Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Os pensamentos de uma simples adepta da Seleção Nacional, que não percebe assim tanto de futebol mas que é completamente maluca pela Equipa de Todos Nós.

Portugal 4 Letónia 1 - Dois minutos de susto

fonte, quaresma e ronaldo.jpg

No passado domingo, dia 13 de novembro, a Seleção Portuguesa de Futebol venceu a sua congénere letã por quatro bolas a uma, no Estádio do Algarve, em jogo a contar para a Qualificação para o Campeonato do Mundo da Modalidade.

 

Olhando apenas para o resultado, ninguém diria que a Seleção Nacional se viu à rasca para ganhar à Letónia, em certos momentos. Ao contrário do que aconteceu nos dois jogos anteriores, Portugal não conseguiu marcar cedo e, como é frequentemente perante seleções como a letã, a coisa complicou-se. A primeira parte da Seleção foi sofrível, pastosa, fazendo lembrar vários jogos da Qualificação para o Euro 2016. A Letónia estacionara o autocarro frente à baliza e, ao contrário do que tinha acontecido com o português, este não tinha furos. O penálti, aldrabado por Nani, veio em boa hora - de outra maneira não íamos lá. Cristiano Ronaldo não desperdiçou. Mesmo assim, a vantagem no marcador não deu grande tranquilidade.

 

No início da segunda parte, pouca coisa mudou. A Seleção conseguiu cravar mais um penálti a seu favor, desta feita legítimo. Quando Ronaldo foi batê-lo, por acaso recordei-me de um jogo do Real Madrid, há tempos, em que ele tinha marcado um penálti e falhado outro. E, de facto, a história repetiu-se: a bola bateu primeiro no poste, depois no guarda-redes letão, e saiu para fora.

 

mw-1600.jfif

 

Como qualquer adepto de futebol sabe, nestas situações, quem não marca, sofre. Numa altura em que Fernando Santos já tinha feito entrar Ricardo Quaresma, os defesas portugueses desentenderam-se e deixaram que Zjuzins rematasse para golo, conseguindo a igualdade.

 

O susto, felizmente, só durou um minuto ou dois. Logo de seguida, Quaresma assiste para a cabeça de William Carvalho, que remata para o seu primeiro golo com a Camisola das Quinas.

 

Só agora, no fim do jogo, é que os portugas acordavam para a vida - sobretudo depois da entrada de Gelson Martins. O Gelson é como a minha cadela, Jane: quando a solto para brincar com outros cães, ela dá-lhes energia, mete-os todos a correr. O Gelson faz o mesmo com os colegas de equipa, quando entra em campo.

 

Ainda houve tempo para Ronaldo se redimir do penálti falhado com um golo acrobático, após assistência, mais uma vez, de Quaresma. Mais tarde, seria Bruno Alves a marcar. É bem possível que a vantagem se dilatasse ainda mais se o jogo fosse mais comprido - de notar, aliás, que o árbitro escolheu terminar o encontro a meio de uma jogada de ataque de Quaresma. Não foi uma noite brilhante em termos de arbitragem.

 

ronaldo e bruno alves.jpg

 

Em defesa dos jogadores, eles bem tinham passado a semana anterior a avisar que não ia ser fácil. Ao menos foram homenzinhos e, quando foi preciso, reagiram bem - algo que, conforme assinalaram aqui, é uma tradição do reinado de Fernando Santos. Por falar disso, este jogo lembrou-me vários outros, no Apuramento para o Euro 2016: exibições pouco entusiasmantes, Quaresma entra e ajuda a resolver com assistências. Isso não é uma crítica - conseguimos a nossa melhor Qualificação jogando assim. A diferença e que, agora, temos mais talento em campo, não nos limitamos a vitórias pela margem mínima - o que será importante para as contas do Apuramento.

 

Não houve brilhantismo mas o dever ficou comprido. Encerramos 2016 com uma vitória, tal como desejávamos.

 

Como já vai sendo hábito, esperam-nos, agora, mais de quatro meses sem jogos da Seleção. É muito tempo, muita coisa pode mudar até lá - no ano passado, por exemplo, foi tempo suficiente para promessas, como Gonçalo Guedes e Rúben Neves, perderem fulgor e para Renato Sanches surgir do nada  como o novo menino-bonito do futebol português.

 

abraços no algarve.jpg

 

Este ano, porém, não me queixo muito - dá-me jeito uma pausa pois tenho sentido algum desgaste com este blogue. Por exemplo, demorei mais tempo do que o costume a escrever e publicar as duas crónicas anteriores a esta (fiz um esforço com este texto para não o arrastar demasiado). Não sei se é por andar com menos tempo para escrever, por estes jogos não serem assim tão interessantes, por o Euro 2016 ter esgotado toda a energia que costumo dedicar a este blogue. Em breve terei de começar a trabalhar na habitual revisão do ano (vai saber bem recapitular 2016) mas, depois disso, será bom não ter de escrever para este blogue durante uns tempos. É provável, no entanto, que daqui a uns dois ou três meses já ande doida com saudades da Seleção. Ao menos assim, quando estivermos em vésperas dos próximos jogos, saberei que recuperei a minha energia e estarei entusiasmada por votar escrever sobre a Equipa de Todos Nós.

 

Em todo o caso, a página do Facebook continuará no ativo durante estes meses, sempre atenta a tudo o que se relacione com a Seleção Nacional e com os seus jogadores. Não deixem de a visitar, se ainda não o fizeram.

 

Polónia 1 Portugal 1 (4-5 após penáltis) - A melhor oportunidade

abraços pós-penáltis.JPG

Na passada quinta-feira, dia 30 de junho, a Seleção Portuguesa de Futebol empatou a uma bola com a sua congénere polaca, em jogo a contar para os quartos-de-final do Euro 2016. O desempate através da marcação de grandes penalidades, após cento e vinte minutos de jogo, foi favorável à Seleção Nacional. A Equipa das Quinas segue, assim, para as suas quintas meias-finais em campeonatos Europeus. Vale a pena recordar que, nas últimas cinco edições, só em 2008 Portugal falhou o top 4 das seleções europeias.

 

Este foi um jogo que até nem começou bem para as cores portuguesas, com um golo aos dois minutos de Robert Lewandowski, depois de Cédric ter feito mal as contas e deixado Grosicki apanhar a bola e assistir para o golo. Na altura eu disse mesmo algo como "Pronto, já marcou", antes de praguejar, mas sabia perfeitamente que havia tempo de sobra para dar a volta ao texto. 

 

No entanto, os sinais que Portugal foi dando nos trinta minutos que se seguiram não foram animadores. Os portugueses estavam lentos e desorganizados. Os polacos iam detendo a maioria da posse de bola e os seus contra-ataques davam calafrios. Só à meia hora de jogo, mais coisa menos coisa, é que fizemos os primeiros remates. Foi nessa altura que nos negaram um penálti sobre Cristiano Ronaldo - já vamos em dois ou três neste Europeu mas também, como já falhámos um, não é assim tão linear que isso tenha afetado os nossos resultados.

 

Felizmente, o golo não tardaria, vindo dos pés do menino da Musgueira, pela primeira vez titular pela Seleção, Renato Sanches. Ele e Nani fizeram uma troca de bola deliciosa e, de seguida, Renato disparou para a baliza polaca, sem dó nem piedade.

 

bomba de renato.jpg

  

Estão a ver aquelas pessoas irritantes de há uns meses, que endeusavam o Renato até ao enjoo? Que diziam que o Renato seria a próxima superestrela da Equipa de Todos Nós, que já falavam da Seleção como Renato-mais-dez, que Crisitiano Ronaldo andaria com ciúmes dele e tudo? Bem, não estavam completamente errados (tirando a parte dos ciúmes, que o Ronaldo não é assim tão mesquinho) e fico felicíssima por isso. Neste Europeu, o Renato conta um golo e, não exatamente uma assistência, mas um papel importante na marcação de um golo. Foi eleito por duas vezes Homem do Jogo (ainda que Pepe tivesse sido mais merecedor em ambas as ocasiões) e colocou o Mundo inteiro a falar sobre ele. A última vez que aconteceu algo parecido na Equipa das Quinas num Euro, foi em 2004 com… Cristiano Ronaldo. Se forem ler entradas de há uns meses neste blogue, verão que eu achei que este hype montado em volta do Renato era exagerado. Agora já não acho que tenha sido assim tão exagerado. Ele ainda está algo imaturo, comete demasiados erros comprometedores, decaiu muito na segunda parte, mas não é nada que não seja expectável na idade dele. O potencial está todo lá. Resta-nos esperar que o Renato trabalhe, siga as instruções dos seus treinadores, tenha juízo e um bocadinho de sorte. Se isso acontecer, Renato continuará a ter o Mundo inteiro a falar sobre ele.

 

Uma palavra também para Nani. Ele não tem propriamente deslumbrado neste Europeu, mas já conta dois golos e pelo menos duas assistências neste campeonato. Já igualou Luís Figo e Cristiano Ronaldo em assistências em Europeus. Mesmo não estando no seu melhor momento, o Nani é daqueles que dá sempre tudo de si em campo, pela Camisola das Quinas. Pena tão poucas pessoas repararem nisso.

 

Portugal jogou melhor na segunda parte, mas esta foi pobre em acontecimentos. Adrien e William viram o amarelo (o último vai falhar o próximo jogo), pelo que acabaram por ser substituídos por João Moutinho e Danilo, respetivamente. Aos oitenta e seis minutos, Cristiano Ronaldo desperdiçou um isolamento perfeito de Moutinho, que poderia ter resolvido logo o jogo. O prolongamento veio - outra vez. Portugal continuava a jogar melhor, mas nenhuma das equipas quis arriscar demasiado, preferindo relegar a decisão para os penáltis.

 

fonte olha para cima.jpeg

 

Muitos dizem que o desempate por grandes penalidades é uma lotaria, mas eu não concordo. Conforme já tinha escrito aquando dos nossos últimos penáltis, na minha opinião, estes são quarenta por cento perícia, trinta por cento estado psicológico e emocional, trinta por cento sorte. Foi na perícia e no psicológico/emocional que Portugal esteve bem. Ao contrário do que fizemos com a Espanha, em 2012, abordámos bem os penáltis. O Ronaldo deixou-se de manias e ofereceu-se para bater o primeiro, em jeito de exemplo para o resto da equipa. Destaque, aliás, para o facto de ter convencido Moutinho a bater um deles - ele, que se tinha escondido, alegando uma dor na perna ou algo do género, embora eu suspeite que tivesse o penálti falhado em 2012 na memória.

 

Isto é que é ser Capitão. Atitudes como esta são tão valiosas como um golo ou uma assistência, se não forem mais. Daí que não esteja preocupada por aí além com o seu alegado rendimento inferior: Ronaldo tem ajudado de outras maneiras.

 

Eu estava super nervosa aquando dos penáltis, agarrada aos velhos boné e cachecol, mas os Marmanjos que os bateram não estavam: desde o Capitão Ronaldo ao miúdo Renato, todos executaram os penáltis com mestria - uma mestria que, por acaso, os alemães e os italianos não foram capazes de imitar, dois dias mais tarde, apesar de muitos os considerarem duas das melhores seleções do Mundo. Até os polacos foram mais competentes do que eles. É aqui que entra Rui Patrício, que conseguiu defender o penálti de Blaszczykowski, o último dos polacos. Ricardo Quaresma, de seguida, não desperdiçou a vantagem.

 

eduardo agarra quaresma.jpeg

 

- 'Tamos nas meias! 'Tamos nas meias! - repetia eu, entre os festejos, ainda sem acreditar. Mesmo agora, dias depois, uma parte de mim ainda não encaixou que esta Seleção está entre as quatro melhores da Europa. Passaram-se quatro anos desde o Euro 2012. Aconteceu muita coisa nestes anos, a Seleção desiludiu várias vezes, houveram ocasiões - sobretudo depois do Mundial 2014 - em que cheguei a pensar que Portugal não voltaria a chegar tão longe tão cedo, que não voltaria a estar entre as grandes seleções. Mas a verdade é que, mesmo não jogando ao nível a que jogámos em 2004, 2006 ou mesmo 2012, estamos a conseguir os mesmos feitos. Segundo os meus critérios, este está a ser um Europeu bem sucedido. Como tal, as ambições de Fernando Santos não são assim tão descabidas: nas meias-finais todos são candidatos ao título.

 

Numa coisa vou ser sincera, no entanto.  Não é bem a mesma coisa chegar às meias-finais ”só com empates”, enfrentando equipas como a Islândia, a Croácia, a Polónia, quando, nas vezes anteriores, conseguimos o mesmo com vitórias épicas, perante seleções como a Alemanha, a Espanha, a Inglaterra, a Holanda - sobre algumas das quais escrevi aqui. É claro que isto são as minhas próprias ideias pré-concebidas pois, se formos a ver, das equipas que referi, apenas a Alemanha continua em prova. A Inglaterra e a Espanha caíram nos oitavos-de-final, a Holanda nem sequer veio ao Europeu. Por sua vez, a Polónia empatou com a Alemanha na fase de grupos, a Croácia venceu a Espanha na mesma fase e a Islândia conquistou os corações de toda a gente ao eliminar a Inglaterra.

 

ronaldo e quaresma.jpeg

 

E já que falamos de equipas surpreendentes neste Europeu, falemos do nosso próximo adversário, o País de Gales, que derrotou a Bélgica nos seus quartos-de-final por 3-1. Muitos consideram que esta equipa está ao nosso alcance, mas eu não me atrevo a subestimá-los. Para começar, tal como afirmei acima, qualquer equipa que chegue às meias-finais é candidata ao título. A Gales nunca chegou tão longe num campeonato de seleções, não tem nada a perder. A pressão está toda do nosso lado.

 

Eu sinto-me ansiosa em relação ao jogo mas é a mesma ansiedade de qualquer mata-mata. Por outro lado, no outro dia, atingiu-me pela primeira vez a ideia de que, doze anos após o Euro 2004, podemos voltar à final de um Europeu e… senti-me a hiperventilar. Ainda me sinto um bocadinho, enquanto escrevo isto. Antes de isto tudo começar, já tinha escrito que demorara imenso tempo a habituar-me à ideia de assumir a candidatura só Europeu. Nesta altura do campeonato, em que temos a nossa melhor oportunidade de voltar a uma final em vários anos, estou a descobrir que ainda não estou preparada para isso. Estou mais preparada que noutras alturas (já tenho algumas ideias muito vagas para uma eventual, muito hipotética, entrada de campeões europeus), mas não me atrevo a pensar abertamente pós meias-finais.

 

IMG_20160630_221421.jpg

 

E estas realizam-se quarta-feira. Continuo a acreditar nestes Marmanjos - se não tanto na sua qualidade, mais no seu espírito de equipa, na sua união, atributos que, por si só, não conquistam títulos, mas que são indispensáveis. É isto que interessa, tudo o resto são neuroses minhas. Que esse espírito nos ajude a passar as meias-finais e a marcarmos presença em Paris.

Croácia 0 Portugal 1 - O início

FB_IMG_1466933423188.jpg

No passado sábado, dia 25 de junho, a Seleção Portuguesa de Futebol venceu, pela margem mínima, a sua congénere croata nos oitavos-de-final do Campeonato Europeu da modalidade. O autor do único tento da partida foi Ricardo Quaresma.

 

Todos concordam: tirando os últimos minutos do prolongamento, o jogo foi uma seca. A primeira parte, então, foi quase um aquecimento, foi um filler, não aconteceu pratiamente nada. Sou capaz de jurar que, nos primeiros dois ou três minutos de jogo, Portugal não tocou na bola durante mais do que um ou dois segundos, enquanto os croatas se limitavam a passar a bola uns aos outros. Ambas as equipas estiveram muito comedidas, respeitando excessivamente o adversário, sem coragem para arriscar. Por um lado, isto foi bom para os nossos corações, depois da agitação que foi o jogo com a Hungria. Por outro, até eu fiquei com sono - o que, para mim, num jogo da Seleção, numa fase final, num mata-mata ainda para mais, é raro, se não for inédito. 

 

O jogo ficou um bocadinho mais interessante quando Renato Sanches entrou, aos cinco minutos da segunda parte, mas não muito. Consta que este foi o primeiro encontro em Europeus e Mundiais em cinquenta anos em que não houve um único remate à baliza. Da nossa parte, talvez isso se devesse ao nosso engonhanço, mas, da parte dos croatas, isso muito se terá devido a um "imperial" Pepe, que nos livrou de tantas, a jogadores como Adrien, que conseguiu anular Modric e, vá lá, a uma dose decente de sorte. Pelo meio ainda nos roubaram um penálti sobre Nani e Renato fez isto. Eu só pensava que, a certa altura, alguém teria de assumir o jogo, de tentar ganhá-lo e aquilo poderia ir para qualquer um dos lados.

 

modric aos pés de adrien.JPG

 

Eventualmente acabou por chegar o prolongamento. Pelo menos no Twitter, já começávamos a fazer contas para os penáltis. Daí que não tenhamos percebido a troca de Adrien por Danilo. Das duas uma, ou Fernando Santos não tinha olhado para o historial de Adrien em penáltis, ou estava... bem chei'd'a fé de que a coisa resolver-se-ia antes dos cento e vinte. 

 

Se era a segunda hipótese, acertou em cheio pois, aos 117 minutos, tudo mudou. Rui Patrício defendeu uma iniciativa croata a meias com o poste. No contra-ataque, Ronaldo passa a Renato, que faz uma das suas arrancadas - nesse momento, eu e, provavelmente, metade do País dissemos algo como "Vai miúdo! Vai!" , enquanto este galgava pelo campo fora. Renato passa a Nani, este por sua vez, consegue enganar os defesas croatas e fazer a bola chegar a Ronaldo. O guarda-redes ainda consegue travar o remate deste, mas não conseguiu repetir a proeza quando Quaresma faz a recarga. 

 

 

Cá em casa festejámos o golo da mesma maneira que a Seleção, em Lens: aos peulos e aos abraços. Até o meu irmão que, de uma maneira muito típica emntre os homens da casa, esteve muito pessimista durante o jogo, quase que como se torcesse pela Croácia. Eu fiquei a tremer durante uns bons dez minutos depois deste golo, ainda que só me tenha atrevido a cantar vitória depois do apito final. Nós passámos a fase de grupos só com empates, mesmo que as exibições não tenham sido assim tão más... em certas alturas, pelo menos... mas não há nada que se compare a uma vitória numa fase final de um campeonato de seleções!

 

Não têm faltado críticas à Seleção Portuguesa desde a sua estreia no Europeu, muitas delas justas, e elas têm continuado depois deste jogo. No entanto, uma coisa é inegável: Portugal venceu a Croácia, que está longe de ser uma equipa fraca, e, pelo (*conta pelos dedos*) sexto Europeu consecutivo, está entre as oito melhores seleções da Europa. Não é de desprezar. Tudo isto resultou do esforço dos jogadores, da equipa técnica, do Selecionador. Esse esforço merece ser respeitado, mesmo aplaudido - sobretudo depois de equipas respeitáveis terem já ficado pelo caminho, tal como a Espanha e a Inglaterra. Esta última frente à Islândia, de todas as equipas - menos de duas semanas depois de Cristiano Ronaldo os ter acusado de terem mentalidade de equipa pequena. 

 

FB_IMG_1466893020341.jpg

 

Não sou grande fã deste futebol defensivo, em bloco baixo, confesso, mas concordo com Fernando Santos, quando ele diz quando ele diz que assinaria por baixo se pudesse conquistar o Europeu só com empates ou jogando mal, que quer "jogar futebol" não "jogar à bola". Durante anos e anos, em múltiplos campeonatos de seleções, praticámos um futebol lindíssimo. Deixou-nos imensas recordações e encheu-nos de orgulho, não contesto isso, mas não nos deu nenhum título. Continuo a preferir esse tipo de futebol, se for possível, mas eu aceito tudo o que nos dê o título, dentro das regras. E se alguém tiver algum problema com isso, como uns quantos croatas aziados depois do jogo e os franceses que andaram a dizer que o nosso futebol era nojento... ótimo. De uma forma ou de outra, iríamos sempre irritar muitos enquanto fôssemos bem sucedidos neste Europeu. É para o lado que dormimos melhor.

 

Mas primeiro vamos ter de passar pela Polónia e não me parece que vá ser fácil. Para além de, por princípio, não existirem jogos fáceis nesta fase, o nosso historial mais recente com a Polónia não é o mais favorável (tal como já tinha desenvolvido aqui). Além disso, a Polónia chegou a ganhar à Alemanha durante a Qualificação para este Europeu e, quando a reencontrou na fase de grupos, empatou a zeros. A minha irmã disse-me que os polacos não têm tantas individualidades como a Croácia (têm Lewandowski e pouco mais), mas eu acho que eles vão jogar de forma mais fechada do que os croatas, o que é capaz de nos atrapalhar.

 

quaresma abraça nani.jpg

 

A minha esperança é que estes oitavos-de-final tenham sido o nosso verdadeiro início no Europeu, que ainda fiquemos em França por muito tempo ainda. Continuo com as minhas dúvidas, apesar de a equipa ter estado mais consistente no sábado, mas também, nesta altura do campeonato, não dá para ter certezas de nada. Continuo a acreditar que é possível chegar à final de Paris e vencê-la. Ando há demasiado tempo à espera de um título para a Seleção, não queria ver mais uma oportunidade desperdiçada. Para já, temos de ganhar à Polónia e temos tudo para consegui-lo. 

 

Continuem a acompanhar este Europeu connosco aqui no blogue e na página de Facebook.

Portugal 7 Estónia 0 - Injeção de confiança antes da nossa estreia no Euro 2016

03.jpg

Na passada quarta-feira, dia 8 de junho, a Seleção Portuguesa de Futebol venceu a sua congénere estónia por sete bolas sem resposta, em jogo de carácter preparatório do Campeonato Europeu da modalidade, em decurso neste momento. Este encontro teve lugar no Estádio da Luz... e eu estive lá.

 

Eu tinha dito na entrada anterior que não poderia ir ao jogo. Isto porque a minha irmã tinha (e teve) um teste no dia seguinte e eu não queria ir sem ela. No entanto, na véspera do jogo, dei com este vídeo e parei para pensar. Nos últimos anos houveram muitas oportunidades semelhantes que eu não pude aproveitar, por um motivo ou por outro. Mas naquele dia tinha possibilidades de ir ao Colombo àquela hora. Se não tentasse a minha sorte, arrepender-me-ia (sobretudo depois de o jogo ter corrido da maneira como correu). Por isso, fui. Não que estivesse à espera de ganhar os bilhetes: calculava que estaria lá imensa gente, que tivesse de responder a alguma pergunta sobre a História remota da Seleção, eu sei lá... Eu nunca tinha ganho nada em passatempos deste género, porque haveria de ganhar agora?

 

Na verdade, foi quase tão fácil como chegar lá e pedir. Não tinha chegado a ver a parte de provar "que era um dos melhores adeptos da Seleção" (se tivesse sabido, ter-lhe-ia dado o link do meu blogue) mas, quando a repórter me pediu para falar para a câmara, não tive grandes dificuldades em improvisar uma mensagem de apoio, baseando-me no que tenho escrito inúmeras vezes, de inúmeras formas, ao longo de anos, aqui no estaminé. Disse que sigo a Seleção há muito tempo, nos bons e nos maus momentos sem nunca virar costas, que esta me tem dado muitas alegrias, que continuarei a apoiá-los durante o Europeu. Na altura, não tive lata para divulgar o blogue, mas disse algo como "costumo dizer que o meu clube é a Seleção". Ainda pensei que fossem publicar o vídeo das minhas declarações, mas já ficaria feliz se soubesse que o mostraram a Fernando Santos e/ou aos jogadores. No fim, deram-me o convite duplo e passei a hora seguinte (talvez mais) incapaz de acreditar que tinha conseguido, que ia ver a Seleção outra vez, antes do Europeu!

 

estádio da luz.JPG

  

Por outro lado, verdade seja dita, depois de tanta parvoíce, de tanto sofrimento ao longo destes anos todos com a Equipa de Todos Nós, já estava na altura de a Federação me oferecer qualquer coisa.

 

De início, a minha irmã não ficou muito contente por a "obrigar" a ir ao jogo. No entanto, ela ia acompanhar a transmissão televisiva de qualquer forma, mesmo com o teste. Acabou por concluir que o tempo perdido para ir e voltar do Estádio da Luz não faria diferença, até porque ainda tinha a quarta e a quinta-feira quase todas para estudar. Afinal de contas, não é todos os dias que se recebem bilhetes grátis.

 

A verdade é que já pagámos para assistir a uma mão-cheia de jogos da Seleção ao vivo. Demasiadas vezes para o meu gosto, temos levado com exibições fraquinhas, sobretudo nos últimos anos (vide este e este jogo). Por sinal, foi na única ocasião em que não tivemos de pagar bilhete que a Turma das Quinas marca o maior número de golos

 

À semelhança do que aconteceu antes, ficámos no terceiro anel. Infelizmente a experiência do jogo foi-nos quase arruinada por uns indivíduos armados em engraçadinhos, que entraram ao mesmo tempo que nós e se sentaram umas filas abaixo de nós, que já nas escadas se puseram a cantar pelo S.L.B. A minha irmã, sportinguista confessa e militante, irritou-se logo. Eu, por norma, tenho mais paciência nestas coisas, mas até eu me enervei ao ver que eles não se calavam, que durante o jogo gritavam coisas como "Mete o Jonas!" ou "Ó Patrício, não estás em Alvalade!". Talvez seja só eu, mas acho falta de educação gritar-se por clubes durante um jogo da Turma das Quinas. Se aqueles tipos preferem claramente o Benfica à Seleção (e têm esse direito) e não conseguem desligar-se do clube durante duas míseras horas para ver a Equipa de Todos Nós, que vieram eles fazer ao Estádio?

 

bancadas na luz.JPG

 

Eu a minha irmãzinha merecíamos um prémio (OK, mais um depois dos convites...) por termos aguentado o jogo todo sem lhes atirar nada, sem sequer lhes despejar uma garrafa de água em cima. A tentação foi grande. Mas a verdade é que é assim que começa a violência entre adeptos de futebol que eu tanto abomino. Como reza um meme de que gosto muito, este mundo está cheio de idiotas, uma pessoa não ganha nada em descer ao nível deles. De qualquer forma, a partir de certa altura, eles calaram-se ao som de tanto grito de golo. 

 

A entrada de Portugal em jogo não foi assim tão avassaladora como o resultado dá a entender. A primeira meia hora do jogo foi pouco empolgante, com poucas oportunidades para qualquer um dos lados. A Estónia estava claramente a estacionar o autocarro - houve ocasiões em que eu via os onze estónios no nosso meio-campo, em que via cinco estónios formando uma linha perfeita, transversal ao relvado. Suponho que a Estónia seja uma versão muito soft daquilo que nos espera no grupo do Europeu. Calculei que fosse um daqueles casos em que é preciso um primeiro golo para quebrar o gelo e ficar tudo mais fácil. E não me enganei.

 

Esse primeiro golo veio com um toque de magia: Ricardo Quaresma assistiu de trivela para a cabeça do recém-chegado Cristiano Ronaldo, que cabeceou para as redes estónias. No que restava da primeira parte (menos de nove minutos) marcaram-se mais dois golos. O segundo voltou a meter magia de Quaresma, que desta feita não precisou de Ronaldo para enfiar a bola na baliza (ainda que, à primeira vista, me tenha parecido que fora o Capitão a dar o toque final). Poucos minutos depois, Cristiano Ronaldo teve um entendimento perfeito com João Mário, numa jogada que terminou com a assistência do médio para o remate do madeirense. 

 

ronaldo abraça quaresma.jpg

 

No início da segunda parte, já sem Ronaldo, Portugal ainda apanhou um pequeno susto no início do segundo tempo, quando os estónios conseguiram enviar uma bola à barra, na sequência de um livre. Poucos minutos mais tarde, Quaresma bateu um livre para a cabeça de Danilo Pereira, que aproveitou para fazer o seu primeiro golo pela Seleção. O eterno mustang voltaria a destacar-se ao assistir para o auto-golo estónio.

 

Mais tarde, aos setenta e seis minutos, Renato Sanches (que saltara do banco e estava a fazer um jogo muito inconsistente) fez uma daquelas arrancadas que o tornaram famoso, assistiu para Quaresma (outra vez), que assinou o seu segundo golo da noite. Por sua vez, foi André Gomes que, poucos minutos depois, assistiu Éder (também ele suplente utilizado) para o golo final da noite.

 

Tal como a derrota frente à Inglaterra não significou que estava tudo mal com a Seleção, também esta vitória generosa não significa que esteja tudo bem. Há que ter em conta que este adversário terá sido escolhido a dedo para garantir uma vitória fácil, talvez com goleada, para elevar a auto-estima e dar confiança aos jogadores e adeptos para a participação no Europeu. No entanto, não é todos os dias que se ganha por 7-0, sobretudo se nos recordámos, tal como assinalei antes, que passámos um ano, um ano e meio, a ganhar pela margem mínima. Mais, não é todos os dias que eu salto do banco de um estádio e grito "GOLO!" sete vezes numa só noite. Este jogo pode não ter contado para nada, mas a injeção de confiança poderá ter bons resultados.

 

festinhas a quaresma.jpg

 

Entre esses jogadores com confiança elevada encontra-se Ricardo Quaresma, cuja magia catalisou em grande parte esta goleada. Já muitos exaltaram o talento tardio do nosso Harry Potter, eu não tenho muito mais a acrescentar. Digo apenas que ele se queixou, recentemente, que em Portugal não lhe davam o devido valor, pelo menos não tanto como na Turquia. Não digo que não haja verdade nestas declarações, mas estas não se confirmaram no Estádio da Luz. Pelo contrário, os adeptos fartaram-se de aplaudi-lo, sobretudo quando ele batia cantos. Talvez esse amor que o público deu a Quaresma durante o jogo tenha catalisado a sua boa exibição. Talvez tenha ocorrido ao contrário. Só sei que é disto que o cântico fala quando cantamos "Tudo o que eu te dou, tu me dás a mim".

 

Todos concordam que, com este jogo, Quaresma rouba a titularidade a Nani, merecidamente. O pior é que o mustang está em dúvida para a nossa estreia no Europeu devido a uma mialgia de esforço (isto só a nós...). Eu não me importo por aí além se optarem por poupá-lo no jogo de amanhã (nestas coisas, antes um pássaro na mão que dois a voar), até porque acredito que Nani saberá dar conta do recado. Se alguma coisa correr mal (três vezes na madeira), não será por aí.

 

Com isto tudo, estamos a menos de vinte e quatro horas do momento da verdade, da nossa estreia no Euro 2016. Não estou tão nervosa como esperaria estar, tendo em conta a importância deste jogo, o facto de esse ser o momento em que passaremos das palavras, das promessas, das ambições - e estas, como sabemos, são grandes - à ação. Talvez por estarmos num grupo em que, em princípio (porque neste Europeu equipas menos cotadas têm surpreendido), não teremos problemas de maior. Talvez porque, ao contrário do que aconteceu há dois anos, tudo parece estar no sítio certo: tirando o caso de Quaresma, a equipa parece bem fisicamente, unida, empenhada. Fernando Santos tem tido um discurso ao mesmo tempo realista e ambicioso. Não sei se isto chega para conquistar o Europeu, tal como todos ambicionamos, mas acho - sublinho, acho - que temos condições para fazer um bom campeonato.

 

abraços na luz.jpg

 

Eu provavelmente devia estar mais nervosa. Segundo uma velha superstição minha, dá azar não estar nervosa, não ter medo, mas a verdade é que não estou nervosa, não tenho medo - não tanto como noutras ocasiões deste género e definitivamente menos que no início da preparação do Europeu. Não garanto que se mantenha assim até ao início do jogo, no entanto... Acredito que é possível Portugal levantar a Taça caso a sorte esteja do nosso lado e, sobretudo, se todos fizerem bem o seu trabalho.

 

Na verdade, tudo o que eu quero neste momento é que nos deixemos todos de conjeturas, especulações e promessas. Tivemos meses e meses disso. O que eu quero é que o jogo de amanhã comece e que vejamos de que é que esta Seleção é capaz.

 

Acompanhem as últimas horas antes do jogo, bem como tudo o que acontecer a seguir na página de Facebook daqui do estaminé.

Portugal 3 Noruega 0 - Dando a mão à palmatória

abraços a quaresma.jpgNo passado domingo, 29 de maio, a Seleção Portuguesa de Futebol venceu a sua congénere norueguesa por três bolas sem resposta, no Estádio do Dragão, em jogo de carácter preparatório do Campeonato Europeu da modalidade, que começa na próxima semana.

 

Vou ter de dar a mão à palmatória, pois eu não estava nada à espera de um resultado como este. Tal como escrevi na crónica anterior, os últimos particulares semelhantes a este acabaram sempre sem golos e com exibições fracas. Eu até antecipei as críticas que provavelmente fariam à Seleção depois deste jogo! Não que este tenha sido um grande encontro, mas teve um bom resultado e deixou boas indicações para o Europeu.

 

Sei que Portugal entrou bem no jogo, dominando durante os primeiros minutos, abrandando o ritmo depois. A verdade é que não prestei muita atenção ao jogo durante a primeira parte. Estava, aliás, distraída, na conversa, no momento do golo de Ricardo Quaresma (em minha defesa, era sobre algo mais ou menos importante). Fico com pena de não ter visto a trivela em direto: uma bela obra de arte, nove anos depois de outra trivela marcante, frente à Bélgica. Já se começa a dizer que Quaresma desafia a titularidade de Nani. Eu não diria ainda isso, que Nani já conta muitos anos a virar frangos e atravessa um bom momento. Mas a Seleção só tem a ganhar com este tipo de concorrência.

 

quaresma agradece ao dragão.jpg

 

Como referi acima, depois dos primeiros vinte minutos, a Seleção baixou as linhas - mais do que Fernando Santos esperava, segundo declarações do mesmo no fim do jogo. Não me passou despercebida a fífia de José Fonte com o norueguês King, que poderia ter dado para o torto não fosse a intervenção do guarda-redes Anthony Lopes. 

 

Na segunda parte as coisas estiveram um pouco mais consistentes para o lado português. Pouco após os sessenta minutos, é marcado livre a nosso favor. Adrien e Raphael Guerreiro posicionam-se para marcar. Enquanto tentava adivinhar qual dos dois bateria o livre, lembrei-me, por acaso, que Guerreiro já tinha marcado pelo menos um golo pelo seu clube de maneira semelhante. E de facto o miúdo executou o livre de forma soberba para dentro da baliza.

 

Este golo deixou-me muito satisfeita. Como sabem, fiquei rendida a Raphael Guerreiro com o inesquecível golo à Argentina, no último minuto. Renato Sanches pode ser o menino-prodígio do momento, mas Guerreiro merece tanto carinho como ele. Continuo a fazer figas para que Guerreiro seja titular.

 

Entretanto, Ricardo Carvalho e Ricardo Quaresma foram substituídos e Éder recebeu a braçadeira de Capitão. Eu e a minha irmã estranhámos o facto, mas a verdade é que não havia ninguém mais experiente em campo em termos de Seleção.

 

- Só para verem - disse a minha irmã - o Éder é ponta-de-lança, tem internacionalizações suficientes para ser Capitão, mas só tem um golo marcado.

 

Eu tive de concordar. No entanto, Éder calar-nos-ia a todos aos setenta e um minutos, ao encostar para a baliza após passe de João Mário.

 

abraços a éder.jpg

 

É isto que queremos de Éder. Que marque golos, que justifique a Convocatória, a confiança do Selecionador, o benefício da dúvida que lhe dei, que vá calando os críticos, eu incluída. Este golo servirá, certamente, para dar confiança a Éder para os próximos jogos, sobretudo durante o Europeu.

 

No fim do jogo, o público entoou o cântico novo, "Tudo O Que Eu te Dou - Somos Portugal", algo que já tinha ocorrido amiudadas vezes durante o jogo, encorajados pelo speaker - a Federação está mesmo a tentar enfiar-nos o cântico pelas goelas abaixo. Dito isto, eu até gostei de ouvir o público cantando em coro durante o jogo. Era isto que o Cristiano Ronaldo queria, não era?

 

Este foi o resultado mais dilatado da era Fernando Santos. A Noruega, não sendo uma potência do futebol, também não está propriamente ao nível do Luxemburgo. É um claro progresso relativamente aos primeiros particulares de estágios anteriores. As falhas apresentadas neste jogo (e não foram assim tão poucas) não são motivo para grandes dramas, nesta altura do campeonato. 

 

cumprimentos de fernando santos.jfif

 

Dito isto tudo, Fernando Santos não alinhou em euforias, bem pelo contrário. O Selecionador disse mesmo que "o resultado é bom mas não é mais do que isso", que "esperava um pouco mais neste jogo em termos de automatismos". Concorde-se ou não com ele, é sempre preferível quando o treinador está menos satisfeito que os comentadores em geral. Porque o treinador pode corrigir os defeitos que encontra, ao contrário do comentador e do adepto comum. Em todo o caso, conforme Cédric afirmou após o jogo, a preparação ainda estava a começar aquando do jogo, ainda havia tempo para limar as arestas que faltavam.

 

A Seleção volta a entrar em campo hoje, com um adversário de calibre bem diferente. Os nossos três últimos jogos com a Inglaterra foram... engraçados. Só me lembro dos dois últimos - falei dos dois em entradas recentes. Mas já se passaram dez anos. Segundo o que tenho lido, hoje a seleção inglesa é uma seleção muito jovem e parte para o Europeu com ambições semelhantes às nossas.

 

Este jogo com a Inglaterra será um teste de fogo à Equipa de Todos Nós, para ver como esta se sai perante uma seleção grande. Tendo em conta que nunca ganhámos em terras de Sua Majestade e estando nós ainda a meio da preparação do Europeu e sem Cristiano Ronaldo, as minhas expectativas para este jogo não são muito altas. No entanto, a Seleção já surpreendeu perante equipas grandes nos últimos dois anos (com as devidas atenuantes). Nunca se sabe, portanto...

 

Tenho uma certa pena por Cristiano Ronaldo não participar neste jogo. Tinha uma curiosidade mórbida relativamente à maneira como os ingleses o receberiam depois do que aconteceu no Mundial 2006. Também tenho pena que não tenham convidado o guarda-redes Ricardo para assistir ao jogo, só para gozar.

 

treinos em wembley.jpg

 

Podemos ir ainda a meio da preparação do Europeu, mas já conseguimos coisas importantes. O grupo parece unido, motivado, empenhado. A mensagem ambiciosa de Fernando Santos está a ser adotada, colocada em prática por toda a Seleção (jogadores, equipa técnica, pessoal de apoio), a alastrar um pouco para a massa adepta. São cada vez mais as vozes que se juntam ao coro daqueles que acreditam na nossa Seleção (José Mourinho, Rui Costa, Marco Silva...). Tudo isto pode não ser suficiente para garantir um bom desempenho no Europeu, mas ajuda muito. Não me lembro de isto ter existido aquando do Mundial 2014, pelo menos não neste grau - talvez isso tenha feito a diferença. 

 

Uma parte de mim continua com algum medo, algum cepticismo, sem certezas absoluta de que a Equipa de Todos Nós conseguirá traduzir todo este otimismo, toda esta ambição em campo. Rui Costa, no entanto, já disse que Portugal não pode ter medo de se assumir como candidato. Fernando Santos disse em tempos que Portugal brilha quando não tem medo - os grandes feitos da nossa Seleção nos últimos dezasseis anos são prova disso. Por fim, Pedro Pauleta disse há dez anos, precisamente numa sala cheia de ingleses, que o povo português não tem medo de nada, que foi assim que conseguiu dar novos mundos ao Mundo. 

 

Que o jogo de hoje sirva, então, para Portugal praticar o futebol sem medo.