Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Os pensamentos de uma simples adepta da Seleção Nacional, que não percebe assim tanto de futebol mas que é completamente maluca pela Equipa de Todos Nós.

Meias

Há cerca de dois anos e dois ou três meses descobri uma loja no centro de Lagos, no Algarve, que vendia produtos alusivos à Selecção Nacional, entre os quais meias. Na altura achei bastante engraçado e original - temos bonés, cachecóis, camisolas, bandeiras e equipamentos oficiais completos da Selecção Nacional. Mas ninguém tem meias com a bandeira nacional. Quanto muito as meias do equipamento oficial mas fora desse conjunto ninguém tem.


Doida como era e (ainda) sou pela Selecção decidi logo que tinha de compar um par.

Havia meias completamente "cobertas" com bandeiras mas eu preferi umas azuis escuras, com uma bandeira de cada lado na zona das canelas. Tinham duas vantagens em relação às outras: por um lado, eram bastante mais discretas. por outro lado, por serem azuis e por ser essa a cor dominante do meu guarda-roupa - não levanta problemas de combinação de cores. Comprei-as por cerca de três euros.

Desde essa altura, tenho usado as meias em dias de jogos da Selecção e sempre que me apetece. Têm sido as minhas meias preferidas. uma vez descobriram na escola e gozaram comigo, mas eu ri-me com eles e não me importei. De resto, a minha paixão pela Selecção já era bem conhecida graças ao meu boné e aos autocolantes do meu dossier, entre outras coisas.

Mas, ultimamente, as meias perderam elasticidade e ganharam buracos. O meu dedo grande fica de fora de uma delas e isso em alguns sapatos é bastante desconfortável. As minhas meias estão velhas, rotas, gastas, quando não há muito tempo estavam em perfeitas condições, resistentes e confortáveis.

Já me aconselharam a deitar fora as meias. Já deram o que tinha a dar, dizem. Mas eu não tenho coragem.

Começo pelos motivos práticos. O mesmo está a acontecer às minhas outras meias, várias delas mais velhas que as da Selecção. Se as deitar todas fora, corro o risco de ficar sem meias. E como não gosto de usar sandálias - só havaianas e estas só as uso ao fim de semana - e não sou como a minha irmã que, se ninguém prestar atenção, usa ténis sem meias, isso complica-me a vida.

Além disso, estamos em crise! Má altura para deitar fora o que quer que seja!

Mas isto não interessa para aquilo que quer dizer. Os motivos que quero frisar são puramente emocionais. Afinal de contas, são as meias da Selecção e apesar de velhas, gastas e rotas eu continuo a usá-las, sobretudo em dias de jogos da Selecção. Estou à espera de poder voltar a Lagos, à tal loja, para comprar um par novo.

O mesmo se passa, de certa forma, com a Selecção Nacional propriamente dita. No último ano perdeu o brilho de outrora, já não é o que era. Apenas seis pontos em cinco jogos, empates atrás de emptes, séries de noventa minutos de sofrimento, de dedos cruzados, de "Corre! Corre!", "Remata!", "Vá lá!" e aqueles marmanjos são incapazes de "enfiar aquele objecto esférico, que parece que se chama "bola", naquela espécie de galinheiro que tem no final do campo, com rede" apesar das boas exibições e do domínio quase total do jogo, palavras de esperança, de confiança, de para-a-próxima-temos-mesmo-de-ganhar mas que convencem cada vez menos...


Tal como me aconselham a deitar fora as meias, também já me aconselham a "deitar fora" a Selecção. Dizem que não vale a pena, que sem-o-Scolari-não-vamos-lá, que estes anos em que fomos uma das melhores selecções do Mundo já acabaram, que eu devia deixar de ligar a isso.


Mas eu não consigo deixar de ligar a isso! Não quero acreditar que a era dourada da Selecção já tenha acabado! Ainda por cima com o (suposto) melhor do Mundo a jogar do nosso lado! Pode lá ser! Eu sou daquelas que nunca perde a fé, que acredita até ao último segundo do prolongamento do último jogo. Enquanto for matematicamente possível, eu acredito.


Por outro lado, confesso que estou farta de acreditar, de apoiar, e ver os marmanjos a falharem outra e outra vez, a não serem capazes de retribuir o apoio que lhes é dado. Não se podem queixar de falta de apoio. O pessoal continua a ir em força aos jogos, apesar de os resultados deixarem muito a desejar. Eles devem-nos imenso. Imenso!


Eu continuo a apoiar apesar de tudo isto, apesar de algumas vezes nem eu própria saiba explicar porquê. Da mesma forma que continuo a usar as minhas meias preferidas. Se a Selecção perder todo o apoio, os jogadores perdem motivação para continuar a lutar, as probabilidades de nos qualificarmos reduzem-se ainda mais. Ou seja, não ganhamos nada ao desistirmos de lhes mostrar que estamos com a Selecção. Da mesma maneira que espero a altura de poder comprar meias novas, também estou à espera, não de substituir a Selecção, mas que esta encontre o caminho e que, um dia, volte ao esplendor de antes.


Esta é uma das razões que me levaram a retomar o blogue, um ano menos um mês depois da minha última entrada. Eu deixei de escrever o blogue porque, se escrevesse, só o faria em altura de jogos da Selecção. Os jogos seguintes eram daí a dois meses (eu sei que jogámos contra as ilhas Faroé em meados de Agosto mas eu estava em férias nesa altura e não tinha acesso fixo à Internet). Eu julgava que, depois de tanto tempo sem ser actualizado, o blogue seria removido. Felizmente não foi, sobreviveu até agora.


Já sentia saudades de escrever cá no blogue, de resto. Custa-me acreditar que já tenha passado um ano desde o Euro 2008. Eu releio as entradas escritas nessa altura e ainda consigo recordar o dia em que escrevi algumas delas, onde estava, que computador utilizei, o que aconteceu nesse dia e nos dias seguintes... Parece tudo tão recente...


Quem diria que, passado uma no, estaríamos num trapézio sem rede em relação à qualificação para o Mundial 2010 e cada vez mais em risco de ver a África do Sul por um canudo, apesar de termos o (suposto) melhor do Mundo a jogar do nosso lado?


Mas isso agora não interessa. Agora, mais do que nunca, a Selecção Nacional precisa do nosso apoio. è cada vez mais difícil mas eu (ainda) acredito na qualificação. Nós, os adeptos, pouco podemos fazer pela qualificação, mas o pouco que fazemos, façamo-lo bem. Os verdadeiros adeptos apoiam o seu clube nos bons e nos maus momentos. O meu clube é a Selecção. Eu sou uma verdadeira adepta. E vocês?