Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Os pensamentos de uma simples adepta da Seleção Nacional, que não percebe assim tanto de futebol mas que é completamente maluca pela Equipa de Todos Nós.

O jogo começa na segunda parte

69900296_2624379564268254_1054225239203905536_n.jp

No passado sábado, dia 7 de setembro, a Seleção Portuguesa de Futebol venceu a sua congénere sérvia por quatro bolas contra duas, no Estádio Rajko Mitic, também conhecido por Marakana, em Belgrado. Três dias mais tarde, venceu a sua congénere lituana por cinco bolas contra uma. Ambos os jogos contaram para o Apuramento para a fase final do Europeu de 2020.

 

Com estes resultados, Portugal soma oito pontos, ocupando a segunda posição na tabela classificativa. Tem menos cinco pontos que a Ucrânia, que ocupa a primeira posição, e mais um que a Sérvia, que ocupa a terceira posição. De notar, no entanto, que Portugal tem menos um jogo disputado que as restantes equipas do grupo. 

 

Ou seja, depois do começo em falso, já se respira melhor neste Apuramento. 

 

Comecemos por falar do jogo com a Sérvia. Este era um dos jogos mais difíceis deste grupo de Apuramento: um adversário direto na corrida, que não perdia em casa desde… bem, desde outubro de 2015, quando nós os visitámos e os derrotámos, já depois de selada a Qualificação para o Euro 2016, há quatro anos.

 

70175813_2676344059051023_1470437991439663104_n.jp

 

Conforme o título desta crónica dará a entender, um dos denominadores comuns entre os dois jogos desta dupla jornada diz respeito às primeiras partes que deixaram a desejar. No caso deste jogo, a primeira parte não foi propriamente má, apenas pastosa. Portugal sentiu dificuldades em aproximar-se da baliza sérvia durante a primeira hora do jogo. A Sérvia concentrou-se muito na defesa, mas quando se punha em contra-ataque chegou a assustar.

 

O primeiro golo de Portugal surgiu quase por acidente. Bruno Fernandes cruzou para a grande área, Milenovic e o guarda-redes Dmitrovic chocaram um com o outro. William Carvalho, matreiro, aproveitou a ocasião para inaugurar o marcador.

 

Talvez catalisados pelo golo, os Marmanjos entraram bem na segunda parte. Cristiano Ronaldo dispôs de um par de oportunidades para aumentar a vantagem, mas acabou por ser Gonçalo Guedes a marcar primeiro. Depois de umas trocas de bola jeitosas à porta da grande área sérvia, o Marmanjo conseguiu fugir aos defesas e rematar em diagonal e grande estilo para as redes adversárias. 

 

É por isto que Fernando Santos vai pondo Guedes a titular, em detrimento do extremamente mediático João Félix: porque o Marmanjo mais velho tem conseguido marcar e assistir para golos importantes – mesmo não fazendo exibições de encher o olho, como neste jogo. Mais sobre isso adiante.

 

Nesta fase, confesso que cometi o mesmo erro que a Seleção: achei que o 2-0 mataria o jogo. Enganámo-nos redondamente. Os sérvios teimaram em lutar pelo empate. Por um lado, imenso respeito – não consigo evitar simpatizar com um adversário que não se rende com facilidade. Por outro – sobretudo quando insistiam em marcar golos depois de nós – só pedia que alguém enfiasse um Zolpidem na água deles. 

 

mw-1024 (3).jpeg

 

Embora, para sermos sinceros, tenham havido culpas portuguesas no cartório nos dois golos da Sérvia. No primeiro, foi Danilo quem deixou Milenkvic desmarcado e o sérvio aproveitou para marcar de cabeça. Logo no minuto seguinte, Rui Patrício teve de se esmerar para travar o remate longo de Ljajic. 

 

Como em muitas situações de aperto, foi o Capitão a intervir para repôr os dois golos de vantagem. Bernardo Silva tomou posse da bola a meio campo, conduziu-a durante um bocado, passou-a a Ronaldo ultrapassando uma linha de sérvios e o Capitão rematou-a calmamente para as redes. Momento engraçado quando, antes de celebrar o golo, se pôs a olhar para o fiscal de linha, para confirmar que não estava em fora-de-jogo.

 

Ainda não foi suficiente para resolver a questão. Nesta altura, muitos adeptos sérvios começavam a abandonar o estádio. Sempre desprezei este tipo de público, mas este caso em particular é pior. Os adeptos desistiram antes dos jogadores. Não merecem a seleção que têm.

 

Os sérvios acabaram por marcar outra vez (agora estou a pensar que terão havido adeptos a caminho das saídas, apenas para correrem de novo para dentro ao ouvirem os gritos de golo). Bruno Fernandes perde uma bola que não devia ter perdido e a jogava terminou com Mitrovic rematando certeiro para as nossas redes.

 

Ao menos desta feita não demorámos muito a recuperarmos a vantagem de dois golos. Menos de dois minutos depois, Raphael Guerreiro assistiu para Bernardo, que encerrou o marcador.

 

 

Este miúdo é uma delícia de ver jogar.

 

Em suma, como tem sido a regra nos últimos anos, foi uma exibição que não deslumbrou, mas que garantiu os três pontos. Este era um dos jogos mais difíceis deste Apuramento – passámos este teste.

 

Falemos, então, sobre o jogo com a Lituânia: um encontro em que, em teoria, não teríamos grandes dificuldades. Na prática não foi bem assim.

 

De início as coisas até correram de forma mais ou menos normal. João Félix, titular, conseguiu um penálti para Cristiano Ronaldo converter, antes dos dez minutos de jogo (já se pode dizer que Félix contribuiu para um golo da Seleção?). 

 

Portugal foi, no entanto, incapaz de ampliar a vantagem no marcador, apesar de não faltarem oportunidades. Acabou por ser a Lituânia a chegar ao golo na sequência de um canto. Andriuskevicius saltou mais alto que João Félix, que não estará habituado a defender, e marcou de cabeça.

 

 

 

Não sei como foi com vocês, mas esta deixou-me com vontade de me enfiar num buraco. Ou, vá lá, numa sebe. Uma equipa que não ganhava um jogo há ano e meio mas que conseguia empatar connosco.

 

Não me preocupei por aí além com este contratempo. Sabia que era uma questão de tempo até regressarmos à vantagem no marcador. Não me enganei – mas ainda demorou e não faltaram momentos de exasperação pelo meio.

 

João Félix, em particular, metia dó. Via-se que o miúdo queria mesmo marcar um golo, por todos os motivos e mais alguns, mas a bola teimava em não entrar – quer por falta de sorte, quer por momentos inusitados de inspiração por parte do guarda-redes lituano. 

 

Suponho que seja uma boa altura para falar do desempenho geral de João Félix nesta dupla jornada. A ideia com que fico – e posso estar enganada, atenção – é que, pelo menos a curto prazo, Fernando Santos poderá pôr Félix a titular em jogos de dificuldade teoricamente menor, mas em jogos mais difíceis voltará a pôr Guedes de início. E de facto, se pusermos de lado todo o mediatismo (muito catalisado por benfiquistas e colchoneros, diga-se)... porque não o faria?

 

transferir (3).jpg

 

Há comentadores desportivos que parecem assumir que a sagração de Félix como um dos melhores jogadores de todos os tempos é um evento tão certo como o nascer e pôr-do-sol e que Fernando Santos tem a obrigação de acelerar esse processo na Equipa das Quinas. O que é uma filosofia perigosa. Servir de rampa de lançamento a carreiras de jogadores individuais não é o objetivo principal da Seleção. 

 

Não sou ingénua – sei que os Europeus e Mundiais servem de montra para os jogadores. Regra geral, não tenho problemas com isso – é uma daquelas situações em que todos ganham. No entanto, os interesses individuais não podem nunca sobrepôr-se aos interesses do coletivo.

 

Isto tudo para dizer que Fernando Santos não tem a obrigação de pôr Félix a titular, quando tem Gonçalo Guedes – menos mediático, talvez mesmo menos talentoso, mas mais experiente na Seleção, mais capaz de obter os resultados pretendidos. Félix ainda não está nessa fase. 

 

Dito isto tudo, é possível que o jovem chegue a essa fase a curto, médio prazo. Ficou provado neste jogo que vontade não lhe falta. Mais uns jogos – é possível que ele seja titular no próximo – e ele chega lá.

 

Regressemos ao encontro com a Lituânia. Como vimos, a primeira parte não correu muito bem a Portugal, mas a Seleção entrou melhor na segunda, conseguindo várias oportunidades para desfazer o empate. Ainda assim, o golo que desbloqueou o jogo resultou de uma atrapalhação do guarda-redes depois de um remate de Ronaldo: a bola bateu-lhe no ombro e entrou na baliza.

 

 

É rir para não chorar.

 

Em todo o caso, a UEFA atribuiu o golo a Ronaldo. O Capitão marcaria ainda mais dois golos – ambos assistidos por Bernardo Silva, como poderão ver no vídeo abaixo. Que mais é preciso para o miúdo ser considerado insubstituível na Seleção?

 

O foco, no entanto, tem sido o póquer de Ronaldo, o seu segundo na Seleção – o primeiro foi frente à Andorra, na Qualificação para o Mundial 2018 (custa a acreditar que já lá vão quase três anos). Às vezes irrita-me um pouco toda a aenção dada a Ronaldo mas depois olho para os factos e não posso contestar: Ronaldo merece tudo isto e muito mais! 

 

Algo de que só me apercebi agora foi que ele já duplicou o número de golos de Eusébio pela Seleção. De Eusébio! O recorde dele demorou décadas a ser quebrado – pelo Pauleta. Mesmo o recorde do açoriano está a um golo de ser duplicado – e Ronaldo só o ultrapassou há cinco anos e meio! 

 

Recordar, de resto, que Ronaldo já tem trinta e quatro anos, quase trinta e cinco!

 

 

Peço desculpa, mas às vezes tomo Ronaldo como garantido, nem sempre páro para recordar o quão raro e, sinceramente, sobrenatural este Marmanjo é. Não admira que o venerem como Nosso Senhor dos Golos, que abençoem a senhora que o deu à luz. Ronaldo não é deste Mundo!

 

Diz Fernando Santos que “Cristiano nunca acaba”. Seria bom se fosse verdade: ter o Capitão para sempre a este nível. 

 

Ainda houve tempo, já depois de Ronaldo ter sido substituído, para William marcar o quinto. É um pormenor engraçado desta dupla jornada: o William marcou o primeiro e o último golo.

 

Antes de partirmos para as conclusões, uma palavra de apreço para o público português no Estádio LFF, mariotariamente fuzileiros da Marinha Portuguesa estacionados na Lituânia, convidados pela Federação para assistir ao jogo. É sempre impressionante quando os adeptos visitantes, minoritários, fazem mais barulho que os adeptos da casa. Os Marmanjos fizeram questão de tirar uma fotografia com a claque, o que foi um gesto muito bonito. Devia tornar-se tradição em jogos das Quinas, pelo menos fora – em jogos em casa será complicado.

 

70228138_2624383004267910_2459065022605688832_n.jp

 

Esteve tremido durante um bocado – claro que esteve, nós e a nossa afinidade para o caricato – mas o jogo acabou por se resolver a nosso favor. O resultado foi semelhante aos dos particulares há mais de quinze anos, de que falámos no texto anterior. Conforme referido acima, depois dos tropeções anteriores, regressamos ao bom caminho. 

 

Há opiniões díspares no que toca ao resto da Qualificação. Há quem defenda que está no papo, mais uma ou duas vitórias e ficamos Apurados. Fernando Santos continuará a falar de quatro finais para vencer, creio eu. 

 

Pessoalmente, estou algures no meio. não me parece que os dois jogos com o Luxemburgo e o jogo em casa com a Lituânia nos coloquem grandes dificuldades – aqui entre nós, estou mais preocupada com as dificuldades que possamos causar a nós mesmos. O jogo fora com a Ucrânia (em Kiev?), no entanto, poderá ser complicado. Ainda assim, acho que a Qualificação direta estará ao nosso alcance. Todos nós preferíamos Apurar-nos em primeiro lugar, por uma questão de orgulho de Campeões Europeus e da Liga das Nações, mas ninguém morre se só nos Qualificarmos em segundo. 

 

Confesso que fiquei com um bocadinho de pena quando a dupla jornada terminou. Já estou com saudades da Seleção. Felizmente só temos de esperar umas três semanas até à próxima Convocatória. Aproveito para avisar que vou ter um outubro complicado, terei menos tempo para o blogue. Em princípio, devo saltar a habitual crónica pré-jogo.

 

70596955_2624382004268010_6573627830859464704_n.jp

 

É possível, aliás, que nas próximas semanas o meu outro blogue ultrapasse este em número de publicações. Fico um bocadinho triste, mas suponho que era inevitável. Este blogue só está ativo quase quando a Seleção está. O meu Álbum de Testamentos não tem essas limitações. Uma agravante é o facto de, nos últimos anos, crónicas como esta, em que analiso dois jogos em vez de apenas um, serem mais frequentes. Estou até surpreendida por ter demorado tanto tempo – sete anos – até chegarmos a este ponto.

 

Mas estou a desviar-me. Mesmo que o blogue não regresse logo com a Seleção, a página no Facebook manter-se-se-á ativa. Vemo-nos em outubro.