas mas isso não quer dizer nada, também diziam o mesmo da Costa do Marfim. Mais relevante é o facto de terem chegado aos quartos-de-final do Mundial 2010, tendo ficado perto de se tornarem a primeira equipa africana a chegar às meias-finais de um Mundial. Também joga contra nós o facto de, por serem uma equipa africana, estarem mais habituados ao clima tropical, quente e húmido, que encontraremos no Brasil.
 
 
 
Um dos aspetos curiosos em relação a este grupo é o facto de existirem laços inesperados entre as seleções. Já referi, acima, o caso dos selecionadores da Alemanha e dos Estados Unidos. Consta também que haverá um encontro de irmãos no jogo entre o Gana e a Alemanha já que Kevin Boateng joga na seleção ganesa e o irmão, Jérôme, joga na seleção alemã - nunca tinha ouvido falar de uma situação desse género, de irmãos em seleções diferentes. 
 
Se formos a ver, connosco a termos dois selecionadores liderando equipas alheias neste campeonato, o Fernando Santos, este Mundial começa a assemelhar-se a um torneiozinho de aldeia, em que todos os participantes são amigos, familiares, ou conhecidos. A tal Aldeia Global.
 
Em todo o caso, não é a primeira vez que os nossos companheiros de grupo lidam com estes laços já que os três também partilharam um grupo em 2010. O que também constitui uma desvantagem para nós pois eles têm a experiência desses jogos. Nós não.

Existem outras agravantes no que toca a este Mundial, começando pelas longas viagens a que obrigará, bem como ao clima. Tem-se falado da localização do quartel-general da Turma das Quinas em Terras de Vera Cruz. Eu queria também saber onde é que a Seleção estagiará cá em Portugal, durante o mês de maio. Não me ocorre nenhum local no nosso país capaz de mimetizar o calor e a humidade do norte brasileiro. Talvez fosse melhor os portugueses irem mais cedo do que o habitual para o Brasil, de modo a habituarem-se o mais depressa possível ao clima e fuso horário - embora me doa que eles se afastem tão cedo do calor humano dos adeptos portugueses.

 
Existe, também a questão das horas dos jogos. Dois deles realizar-se-ão durante a semana, às cinco da tarde. O único que decorrerá à noite - e mesmo assim às onze, definitivamente não das mais convenientes - será num domingo. Não sei se vou poder ver os jogos pois, provavelmente, estarei a estagiar. Dependerá do que terei de fazer mas pode dar-se o caso de não poder, sequer, ouvir o relato pela rádio, como faria se estivesse em aulas. Enfim, que remédio. De resto, à hora do jogo, o movimento deve ser reduzido, é pouco provável que faça algo que não permita distrações. 
 
Todos concordam que, caso os Marmanjos estejam com a cabeça no lugar certo - o que é sempre a maior variável - este grupo está ao nosso alcance. Posteriormente, nos oitavos-de-final - o mínimo definido por Paulo Bento - encontraremos uma seleção do grupo H - que, em princípio, não nos colocarão grandes problemas. Nos quartos-de-final é que poderemos cruzar-nos com a Argentina ou a França. Aí não haverá maneira de prever o desfecho. No entanto, caso cheguemos a essa fase, estaremos certamente de olhos no título, logo, teremos de ser capazes de vencer qualquer equipa.
 
 
 
Tal como tem acontecido ao longo da última década, ou mais, há quem nos coloque entre os candidatos ao título. No entanto, apesar do nosso permanente estatuto de favoritos, nunca ganhámos nada. E, francamente, está na altura de mudarmos isso. Duvido que voltemos a ter melhor oportunidade - dificilmente Ronaldo estará a este nível daqui a dois anos. Não digo isto porque ache que ele é que faz tudo na Seleção. Digo isto porque sonho com vê-lo erguendo a Taça há nove anos. Também me refiro à equipa atual, que pode não ser grande coisa em termos de individualidades mas que, quando está para aí virada, nos momentos decisivos funciona, supera-se. Uma característica que, pelo menos no Euro 2012, foi suficiente para fazermos uma prestação que nos encheu de orgulho. É claro que existem coisas que precisam de ser corrigidas na seleção atual mas será para isso que teremos aquelas semanas de estágio - entre outras coisas. Por estas e por outras, acredito, se não na conquista do título, pelo menos numa boa prestação. Agora, que venha o Mundial!

Brasil 3 Portugal 1 - Equipa procura-se

Na passada terça-feira, dia 10 de setembro de 2013, a Seleção Portuguesa de Futebol encontrou-se com a sua congénere brasileira no Gillette Stadium, em Boston, os Estados Unidos. Tratou-se de um embate de carácter particular, que terminou com uma vitória do Brasil por três bolas contra uma.

O jogo realizou-se às duas da manhã do nosso fuso horário. Eu e a minha irmã fizemos questão de vê-lo, apesar do inconveniente das horas. Vimo-lo no quarto dela, com a televisão em volume baixo, para não incomodar o resto da casa. Estive também atenta ao Twitter, até porque algumas das pessoas que sigo são brasileiras.


A primeira parte foi razoavelmente equilibrada, com ambas as equipas partilhando o domínio, jogando ao ataque. O golo português acabou por resultar de uma asneira da defesa brasileira, bem aproveitada pelo Yosemite Sam, perdão, Raúl Meireles - o nosso barbudo preferido, com diz a minha irmã.

O golo deu-nos a ilusão de que talvez pudéssemos ganhar o jogo ou, pelo menos, contermos os brasileiros o suficiente para o jogo acabar com um empate. Mas foi sol de pouca dura - eles tinham Neymar e nós não tínhamos Ronaldo para equilibrar a balança. Consta que o prodígio brasileiro, irritado pelo jogo faltoso de João Pereira e Bruno Alves - e ainda dizem que "faltou agressividade" - deu uma de Ronaldo e vingou-se contribuindo para dois golos - o primeiro, executando um pontapé de canto; o segundo, marcando ele mesmo. Neste, tal como descreveram no Twitter, o Nani deixou que Neymar lhe tirasse a bola e a defesa portuguesa deu uma de "abram alas p'ró Noddy".

No entanto, na reta final da primeira parte, Portugal até conseguiu manter-se por cima do jogo. Talvez tivéssemos conseguido o empate se o intervalo não se tivesse metido ao barulho. Se a primeira parte talvez tivesse valido a noitada, a segunda definitivamente não a valeu. Cedo sofremos o terceiro golo e depois, com as inevitáveis substituições, deixámos de ter fulgor. De vez em quando, o Nani ainda pegava na bola e tentava atravessar a Amazónia da defesa brasileiro mas era inútil pois os colegas da Seleção não se desmarcavam. E assim se passou o jogo até ao apito final.


Apesar de ter dito, anteriormente, que, neste jogo, o resultado seria o menos importante, no final, senti-me desiludida. Tal como tinha afirmado na página do Facebook, queria que os Marmanjos provassem que a Seleção não era apenas Ronaldo mais dez. Parece que reprovaram neste teste. Talvez me ande a iludir, talvez Rui Santos e respetivos clones não estejam errados, talvez o Cristiano seja mesmo crucial na Equipa das Quinas. Se não for pelo talento de Melhor do Mundo, talvez pelo papel de capitão, pelo aspeto psicológico - o que explicaria as vitórias da Seleção mesmo nos jogos em que Ronaldo pouco intervém. Talvez os próprios jogadores se sintam mais confiantes quando o madeirense está em campo, ao lado deles. Nesse aspeto, a Comunicação Social não deve ajudar, pela maneira como insiste em focar-se em Cristiano Ronaldo e em desprezar os outros.

No entanto, recuso a aceitar esse discurso de "Ronaldo mais dez" como verdade absoluta. Afinal de contas, aquela é a mesma equipa que chegou às meias-finais do Euro 2012! O Ronaldo não levou Portugal até aí sozinho, jogador nenhum podia fazer isso! Que diabo, fomos a única equipa que não se deixou atropelar pela Espanha, que os aguentou durante duas horas de jogo, só caindo nos penálties! O que aconteceu a essa equipa? Onde está essa equipa? 


Podem ter existido outras condicionantes, de resto. Afinal, os portugueses vinham de um jogo difícil, fisicamente duro. E para todos efeitos, apesar do carácter especial, este era apenas um jogo particular. Como tal, não vou dramatizar demasiado esta derrota, apesar das minhas dúvidas existenciais. Os brasileiros foram, pura e simplesmente, melhores do que nós, não há volta a dar. Não quero pensar demasiado no valor da Seleção ou na falta dele - é tudo muito relativo, o futebol é demasiado caprichoso. Prefiro pensar um jogo de cada vez. E esta só será uma verdadeira derrota se não aprendermos com ela, tal como disse Paulo Bento. Só espero que os Marmanjos tenham, de facto, aprendido a lição, que este jogo os tenha ajudado a preparar o próximo, com Israel. Até porque, para além de ser um jogo importante e difícil, ando a planear ir vê-lo ao vivo. Espero poder ser brindada com uma vitória e uma boa exibição. Até porque já prometi no Twitter:




...e, por sinal, já recebi como resposta:




Fazendo figas, então, para que o Meireles volte a deixar a barba crescer na altura do Mundial...