Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Os pensamentos de uma simples adepta da Seleção Nacional, que não percebe assim tanto de futebol mas que é completamente maluca pela Equipa de Todos Nós.

Portugal 3 Moçambique 0 - Uma vitória num dia triste

Ontem à tarde, a Selecção Portuguesa venceu a Moçambicana por três golos sem resposta, no último jogo de carácter preparatório para o Mundial 2010. Danny marcou o primeiro golo, aos 51 minutos, e Hugo Almeida marcou os outros dois, aos 74 e aos 83 minutos, salvo erro.

Eu não pude ver o jogo na televisão e nem sequer pude ouvir a emissão inteira pela rádio. Apenas tive oportunidade para ver os hinos e admirar a incrível quantidade de bandeiras portuguesas presentes nas bancadas. A minha irmã, que estava em casa, aceitou mandar-me SMS's quando houvesse golos... e eu, em troca, teria de lhe comprar a revista Bravo.

Quase não consegui acompanhar a primeira parte do jogo e parece que não perdi muito. A Selecção entrou a meio-gás, provavelmente abalada pelo que aconteceu a Nani (falarei disso mais à frente), receando que mais alguém se magoasse. É curioso, pois neste jogo aconteceu o oposto do que geralmente acontece neste tipo de particulares: a primeira parte foi um bocado desinspirada, a segunda parte foi melhor, as susbstituições deram energia à equipa.

Como a professora se atrasou consideravelmente para a aula, pude ouvir os primeiros dez ou quinze minutos da segunda parte, incluindo o primeiro golo que, como o locutor da Antena1 sublinhou, a Selecção Portuguesa marcou em solo sul-africano. Eu não gritei "GOLO", mas sorri abertamente e fiz gestos de triunfo. Estava com medo que se repetisse o jogo de Cabo Verde...

Pelo que ouvi na rádio, o Danny estava a jogar de forma espectacular, mereceu mesmo ter marcado aquele golo. O Navegador contribuiu também para o segundo golo - Hugo Almeida só precisou de dar um toquezinho na bola, orientando-a para a baliza. Mais tarde, Danny afirmaria que "O meu grande objectivo é dificultar a vida do treinador" e eu interrogo-me se seria esse tipo de dificuldades que Queiroz inveja em Maradona. Na altura desse golo, já a aula tinha começado. Só que eu, a certa altura, liguei o leitor só para ver o resultado, e apanhei o golo.

Só soube do terceiro golo quando a minha irmã me enviou uma mensagem: Tamos a ganhar 3-0. Mais tarde, soube que tinha sido Hugo Almeida a marcar.

A aula terminou pouco depois do final do jogo. Eu segui o rescaldo da partida mais uma vez através da rádio, enquanto ia apanhar o comboio de regresso a casa. Uma das coisas que foi realçada foi o facto de Deco estar a melhorar de forma. Ainda bem, não precisamos de mais Navegadores em terra.

Horas antes do jogo começar, estava a ver a SIC Notícias e avisaram, como notícia de última hora, que Ruben Amorim tinha sido Chamado à para se juntar aos Navegadores, na África do Sul. Eu fiquei admiradíssima e pensei logo: Ó diacho, quem é que se terá lesionado? Deixei a televisão ligada no mesmo canal, à espera de mais pormenores. E não demorou muito a ser revelado que era Nani quem regressaria a casa.

Quando soube disso, fiquei consternadaíssima. O Nani não vai ao Mundial?!?!?! Podia lá ser! Como nada tinha ainda sido confirmado oficialmente, conservei a secreta esperança de que tudo não passasse de um boato, de que a lesão não fosse assim tão grave, de que ele não precisasse de voltar. Ledo engano. Ele tinha mesmo de deixar a Selecção.

O destino foi altamente injusto, altamente cruel para o jovem Navegador. O Nani não merecia isto! Ele que fez das tripas coração, sobretudo nos dois primeiros jogos de preparação (foi dos poucos que fez alguma coisa de jeito frente a Cabo Verde), para merecer a titularidade! Até dá vontade de chorar... Ele, à semelhanca do Cristiano, do Deco e do Eduardo, era o último jogador que eu queria ver fora do Mundial. Esta história estragou logo o dia e nem a vitória ajudou muito a atenuar a tristeza por termos perdido o Nani.

Queiroz descreveu mesmo a situação como "o caso mais difícil que tiver de gerir do ponto de vista humano". Afirmou ainda que "A entrega e a obstinação que ele mostrou para disputar o Mundial foram uma das maiores provas de profissionalmismo a que já assisti" e que "o Nani é um exemplo para todos" e eu acrescento: sobretudo para uns quantos jogadores que parecem tomar os seus lugares na Selecção como garantidos.

Em todo o caso, tal como disseram na Antena 1, o Nani ainda é jovem, ainda terá vários Mundiais e Europeus para mostrar o que vale. Mais - e isto sou eu que o digo - o Simão já cá anda há muitos anos, qualquer dia vai-se embora e o Nani ocupará certamente o seu lugar. Embora agora já não tenha tanta certeza, depois do jogaço que Danny fez.

Envio através do blogue um forte e sentido abraço de solidariedade ao Nani, com votos de que recupere depressa e de que regresse à Selecção em breve.

Esta madrugada, dois jornalistas portugueses foram assaltados no hotel onde pernoitavam, ficando só com a roupa que tinham no corpo. Ao ouvir esta notícia, lembrei-me da Guerra do Iraque de 2003, em que Carlos Fino e mais uns quantos jornalistas portugueses passaram por uma situação semelhante... Acho que já prenderam um dos assaltantes, mas não sei se os jornalistas conseguirão recuperar as coisas roubadas. A eles, também envio a minha solidariedade. Só espero é que esta história não se repita.

Nos próximos dias não devo ser capaz de voltar a actualizar o blogue, mas vou tentar escrever pelo menos uma entrada antes da nossa estreia no Mundial. Já falta menos de uma semana...

Magaliesburg: a nova casa da Selecção

No Domingo, a Selecção aterrou finalmente no país anfitrião do Campeonato do Mundo de 2010. E foi recebia de uma forma apoteótica (tenho lido e ouvido muitas vezes esta palavra para descrever situações como esta, mas, na verdade, não sei bem o que significa...). A edição de ontem do jornal Record falava em cinco mil pessoas, duas mil das quais puderam ainda assistir ao primeiro treino dos marmanjos em solo sul-africano.

Talvez agora deva dizer "primeiro treino dos Navegadores", cognome que Carlos Queiroz escolheu para os jogadores da Selecção. Uma clara alusão aos Descobrimentos, à conquista do Cabo da Boa Esperança. Um bocado lugar-comum, mas sem deixar de ser adequado, mesmo assim.

Já não é a primeira vez que testemunhamos um acolhimento tão caloroso à Selecção das Quinas, mas nunca deixam de me surpreender, de me fazer sorrir, de me fazer desejar estar entre eles a gritar por Portugal. E pensar que, pelo menos de acordo com o Record, mais uma vez, que as Selecções Inglesa e Brasileira, mais favoritas à conquista do título do que nós, chegaram "perante a indiferença e a apatia geral à Terra de Nelson Mandela"... Nós somos mais populares que o Brasil e a Inglaterra?!?!? Custa-me a acreditar...

É engraçado que, onde quer que a Selecção vá, existe quase sempre uma comunidade de portugueses, luso-descendentes, ou pessoas que nada têm a ver connosco, pronta a receber-nos de braços abertos. E eu que, há dois anos, pensava que ninguém nos ligaria na Àfrica do Sul... Aposto até que, caso nos qualifiquemos para o Euro 2012, havemos de desencantar algures nos confins da Polónia ou da Ucrânia, uma comunidade lusa para fazer a Selecção sentir-se em casa. No Brasil, no Mundial a seguir a este, encontraremos de certeza portugueses e uns quantos brasileiros dispostos a reservar um espacinho para nós num coração quase totalmente ocupado pela Selecção Canarinha. E no Europeu de 2016, em França, nem se fala...

Hoje temos o nosso último jogo de preparação para o Mundial 2010. Jogamos contra Moçambique. Ontem, tive oportunidade de assistir em directo à Conferência de Imprensa de Carlos Queiroz, de antevisão a este amigável, enquanto almoçava. Este jogo terá um sabor especial para o Professor, já que foi naquele país que ele nasceu. Outra coisa que foi mencionada foi que o jogo será disputado no Bidvest Wanderers Stadium, considerado a "catedral" do criquete na África do Sul.

A Conferência foi sendo pontuada por tiradas humoradas de Carlos Queiroz, que afirmava estar com pressa por causa do treino, que começava às três e meia, hora sul-africana.

Um dos jornalistas afirmou que no jogo contra os Camarões e no fim-de-semana passado, Cristiano Ronaldo aparentava estar triste e questionou Queiroz sobre esse facto. O Professor começou por brincar com a situação, dizendo que ele provavelmente tinha perdido um jogo de pinguepongue, mas depois invocou a aproximação do Mundial e a responsabilidade inerente como justificação. Mas eu pergunto: o que é que interessa o estado de espírito dos jogadores? Não têm mais nada que perguntar? Sinceramente...

Já perto do fim Queiroz queixou-se que "tenho treino daqui a dois minutos", mas ainda aceitava "duas perguntas em estrangeiro". A primeira pergunta foi feita em inglês. O Professor começou por responder em português, mas depois o Assessor avisou:

- You're not answering in estrangeiro.

Riram-se e Queiroz lá respondeu em inglês. O Professor quer mesmo mostrar que pode ser divertido. A segunda pergunta em estrangeiro era em castelhano. Ele também respondeu nessa língua, mas muito macarronicamente. Foi assim que a Conferência terminou.

Como já disse, hoje jogamos com Moçambique. A partida será transmitida pela TVI esta tarde, às três e meia de cá. Eu não sei se poderei assistir à emissão televisiva, uma vez que vou ter uma aula às quatro e meia. Terei de sair de casa um pouco depois do início do jogo para apanhar o comboio. Em princípio só poderei ver o Hino Nacional pela televisão, depois saio logo. Pelo caminho, ainda devo conseguir ouvir o relato da primeira parte via rádio, mas, ao contrário do que fiz da última vez que tive um jogo da Selecção durante uma aula, não vou ouvir a segunda parte. Esta é uma aula extra, de dúvidas, que a Professora não era obrigada a dar, e eu quero aproveitar. Além disso, é apenas um jogo particular, contra um adversário que não é nada de especial. E como geralmente na segunda parte o rendimento da equipa cai, não devo perder nada. Quanto muito, posso ligar o leitor de MP3 nas alturas mais paradas da aula para ouvir o resultado, mas não deverá passar disso.

Entretanto, já referi que um dos nossos maiores obstáculos ao nosso caminho é a possibilidade de encontrarmos a Espanha nos oitavos-de-final. Contudo, parece que os espanhóis também não andam ansiosos por se encontrarem connosco. Ontem, o director das relações institucionais do Real Madrid, Emilio Butrageño, alertou os nossos vizinhos para o "perigo que representa jogar com Portugal nos oitavos de final", aconselhando especial cuidado com Cristiano Ronaldo. É sempre bom saber que os nossos adversários nos respeitam, mas sinceramente acho que estamos a ser um pouco sobrevalorizados. Quer dizer, eles fizeram uma qualificação perfeita, ganhando todos os jogos e nós vimo-nos gregos para chegar cá. Além disso, até nos dava jeito se aparecessem em campo com excesso de confiança...

Mas já sabemos que no futebol tudo é possível. Estou até a pensar na Dinamarca que só participou no Europeu de 92 porque a Jugoslávia foi proibida de jogar. Eles só souberam disso dez dias antes do início da fase final, quando muitos dos jogadores estavam de férias. E depois disto tudo, sagraram-se campeões Europeus! Maravilhas do futebol.

É por estas e por outras que, independentemente das nossas escassas hipóteses, dos favoritos, dos prognósticos, nunca devemos deixar de sonhar, de acreditar e de lutar. E nós, os adeptos, usamos o nosso apoio como arma. Enquanto for possível, eu acredito!

E depois tragam a Taça na bagagem!

No momento em que escrevo isto, a Selecção deve estar a embarcar no avião da TAP que levará os marmanjos até Joanesburgo, na África do Sul. Estes depois ficam hospedados em Magaliesburg.

Depois deste Mundial, devo já saber o nome de muitas mais cidades sul-africanas. Para já, já conheco Magaliesburg, Joanesburgo, Durban, a Cidade do Cabo e Port Elizabeth. O que vai ser útil para quando jogar aos "Países".

Na Quinta-feira passada, a Selecção esteve com o Primeiro-Ministro em Oeiras. José Sócrates afirma-se "confiante", já que "temos alguns dos melhores jogadores do Mundo". Não deixa de ser verdade esta última parte, só que isso nem sempre é suficiente... De resto, se Sócrates não estivesse optimista é que era mesmo esquisito. Por outro lado, o discurso dele não difere dos de outras personalidades, mas aposto que deve haver por aí muita pessoa importante que não acredita e não admite que não acredita. Só por isso, o Mourinho merece o meu respeito.

É claro que há muita gente que não se coibe de dar a sua opinião no espaço dos comentários das notícias na Internet. Eu evito ter de os ler, pois existem uns quantos de nível baixíssimo que me enchem de raiva. É por estas e por outras que escrevo este blogue: para afirmar que acredito, que apoio a Selecção tanto nas derrotas como nas vitórias, ontem, hoje e amanhã! E que se dane o que os outros pensem! Além disso, deve haver por aí muita gente a apoiar mas que não tem coragem de o admitir com tantos descrentes. Pode ser que, se alguns de nós derem o primeiro passo, outras vozes percam a vergonha e se juntem ao coro.

Foi também por isso que, também na Quinta-feira, pendurei a bandeira portuguesa à janela. Já tinha perdido a minha antiga, por isso tive de comprar uma à loja chinesa do outro lado da rua. Era o local que estava mais à mão, se pudesse comprava num local mais respeitável, mas o que conta é a intenção. Desta vez, quase não vejo bandeiras à janela, pelo menos não no sítio onde moro. Será por termos um Seleccionador que não estimula tanto esse tipo de coisas? Será por causa da fase de qualificação tão resvés, Campo de Ourique? Eu não preciso que me peçam para apoiar a Selecção. Tanto quanto me lembre, nunca precisei. Admito que, no Euro 2004, o percurso brilhante fez-me apoiar com mais entusiasmo, mas já apoiava antes. Scolari foi catalisador, não foi reagente. E agora sou adepta incondicional. Incondicional. É pena é que muitas pessoas não sejam assim. Só mostra hipocrisia.

Em todo o caso, hoje não faltaram demostrações de apoio. Segundo a minha avó, foram cerca de oitenta mil pessoas à despedida da Selecção no Parque Eduardo VII. Só não sei se foi pela Selecção ou pelo Tony Carreira... Depois, segundo o que vi na televisão, cerca de quinhentos adeptos foram ao Aeroporto da Portela despedirem-se dos marmanjos. A propósito, hoje parece que, pelo menos na RTP, houveram imensos programas relacionados com a Selecção. E houve uma certa altura, à hora dos noticiários das oito, em que os três canais generalistas só falavam da partida para a África do Sul. O que me pareceu um bocadinho exagerado, mesmo assim. Se fosse dia de jogo, talvez se justificasse tanto aparato, mas hoje...? De resto, como tinha imenso que estudar, não pude acompanhar a programação. Quando foi o Euro 2008, nesse dia estava livre. Mas também como um dos apresentadores era o João Baião, acho que não perdi muito...

Já que falamos de programas de televisão relacionados com o Mundial, ultimamente têm passado carradas deles e eu não tenho tempo de os ver todos. Nem paciência... Tenho vários episódios de O Regresso dos Incríveis gravados, mas só vi dois ou três e nenhum até ao fim. Mas hoje descobri o programa Ligados a Portugal. Este mostra os bastidores da Selecção e - maravilha! - nem cinco minutos dura. Vou, por isso, tentar acompanhá-lo, um pouco para compensar o facto de, este ano, não haver Tudo Por Todos nem nenhum site do género (que eu tenha descoberto, pelo menos...).

Entretanto, a grande estrela do nosso primeiro adversário, Costa do Marfim, encontra-se em dúvida para o Mundial. Didier Drogba lesionou-se durante um particular contra o Japão e teve de ser operado. Apesar de ser sempre lamentável que um jogador do gabarito de Drogba falhe um Campeonato do Mundo, talvez isso contribua para enfraquecer o nosso adversário. Mas assim não tem tanta piada. Qual é o gozo de ganharmos se os adversários não utilizaram todas as armas que têm? Por outro lado, segundo um comentador da SIC, talvez a ausência de Drogba tenha o efeito inverso. Talvez a equipa deixe tanto de se encostar à estrela e passe a funcionar melhor como colectivo. Isso fez-me lembrar o particular que disputámos com o Brasil em 2007. Lembro-me que, na primeira parte, a Selecção apoiava-se mais em Ronaldo, mas depois de ele ser substituído, ficou mais coesa e foi aí que apareceram os golos.

O que nos leva de volta à célebre frase: Prognósticos, só no fim do jogo! Que seja o que Deus quiser!

Na próxima Terça-feira, temos o último jogo de preparação. Desta vez é frente a Moçambique. O Mundial, depois, começa daí a dois dias.

No momento em que escrevo isto, os jogadores já devem estar a voar em direcção a Joanesburgo. Que façam boa viagem e que depois tragam a Taça na bagagem!

Em relação aos adeptos, faço um apelo: não liguem aos inúmeros Velhos do Restelo que por aí andam. Ninguém pode fazer profecias certeiras no que toca ao futebol. Tudo é possível. E apoiar ajuda mais do que mandar bocas azedas. Não tenham medo de gritar: POR-TU-GAL! POR-TU-GAL!

Sorteios, apostas e desejos

Ontem, Sexta-feira, dia 4 de Dezembro de 2009, realizou-se o sorteio para os grupos da fase final do Campeonato do Mundo a realizar no próximo ano, na África do Sul. Portugal ficou no Grupo G, à semelhança do Brasil, da Coreia do Norte e da Costa do Marfim.

Eu tomei conhecimento dos resultados do sorteio de uma maneira curiosa. Geralmente à Sexta-feira saio das aulas às duas da tarde mas como tive de compensar as aulas perdidas devido ao feriado, só saí às seis. Tive pena de não poder assistir ao sorteio em directo. É irónico, já que, há dois anos, o sorteio do Euro 2008 era num Domingo, mas nenhuma televisão portuguesa, de sinal aberto ou da TV Cabo, se dignou a transmitir em directo. Este ano, a RTP transmitiu mas eu estava em aulas. De qualquer forma, vim para a estação de Entrecampos com a minha colega - não revelarei o seu nome verdadeiro, chamar-lhe-ei Joana. Éramos para apanhar o comboio das 18h19, mas este estava atrasado. Como geralmente acontece quando um comboio se atrasa à hora de ponta, ao pessoal que ia nesse comboio juntou-se parte do pessoal que iria no comboio seguinte, nós incluídas. Resultado, quando o comboio chegou, às 18h25 e nós entrámos, aquilo ficou a rebentar pelas costuras. Íamos de pé, quase abraçadas uma à outra, completamente espremidas. Isto na estação de Entrecampos. Depois de Sete Rios, ainda foi pior.

Mas foi mais ou menos nessa altura que ouvi um rapaz poucos anos mais velho do que eu, provavelmente um estudante regressando a casa, como eu, a falar ao telemóvel. Eu fui ouvindo as palavras "Luisão", "Drogba", "Coreia", "Costa do Marfim", "Brasil", "ganhamos os dois". De início pensei que estivesse a falar do Benfica ou assim, mas depois lembrei-me do sorteio... Depois de ele desligar, enchi-me de lata e perguntei:
- É o sorteio do Mundial? O que é que calhou? - pergunto-me o que é que a Joana terá pensado.
- O Brasil, a Coreia e a Costa do Marfim.

- Ah, obrigada...

Deste modo, arranjámos tema de conversa para o resto da viagem. O que vale é que a Joana também gosta de futebol. Tive sorte com a turma deste semestre, já que posso falar sobre este desporto com o pessoal. Faz-me lembrar quando estava no 8º e no 9º ano e era adepta fervorosa do Sporting e falava sobre isso com os rapazes da minha turma. Lembro-me de estarmos na aula de Inglês a jogar um jogo em que tínhamos um clube e devíamos dizer o maior número de jogadores desse clube. Os meus colegas ficavam surpreendidos por verem uma rapariga que sabia tanto quanto eles. Também há muito que o futebol deixou de ser um interesse exclusivamente masculino. Lembro-me também de eu e o meu irmão irmos para o café assistir aos clássicos. Como não tínhamos SportTV... Claro que nessa altura, o mais certo era apanharmos uma desilusão.

Mas voltando ao sorteio do Mundial 2010 e à viagem, de comboio, a Joana disse logo que não sabia se passávamos, já que tínhamos o Brasil como adversário. Já horas antes, no fim do almoço, quando eu e o António nos pusemos a falar do sorteio que se realizava dentro de poucas horas - para não estarmos sempre a falar do trabalho que tínhamos de apresentar na aula a seguir ou das notas que tinham acabado de sair - ele afirmou que Portugal tinha equipa para vencer qualquer um excepto precisamente o Brasil e Espanha. Eu, por acaso, não tinha muito medo do Brasil, ficaria mais nervosa se nos tivesse calhado a Alemanha (não me venham dizer que três golos em quatro remates não assustam, sobretudo depois de termos tido jogos com vinte ou trinta remates e zero golos!) ou também a Espanha. Não nos lembrávamos dos jogadores brasileiros sem ser o Luisão, o Helton e o Kaká. Eu estava mais optimista do que ela, mas não muito mais. Invoquei o particular de Fevereiro de 2007 em que vencemos os nossos irmãos por duas bolas sem réplica num jogo espectacular. Só me lembro de eu e a minha irmã virmos a correr da aula de música - eu com uma guitarra às costas - para ver o jogo.

A Joana, por sua vez, invocou o último particular, em Novembro do último ano, em que levámos uma bela tareia:6-2. Na altura, tive pena de o jogo ser à meia-noite. Eu tinha de me levantar cedo no dia seguinte. E além disso era apenas um amigável. Se fosse oficial, talvez fizesse o sacrifício. E mesmo assim, teria de ser daqueles decisivos. Em todo o caso, pus o jogo a gravar e fui-me deitar. Na manhã seguinte, a primeira coisa que fiz foi ir ao Teletexto ver o resultado. Ao vê-lo, ri-me. Foi daquelas gargalhadas que a gente solta para não chorar. Dei graças a Deus por ter tido uma boa desculpa para não ver aquela desgraça e nem me dei ao trabalho de ver a gravação.

Já que estamos dentro do tema, um aparte para referir que ainda pouco tempo antes tinha abdicado das minhas preciosas horinhas de sono (sou muito dorminhoca... se de manhã só se está bem é na caminha, às quatro da manhã nem se fala) para ver uma prova desportiva. Foi quando a Vanessa Fernandes ganhou a medalha de prata no triatlo. Se bem se lembram, a prova era em Pequim, logo as horas das provas não nos davam jeito nenhum. E como a Telma Monteiro e outros atletas sobre quem depositávamos as nossas esperanças competiam enquanto estávamos a dormir mas não estavam a ganhar nada, eu e os meus irmãos decidimos levantarmo-nos às três da manhã para ver a Vanessa, a ver se isso dava sorte. E acabou por dar.

Voltando ao Brasil, eu comparei-o ao Sporting na medida em que é uma fábrica de talentos e que os distribui pelas outras selecções (a nossa incluída). A Joana, que é benfiquista, não gostou muito da comparação e eu corrigi, afirmando que o Brasil não deixava todos os talentos fugir e costumava ganhar.

Também não sabíamos muito sobre a Costa do Marfim, apenas que o Drogba jogava por este país e que fora com esta selecção que a Alemanha disputara o jogo inaugural do Mundial 2006. E nem sequer sabíamos se a Coreia que íamos defrontar era do Sul ou do Norte - lembrava-me de ter visto ambas na lista dos qualificados. Estávamos ambas ansiosas por esclarecer essa dúvida, por conhecer a constituição dos outros grupos e as datas dos jogos.

A grande favorita a ganhar o título de campeã do Mundo é a Espanha, nisso estávamos de acordo. Nós e provavelmente todos os apreciadores de futebol. Depois do Euro 2008 e da qualificação para o Mundial 2010... Ambas também concordámos que não nos importávamos muito se a Espanha ganhasse, já que "são nossos vizinhos" e poderia ser bom para a candidatura à organização do Mundial de 2018 ou 2022.

Confessei, por fim, que tinha pena de não defrontarmos a França. Já manifestei o desejo de uma desforra cá no blogue, mas como ficámos no mesmo pote, era impossível ficarmos juntos no mesmo grupo. Falava-se que ficaríamos entre os cabeças-de-série porque ficámos em quinto lugar no ranking da FIFA mas aparentemente decidiram usar o ranking do mês de Outubro como critério. Para ser sincera, não sei bem como é que ficámos em tão alta posição, sobretudo sendo a mais alta desde Junho de 2002. Depois do Euro 2004 e do Mundial 2006 não chegámos ao quinto lugar mas conseguimos atingi-lo depois de uma qualificação à tangente? Gostava de saber que critérios é que utilizam para este ranking...

Quando cheguei a casa fui logo à Internet informar-me melhor sobre o sorteio. E não demorei muito a conhecer a constituição dos outros grupos, as datas dos nossos jogos e as opiniões de Carlos Queiroz, alguns jogadores, entre outros.

Assim, eis a data e a hora (no nosso fuso horário) dos nossos jogos:

Dia 15 de Junho (Terça-feira): Costa do Marfim vs Portugal 15h

Dia 21 de Junho (Segunda-feira): Portugal vs Coreia do Norte 12h30

Dia 25 de Junho (Sexta-feira): Portugal vs Brasil 15h

A hora não é a das mais favoráveis por coincidir com o horário laboral da maior parte das pessoas. E também para mim não me vai dar muito jeito. Uma das coisas que mais me chateia nestes Campeonatos Internacionais é que são sempre em Junho. Exactamente no mês em que temos sempre exames. Não seria tão mau se fossem em Março, por exemplo. O ideal seria se fossem em Agosto, em que o pessoal está de férias e poderia estar sempre a pensar em futebol sem se sentir culpado. É muito injusto obrigarem-nos a escolher entre o percurso académico e o futebol. Se, por um lado, temos pelo menos dez exames por ano e Europeus ou Mundiais só de dois em dois anos, também é chato termos de ir à segunda fase ou ficar com cadeiras em atraso porque ficámos a ver o jogo em vez de estudar. Além disso, o stress dos exames mais o stress da Selecção às vezes pode ter uns efeitos secundários indesejáveis. Foi durante o Mundial 2006 e nas vésperas dos exames nacionais do 11º ano que apanhei herpes labial pela primeira vez.

Por outro lado, misturar futebol e vida académica até pode ter uns efeitos engraçados. Lembro-me que no dia do Portugal vs Irão desse Mundial tinha estado a estudar os sistemas circulatórios das diferentes classes de animais para o exame de Biologia e Geologia. Devem-se lembrar que nesse jogo, o Figo teve uma exibição excelente, tendo mesmo sido considerado o melhor em campo. Não marcou nenhum dos golos, mas esteve em todos os que foram marcados. Passou a bola ao Deco para que este desse aquele tiro fenomenal e foi numa falta sobre ele que se marcou o penálti que o Ronaldo transformou no nosso segundo golo. Mais tarde, já terminado o jogo, quando se comentava a partida e como o Figo era o grande responsável pelo desempenho da Selecção, eu disse que o Figo era o órgão propulsor da Selecção (órgão propulsor é o termo geral para os órgãos que bombeiam o sangue pelo corpo todo. No sistema circulatório dos mamíferos é chamado coração). Ao menos aquela parte da matéria foi fácil de memorizar já que me lembrava de ter visto aquilo no dia do Portugal-Irão.

E agora que penso nisso, acho que também se pode dizer que o Figo é o catalizador da Selecção. Para aqueles que não sabem assim tanto de Química, um catalizador acelera as reacções químicas. Não que seja impossível os reagentes reagirem, mas a reacção é significativamente mais lenta, nalgumas circustâncias é quase impossível que ocorra. Desta forma, o catalizador tem um papel importante na formação do produto, sem ter participado directamente no processo. Mais ou menos o que o Figo costumava fazer.

Por acaso, até nem tenho tido muito azar no que toca ao calendário de exames versus calendário da Selecção. No Euro 2008 calhou duas vezes em vésperas de exames. O que até nem é muito mau. Considerando que passava o dia quase todo a estudar, podia perfeitamente fazer uma pausa de hora e meia para ver o jogo. E como no dia seguinte fazia uma folga depois do exame, aptinha tempo para actualizar o blogue. Este ano é que vai ser mais complicado porque o jogo contra a Coreia começa uma hora e meia antes de um exame. Contas feitas, não verei os últimos quinze minutos do jogo. Nem é assim tão mau. Visto que a Coreia do Norte é teoricamente o adversário mais acessível, aos setenta e cinco minutos o jogo já deve estar resolvido, espero. O pior será descobrir como é que poderei ver o jogo lá na Faculdade. Hei-de averiguar. Na pior das hipóteses, oiço o relato na rádio através do meu leitor de MP3.

A constituição dos restantes grupos é a seguinte:

Grupo A: África do Sul, México, Uruguai e França

Grupo B: Argentina, Nigéria, Coreia do Sul e Grécia

Grupo C: Inglaterra, Estados Unidos da América, Argélia e Eslovénia

Grupo D: Alemanha, Austrália, Sérvia e Gana

Grupo E: Holanda, Dinamarca, Japão e Camarões

Grupo F: Itália, Paraguai, Nova Zelândia e Eslováquia
Grupo H: Espanha, Suíça, Honduras e Chile
Aquando do sorteio para o Euro 2008, eu decorei logo a constituição dos quatro grupos. Sim, tenho boa memória mas esta é muito selectiva. Decoro mais facilmente estas coisas do que as deduções das fórmulas de Física... Triste, não é? Desta vez não tive pachorra para memorizar. É que no Euro 2008 eram só quatro grupos, um deles era igualzinho ao nosso do Euro 2004, só que em vez de nós, estava lá a Suécia e a França, a Itália e a Holanda estavam no mesmo grupo. Só isto ajuda muito a decorar. Aqui são oito grupos e não estou familiarizada com pelo menos metade das selecções apuradas.

Desta feita, os grupos estão bastante equilibrados, não calhou nenhum grupo como aquele da França e da Itália do Euro 2008. Parece que o pior é mesmo o nosso grupo, visto que estamos lá nós, a Costa do Marfim (ao que consta, é uma das melhores Selecções africanas) e o Brasil (nem precisa de justificações). Se em sorteios anteriores até tivemos alguma sorte ao ficarmos no mesmo grupo de selecções teoricamente acessíveis (embora tenham demostrado em campo, por vezes, não serem tão acessíveis quanto isso), desta feita a sorte não esteve connosco. Isto se tivermos em conta o grau de dificuldade, claro.

As opiniões dividem-se. Se Deco acha que, de facto, o Brasil é o grande favorito a passar à fase seguinte, Liedson acha que é melhor enfrentar os zucas (o Miguel, o meu amigo que é brasileiro, é que me ensinou este termo) nesta fase do campeonato, em vez de no "mata-mata". O que até faz sentido. Muitos acham que as Selecções que falam a língua portuguesa passarão à fase seguinte e disputarão entre si o primeiro lugar do grupo. Eu não punha as mãos no fogo. Como já referi, a Costa do Marfim é uma das melhores selecções do continente africano e existe ainda uma outra agravante: nunca jogámos contra eles. Os jornais têm vindo a comparar esta ida ao Mundial com a viagem capitaneada por Bartolomeu Dias em que se dobrou o Cabo da Boa Esperança e já começaram a perguntar se esta Costa do Marfim será o Adamastor desta viagem, o factor desconhecido. Além disso, como Carlos Queiroz recordou, é logo o primeiro jogo. E, como o Mundial é em África, ainda devem haver uns quantos costa-marfinenses (é assim que se diz?) no público. Mas, por outro lado, é só a segunda vez que participa num Mundial, logo o factor experiência joga a nosso favor.

Também a Coreia do Norte só esteve uma vez num Mundial. Curiosamente, foi em 1966, no mesmo Campeonato em que tivemos aquele jogo histórico em que estávamos a perder 3-0 ao intervalo mas depois demos prespegámos-lhes cinco golos, quatro da autoria do grande Eusébio, e os coreanos foram para casa. De facto, também se comentou muito o facto de irmos enfrentar duas selecções que também enfrentámos em 66. Visto que foi o Mundial em que fomos mais longe - terceiro lugar - espero que esse facto dê sorte.

Pinto da Costa também deu a sua opinião sobre o sorteio do Mundial 2010. Admitiu que é possível Portugal chegar à final. "É um sonho, mas há sonhos que se concretizam". "Acho que Portugal vai passar e discutir com o Brasil a liderança do grupo". Palavras bonitas, sim senhor, mas vindas do homem que festejou o golo da Grécia na final do Euro 2004 não valem nada. Se eu já antes não tinha grande opinião sobre o dirigente portista, agora desceu ainda mais na minha consideração. Muito obrigada mas a Selecção não precisa desse tipo de apoio, tem apoiantes sinceros que cheguem.

Nós ficámos um bocado nervosos com o facto de irmos defrontar o Brasil na fase de grupos mas, pelos vistos, os brasileiros estão tão nervosos como nós. Quando estive a comentar o sorteio com o Miguel, ele lembrou-me que nós ficámos em quarto em 2006 e os brasileiros ficaram pelos quartos-de-final. Eu sosseguei-o dizendo que, em termos futebolísticos, isso foi há séculos. É bom saber que os nossos adversários (ainda) nos respeitam, mesmo depois de nos termos visto gregos para nos qualificarmos.
Em todo o caso, até gostei que nos tivesse calhado este grupo. O jogo com o Brasil será, sem dúvida o mais escaldante da fase de grupos, incluindo o jogo inaugural. Todos os olhos estarão em nós e nos nossos "irmãos". Um jogo de proporções epopeias já está garantido. Não faltará adrenalina, não faltará emoção. Será um jogo impróprio para cardíacos.
Em relação às nossas hipóteses, estou com a maior parte do pessoal, que considera que passamos e discutimos a liderança do grupo com o Brasil. Espero mesmo que fiquemos em primeiro lugar, porque se ficamos em segundo corremos o risco de ter de jogar os oitavos-de-final com a Espanha... O pior é que não sei o que esperar da Costa do Marfim. E se passarmos ao mata-mata, sim, acho que podemos ir longe desde que não nos calhe a Espanha ou a Alemanha pelo caminho... Se para o Euro 2008 não estava muito confiante, agora para o Mundial, depois desta fase de qualificação, estou ainda menos. Mas vou adoptar a mesma atitude que adoptei nessa altura, pensar um jogo de cada vez, não exagerar na euforia das vitórias, partilhar emoções cá no blogue, aproveitar ao máximo. Que o Mundial é a festa suprema do futebol e só acontece de quatro em quatro anos.

Certamente já repararam no vídeo de apoio à Selecção. Se já o viram, espero que tenham gostado. Já tinha feito um aquando do Euro 2008, mas fora só com fotografias e, admito, estava um bocado fraco. Neste ano e meio que decorreu entre a montagem desse vídeo e o momento actual aprendi a explorar as potencialidades do Windows Movie Maker, a montar vídeos a partir de outros vídeos, não só de fotografias, a adicionar efeitos (embora quase só use câmara lenta, o "aparece gradualmente a partir de preto" e o desaparece gradualmente até ficar preto"). Desta feita, usei a música "Here I Am", de Bryan Adams, o meu cantor favorito. Para mim, esta é a música que mais se identifica com a Selecção Nacional, execptuando os "Menos Ais", é claro. É muito viva, muito alegre, de ritmo rápido a letra é bastante simples mas tem versos como "Tonight we'll make our dreams come true" (Esta noite faremos com que os nossos sonhos se tornem realidade), "Here we are/We've just begun/ And after all this time our time has come" (Aqui estamos nós/Ainda agora começámos/E depois deste tempo todo, o nosso tempo chegou), "Here we are/Still going strong" (Aqui estamos nós/Ainda a fortalecermos) que me fazem pensar no espírito da Selecção.

Já que estamos dentro do assunto, tenho visto no YouTube alguns vídeos de apoio semelhantes aos meus, mas como música de fundo têm I Gotta Feeling dos Black Eyed Peas. Parece que o próprio Professor Carlos Queiroz disse que a música serviu para inspirar e motivar os jogadores agora na etapa final da qualificação. Tinha logo de ser essa... Não é por nada, sei que é um dos "hits do momento", mas eu não gosto lá muito dessa música. Acho-a muito repetitiva e um bocado fútil. Como disse um amigo meu no outro dia, parece que agora o pessoal gosta destas repetições. Mas eu não. Além disso, a música fala mais sobre sair à noite, à parte do refrão não tem muito a ver com a Selecção. Here I Am tem mais a ver. Pelo menos na minha opinião.
Não estou aqui a julgar ninguém, atenção! Tenho todo o direito de não gostar de uma música mas vocês também têm todo o direito de gostar dela. Como costumo dizer ou pensar quando alguém critica os cantores de quem eu gosto, quem perde sou eu. E como parece que serviu de catalizador aos jogadores... Só espero que o professor esteja a ser sincero, que ele tenha relacionado a Selecção com a música, que nenhuma editora discográfica lhe tenha pago para dizer isso.

Não, a mim ninguém me pagou para fazer publicidade ao Bryan Adams. Na verdade, acontece mais o contrário, eles não gostam que eu use as músicas dele nos meus vídeos. Há um ano atrás tiraram-me o vídeo com Heat Of the Night do YouTube. O Euro 2008 já fazia parte da História, o desempenho da Selecção deixava muito a desejar, o vídeo era muito fraquinho, a qualidade das fotografias e do som era péssima, só tive três comentários todos negativos, mas fiquei chateada. Apesar de o vídeo não ser grande coisa, foi ele que me permitiu obter cerca de mil visualizações do meu canal num único dia (no dia do Portugal-República Checa), recorde que só foi ultrapassado em Outubro deste ano, mais de um ano mais tarde. Desta vez, (ainda) não rejeitaram o vídeo, embora tenha recebido um avisozinho. De qualquer forma, estou prevenida para o caso das regras dos direitos de autor mudarem. Fiz um segundo upload do vídeo com uma versão karaoke de Here I Am (é só a parte instrumental mais as vozes de fundo), que até é bem gira. Ninguém se queixou de violação dos direitos de autor, até agora. Podem eventualmente tirar o vídeo com a versão oficial, mas o outro é pouco provável que retirem. Pelo menos, já usei versões instrumentais/karaoke para tornear a regra dos direitos de autor noutros vídeos e até agora resultou... Fica aqui a dica para outros utilizadores do YouTube com problemas semelhantes: versões instrumentais/karaoke. Em todo o caso, espero que mantenham o vídeo, pelo menos até ao fim do Mundial.

2009 aproxima-se do fim. Vem aí 2010 e com ele um Campeonato do Mundo. Na Noite de Ano Novo, costumo cumprir sempre a tradição das doze passas, um desejo para cada uma delas. Com grande sacrifício da minha parte, que odeio passas. Mas gosto de pedir os doze desejos. No final do ano passado, um dos meus desejos era a presença do Mundial 2010. Esse desejo foi cumprido. De resto, que me lembre, à excepção da carta de condução, é capaz de ter sido o único a ser cumprido. O desejo de novos governantes sinceramente empenhados em melhorar Portugal não foi... Mas agora, na próxima Noite de Ano Novo, um dos meus desejos será a Taça do Mundo. Lembro-me que, antes da passagem de 2005 para 2006, a Galp andou a fazer uma campanha para estimular o pessoal a "guardarem uma passa para a Taça", que 15 milhões de desejos podem significar alguma coisa. Agora faço um apelo semelhante através deste blogue. "Guarda uma passa para a Taça". Não que eu acredite sinceramente que será isso que nos dará a Taça, mas também não custa nada - para aqueles que costumam cumprir esta tradição, não deixam de ser doze passas - e temos de usar todas as armas que pudermos. E parece que, segundo o último livro do Dan Brown, é possível que os pensamentos de milhões provoquem alterações em acontecimentos supostamente aleatórios - isto segundo a explicação do meu irmão, que eu não li o livro...

Esta é a última entrada deste ano. Aproveito para desejar a todos os leitores um Feliz Natal, na companhia daqueles que mais gostam, e que 2010 vos traga coisas boas, incluindo a Taça do Mundo, claro está. E não se esqueçam daquilo das passas!

P.S. Ao saberem que a música deles serviu de inspiração à Selecção, os Black Eyed Peas gravaram um vídeo a darem apoio aos tugas para o Mundial. Foram simpáticos. Eu já gostei mais desta banda, mas agora subiram na minha consideração. Mesmo que só nos apoiem por termos gostado da música deles, eles podiam ter escolhido outras Selecções para apoiar, algumas das quais permitiriam uma promoção ainda maior da música deles, mas escolheram a nossa. São mais sinceros que o Pinto da Costa... A gente agradece o apoio. Não vou passar a gostar de I Gotta Feeling só por causa disso, mas vou fazer um esforço para evitar aquela irritação que me invade quando vejo a música associada à Selecção. Ao menos os Black Eyed Peas não fotografaram a Selecção Alemã aquando do Euro 2008 para uma exposição, ao contrário de um certo cantor canadiano que uma vez afirmou que Portugal era a sua segunda casa...


Quem deve andar passada de ciúmes é a Nelly Furtado...