Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Meu Clube É a Seleção!

Mulher de muitas paixões, a Seleção Nacional é uma delas.

Não me façam isto outra vez!

118717562_3575397172499817_743472960899902918_o.jp

No próximo sábado, dia 5 de setembro, a Seleção Portuguesa de Futebol recebe a sua congénere croata, no Estádio do Dragão. Três dias depois, será recebida pela sua congénere sueca, em Solna. Ambos os jogos contarão para a fase de grupos da segunda edição da Liga das Nações. São também os primeiros encontros da Seleção em (*conta pelos dedos*) quase dez meses.

 

Dez meses. Dez meses sem jogos da Seleção. Quando era suposto ter decorrido o Euro 2020. 

 

O novo coronavírus arruinou a vida a todos nós, de diferentes maneiras. No que toca a mim, uma das várias coisas que contribuíram para a minha infelicidade foi a suspensão dos jogos da Equipa de Todos Nós, o adiamento do Europeu – o que não deverá surpreender quem leia este blogue. 

 

Em trinta anos de vida, não me lembro de alguma vez o futebol ter sido suspenso antes deste ano. A Seleção tem sido uma das minhas constantes desde os meus catorze anos. Tenho tido os meus altos e baixos, o país e o Mundo em geral têm tido os seus altos e baixos, a própria Equipa de Todos Nós tem tido os seus altos e baixos. Mas eu sabia que haveria sempre um jogo da Seleção daí a semanas ou, no máximo, alguns meses – fosse uma fase de Qualificação, um Europeu ou Mundial ou um mísero particular com os Luxemburgos desta vida. Eu teria um ou mais textos para escrever aqui no blogue (no que toca aos últimos onze anos). Tudo isto fazia parte das minhas rotinas. 

 

Até vir este ano, esta pandemia mil vezes maldita, romper com tudo isso. Logo quando estávamos prestes a ter os habituais particulares de março, quando já estávamos a menos de cem dias do Europeu. 

 

 

Para ser justa, se isto tivesse ocorrido há meia dúzia de anos, o hiato ter-me-ia custado mais. Aprendi a lidar melhor com as pausas entretanto. Mas esta mesmo assim doeu. Sobretudo quando veio junho, as datas iniciais da fase de grupos do Euro 2020.

 

Uma das maneiras que arranjámos para lidar com a falta de jogos da Seleção foi recordando jogos icónicos do passado. Sobretudo em junho e julho, época de Europeus e Mundiais, altura de aniversários da maior parte desses jogos.

 

Não nego que ajudou até certo ponto. É algo que tenho feito muitas vezes ao longo dos anos, desde que criei a página de Facebook deste blogue – as redes sociais sempre se prestaram muito a este tipo de coisas. E, devo dizer, havia semanas que não me ria tanto quanto me ri com a chamada de Zoom com parte dos finalistas do Euro 2016, no Canal 11 (aqueles Marmanjos deviam fazer uma sitcom). 

 

No entanto, a partir de certa altura, começava a deprimir-me um bocado. Um mau hábito que tive de aprender a contrariar nos últimos anos, que ainda estou a aprender a contrariar, é o de viver no passado, de abusar da nostalgia. O coronavírus fez-me recair – quando no presente não acontece nada que não seja Covid, não temos remédio senão olhar para trás.

 

Mas já não me chega. Não me chega viver de glórias passadas, muito à portuguesa. Quero formar novas memórias, escrever novas crónicas aqui no blogue. O golo do Eder emociona sempre, mesmo quando o revemos pela 567ª vez (ou vez número 567), mas um não me chega. Quero ir tendo mais golos do Eder ao longo dos anos, para escrever aqui no blogue, rever em dias tristes em jeito de consolo, falar sobre eles aos meus netos. Ou pelo menos quero oportunidades para termos mais golos do Eder. 

 

Seleção Nacional do Canal 11: os melhores momentos

Para rir do início ao fim 😂 Aqui tens os melhores momentos da Seleção Nacional no "Futebol Total"! #Canal11 #FutebolEmPortuguês

Publicado por Canal 11 em Quarta-feira, 15 de julho de 2020

 

Estive tentada a escrever sobre o cancelamento do Europeu e a pausa nos jogos da Seleção em geral mais ou menos na altura em que foi anunciada – talvez algum tempo depois. Cheguei a planear esse texto. 

 

No entanto, acabei por não querer escrevê-lo. Estava a saber-me bem abrir a página do Facebook e ver o texto sobre os equipamentos da Seleção fixo no topo (falamos outra vez sobre equipamentos já a seguir… tem de ser, não é?). Foi um texto que me diverti a escrever, quando o coronavírus era apenas uma vaga ameaça. Se o blogue tinha de ficar parado, ao menos que a última publicação fosse uma publicação feliz. Não um texto cheio de lamúrias – ainda que eu fosse deixar uma conclusão esperançosa.

 

Na verdade, cheguei a temer que não houvessem jogos da Seleção de todo este ano. Assim, quando soube que a fase de grupos da Liga das Nações não ia ser adiada fiquei contente. Mais, em outubro e novembro vamos ter jornadas triplas para compensar pelo longo hiato: os jogos oficiais da Liga e dois particulares, um com a Espanha, outro com a Andorra. Vai ser giro, em vários aspetos (nomeadamente por os nossos adversários serem todos tubarões, como comentaremos adiante), mas ainda não sei como vou gerir com o blogue.

 

O problema é que, pelo menos no que toca a estes dois primeiros jogos, vai ser tudo à porta fechada. Compreende-se, mas não temos de gostar. Parte-me o coração, aliás, pensar que os Marmanjos vão ter de cantar o hino perante estádios vazios (ando a pôr a hipótese de saltar essa parte, quando vir estes jogos na televisão); que, se a Seleção sofrer um golo, não terá público que puxe por eles, motivando-os para darem a volta ao marcador. Os meus meninos vão estar sozinhos. 

 

Pode ser que as medidas afrouxem um bocadinho nas jornadas seguintes. Pode ser que, nos jogos de outubro e novembro, já dê para ter casa parcial. Eu não me importava de usar máscara durante o jogo todo, se pudesse voltar a um estádio. No trabalho uso máscara P2 entre oito a dez horas por dia e já tive de usar piores – por comparação uma máscara cirúrgica é quase confortável. Ainda assim, se for para ir a um jogo da Seleção, encomendo uma das máscaras da loja online da FPF. 

 

118401922_3583222725050595_4306958851323327819_o.j

 

Só peço que isto não aconteça de novo, que não me façam isto outra vez. Jogos à porta fechada são uma tristeza, mas sempre são melhores que não haver jogos de todo. Em princípio o futebol não tornará a parar, a menos que haja um descontrolo muito grande da pandemia – o que, infelizmente, não é assim tão descabido. 

 

Mas falemos então sobre estes jogos em especifico. Fernando Santos revelou os Convocados para a dupla jornada. O Selecionador já tinha avisado que, por causa das circunstâncias (hiato longo, pouco contacto com os jogadores, campeonatos em ritmos diferentes, etc), esta Convocatória seria mais conservadora do que o costume. 

 

Ainda assim, a lista trouxe de volta Domingos Duarte – que já tinha sido Chamado na última jornada dupla do ano passado, quando Pepe e Nelson Semedo foram dispensados por lesão. Não chegou a pisar os relvados. Também promoveu a estreia de Rui Silva e Francisco Trincão. 

 

Tanto Domingos Duarte como Rui Silva representam o Granada, que terá sido uma das equipas-sensação da última temporada da Liga Espanhola – ao ponto de se ter qualificado para a Liga Europa, pela primeira vez na sua história. Os dois jogadores portugueses têm sido apontados como peças fulcrais para este sucesso – ou, pelo menos, os seus desempenhos no clube têm sido elogiados. Dizem mesmo que Rui Silva foi um dos melhores guarda-redes da Liga Espanhola na época passada.

 

Por sua vez, Francisco Trincão, avançado de vinte anos de idade, acabou de ser apresentado no Barcelona. Consta que fez duas boas épocas no Sporting de Braga. A imprensa espanhola já fala dele como tábua de salvação com todo o drama à volta da saída de Lionel Messi (que nunca pensei que viesse a acontecer). Por um lado, é lisonjeador. 

 

 

Por outro… é bom que os catalães tenham calma. O Trincão é muito novinho ainda! Não precisa de lidar com os traumas de abandono da nação culé nem de servir de substituto a Messi. Não pressionem o miúdo, não lhe estraguem a carreira!

 

É bom ter sangue novo na Seleção, mesmo sendo pouco. Como era de esperar, Fernando Santos tem sido criticado por Chamar poucos nomes novos. Não alinho muito nas críticas porque, em primeiro lugar, o Selecionador justificou tais escolhas – as próximas Convocatórias serão certamente menos conservadoras, até porque serão para três jogos, serão precisos mais jogadores. Em segundo, estou tão contente por ter a Seleção de volta, não me apetece ralar-me com esta questão.

 

Só acho que o Pizzi devia ter sido Convocado. Foi um dos melhores da Liga Portuguesa na última época e marcou num dos últimos jogos da Seleção, no ano passado. Na minha opinião, não faz sentido ele ter ficado de fora.

 

Uma palavra para os equipamentos novos – como escrevi sobre eles na entrada anterior, abri um precedente, não posso deixar de comentar. 

 

Quinze anos depois, temos um equipamento principal com calções verdes. Acho que não há ninguém que não esteja contente com isso. Este equipamento tem um ar vagamente retro, na minha opinião, recorda-me equipamentos dos anos 80 e 90 – sobretudo as faixas verticais de lado, na camisola e nos calções.

 

 

O único problema deste equipamento é… o colarinho. Detesto colarinhos em camisolas de futebol. Camisolas estilo pólos da Lacoste são para ir jantar fora ou para os passeios em dia de jogo, não para levar para dentro de campo. Pura e simplesmente não é fixe.

 

É o meu gosto pessoal, apenas. Mas, pelo que tenho lido nas internetes, não sou a única com a mesma opinião.

 

No que toca aos equipamentos alternativos, no entanto, vou um pouco contra a corrente. Ninguém parece gostar muito deles. A minha primeira impressão deles também não foi a mais favorável, mas com o tempo estou a tomar-lhe o gosto.

 

Mesmo assim não são espetaculares, existem alternativos bem mais giros. A cor de fundo deste é aquele tom verde azulado muito clarinho, de roupa branca que por acidente foi parar à máquina com uma meia verde. Preferia que a camisola fosse branca. As faixas horizontais são iguais às laterais no equipamento principal – pelos vistos são a imagem de marca desta coleção. 

 

Cheguei a fazer a piada de que teria havido uma troca na Nike: a camisola de passeio estava a ser apresentada como camisola principal e a camisola de treino estava a ser apresentada como camisola alternativa. Estive a pesquisar e alguns equipamentos de seleções da Nike, como o da Inglaterra e o da Holanda – nem todos – também têm camisolas tipo pólo. Os outros têm golas normais e eu tenho inveja.

 

118729807_3583098065063061_563202220673555454_o.jp

 

De qualquer forma, preciso de tempo e de ver estes equipamentos em ação antes de formar uma opinião definitiva. Depois logo decido em que lugar ficariam no meu ranking.

 

Não tive ainda oportunidade para escrever sobre os nossos adversários da fase de grupos da Liga das Nações: a Croácia, a Suécia e a França. Temos a seleção campeã do Mundo e a vice-campeã do Mundo no nosso grupo. 

 

Embora, para ser justa, os suecos estão numa posição pior, coitados: no grupo com o campeão e vice-campeão do Mundo e o Campeão da Europa.

 

É impressionante a maneira como o caminho à nossa frente está cheio de silvas. Ele é tubarões no grupo do Europeu, ele é tubarões aqui na Liga, ele é tubarões nos particulares… OK, o jogo com a Espanha foi intencional. Não se aprende a caçar leões praticando com zebras. O título da crónica que ia escrever antes dos particulares de finais de março era precisamente “O ano dos tubarões”.

 

Mal sabia eu que o coronavírus seria mais devastador que qualquer adversário que defrontámos em campo…

 

Por um lado é bom, serão jogos interessantes, intensos. Por outro… vamos sofrer.

 

0813ac1d34c104b62764a190f278bf52.jpg

 

Mas também, aqui entre nós, com tudo o que tem acontecido este ano, o sofrimento com um jogo difícil da Seleção até é um bom escape. Às vezes tenho saudades dos tempos em que eram os nervos e excitação antes dos jogos do Euro 2016 a tirar-me o sono, em vez que coisas mais sérias.

 

Falemos sobre a Croácia, com quem vamos jogar no sábado. Os croatas são os atuais vice-campeões do Mundo, tal como referimos antes… mas também o eram há dois anos. Empataram connosco e, poucos dias depois, foram goleados pela Espanha. Isto pouco depois do segundo lugar no Mundial. Na edição anterior da Liga das Nações estavam também na Liga A, mas não se qualificaram para a final four – estavam no grupo com a Inglaterra – mas Qualificaram-se em primeiro para o Euro 2020. Em termos de histórico, estamos em vantagem: em cinco jogos, contamos quatro vitórias e um empate.

 

Consta que Luka Modrić e Ivan Rakitić pediram dispensa destes jogos. Não podemos criticar pois Ronaldo fez o mesmo há dois anos e, na altura, não estávamos a lidar com nenhuma pandemia. Não sei até que ponto isto afetará o desempenho da seleção croata – é melhor não assumir facilidades. 

 

Quanto aos suecos, esses estavam na Liga B na edição anterior, mas foram promovidos à Liga A. Aposto que se arrependeram assim que calharam neste grupo. No que toca ao Euro 2020, qualificaram-se em segundo lugar no seu grupo, atrás da Espanha. O nosso histórico é equilibrado, mas pende um pouco a favor dos suecos: em dezoito jogos contamos cinco vitórias, seis empates e sete derrotas. Nós recordamos os play-offs para o Mundial 2014 (incrível como já lá vão quase sete anos), mas a verdade é que, depois disso, perdemos o nosso último jogo contra eles. 

 

Em suma, são adversários difíceis, mas estarão ao nosso alcance se fizermos o nosso trabalho como deve ser. Confesso que estou algo preocupada, pois não sei como estará a Seleção após este loooongo hiato. Por um lado, todas as seleções estão no mesmo barco, com problemas semelhantes. Por outro, mesmo antes do Covid, o desempenho da Turma das Quinas nos últimos jogos deixou muito a desejar – veja-se a derrota contra a Ucrânia e a qualificação arrancada a ferros no Luxemburgo. 

 

118761464_3579460108760190_4241410346270224872_o.j

 

É certo que, tradicionalmente, a Seleção dá-se melhor perante dificuldades – vamos precisar desse super poder nos próximos tempos. 

 

Fernando Santos já disse que quer revalidar o título da Liga das Nações, tal como quer revalidar o título Europeu no próximo ano. Eu também quero, obviamente. Aliás, como referi acima, passámos uma boa parte dos últimos meses recordando os grandes jogos da Seleção no passado. Esses jogos estão frescos na nossa memória, fazendo-nos desejar vitórias de igual calibre. Elevaram a fasquia.

 

Mesmo não tendo isso em conta… está a ser um ano difícil para toda a gente. Mais do que nunca, precisamos de alegrias, precisamos de vitórias da Seleção. E estou certa que toda a gente na Equipa de Todos Nós quer celebrar a reunião, após dez meses separados, ganhando seis pontos nesta dupla jornada. 

 

Por outras palavras, eu acredito.

 

Muito obrigada por terem lido. É bom estar de volta aqui ao blogue.  

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.