Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Os pensamentos de uma simples adepta da Seleção Nacional, que não percebe assim tanto de futebol mas que é completamente maluca pela Equipa de Todos Nós.

Portugal 1 Suécia 0 - Ainda suficiente

Na passada sexta-feira, dia 15 de novembro, a Seleção Portuguesa de Futebol recebeu, no Estádio da Luz, a sua congénere sueca, na primeira mão do playoff de acesso ao Campeonato do Mundo da modalidade, que terá lugar no Brasil, no próximo ano. Tal encontro terminou com uma vitória por 1-0 para a equipa da casa que, assim, fica mais perto de descobrir o caminho futebolístico para o Brasil.

Os adeptos cumpriram, mais uma vez, a sua parte: a Luz apresentava lotação esgotada e a festa incluiu, até, uma impressionante bandeira humana, cobrindo toda a bancada do Estádio. E, por uma vez, a Seleção cumpriu, igualmente, a sua parte ao ganhar o jogo com uma boa exibição.

Muitos questionavam as opções de Paulo Bento – eu incluída - tanto em termos de Convocatória como de onze inicial. Muitos receavam que a falta de ritmo competitivo de metade dos titulares o jogo de sexta-feira nos prejudicasse. Felizmente, tais receios desapareceram não muito depois do apito inicial, quando a Seleção entrou em campo cheia de vontade, de garra, jogando ao ataque, empenhada em provar que merece ir ao Mundial.


João Moutinho, por exemplo, foi, como sempre, o motor da equipa e podia ter colocado o marcador a funcionar logo aos cinco minutos se, depois de se ter livrado do guarda-redes sueco, tivesse ficado em melhor ângulo cm a baliza. Para além dele, curiosamente, os três jogadores que mais preocupações levantavam em termos de ritmo competitivo – Raul Meireles, Fábio Coentrão, João Pereira – não desiludiram. O Fábio, já é costume, é dos mais inconformados em jogos desta envergadura. O João Pereira, tal como aconteceu no jogo com a Holanda, não tinha problemas em dar baile a jogadores bem mais altos do que ele – pena é as faltas que comete... Os suecos ainda iam dando um ar de sua graça – destaque para os vinte minutos da primeira parte, em que a defesa portuguesa se desconcentrou momentâneamente, obrigando Rui Patrício a uma bela defesa – mas sempre com ritmo baixo. O tão falado Ibrahimovic pouco apareceu no jogo – Pepe e Bruno Alves fizeram um bom trabalho, foram capazes de neutralizá-lo.

Praticamente todos estiveram bem, de resto – exceptuando, talvez, Hélder Postiga, que não estava nos seus dias. Já faz parte da tradição: contra prognósticos, mometos de forma, mazela, nestas alturas de maior pressão, a Turma das Quinas supera-se.


Não foi, contudo, capaz de resolver o tereno problema da finalização desta feita, há que dar crédito à defesa nórdica. Era uma coisa parva: sempre que nós cruzávamos para a grande área, estava lá sempre um sueco para interceptar os passes.

No entanto, Portugal insistia, não desistia. Na segunda parte, entrámos ainda mais pressionantes, a Suécia pouco mais fez que defender o empate – mas fê-lo bem, para mal dos nossos pecados. Lá teve de vir o nosso Capitão, o nosso Comandante, que nem sequer estava a fazer um jogo por aí além, salvar a noite com um voo rasante ao chão, cabeceando a bola bem colocada por Miguel Veloso para dentro da baliza - um golo não muito diferente do que marcou no particular frente à Holanda. Sendo os suecos demasiado altos para meter por cima... meteu-se por baixo!


Eu, nesta altura, estava a jantar. Aquando do tento não deu para gritar "GOLO!" porque tinha a boca cheia de esparguete. Mas não deixei de me levantar e de dar uns pulinhos, juntamente com a minha irmã.

O 2-0 ainda esteve ao nosso alcance, não fosse a inevitável bola à barra. Assim, o jogo terminou com uma vitória de Portugal pela margem mínima e comigo com uma dor de cabeça, derivada do stress do jogo: o bangover versão Seleção que precedia os jogos do Euro 2012. Um bom sinal.

Não é, de todo, um mau resultado, ainda que este pudesse ter sido mais dilatado. O mais importante era não sofrer golos que nos custassem demasiado caro aquando do resultado agregado - como um bem mais traiçoeiro 2-1. É claro que, caso Ronaldo tivesse marcado a que bateu na trave, estaríamos já com pé e meio no Brasil... Assim, anda continua tudo em aberto. Mas eu sabia que seria assim, que não existiriam demasiadas facilidades neste playoff.

Foi, para além disso, um jogo bem disputado, com Portugal a dominar. Não sei se por qualidade superior dos lusitanos ou pelo jogo defensivo dos suecos. Mas os portugueses, definitivamente, jogaram bem melhor que nos últimos tempos. A questão inevitável é porquê. Porque é que não jogaram assim durante a Qualificação? Sempre eram uns quantos anos de vida que se poupavam... É a tão por mim comentada mania da Turma das Quinas de só saber jogar sob pressão, sob stress. Espírito que ainda foi suficiente para levarmos de vencida, com uma boa exibição, a primeira mão do playoff. Para me fazer acreditar com maior convicção.


Há quem diga que este não foi, na verdade, um jogo. Foi apenas a primeira parte de um encontro de cento e oitenta minutos. Encontramo-nos, neste momento, no intervalo. É sempre positivo chegarmos ao intervalo em vantagem, sem golos sofridos. Na segunda parte, em Estocolmo, teremos de marcar cedo para termos a questão do Apuramento quase resolvida. Parece simples... Pena é aquela "malta" precisar sempre de vinte remates falhados antes de acertar um.

Outra questão prende-se com a abordagem dos suecos à segunda parte do playoff. Nesta primeira, jogaram para o empate e perderam, não só o jogo como também a oportunidade de marcarem fora. Paulo Bento acredita que a Suécia abordará o jogo de amanhã de forma semelhante mas eu duvido. Não apenas pelo que mencionei acima mas também pelo fator casa. Há quem diga que isso não necessariamente mau; pode ser que, ao atacarem mais, aliviem a defesa, facilitando-nos a tarefa de marcar golos. Só espero que o Pepe e o Bruno Alves continuem a anular Ibrahimovic com a mesma eficácia.

A segunda parte do playoff terá lugar em Estocolmo amanhã. Dia em que a minha irmã completa dezasseis anos. Ela convidou amigos dela para jantar, a nossa tia também vem, vamos todos ver o jogo juntos. Será uma noite divertida que, espero, se torne ainda mais memorável com a garantia da Qualificação.


Cristiano Ronaldo garantiu após o jogo - enquanto o filho tentava, adoravelmente, chamar-lhe a atenção - que "a malta quer fazer um bom resultado" na segunda parte do playoff. Eu acredito nele. Ficou claro na primeira parte do playoff que Portugal queria fazer um bom resultado, que queria marcar presença do Brasil, e isso foi sufiente para sermos claramente superiores aos suecos. Muitos esperam que possamos carimbar o passaporte em Estocolmo, mas eu não espero grandes facilidades. O que não quer dizer que não acredite - este jogo teve, aliás, o condão de me devolver a confiança que perdi com os recentes deslizes da Equipa das Quinas. Só ficarei descansada quando soar o apito final após um resultado favorável às cores lusitanas. Do mesmo modo, até ao apito final não deixarei de acreditar. Nem que seja com desespero. Mas estou confiante de que esse tipo de crença não será necessária - até porque os adeptos suecos, apostados em provocar Ronaldo, parecem não ter percebido que adversidades desse género funcionam como catalisador para o nosso Comandante - desde que os portugueses se mantenham concentrados, como na sexta-feira passada. Assim, nada nos impedirá de marcar presença no Mundial 2014, no Brasil.