Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Mulher de muitas paixões, a Seleção Nacional é uma delas.

Nível um

337266659_250031380688433_8839280034670794536_n.jp

Na passada quinta-feira, dia 23 de março, a Seleção Portuguesa de Futebol venceu a sua congénere liechtensteiniana por quatro bolas sem resposta… e eu estive lá. Três dias mais tarde, a Seleção deslocou-se ao Luxemburgo, onde venceu a seleção local por seis bolas, também sem resposta.

 

Como tinha dito no texto anterior, fui ao jogo com o Liechtenstein (meu Deus, odeio escrever “Liechtenstein”. Ainda bem que, depois deste texto, só terei de fazê-lo em novembro.) com os meus pais. Como era mais ou menos inevitável com idas ao futebol durante a semana, não deu para sair tão cedo como o ideal. Ainda assim, chegámos aos nossos lugares precisamente na hora certa: no curto intervalo entre o hino do Liechtenstein e A Portuguesa.

 

Já que falo nisso, por estes dias aprendi uma coisa nova. Enquanto passávamos pela cancela dos bilhetes e procurávamos a nossa bancada, soou o hino do Liechtenstein. Reconheci a melodia.

 

– Mas isto é o God Save the Queen.

 

Na altura não me lembrava que a Rainha já tinha morrido e agora o hino oficial é God Save the King.

 

Mais tarde, em casa, fui pesquisar e descobri que existem várias canções patrióticas que usam esta melodia – que foi originalmente composta em França, no século XVII. Algumas delas foram hinos nacionais no passado – por exemplo, nos Estados Unidos e na Suíça – mas a Noruega usa-a como hino à sua família real e, como se viu, o Liechtenstein ainda a usa como hino nacional.

 

Deve ser esquisito quando o Liechtenstein joga contra a Inglaterra.

 

337557074_187510037400439_717636582094416289_n.jpg

 

Regressando ao nosso jogo, a minha mãe gostou do ambiente. O meu pai, no entanto, tem muito do arquétipo do velho resmungão e queixou-se de ver mal e de não haverem repetições. E, como podem ver na fotografia, trouxe o seu pacotinho de amendoins, com uma mola e tudo. 

 

Enfim.

 

Estávamos sentados perto da bandeirola de canto direita, junto à baliza norte – a do Liechtenstein durante a primeira parte. Fomos regalados, logo nos primeiros minutos, com um “cabrito de João Cancelo – caso Roberto Martínez ainda tivesse dúvidas em relação ao significado do termo. A minha mãe gostou muito de vê-lo jogar, a ele e ao João Félix. Não foi a única. 

 

E não tardou muito até celebrarmos um golo, precisamente de Cancelo. A bola sobrou para ele na sequência de um canto, ele pontapeou com força. Foi também um “frango” do guarda-redes do Liechtenstein, que basicamente defendeu para dentro da baliza. Em todo o caso, estava aberto o marcador. Primeiro golo de 2023. 

 

Infelizmente, o resto da primeira parte entreteve pouco. Os liechtensteinianos, coitados, só tinham capacidade para estacionar o autocarro e chutar para a frente. O Rui Patrício apanhou uma seca – em ambos os jogos desta jornada, na verdade. 

 

Não vou culpar uma seleção de microestado, com jogadores competindo em ligas regionais, por não conseguirem fazer frente a Portugal: uma seleção recheada de jogadores que alinham nalguns dos melhores clubes da Europa. Mas não gostei da atitude do guarda-redes deles: queimando tempo em todos os pontapés de baliza, mesmo depois de estarem a perder.

 

01.png

 

Ó homem, ninguém espera que o Liechtenstein consiga competir com Portugal, mas tem algum amor próprio! Dá uma oportunidade, a ti e aos teus colegas, para pelo menos tentarem!

 

Não deu para ver aí em casa – eu confirmei-no – mas a certa altura, aquando de mais um pontapé de baliza, Cristiano Ronaldo pegou na bola e foi ele mesmo colocá-la para o guarda-redes, para que não perdesse mais tempo. Nós, no público, rimo-nos – que Ronaldo nunca mude!

 

Portugal desperdiçou muitas oportunidades durante a primeira parte – Bruno Fernandes, Ronaldo (uma que ele não costuma falhar). No que toca a este último, no entanto, o público não pareceu demasiado desiludido. Pelo contrário, continua aquilo que eu tinha observado no jogo com a Suíça no ano passado: Ronaldo continua a ser apaparicado, continua a receber aplausos mesmo quando falha remates. 

 

Ele merece nesta fase? Discutível. Em todo o caso, ele retribuiria mais tarde. 

 

Aqui entre nós, fiquei um bocadinho zangada por a maior parte dos golos terem sido marcados na baliza mais longe de nós. Mas pronto. 

 

Logo a abrir na segunda parte, Cancelo centrou para a grande área, um dos jogadores do Liechtenstein segurou mal a bola e Bernardo Silva aproveitou para rematar certeiro para as redes. Menos de cinco minutos depois, o árbitro marcou penálti a nosso favor e – quem mais? – Ronaldo foi chamado a converter e não falhou.

 

 

A minha mãe não sabia que ultimamente, em jogos da Seleção, quando Ronaldo marca, o público grita “SIIIIII!!!” em coro com ele. Eu não lhe tinha contado precisamente para não estragar a surpresa. E fico feliz por ela ter podido ver por ela mesma – como referi no texto anterior, nesta altura é quase só por isso que aceito que Ronaldo continue na Seleção.

 

O segundo golo dele sempre foi mais interessante: um livre direto, mesmo à entrada da grande área. Uma vez mais, o guarda-redes conseguiu tocar na bola, outro se calhar conseguiria defender. Ou talvez não, foi um remate bastante potente.

 

Parece irreal. O tempo vai passando, tanta coisa vai mudando, mas o Ronaldo continua a fazer aquilo que faz há dezoito anos: a marcar pela Seleção. Continua a ser uma constante na nossa vida, mesmo numa altura em que muitos já teriam pendurado as chuteiras. Uma pessoa começa a pensar…

 

Regressando ao jogo com o Liechtenstein, infelizmente não houveram mais golos depois deste – por muito que fôssemos pedindo “Só mais um! Só mais um!” – nem aconteceu nada mais de assinalável. Não vou falar dos assobios a João Mário – quem acompanhe este blogue ou a sua página no Facebook já sabe o que penso sobre clubites, não tenho nada a acrescentar. Destaco apenas as declarações de João Palhinha sobre o assunto – esteve muito bem. 

 

Por outro lado, tenho de assinalar este momento, que tive o privilégio de ver com os meus próprios olhos. Grande Cancelo!

 

Em suma, um resultado perfeitamente aceitável para este adversário – e uma noite bem passada, pela parte que me toca. No dia seguinte, doía-me tudo e tinha a voz um pouco rouca – prova de que tinha aproveitado bem. Podia ter sido uma vitória mais volumosa mas pronto. Sempre foi o nosso primeiro jogo com este Selecionador, que só tinha feito dois treinos. Longe de ser grave. 

 

02.png

 

Sabíamos que as coisas não seriam tão fáceis perante o Luxemburgo. Também uma seleção de microestado, mas uns furos acima do Liechtenstein. Só perdera dois dos nove jogos que disputara antes e as nossas últimas visitas não foram muito fáceis. Estávamos todos cautelosos. 

 

Tais preocupações esfumaram-se ao fim de vinte minutos e três golos. 

 

O primeiro foi marcado aos nove minutos. Bruno Fernandes assistiu para Nuno Mendes, em cima da linha de fundo. Este cabeceou para os pés de Cristiano Ronaldo. Acho que este último não estava à espera de receber a bola, mas a confusão só durou uma fração de segundo. Depressa a bola foi parar às redes. 

 

Os portugueses estavam bem representados no Estádio do Luxemburgo e fizeram-se ouvir neste momento: gritando “SIIII!!” em coro com Ronaldo, cantando o nome dele. Aqui entre nós, foram um público ainda mais efusivo que nós, em Alvalade. Não tendo tantas oportunidades para verem a Seleção jogar, os emigrantes aproveitam bem quando conseguem. 

 

Só tivemos de esperar mais cinco minutos pelo segundo golo. Uma grande assistência de Bernardo Silva e eu adorei o salto de João Félix, cabeceando para as redes luxemburguesas.

 

E a pose que ele fez nos festejos. 

 

338030565_731608171935100_2091924420138541100_n.pn

 

Foi bastante comentado o facto pouco habitual de a Seleção ter marcado três golos de cabeça. Algo que acho ainda mais engraçado é o facto de terem sido todos marcados por “baixinhos”. O terceiro golo, aos dezassete minutos, veio depois de outra grande assistência, desta vez de João Palhinha, para a cabeça de Bernardo Silva.

 

Finalmente – pelo menos no que toca à primeira parte – em cima da hora de jogo, foi a vez de Bruno Fernandes isolar Ronaldo para que este bisasse.

 

Por esta altura, todas as oportunidades de Portugal tinham sido convertidas a golo – tirando uma de Danilo, anulada por fora-de-jogo, e uma bola na trave de Félix, em cima do intervalo. A Seleção eficaz? Que coisa tão estranha!

 

A segunda parte do jogo não foi tão bem conseguida. Portugal desacelerou um pouco e o Luxemburgo começou a dar mais luta – sem consequências práticas. Portugal melhorou com as substituições, sobretudo com as entradas de Otávio e Rafael Leão. O primeiro foi outro “baixinho” a marcar de cabeça aos 76 minutos. Nuno Mendes e Rafael Leão meteram-se pela esquerda, o último centrou para Otávio, que teve de saltar para cabecear para as redes.

 

Pelo meio, Rúben Neves cobrou um livre mas a bola bateu com estrondo na trave. Aos 85 minutos, o árbitro assinalou um penálti a nosso favor. Como todos os habituais conversores já tinham saído, foi Leão bater… mas não correu bem. Parece que foi o primeiro penálti que ele cobrou enquanto sénior. E como já estávamos a ganhar por muito… aceita-se. A defesa do guarda-redes serve de momento de honra para o Luxemburgo, no meio da goleada. 

 

Dito isto, é bom que Leão vá praticando penáltis. A médio/longo prazo poderemos ter desempates por grandes penalidades, precisamos de gente que saiba batê-los.

 

Na jogada seguinte deu-se um momento caricato, quando Otávio rematou e Gonçalo Ramos fez de central luxemburguês. Não seria a Seleção sem uma dose saudável de parvoíce. 

 

 

Felizmente, Leão conseguiu redimir-se. Rúben Neves fez-lhe o passe, Leão seguiu pela esquerda, passou por vários luxemburgueses e, no fim, rematou certeiro.

 

Foi assim a nossa dupla jornada inaugural da Qualificação: seis pontos (o que não acontecia desde 2012), dez golos, nenhum sofrido. Somos líderes do grupo. Não vou mentir, sabe bem depois da inconsistência dos dois últimos Apuramentos. Sobretudo o segundo jogo – um progresso em relação às três visitas anteriores ao Luxemburgo. Ronaldo marcou quatro golos, quando alguns de nós pensavam que o tempo dele na Seleção já tinha terminado. Ele e os outros Marmanjos parecem contentes com Roberto Martínez.

 

Aliás, tenho gostado das palavras dos jogadores em relação à mudança de técnico: elogiando Martínez, sem deixar de mostrar respeito e gratidão pelo trabalho de Fernando Santos. Isto é, tirando Cristiano Ronaldo – Fernando Santos contrariou o menino, logo, virou persona non grata. O Capitão parece estar numa fase melhor que durante o Mundial, mas pelos vistos continua a só querer “yes men” na sua vida.

 

Em todo o caso, apesar das dúvidas que permanecem em relação a Roberto Martínez, nota-se que este está a fazer um esforço. Tem estado a aprender português, já canta o hino (ainda que a minha irmã torça o nariz), rodeou-se de gente, como Ricardo Pereira (o antigo guarda-redes) e Ricardo Carvalho, que conhece bem a Seleção e o futebol português e diz que quer falar com Fernando Santos em breve. Como disse antes, respeito a humildade e o compromisso.

 

Dito isto… estes jogos não provam quase nada (e isto é válido tanto para Martínez como para Ronaldo neste momento). É quase para dizer: perante estes adversários e com os jogadores que temos hoje em dia, até as nossas avozinhas conseguiam. Até eu conseguia. Isto foi pouco mais que a nossa obrigação. Estou contente mas não alinho em euforias. Isto foi apenas o nível um.

 

Claro que dá imenso jeito termos uma fase de Apuramento com uma progressão relativamente linear em termos de dificuldade. A próxima dupla jornada não será tão fácil… mas falamos sobre isso na altura. Gostava de ir ao jogo com a Bósnia, mas os bilhetes estão “temporariamente” esgotados. A ver se consigo comprá-los quando os puserem à venda de novo. 

 

Como sempre, obrigada pela vossa visita. Até à próxima.

 

338000851_128574416846179_4776278903483594633_n (1

Não estou habituada a isto

317555697_6676690409013416_7463916870834177303_n.j

Na passada segunda-feira, dia 28 de novembro, a Seleção Portuguesa de Futebol venceu a sua congénere uruguaia por duas bolas sem resposta. Com este resultado, a Seleção garantiu lugar nos oitavos de final do Mundial 2022.

 

O que é estranho.

 

Desta vez, não estava a trabalhar, vi o jogo em casa. Se tivesse sido mais cedo, teria tentado ir a uma esplanada, mas o jogo começou demasiado perto da hora do jantar. Infelizmente, isso significou levar com os spoilers dos vizinhos com uma ligação mais rápida do que a minha – algo de que não tinha saudades nenhumas. 

 

Eu por mim via o jogo com a Coreia numa esplanada para tentar evitar isto, mas a minha irmã quer ver o jogo em casa. É fazer figas para que os vizinhos estejam a trabalhar…

 

Uma vez mais, aconteceu pouco de assinalável na primeira parte: domínio português mas longe de empolgar. Infelizmente, Nuno Mendes lesionou-se e teve de ser substituído antes do intervalo – o pobre saiu do campo em lágrimas. Hoje sabemos que não poderá competir mais neste Mundial. Uma crueldade do destino, ninguém merece, mas ele ainda é jovem. Com um bocadinho de sorte, ele terá outros Mundiais. 

 

A melhor oportunidade na primeira parte pertenceu ao Uruguai, em cima da meia hora de jogo. Ironicamente, quem brilhou foi o nosso Diogo Costa: Rodrigo Betancur tinha passado por toda a gente na defesa portuguesa, eu já quase dava o golo como marcado, mas Diogo estava lá

 

naom_6385205f1ad61.jpeg

 

Como disse Iker Casillas, a nossa passagem aos oitavos começou aqui. Fico muito feliz por Diogo não se ter deixado afetar pelo erro que cometeu perante o Gana – mérito dele e dos colegas, que estiveram lá quando ele precisou. O miúdo é um espetáculo!

 

É suposto gritarmos “DIOGO!” em momentos destes?

 

A segunda parte do jogo foi mais animada, se bem que não com os níveis absurdos do jogo com o Gana. Parece que, neste Mundial, os nossos jogos estão fadados para incluírem um episódio caricato. No primeiro jogo foi o erro de Diogo Costa, neste foi a autoria do nosso primeiro golo

 

À primeira vista pareceu-me golo de Cristiano Ronaldo – dá a ideia que ele toca na bola, ele festejou como se de facto tivesse marcado. Quando um jogador celebra assim, eu costumo acreditar nele – porque não haveria de fazê-lo? Eu pensava que o mesmo se aplicava a toda a gente – aplicou-se aos comentadores da SportTV e penso que aos da RTP também – mas falei com uma senhora que disse que viu logo que Ronaldo não tinha tocado na bola. 

 

Em defesa de Ronaldo, a primeira indicação que lhe deram foi que, de facto, o golo era dele. Depois é que os ecrãs indicaram Bruno Fernandes como autor do golo. Por outro lado… Ronaldo senti-lo-ia se tivesse tocado ou não na bola, certo? Estaria a iludir-se a si mesmo? Não me admirava. 

 

Ao mesmo tempo, toda a gente concorda que, mesmo não tendo marcado ele mesmo, o posicionamento de Ronaldo baralhou o guarda-redes o suficiente para que a bola entrasse. O que também não tira o mérito a Bruno Fernandes: foi um excelente cruzamento/remate. 

 

image.jpeg

 

Isto está longe de ser uma questão dramática, bem pelo contrário. Tenho-me divertido com as piadas – Ronaldo marcando por telecinese, o cabelo de Deus, tivesse ele o cabelo mais comprido, etc. Há quem critique Ronaldo por reclamar autoria do golo mas, embora tenham razão… as reclamações foram bem humoradas. Mais tarde, saiu de campo abraçado ao Bruno, claramente bem disposto. É certo que, depois, fez queixinhas trocou mensagens com Piers Morgan insistindo que o golo era dele mas, tirando isso… E depois de ter saído a peritagem da FIFA – “As bolas têm chips, como os cães e os gatos?”, perguntou-me a minha avó – ninguém da parte do Ronaldo ou da Seleção disse mais nada. 

 

Sinceramente, não vale a pena atirar pedras a Ronaldo. Pelo menos não por isto.

 

Pelo meio, por volta dos setenta e cinco minutos, o poste travou um remate do Uruguai. Um sinal claro de que os deuses do futebol estavam do nosso lado naquela noite – apesar de, mais tarde, terem negado o hat-trick a Bruno Fernandes.

 

Em relação ao nosso penálti, vou ser sincera, tenho algumas dúvidas. Não sei que critério andam a usar para determinar o que é mão na bola e o que não é. A mim pareceu-me que José María Giménez estava a cair e usou aquela mão para se apoiar. No entanto, há quem alegue que a manobra foi deliberada e/ou pode ser abusada – os jogadores poderiam simular quedas para poderem usar as mãos. 

 

Não sei. Não sei que chegue sobre o assunto para fazer um juízo definitivo.

 

Em todo o caso, como Ronaldo já tinha ido para o banco, Bruno Fernandes foi chamado a bater o penálti e fê-lo com mestria. Segundo Anthony Lopes, impossível de defender. 

 

317088363_577561934375418_3374939419099215213_n.jp

 

Em suma, Portugal não fez uma exibição de encher o olho, mas foi a equipa que mais fez por ganhar. Fomos justos vencedores.

 

Se me dissessem há duas semanas que Portugal se qualificaria para os oitavos-de-final do Mundial à segunda jornada, não acreditaria. Como escrevi aqui, não estava com grandes expectativas para este campeonato. Foram anos, sobretudo os últimos dois, de exibições medianas com o ocasional lampejo de qualidade, apuramentos falhados por um ponto. Desempenhos, em geral, não suficientemente bons para entusiasmar mas não suficientemente maus para correr de forma unânime com Fernando Santos. 

 

Agora chegamos ao Catar e acontece isto. Duas vitórias num Mundial, algo que não acontecia desde 2006. Sobrevivemos à fase de grupos ao segundo jogo, algo que não acontecia desde o Euro 2008 – ainda no tempo de Luiz Felipe Scolari, este blogue era um bebé. Fomos a terceira equipa a passar aos oitavos, a seguir aos tubarões Brasil e França. 

 

E o nosso grupo não é assim tão fácil. O Uruguai é o Uruguai e o Gana venceu a Coreia do Sul – provando que, não sendo tubarões, também não são sardinhas. 

 

Que cronologia é esta, minha gente? Não estou habituada a isto – e não sou a única

 

img_1280x720$2022_11_29_15_42_48_2068497.jpeg

 

Até estou um bocadinho chateada porque as minhas férias estão quase no fim. Na(s) próxima(s) semana(s) já estarei a trabalhar, será mais difícil ver os jogos e ter tempo para o blogue. Um motivo extra para querer passar em primeiro neste grupo é porque, se o fizermos, jogamos terça-feira. Nesse dia estou a sair às sete e meia – o jogo começa às sete, ou seja, conseguia apanhar pelo menos a segunda parte. Na segunda-feira só saio às oito e meia, perderia o jogo todo. 

 

Ao menos depois os quartos-de-final serão no sábado. Adiante disso… não me atrevo a olhar. 

 

Como é óbvio, estou muito contente com o nosso desempenho até agora, orgulhosa dos nossos Marmanjos. Referências especiais para Diogo Costa, Pepe, William, João Félix, Bernardo Silva, Rafael Leão, Cristiano Ronaldo (até certo ponto mas, para as circunstâncias, não está mal), mesmo João Palhinha e Matheus Nunes. 

 

E sobretudo Bruno Fernandes, a nossa maior figura. 

 

Ainda assim, não consigo alinhar em grandes euforias. Em parte por incredulidade; em parte porque, apesar de tudo, não estamos a deslumbrar; em parte porque tenho medo. Tenho medo de ter demasiada esperança, de sonhar demasiado alto. Mais ou menos aquilo que sentia antes do Euro 2016, quando Fernando Santos falava em sermos campeões. 

 

Até porque, na prática, ainda não ganhámos nada. Igualámos os nossos desempenhos no Mundial 2010 e no de 2018 ao sobrevivermos ao grupo. Nada nos garante que a nossa viagem não termine nos oitavos.

 

GettyImages-1445269771.jpeg

 

Dito isto… também nada nos garante que a viagem não continuará. Os nossos jogadores têm qualidade, estão motivados, houveram melhorias de um jogo para o outro. Se continuarmos a melhorar… porque não?

 

O que sugiro, assim, é um meio-termo. Olhar para a final, mas pensar jogo a jogo. Apontar para as estrelas, mas manter os pés no chão. 

 

E, de qualquer forma, ainda nos falta um jogo neste grupo. Estou zangada por Paulo Bento se ter feito expulsar na segunda-feira. Queria vê-lo no banco, cumprimentando Pepe, Ronaldo, Rui Patrício e outros que ele costumava orientar.

 

Visto não estarmos obrigados a ganhar para ficarmos em primeiro, eu, à semelhança de toda a gente, espero que Fernando Santos rode a equipa – para gerir desgastes e cartões amarelos. Na minha opinião, temos talento suficiente nas segundas linhas para pelo menos empatarmos com a Coreia do Sul. Na verdade, os jogos do grupo G interessam-me quase tanto como os do nosso grupo: quero saber com quem iremos jogar nos oitavos. 

 

Que os sinais positivos se cumpram e que o nosso sofrimento continue por mais umas jornadas. Sofram comigo, quer aqui no blogue, quer através da sua página de Facebook e façam um donativo à Amnistia Internacional, que está a tentar ajudar os trabalhadores que construíram este campeonato. Como sempre, obrigada pela vossa visita, mantenham-se desse lado. 

 

KV23J4G7RBAL7FT6B26SGTNK54.jpeg

Cometeram-se erros...

316534754_6003335976372579_5303685560569315967_n.j

Na passada quinta-feira, dia 24 de novembro, a Seleção Portuguesa de Futebol estreou-se no Mundial 2022 com uma vitória sobre a sua congénere ganesa por três bolas contra duas. 

 

Como já tinha dito antes, estive a trabalhar durante o jogo. Tenho de confessar, desta vez custou-me imenso. Já por defeito sinto que, quanto mais velha estou, mais sofro com jogos desta envergadura. Estas circunstâncias não ajudaram. 

 

Imaginem-se trabalhando ao balcão durante o jogo, durante este jogo, com o relato radiofónico ligado num computador do backoffice. Imaginem-se atendendo pessoas enquanto a vossa colega no backoffice vai dando atualizações como: 

 

– Penálti para nós!

– O Ronaldo marcou! 

– Eles empataram.

– O Félix marcou. 

– Então, ainda está 3-1?

– Não, está 3-2.

 

Vocês aguentavam?

 

06.png

 

Eu consegui funcionar à mesma, mas custou. Sentia as mãos e a voz a tremerem ligeiramente – espero que não tenha sido perceptível. Não acho que fosse sofrer menos se visse o jogo numa televisão, mas ao menos não precisaria de concentrar-me noutras coisas. E claro, mais tarde senti inveja de quem pôde ver o jogo. Sobretudo depois das milhentas reportagens nos noticiários, de adeptos seguindo a partida em vários pontos de Portugal e do mundo. 

 

Por outro lado, fui poupada ao "comentário" de Paulo Futre – que, segundo as internetes, irritou toda a gente. De facto, se era para estar ao microfone sendo um adepto comum, a TVI podia ter-me convidado – eu aceitava metade do que terão pago a Futre. 

 

Dizem que, tirando as lágrimas de Ronaldo aquando do hino, a primeira parte foi entendiante – Portugal controlando o jogo mas arriscando pouco – e a segunda parte foi o completo oposto. Demasiado agitada para um adversário do calibre do Gana, não desfazendo. Ronaldo marcou de penálti, quebrando mais uns quantos recordes. O Gana repôs a igualdade sete minutos depois. Rúben Dias não conseguiu travar Kudus, Danilo não conseguiu segurar a bola quando esta lhe passou pelos pés e André Ayew marcou. 

 

Cinco minutos depois, Bruno Fernandes assistiu de primeira para João Félix, que não perdoou. Félix finalmente a afirmar-se na Seleção, depois destes anos todos. Algumas pessoas continuam a criticá-lo e eu não percebo porquê. Ele marcou, não marcou? Ele esteve na jogada em que o Ronaldo sofreu falta para penálti, não esteve? Andará essa gente a usar as mesmas lentes de Simeone? 

 

Não esquecer Bruno Fernandes, provavelmente o melhor em campo. Ele que também assistiu para o terceiro golo, desta feita assinado por Rafael Leão. Como tem sido amplamente assinalado, o miúdo rematou com um sorriso. Eu recordei-me deste tweet, a propósito de um falhanço caricato no segundo amigável contra o Catar.

 

Finalmente saiu. Na altura certa. 

 

07.png

 

Com outra equipa que não nós, com isto ficaria feito o resultado. Talvez até se aumentasse para 4-1. Mas éramos nós, nunca seria assim tão fácil, sobretudo em palcos como este. Os ganeses reduziram para 3-2 aos oitenta e oito minutos. João Cancelo deixou Baba fazer o que quis e este assistiu para o remate certeiro de Bukari.

 

Está na altura de falarmos na já infame fífia de Diogo Costa. Não vi em direto, mas todos me garantem que ia provocando um ataque cardíaco coletivo. Pessoalmente, achei e ainda acho hilariante – só o vi depois de o jogo ter terminado, a vitória assegurada. A cara do Ronaldo aquando do lance correu mundo – as câmaras vão sempre para ele, em parte porque Ronaldo, em parte porque ele sente tudo, reflete tudo, é incapaz de disfarçar uma emoção. Ainda assim, acho ainda mais piada a este vídeo – o banco inteiro das Quinas, Fernando Santos incluído, levando as mãos à cabeça como se fosse uma coreografia. 

 

Mesmo assim, o Ronaldo foi o mais engraçado. Juro, ele parece quinze anos mais novo nestas imagens.

 

Aspetos caricatos à parte, não tenho alma para criticar demasiado Diogo Costa. Sobretudo porque não teve consequências – por sorte, Iñaki Williams tropeçou. O Diogo é um miúdo! Só se estreou a titular na Seleção este ano! Não foi o primeiro guarda-redes nem será o último a cometer erros destes. Há quem tenha feito asneiras mais graves com muito mais experiência. Por exemplo, Rui Patrício, que assistiu para o golo do empate de Israel em 2013. 



Aliás, culpo mais Rúben Dias e, sobretudo, João Cancelo e Danilo. Eles são bem mais experientes, jogam em grandes clubes, deviam ter feito mais para impedir os golos ganeses.

 

E uma coisa é certa: o Diogo não torna a fazer uma destas.

 

 

Devo dizer que adorei o momento em que o Diogo foi consolado pelos colegas. Esta é a versão do Ronaldo de que mais gosto. O Capitão reconhecendo que o miúdo podia interiorizar demasiado aquele erro e intervindo de imediato. Aparentemente Ronaldo já tinha pedido ao “Pepinho” para falar com o Diogo. Acho deliciosa a ideia de Pepe e Ronaldo emparceirando como papás do grupo. 

 

Eu sei que isto faz parte de qualquer equipa saudável. Ainda assim, adoro a Seleção por isto.

 

Quanto a este jogo, contente pela vitória, preocupada com estes erros defensivos. Faz-me lembrar o Mundial 2018: jogadores que estavam bem antes do campeonato, mas depois, quando foi a doer, não renderam o mesmo. Não sei se isto foram apenas deslizes ou se é algo sistemático. De qualquer forma, não vai dar para repetir. Erros destes custarão mais caro perante adversários mais difíceis que o Gana – o Uruguai, amanhã, será já um desses. Num Mundial não há segundas oportunidades – e eu quero que Portugal vá longe, se possível até à final. 

 

Apesar de não me esquecer do preço deste Mundial, estou a gostar de acompanhá-lo. Não tenho tido oportunidade de ver muitos jogos, mas é giro ir sabendo dos resultados, falando sobre os jogos com outras pessoas, vendo os resumos e as reportagens. Vou tentar aproveitar esta semana que tenho de férias para ver mais jogos – nem que seja apenas enquanto escrevo. 

 

Volto a deixar o link para doarem para a Amnistia Internacional, que está a ajudar os trabalhadores maltratados na construção deste Mundial. Como sempre, obrigada pela vossa visita. Continuem a acompanhar este Mundial comigo, quer aqui quer na página de Facebook.

 

316135795_574271764703792_3871644927240425511_n.jp

Em mínimos históricos

71qe0c.jpeg

À hora desta publicação, o Mundial 2022 já decorre. Eu costumo publicar o primeiro texto da era do campeonato bastante mais cedo. Desta vez não deu.

 

Já é um alívio ter conseguido fazê-lo antes da estreia de Portugal na prova. 

 

Quem acompanhe este blogue saberá que campeonatos de seleções são sempre ocasiões especiais para mim. Desde a Convocatória, são semanas de alegria, de antecipação, de esperança num bom desempenho. Mundiais, então, são para mim a festa suprema do futebol.

 

Desta vez, no entanto, o meu entusiasmo está em mínimos históricos. Tenho tido alturas em que quase desejei que o Mundial tivesse sido adiado, cancelado, como durante a pandemia, em que quase desejei que não nos tivéssemos Qualificado – mesmo tendo passado vários meses angustiada com os play-offs.

 

Passo a explicar porquê. Os primeiros motivos prendem-se com o estado atual da Seleção. Não tanto esta em si ou os seus jogadores, mais o Selecionador e o seu cadastro. Ainda há mês e meio, quase dois meses, tivemos uma desilusão na fase de grupos da Liga das Nações – a terceira passagem falhada por um ponto. Além disso, as nossas duas últimas participações em campeonatos desta envergadura – no Mundial 2018 e no Euro 2020 – não tendo sido horríveis, deixaram muito a desejar. 

 

01.jpg

 

Já me alonguei o suficiente sobre isso em textos anteriores. A versão condensada é que já tive mais fé em Fernando Santos. Receio que esta seja outra ocasião para ele desperdiçar o talento de que dispõe. 

 

Depois, temos Cristiano Ronaldo. Este já era uma das minhas preocupações, ainda antes de ter optado por violência e lançado a já infame entrevista com Piers Morgan. 

 

Muito se tem escrito sobre esta entrevista. Provavelmente continuar-se-á a escrever. Na minha opinião, tem havido uma gritante falta de nuance na conversa: Ronaldo ou tem cem por cento de razão ou está completamente errado. Poucos parecem admitir que ele poderá estar certo nalgumas coisas – os verdadeiros motivos pelos quais ele falhou a pré-época e a forma execrável como o United terá lidado com isso – e errado noutras – como assim ele “não admite” entrar em jogo por apenas três minutos? 

 

A propósito deste texto, no entanto, só me interessa a maneira como afeta a Seleção.

 

O primeiro efeito era o mais previsível: perguntas sobre o assunto em todo e qualquer contacto da Seleção com a Comunicação Social. Chegou-se a entrar em territórios de reality show. Toda a gente obcecada com uma pequena interação entre Ronaldo e Bruno Fernandes na primeira noite da Cidade do Futebol. Dúvidas sobre a gastroenterite que afastou Ronaldo do particular com a Nigéria. Ridículo.

 

O segundo efeito é a pressão adicional colocada sobre nós. Todos concordam, Ronaldo queimou irreversivelmente a sua relação com o Manchester United. E agora apostou a sua credibilidade, talvez mesmo a sua carreira, num bom desempenho neste Mundial.

 

315656020_5990456014327242_293424153404723572_n.jp

 

Isso pode não ser mau. Talvez a pressão extra seja boa para os outros Marmanjos. 

 

Por outro lado, isto deixa-me com um sabor desagradável na boca. Para começar, não me agrada a ideia de ganhar este Mundial “para” Cristiano Ronaldo. Já não gosto muito quando dizem que Portugal ganhou o Euro 2016 para ele. É certo que Ronaldo não pôde jogar a maior parte da final de Paris mas, mesmo assim. As pessoas acham que os outros jogadores não tinham, não têm eles próprios ambições?

 

Além disso, receio que Ronaldo pressione (ainda mais) Fernando Santos para deixá-lo jogar mais do que deve, mais do que é benéfico para a equipa, como já aconteceu nos últimos dois jogos. Pelos vistos, para Ronaldo isso é “respeito”. A negação dele ainda é mais profunda do que eu pensava. Que parte de “não fez pré-época” (mesmo que agora saibamos que foi por motivos legítimos) e “futebolisticamente já tem idade para ser avô” é que ele não percebe?

 

O que eu receio verdadeiramente é o que acontecerá se Ronaldo não fizer grande coisa no Mundial e se a Seleção desiludir outra vez. Irá Ronaldo também queimar-nos, como fez com o Manchester United? Culpando toda a gente menos ele próprio? Será assim que a história dele na Seleção terminará? Eu quero pensar que não – até porque Ronaldo tem sido o menino-bonito da FPF há muitos anos – mas não sei. 

 

Por estes dias quase desejo que Ronaldo já tivesse deixado a Seleção. Iria custar horrores, sim, não voltará a haver ninguém como ele. Mas temos talento suficiente com que nos entusiasmamos (mais sobre isso já a seguir). Ronaldo é tão grande, tanto no bom como no mau sentido, que produz a sua própria força gravítica, interfere com tudo em seu redor.

 

 

Espero que as minhas previsões mais pessimistas não se realizem. Espero que ele esteja a ser sincero quando diz que aceitaria ganhar o Mundial sem marcar um único golo. Ao mesmo tempo, apesar de temer o contrário, espero que Ronaldo se saia bem no Mundial, dentro do possível para esta fase da carreira dele. Talvez um golo ou outro, para contribuir para o seu recorde.

 

E mesmo que ele não se mostre em grande forma, conto com ele para fazer de Capitão, de mentor. Para ações semelhantes ao “Anda bater!” ou quando mandou Raphael Guerreiro de volta para o campo, nos últimos minutos da final de Paris.

 

Outra questão prende-se com o timing deste Mundial. É interessante, é uma novidade, mas não pelos melhores motivos. Está a ser uma época muito pesada – a maior parte dos jogadores têm tido dois jogos por semana todas as semanas. Só estamos a ter uma semana e meia para preparar o Mundial e somos dos mais afortunados nesse aspeto. 

 

De início pensei que fazer o Mundial nesta altura do ano teria a vantagem de os jogadores não virem com uma época inteira nas pernas, ao contrário do costume. No entanto, com tantos jogos que já decorreram até agora e tão pouco tempo para recuperar, as vantagens anulam-se.

 

Por fim, o pior fator desta lista é este Mundial em si, o seu anfitrião e tudo o que aconteceu para se chegar aqui. A menos que tenham estado completamente alheados de tudo, já saberão acerca dos milhares de trabalhadores tratados de forma desumana, mesmo mortos, da misoginia, homofobia e desrespeito em geral pelos direitos humanos. 

 

Como Bruno Fernandes disse no domingo passado, o Mundial é suposto ser alegria, ser festa, ser um escape, sobretudo com tudo o que tem acontecido nos últimos anos. Não devia decorrer sobre milhares de cadáveres, num país onde a maioria da humanidade não pode existir livremente. 

 

04.jpeg

 

Uma das coisas que mais me revolta nisto tudo é a atitude da FIFA. Não só não quiseram saber dos crimes do anfitrião deste Mundial como não toleram que alguém diga alguma coisa. Há semanas enviaram uma mensagem para as seleções participantes, essencialmente dizendo-lhes para enterrarem a cabeça na areia, calarem a boca e jogarem à bola. Foram ao ponto de proibir os ingleses de usarem uma braçadeira pró-LGBTQ+ e, pior ainda, os dinamarqueses de treinarem com camisolas estampadas com a mensagem “direitos humanos para todos”.

 

Direitos humanos! Eles censuraram uma mensagem pró-direitos humanos! Em que universo é que uma mensagem pró-direitos humanos é censurável?

 

Como se não bastasse, da mesma forma, os belgas também não puderam usar camisolas com a palavra "amor". Alguém devia experimentar pôr a tocar o Imagine do John Lennon, a ver se a FIFA e/ou os cataris também censuram. 

 

Espero que as pessoas ignorem estes pedidos da FIFA e, mesmo que não boicotem o Mundial, não fiquem caladas. Como este adepto equatoriano. Eu, aliás, estou desiludida com a FPF por não esticar a corda, da maneira como os ingleses, os dinamarqueses e outros têm feito. 

 

Por outro lado, não posso censurar quem opte por não dizer nada. Se as autoridades cataris chegaram a ameaçar jornalistas dinamarqueses no outro dia só porque pensavam que estes não tinham credenciais... E a FIFA está completamente no bolso destes tipos. Aliás, aparentemente um responsável da organização terá dito há uns anos, e cito, “menos democracia às vezes é melhor para organizar um Mundial” e, ainda este fim de semana, Gianni Infantino – e não tenho a certeza de que ele estava a brincar – disse que atribuiria um Mundial à Coreia do Norte.

 

11212022113441-8eu2xkjwvr-gettyimages-1426719151-s

 

Com isto tudo, tenho andado com medo que ocorra um incidente grave neste Mundial – já começou a acontecer. Coisas destas têm sido mais frequentes desde o regresso do futebol após a pandemia. Com todas as circunstâncias à volta deste Mundial, infelizmente acho que é quase inevitável.

 

Espero muito estar enganada.

 

Assim, mesmo tirando os problemas da Turma das Quinas da equação, não vou conseguir desfrutar deste Mundial da mesma forma. Uma parte de mim deseja que não ganhemos o Mundial desta vez, só para não termos esta mancha em algo que seria o nosso maior feito. 

 

O que é uma pena pois estou de férias na semana dos nossos jogos com o Uruguai e a Coreia do Sul. Era algo que queria fazer há anos e nunca conseguira: tirar uns dias durante um campeonato de seleções, para ter tempo para escrever aqui no blogue e ver jogos à vontade – de Portugal e não só. Finalmente consigo e calhou ser este Mundial. Nem sequer vão haver fanzones.

 

Ao menos terei cafés e esplanadas. 

 

Termino esta parte do texto deixando este link, onde poderão fazer donativos à Amnistia Internacional, para ajudar os trabalhadores maltratados a propósito deste Mundial. Eu já fiz um donativo, talvez faça mais, se me for possível. Se tiverem possibilidades para isso, façam o mesmo. 

 

04.jpg

 

Regressando à nossa Seleção, devo dizer que o nosso grupo, os nossos Marmanjos – tirando Cristiano Ronaldo e mesmo assim – contrariam os meus sentimentos negativos. Não tenho muito a dizer sobre os Convocados – como disse António Tadeia umas quantas vezes, quase toda a gente iria escolher os mesmos, só mudaria um ou outro nome. Estou um bocadinho triste por Renato Sanches e, sobretudo, João Moutinho terem ficado de fora – este último não terá mais nenhum Mundial. 

 

Também não tenho muito a dizer sobre o particular com a Nigéria, no Estádio de Alvalade. Tínhamos pensado ir, mas não deu. Um dos motivos foi o horário: o jogo começou às 18h45. Parecendo que não, fez-nos diferença. Não teria havido problema se o jogo tivesse começado às 19h45 da praxe.

 

Mesmo não tendo ido ao estádio, no dia do jogo só saí às 19h30 – ou seja, perdi a primeira parte, tirando ocasionais espreitadelas a sites de atualizações. Dizem que a primeira parte foi boa. Dois golos de Bruno Fernandes, um de penálti – e ainda terá desperdiçado um, em cima do intervalo. 

 

No primeiro, João Félix fez de Rúben Neves, com um excelente passe à distância para a assistência de Diogo Dalot. Félix também estaria nos golos da segunda parte. Parece que o miúdo não tem tido vida fácil no Atlético de Madrid mas, conforme comentei algumas vezes na página, não percebo porquê. Félix está claramente num bom momento. Porque andam a implicar com ele? 

 

O miúdo tem é de se mudar para um clube que o trate melhor. 

 

Na segunda parte já estava à frente de uma televisão mas, como é costume nestes jogos, o ímpeto não foi o mesmo. Não deixaram de jogar bem, ainda assim. 

 

 

O melhor período foi o que foi desde o penálti defendido por Rui Patrício até ao quarto golo. Como se não bastasse o primeiro, o guarda-redes já fizera uma bela defesa antes, mesmo ao seu estilo. Por estes dias ninguém se cala com Diogo Costa, eu incluída, mas Rui Patrício continua a ser Rui Patrício, ainda tem uma palavra a dizer. Somos abençoados por ter os dois. Se eu estivesse no lugar de Fernando Santos, ia alternando entre ambos – até por uma questão de gestão física.

 

E depois os dois golos, ambos jogadas coletivas, ambos com João Félix a assistir para a assistência, ambos momentos deliciosos. Sobretudo o segundo, com o grande passe de João Palhinha (foi ele, não foi?) para Félix e, depois, a assistência de Gonçalo Ramos de calcanhar. 

 

Já viram o que estes meninos conseguem fazer? Já viram o que acontece quando as coisas se encaixam? É isto que me frustra. Temos todo este talento, mas, quando é a sério, isso não se traduz em bons desempenhos. Esta vitória perante a Nigéria entusiasmou uns quantos, os jogadores têm falado em ganhar o Mundial. Não vou mentir, conseguiram contagiar-me um pouco. Mas também… não estávamos numa situação parecida antes do Euro 2020? E como é que isso correu? 

 

Mesmo tendo isto em conta e tudo o que foi discutido neste texto… no fim, continuo a ser eu. O meu default será sempre apoiar, acreditar. Como escrevi no mês passado, virar as costas não me traria felicidade nenhuma. Mesmo com todas as minhas reservas, enquanto for possível, acreditarei. 

 

Passando a aspetos mais práticos, acho que conseguimos pelo menos passar a fase de grupos. Seria melhor passarmos em primeiro, a ver se evitamos o Brasil nos oitavos de final. Não digo que seria impossível vencê-los, mas… dizendo-o de uma forma simpática, apanharia toda a gente de surpresa. 

 

05.jpeg

 

A nossa estreia perante o Gana será esta quinta-feira. Será o nosso único jogo da fase de grupos em que estarei a trabalhar, mas isso não será completamente mau. Quero ter a experiência de um jogo de campeonato de seleções no meu emprego atual – que sempre atrai mais interesse que jogos de qualificações e afins. 

 

Antes de terminarmos, uma nota rápida para dois temas de apoio à Seleção lançados recentemente. Um deles é a nova versão do Vamos Lá Cambada, o hino oficializado pela Federação – a FPF finalmente acertou. Pena ainda não estar no Spotify mas, com tudo isto, estou a tomar o gosto à versão original (talvez goste ainda mais desta).

 

Por outro lado, adoro Portugals dos Jesus Quisto, do Pôr do Sol. É uma paródia, mas gosto genuinamente do instrumental – rock misturado com ranchos folclóricos. 

 

Os dois temas são parecidos, nesse aspeto: humorísticos mas muito portugueses. E ainda bem. Isto é futebol. Não precisa de ser levado demasiado a sério. 

 

Acompanhem comigo a participação portuguesa neste Mundial, quer através deste blogue, quer através da página. E termino com uma citação de José Estebes: “Deixem-se de tretas, força nas canetas, que o maior é Portugal!”

 


(A parte do “força nas canetas” é para mim, não é? Afinal de contas, eu escrevo os rascunhos deste blogue à mão…)

*suspiro de alívio*

02.png

Na passada terça-feira, dia 29 de março, a Seleção Portuguesa de Futebol venceu a sua congénere macedónia por duas bolas sem resposta, em jogo a contar para os play-offs de acesso ao Mundial 2022. Com este resultado, a Seleção garantiu presença no Catar, onde disputará a fase de grupos do Mundial com o Gana, o Uruguai e a Coreia do Sul. 

 

Quatro meses e meio depois, volto a respirar normalmente.

 

No texto de hoje não vou falar muito sobre o jogo em si – não se justifica. Chegou a ser um bocadinho seca nalgumas alturas. Menos empolgante que o jogo com a Turquia, mas mais tranquilo, com menos sofrimento – também sabe bem. Como quase toda a gente, queria o fulgor atacante da primeira parte do jogo com a Turquia. 

 

Por outro lado, também me recordava que os italianos, nas meias-finais, tinham rematado mais de trinta vezes, sem conseguir marcar. De nada servia estarmos ali a atacar ao desbarato, se não fôssemos capazes de converter. 

 

Ao mesmo tempo, Portugal defendeu melhor. Pepe, regressado após ter apanhado Covid, foi fantástico. Por seu lado, Danilo surpreendeu pela positiva como central. Tão cedo não torno a criticá-lo.

 

 

O primeiro golo foi marcado mais ou menos à meia hora de jogo. Bruno Fernandes intercetou um passe de Ristovski, passou a Cristiano Ronaldo. Este galgou em direção à grande área e, à entrada, devolveu a Bruno Fernandes (fazendo uma cueca a Musliu) e este assinou o primeiro golo. 

 

Muitos se calhar esperavam que Ronaldo tentasse marcar ele mesmo – provavelmente falharia, estavam dois macedónios em cima dele. Mas Ronaldo foi inteligente e altruísta. Ted Lasso ficaria orgulhoso (vi ambas as temporadas há pouco tempo e ando um tudo nada obcecada). 

 

O segundo golo veio na segunda parte. Desta vez foi Diogo Jota a assistir de uma grande distância – impressionante. Bruno Fernando finalizou com apenas um toque.

 

Pois bem, ainda não foi desta que a minha irmãzinha conheceu o sabor amargo de uma Qualificação falhada. Nem eu, na verdade: já era nascida aquando do Apuramento para o Mundial 98, mas aos sete anos ainda não ligava ao futebol. 

 

Mas lembro-me vagamente da final desse Mundial, entre a França de Zidane e o Brasil de Ronaldo o Fenómeno).

 

03.png

 

Apesar das minhas objeções a Fernando Santos, ia ser muito triste se este deixasse a Seleção desta forma: falhando um Apuramento pela primeira vez em mais de vinte e quatro anos, ele que nos conquistou os nossos dois primeiros títulos. 

 

As coisas ainda não estão ótimas, mas gostei de ver a Seleção nestes play-offs. Houveram melhorias em relação ao final de 2021: mais união, mais espírito de equipa, em comunhão com o ambiente fantástico no Estádio do Dragão. 

 

Não vou mentir, continuo zangada por não termos conseguido o Apuramento perante a Sérvia – eu estava lá e não teria de passar os meses seguintes a sofrer com a incerteza. Mas, de uma maneira retorcida, talvez tenha sido esse falhanço a unir os Marmanjos em torno deste desafio. Por um lado é inspirador, por outro não devia ser necessário.

 

Mesmo não tendo marcado, gostei de ver Ronaldo nesta jornada. Sobretudo quando veio a público elogiar Pepe, João Cancelo, dizendo que a Seleção é uma família, pedindo o hino à capela. À Capitão.

 

Só falta ele fazer o mesmo quando há derrotas.

 

Agora que estamos Apurados, posso finalmente comentar o estranho calendário de seleções este ano. Para alguém que segue o futebol de seleções há muitos anos, estas mudanças são excitantes. Um Mundial no início do inverno em vez de no início do verão! Um Mundial perto do Natal! Espero que a Federação lance uma linha de enfeites natalícios alusivos à Seleção e ao Mundial. Não deverá ser difícil. O verde e o vermelho – e o dourado – também são cores natalícias.

 

 

Mas é possível que nem todos achem assim tanta piada. Não sei como é que as alterações no calendário irão afetar a gestão física dos jogadores. Para a qualidade futebolística no Mundial será melhor: os jogadores virão apenas com meia época nas pernas em vez de uma inteira, como costuma acontecer. Mas parece que só terão cerca de uma semana para preparar o Mundial – não acho suficiente, nem de longe nem de perto.

 

Além disso, terão os jogadores tempo de férias depois do Mundial? Eu espero que sim, mas infelizmente tenho as minhas dúvidas.

 

Por outro lado, tenho precisado de recordar a mim mesma que este ano não haverá Europeu nem Mundial em junho – o meu subconsciente ainda não está muito convencido. Ao menos teremos quatro jogos da fase de grupos da Liga das Nações. Hei de tentar ir a um deles.

 

Entretanto, já se realizou o sorteio da fase de grupos do Mundial. Portugal ficou no grupo H, juntamente com o Gana, o Uruguai e a Coreia do Sul. Um grupo interessante.

 

Vou começar pelo fim. Já tinha pensado na possibilidade de nos cruzarmos com a Coreia do Sul – orientada por Paulo Bento deste 2018, o nosso Selecionador entre 2010 e 2014, antes de Fernando Santos. Cheguei a publicá-lo na página do Facebook. Assim, quando os coreanos vieram parar ao nosso grupo, eu ri-me.

 

Eu diria que só não acerto no Euromilhões mas, para ser justa, há umas semanas ganhei quase nove euros, por isso…

 

img_920x519$2022_04_01_20_24_18_1979374.png

 

Ao contrário do que acontece com o seu antecedente (que por acaso falhou o Apuramento para este Mundial), não guardo ressentimentos de Paulo Bento. Ele deu o seu melhor e estar-lhe-ei sempre grata – por feitos como a recuperação no Apuramento para o Euro 2012, depois daquele início desastroso, e o próprio Euro 2012 – não acredito que já lá vão quase dez anos.

 

E ainda acredito menos no que está a acontecer a um dos seus anfitriões neste momento.

 

No que toca à Coreia do Sul em si, o nosso histórico com eles reduz-se ao infame jogo do Mundial 2002 – há quase vinte anos. Uma derrota por 1-0 que ditou a nossa expulsão do Mundial e que, pior de tudo, incluiu João Pinto dando um murro ao árbitro. Vinte anos depois ainda sinto vergonha. Sem dúvida um dos momentos mais baixos da Seleção Portuguesa.

 

O Mundial 2002 foi o primeiro campeonato de Seleções que acompanhei ativamente, ainda que não com a paixão de anos mais tarde. Eu estava no sétimo ano. Se a memória não me falha, este jogo decorreu cerca da uma da tarde. Penso que terei visto a primeira parte em casa? Não me lembro bem. Mas lembro-me que às duas da tarde, durante a segunda parte, já estava nas aulas. Alguns colegas meus ficaram no bar da escola a ver o jogo. A certa altura, um deles entrou na sala, dizendo:

 

– O Beto também foi expulso.

 

Pouco depois, outro colega meu entrou na sala, dizendo:

 

– A Coreia do Sul marcou.

 

 

A Seleção Portuguesa passou por muito desde então. Eu que o diga. Mas provavelmente, quando os sul-coreanos pensam em nós, recordam-se deste jogo. O que é triste.

 

Cabe a nós deixarmos uma impressão bem melhor.

 

Diz que Paulo Bento é o Selecionador mais bem sucedido na Coreia do Sul, com o maior número de vitórias num só “mandato”. Por um lado fico satisfeita por as coisas lhe estarem a correr bem. Por outro, se a Coreia do Sul está a atravessar uma boa fase com um técnico que nos conhece bem… não é bom sinal para nós.

 

O nosso segundo jogo será perante o Uruguai. Um aspeto curioso é o facto de o Uruguai ter servido de carrasco a todos os seus companheiros de grupo em Mundiais anteriores. Expulsaram-nos do Mundial 2018, como se devem recordar. No Mundial 2010, derrotaram a Coreia do Sul nos oitavos-de-final. Depois desse jogo, encontraram o Gana nos quartos-de-final e… foi caricato.

 

Estou surpreendida por só estar a descobrir esta história agora. O infame Luis Suárez defendeu um golo com a mão, em cima da linha de baliza. O árbitro – o português Olegário Benquerença (que é feito dele?) – naturalmente, expulsou-o e marcou penálti a favor do Gana. Os ganeses, infelizmente, não conseguiram converter – o safadinho do Suárez chegou a ser filmado a festejar o falhanço antes de entrar no túnel. No fim, o Uruguai seguiu em frente após desempate nos penáltis.

 

É uma das histórias de futebol mais loucas que conheço – e uma zona cinzenta futebolística. Tecnicamente Suárez foi castigado pela gracinha – não é culpa dele que o Gana não tenha aproveitado o penálti de compensação. Na prática, o lance decidiu a partida, pelo menos em parte, e a recompensa foi maior que o castigo.

 

 

Vai ser engraçado quando uruguaios e ganeses se encontrarem de novo.

 

Eu diria que o Uruguai será o nosso adversário mais difícil, sobretudo pelos seus nomes sonantes. Alguns bem conhecidos dos adeptos portugueses: Coates e Ugarte, que representam o Sporting; Darwin, que representa o Benfica; Cavani, protagonista de uma novela qualquer no verão de 2020. E, claro, Suárez – colega de João Félix no Atlético de Madrid. Uma vez mais, o nosso historial é reduzido e pouco esclarecedor: uma vitória, um empate e uma derrota.

 

Finalmente, temos o Gana. O nosso histórico resume-se à nossa única vitória no Mundial 2014. Depois disso, os ganeses falharam o Mundial 2018 e, agora, Apuraram-se via play-offs frente à Nigéria. Foi na segunda mão que ocorreu o triste episódio da invasão de campo. Dizem que, de todas as seleções africanas neste Mundial, o Gana é a pior em termos de ranking da FIFA. O que vale o que vale. 

 

Em suma, é um grupo relativamente equilibrado. Já estivemos em grupos piores. Um dos aspetos que me preocupa é o nosso histórico reduzidíssimo com todas estas equipas – algo que dificilmente aconteceria com outras seleções europeias. Serão adversários que conhecemos mal, o que torna tudo mais imprevisível.

 

É engraçada a maneira como cada um destes adversários representa um momento infeliz do nosso passado. O Gana recorda-nos o desastroso Mundial 2014. A Coreia do Sul é treinada pelo ex-Selecionador que nos orientou nesse Mundial e recorda-nos, também, o igualmente desastroso Mundial 2002. O Uruguai recorda-nos o, não desastroso mas desapontante, Mundial 2018.

 

Os fantasmas de Mundiais passados. 

 

277441059_382620700536210_8157730962050924608_n.jp

 

Talvez esta seja uma oportunidade para corrigirmos esses erros. Tal como os play-offs já serviram para corrigir o fraco desempenho no Apuramento no ano passado. Talvez 2022 seja o ano da redenção.

 

É claro que isto sou eu sendo idealista e romantizando a coisa. Na prática esperam-nos muitas dificuldades. Já há quem fale em vencermos o Mundial. Não surpreende – é típico do portuga ir do oito ao oitenta do dia para a noite. Tal como aconteceu em 2018, eu acho que é preciso ter calma. O desempenho nos play-offs não apaga o que aconteceu no grupo de Apuramento e no Euro 2020. Além de que historicamente os Mundiais correm-nos pior que os Europeus.

 

Por outro lado, o Mundial só decorrerá no final deste ano. Ainda há de passar muita água até essa altura – incluindo a fase de grupos da terceira Liga das Nações. O Pepe, por exemplo, ainda nem sequer sabe se conseguirá jogar no Mundial – um bocadinho triste, mas ele faz bem em ser realista. Tendo tudo isto em conta, reservo os meus prognósticos para essa altura. 

 

É engraçado mas, agora que as coisas correram bem nos play-offs, já estou com saudades da Seleção, ainda que a jornada só tenha terminado há uma semana. Regressei ao meu modo normal. Felizmente só teremos de esperar pouco menos de dois meses até a Equipa de Todos Nós se reunir de novo. Há de passar num instante.

 

Podem ajudar-me a suportar a espera na página de Facebook deste blogue. Por outro lado, criei há pouco tempo uma conta no Ko-fi – podem pagar-me um café lá, se vos apetecer. Como sempre, obrigada pela vossa visita. Até à próxima!