Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Mulher de muitas paixões, a Seleção Nacional é uma delas.

Uma final e um reencontro

No próximo dia 6 de setembro, a Seleção Portuguesa de Futebol defrontará, em Belfast, a seleção da casa, em jogo a contar para a Qualificação para o Campeonato do Mundo da modalidade, que se realizará no próximo ano, no Brasil. Será precisamente com a seleção desse país que, quatro dias depois, Portugal disputará um encontro de cariz amigável em Boston, nos Estados Unidos.

Os Convocados para esta dupla jornada de Seleção foram divulgados anteontem, quinta-feira dia 29 de agosto. As principais novidades consistem na Chamada de Antunes e Josué (que, neste início de época, se tem destacado ao serviço do Futebol Clube do Porto), bem como no regresso dos que falharam o jogo com a Holanda: Raul Meireles, João Moutinho, Nani e Hugo Almeida. Confesso-me francamente aliviada pelo regresso de Moutinho, apesar de ainda não existirem certezas relativamente à sua aptidão - já toda a gente sabe da importância do "formiguinha", que é pouco afetada pela sua forma física.

E, ao menos, desta feita é pouco provável o Pinto da Costa vir mandar bocas ou, como diz o Selecionador, debitar postas de pescada sobre a eventual utilização, ou não, de Moutinho.




Quanto a Nani, estou dividida. Por um lado, sinto-me satisfeita por ver um dos meus futebolistas preferidos de regresso aos Convocados. Por outro lado, o jogador continua a não competir com regularidade no Manchester United, agora por causa de mais uma lesão. Tal deixa-me céptica relativamente aos benefício da sua Chamada. Paulo Bento garante que , apesar das recentes atribulações da carreira de Nani, este continua "com um talento e qualidade" de que o Selecionador não se dá "ao luxo de desperdiçar". Será suficiente para ele merecer a titularidade? Sinceramente, não sei. Neste momento, tanto a presença como a ausência do jogador no onze inicial frente à Irlanda me parecem igualmente prováveis. No entanto, eu, se calhar, apostaria em Vieirinha.

Por outro lado, fiquei surpreendida com a ausência de Nélson Oliveira, que está a atravessar uma boa fase no seu clube, o Rennes. O jovem jogador tem sido apenas uma promessa há demasiado tempo, convinha começar a conquistar um lugar entre os habituais da Seleção.




Aproximam-se, então, dois jogos extremamente interessantes, cada um por um motivo diferente. Começarei pelo menos importante ("menos", por ser um particular). Praticamente desde que foi anunciado, tenho andado ansiosa pelo jogo com o Brasil. Não tanto pelo confronto Ronaldo versus Neymar, mas sobretudo por causa do reencontro com Luiz Felipe Scolari mais de cinco anos (!) após este abandonar o comando técnico da Seleção Portuguesa.

Será, no minimo, agridoce ter o nosso antigo selecionador sentado no banco do adversário. O próprio Scolari admite que, para ele e para o Murtosa, será "um jogo estranho", que "dá um nó na garganta", tal como era estranho quando estavam no comando técnico da Turma das Quinas e esta jogava com o Brasil. Eu ainda me sinto um bocadinho zangada pela maneira como Scolari nos trocou pelo Chelsea, anunciando a notícia quando a Seleção ainda se encontrava no Euro 2008. Contudo, superior a isso é a minha gratidão por tudo aquilo que o nosso ex-selecionador nos proporcionou, em particular de 2004 a 2006. Há quem defenda que o único mérito que o treinador canarinho teve nessa era foi ter tido a felicidade de poder dispôr de parte da Geração de Ouro, de Cristiano Ronaldo e da espinha dorsal do Futebol Clube do Porto de Mourinho. Nesse aspeto, a vitória do Brasil na Taça das Confederações deixou-me secretamente satisfeita por ter provado que Scolari até sabe treinar. Não chega apenas ter bons jogadores.




Além disso, tenho saudades dele, do seu estilo bonacheirão, da sua maneira de falar muito característica, do seu temperamento caprichoso, da sua proximidade com os jogadores, do carinho que nutre pelo povo português.

Que ainda nutre, aliás. Não apenas pelo facto de continuar a seguir, à distância, o que vai acontecendo com a Seleção, mas também pela maneira como se lembrou de nós, nos agradeceu, pouco depois de ganhar a Taça das Confederações comandando outra equipa.

Anseio, em particular, pelo reencontro e Scolari com os Marmanjos. Se formos a ver, metade do atual plantel da Seleção, sobretudo os habituais titulares, foi lançada na Turma das Quinas pelo atual técnico do Brasil. Vai ser agradável ver o Cristiano Ronaldo, o Hélder Postiga, o Hugo Almeida e os outros reencontrarem Scolari - depois, exigirei fotografias e vídeos desse(s) momento(s)!

Por tudo isto, pelo menos para mim, neste jogo o resultado será um aspeto secundário. Será como no jogo com a Holanda: o importante será afinar armas, testar alternativas, habituar os Marmanjos a elevados níveis de exigência de modo a prepará-los para a reta final da Qualificação. Mas também servirá para apreciar a beleza de um embate entre duas seleções de topo, representando países irmãos.


O jogo a sério, o jogo que nos tirará anos de vida, realizar-se-à quatro dias antes, com a Irlanda do Norte, uma seleção teoricamente mais fraca, motivada por uma recente vitória perante um dos candidatos à Qualificação, que ainda por cima é forte jogando em casa, que provavelmente entrará em campo sem medo. O próprio selecionador irlandês já avisou que Portugal deve preparar-se, pois a vitória da sua seleção perante a Rússia não foi, segundo ele, produto do acaso.

A incógnita que se coloca é, tal como já referi na entrada anterior, se a Irlanda do Norte jogará à defesa ou ao ataque, como fizeram contra a Rússia, e qual destas estratégias será mais benéfica para Portugal. Eu, por exemplo, preferia a segunda, visto que a Turma das Quinas costuma dar-se mal com autocarros estacionados à frente da baliza. Por sua vez, a minha irmã não em grande confiança na nossa defesa após uma série de disparates que nos custaram caro no passado recente.

Aquilo sobre o qual não existem dúvidas é de que este jogo será mais um encontro difícil, intenso, mais uma final, mais um jogo em que perder pontos não é opção. Mais uma vez, os Marmanjos estão obrigados a desenrascar-se, a dar tudo por tudo, a deixar a pele em campo. A Irlanda do Norte será um adversário difícil, mais difícil do que, se calhar, imaginávamos há um ano, mas eu acredito que temos equipa para vencê-los, mesmo com todas as circunstâncias desfavoráveis. Acredito que os Marmanjos farão por isso. E está mais do que provado que quando o fazem, quando dão o seu melhor, por vezes, nascem jogos fantásticos, daqueles que nos enchem de orgulho e funcionam como verdadeiros antidepressivos. Não peço que isso aconteça agora, frente à Irlanda - mas peço que ganhem, de modo a podermos viver mais momentos desses no próximo ano, na terra dos nossos irmãos.

Portugal 0 Brasil 0 - Dos grupos ao "mata-mata"

Devia ter escrito mais cedo, mas fui passar o fim-de-semana fora, sem acesso à Internet. Na Sexta-feira, a Selecção Portuguesa empatou sem golos com a sua congénere brasileira e qualificou-se para os oitavos-de-final. A passagem aos quartos-de-final será disputada com a Espanha, uma das principais favoritas ao título mas que não mete medo à Turma das Quinas.

Desta feita, fui assistir ao nosso terceiro jogo no Mundial ao Campo Pequeno na companhia de amigos. Ou melhor, assistimos ao jogo no exterior da Praça, ao ar livre, através de um ecrã gigante, juntamente com centenas de adeptos. A larga maioria eram portugueses, mas também havia um número considerável de brasileiros. Felizmente, o ambiente era amigável, não houve quaisquer desacatos. Do meu grupo, eu era a única que vinha "equipada", como disse a Inês: com um top, um boné e um cachecol de Portugal e ela nem viu as meias... Mas também se via gente ainda mais expressiva do que eu em termos de roupa. Também se ouviam vuvuzelas e buzinas que emitiam um som semelhante - e, realmente, aquilo acaba por fazer dores de cabeça ao fim de algum tempo. Ainda por cima, mais tarde, quando ia para o Metro, um deles teve a triste ideia de começar a tocar no túnel. Adicionem ao som incomodativo o eco de um túnel do Metro...

Foi bom ver o jogo junto àquela gente toda, cantar o hino em coro, de cachecol esticado, puxar pelos jogadores em coro, soltar exclamações de quase-que-era-golo em coro, gemer quando os outros apontam à nossa baliza em coro. O jogo até não foi mau, foi bastante equilibrado, ambas as equipas deram luta. Não foi o jogo intenso e vibrante que eu esperava de um Portugal-Brasil, mas também era difícil que assim fosse num jogo praticamente a feijões. Só faltaram mesmo os golos: tive imensa pena de não poder celebrar um golo em coro com aquela gente toda.

Na primeira parte, estranhei os cartões amarelos todos que o árbitro ia mostrando. Graças a Deus, que nenhum deles foi mostrado a um Navegador previamente amarelado. Se tivesse sido o Ronaldo, era o bom e o bonito. Na altura, cheguei mesmo a comentar com os meus amigos:

- Não acham que ele está a exagerar nos amarelos?

Outras coisas que também marcaram a primeira parte foram as constantes faltas sobre Pepe. O David até comentou:

- Os brasileiros estão mesmo zangados por ele se ter neutralizado português...

Eu tinha era medo de que aquelas entradas todas lhe agravassem a lesão.

Felizmente, as coisas pareceram acalmar-se na segunda parte. Portugal esteve mais vezes perto de marcar, mas o marcador teimava em não abrir. E manteve-se fechado até ao apito final. O Brasil ficou em primeiro lugar do grupo e Portugal ficou em segundo. Findo o jogo, aguardámos ansiosamente pelos jogos do grupo H, para saber quem era o nosso adversário. Eu ainda mantive a secreta esperança de que a Espanha ficasse em segundo, mas tal não aconteceu. Vamos hoje enfrentar os nossos vizinhos nos oitavos-de-final.

Quando se soube o resultado do jogo de Espanha, a primeira coisa que disse foi:

- Eu acredito em milagres.

Contudo, agora penso que não será propriamente um milagre se conseguirmos vencer os espanhóis. No início do Mundial eles eram a minha aposta, mas depois da derrota com a Suíça... Além disso, dizem que temos dos melhores ataques da prova - embora ache um bocado precipitado dizer isso, quando só marcámos num jogo, mesmo que tenham sido sete golos - e das melhores defesas - com esta concordo. Os grandes candidatos ao título (a Argentina, a Alemanha, a Holanda, o Brasil), bem como os ex-grandes candidatos ao título (a França, a Itália e a Inglaterra) já sofreram golos, mas nós não - e estivémos no "grupo da morte"! O Eduardo não deixa nada cruzar a linha de baliza! O Eduardo e não só.... também os nossos defesas. Tendo em conta os golos que sofremos, os jogos que perdemos, por "erros defensivos", é reconfortante pensar que a defesa já não é um problema.

Eu sei que a Espanha continua a ser uma forte candidata ao título, que a forma como se aborda um jogo em que os pontos contam é diferente da forma como se aborda o "mata-mata". Os castelhanos entrarão para ganhar. Contudo, também sei que os Navegadores se deixarão de rodeios e entrarão para ganhar. E mesmo que não entrem, mesmo que se ponham à defesa, mesmo que não marquem golos... bem, se não sofrermos golos, não somos vencidos. Por isso, é que acredito que a coisa se arrastará até aos penálties - isto se não marcarmos antes, o que eu duvido, mesmo assim. Se de facto chegarmos aos penálties tudo pode acontecer. Contudo, estou a pensar na primeira final da Taça da Liga, que opôs o Vitória de Setúbal ao Sporting. Não sei se já falei deste jogo cá no blogue. Na altura o Eduardo jogava pelo Vitória. Lembro-me de me rir ao ver o contraste entre o Eduardo, alto e bem constituído, e o guarda-redes do Sporting (o Rui Patrício?), um autêntico magricela - passe a expressão. Se não me engano, o Eduardo defendeu três penálties. Eu sei que não dá para comparar o Sporting com a Selecção Espanhola, mas...

Eu acredito na passagem aos quartos. Será difícil como o catano, mas não é de todo impossível. Ontem disseram-me que hoje faz dois anos desde que eles ganharam o Euro 2008 - 'bora estragar-lhes a enfeméride? 'Bora repetir Aljubarrota? 'Bora repetir o 1º de Dezembro? 'Bora repetir o jogo de 20 de Junho de 2004 (o primeiro a que assisti ao vivo, o jogo em que o Cristiano se estreou como titular na Selecçao)? Vamos fazê-los amaldiçoar o dia em que Afonso Henriques resolveu tornar o Condado Portucalense independente de Leão e Castela! Vamos a eles! Força Portugal!

Probabilidades e estatística

Ontem, Pepe, Ricardo Costa e Ricardo Costa e Zé Castro juntaram-se aos companheiros de Selecção no Estágio e preparação do Mundial 2010, que está a decorrer na Covilhã. Pepe revelou aos jornalistas que a sua recuperação está num bom caminho, que tenciona trabalhar arduamente nestas semanas de estágio e que sente muita vontade de ajudar a Selecção.

Nani também falou à Comunicação Social e revelou que se sente ansioso pela chegada dos companheiros, para que a Selecção fique completa. O marmanjo revelou que espera, sobretudo, por Cristiano Ronaldo. Nani tenciona provar que é melhor do que o madeirense... no pingue-pongue.

Na manhã de Domingo passado, houve treino aberto ao público e a população de Covilhã respondeu em força. Vieram dois mil assistir ao treino, apesar de só estarem presentes sete marmanjos, e, pelo que li nos jornais, o público vibrou com os jogadores. Parece que a própria cidade de Covilhã está a receber muito bem a Selecção Nacional. Vi fotografias de lojas e barraquinhas vendendo produtos relativos à Selecção e, de acordo com os jornais, sempre que os jogadores passam, ouvem-se aplausos. É bom saber que o povo está com a Selecção... apesar de as duras críticas à Convocatória de Carlos Queiroz ainda persistirem nos Media.

Eu confesso que estas críticas começam a irritar-me e admito que não é uma reacção racional, longe disso. Só que eu também duvido que as opiniões expressadas sejam totalmente racionais, que não haja muito clubismo por detrás daquilo. Eu até compreendo muitas das críticas e até concordo com algumas. Mas não entendo porque é que este pessoal não pode parar de choramingar as ausências e as presenças de certos jogadores - e eu, de resto, duvido que boa parte destes últimos cheguem a titularidade, ou mesmo que vão todos para a África do Sul. Quer dizer... não podem engolir isso e apoiar a Selecção? A actividade clubística em Portugal já cessou, por isso não podem invocar a desculpa de darem mais importância ao clube do que à Selecção. Até agora, só João Gobern e Artur Agostinho afirmaram que apoiariam a Selecção, mesmo depois de criticarem a Convocatória. E o primeiro até criticou bastante duramente. É isso que mais me irrita. Que mais ninguém diga:
- OK, a minha lista não era esta, mas pronto, é a Selecção. Força Portugal!

Enfim, não vale a pena gastar cera com estes defuntos.

Entretanto, saiu ontem um estudo da PricewaterhouseCoopers (o que quer que isso seja...) que concluiu que a Selecção que, de acordo com as estatísticas, a Selecção Brasileira é a mais forte candidata a sagrar-se Campeã do Mundo. Existem ainda referências à Alemanha, à Itália e à Argentina. Estas quatro selecções, contando com o Brasil, são, de acordo com este estudo, as que possuem maiores probabilidades de levarem a final de vencida. Isto por possuirem forte historial nesta competição.

Nós também somos mencionados como fortes candidatos. Nós e os gregos, sobretudo por causa dos nossos recentes bons desempenhos. Muita gente concorda com isso, pelo menos na parte que diz respeito a nós. Toda a gente diz que só não somos favoritos porque nunca ganhámos um Mundial. O estudo refere ainda que as selecções africanas também têm boas hipóteses, visto terem o factor casa do lado deles.

Eu confesso que não acredito muito neste estudo. Em primeiro lugar, porque é que não falam da Espanha, que é campeã da Europa e fez uma qualificação brilhante? E, peço desculpa, de que "bons desempenhos gregos" estão eles a falar? Eles nem se qualificaram para o último Mundial! E não foram nada de especial no Euro 2008! OK, ganharam o Euro 2004 (grrr...), mas a Espanha ganhou o de 2008 e não falaram nela.

E daí talvez tenham falado. Só que no artigo em que li isto (http://desporto.sapo.pt/mundial2010/artigo/2010/05/17/brasil_favorito_a_ganhar_campe.html) não falam dela.

Outros critérios que não compreendo são os do ranking da FIFA. Como é que chegámos ao terceiro lugar?!? Quando eu soube que estávamos em terceiro, a minha primeira reacção foi, literalmente:

- Hã?!?

Como já mencionei aqui, nós estivemos numa final de um Campeonato Europeu, ficámos em quarto lugar num Campeonato do Mundo, e, se não me engano, não passámos do sétimo lugar. Contudo, agora ascendemos ao terceiro lugar, meses depois de uma qualificação resvés Campo de Ourique, como diz a minha mãe... E em Agosto estávamos em décimo-sétimo lugar... Mas enfim, se nos querem meter em terceiro lugar, eu não me queixo. Antes no topo do que no fundo.

Existe de facto muita gente a colocar-nos entre os candidatos ao título, mas eu não estou assim tão optimista. Por isso é que sou grande adepta da máxima "pensar jogo a jogo" - se me ponho a pensar nos adversários que nos esperam se passarmos a fase de grupos, fico com insónias!

Na semana passada, o meu irmão esteve a olhar para o mapa com os jogos com Mundial. Este mapa vinha no jornal, no dia a seguir ao sorteio dos grupos do Mundial. Eu afixei-o na parede do meu quarto. Tenciono ir completando o mapa com os resultados dos jogos durante o Campeonato. Mas adiante, eu e ele estivémos um bocado a comentar os nossos adversários.

A fase de grupos não me preocupa muito. Sobretudo por falta de conhecimento sobre a Coreia do Norte e a Costa do Marfim - realmente não sei o que esperar deles. Em relação ao Brasil, sim, já referi que eles são os mais fortes candidatos ao título mas, como foi recentemente assinalado, não me lembro por quem, possuem uma fraqueza: eles sabem que podemos vencê-los.

A propósito do Brasil, Pepe também falou dos nossos adversários, ontem. O marmanjo luso-brasileiro tenciona vingar a pesada derrota de Novembro de 2008. O último jogo ficou atravessado e está mais do que na hora de mostrarmos ao Mundo que nós temos valor e que aquele último jogo foi um lapso, disse ele.

O pior será depois. Se não conseguirmos passar a fase de grupos em primeiro lugar, o mais provável é levarmos com a Espanha em cima. E se conseguirmos vencê-los, um dos possíveis adversários é a Itália. Como observou o meu irmão, primeiro apanhamos o Campeão da Europa e depois levamos com o Campeão do Mundo em cima... Outros adversários possíveis são a Holanda e o Japão.

No fundo, acredito que estes estudos, rankings, apostas e especulações pouca influência têm. O futebol nem sempre obedece à lógica dos favoritos, dos fortes e fracos. Existem tantos factores a influenciar os jogos que é impossível fazer profecias sobre os resultados. E os exemplos abundam!

Além disso, eu também me sinto pouco confiante porque a qualificação ainda está fresca na minha memória. Convém recordar que as circustâncias de uma fase de qualificação são diferentes das circustâncias de um Campeonato Internacional como este. Nós tínhamos um Seleccionador novo e pouquíssimos dias para treinar como Selecção. Mas agora temos um mês para criar rotinas, para afinar as armas.

Ninguém disse que era fácil. Ninguém disse que o favoritismo está do nosso lado. E toda a gente sabe que as probabilidades e a estatística já foram mais favoráveis. Mas uma coisa é certa: nós vamos dar luta. Não será por não nos esforçarmos que vamos falhar. E eu sei que não farei grande diferença, mas eu faço a minha parte ao escrever este blogue, ao montar vídeos de apoio e tentar enviá-los para o YouTube, ao pendurar uma bandeira à janela, ao envergar os símbolos da Selecção. Tenho é poucas possibilidades de assistir a jogos e treinos, de apoias fisicamente a Selecção. Não é por falta de vontade. A questão não é o que faria pela Selecção, mas sim o que faço pela Selecção. E eu faço quase o máximo que posso. Com todo o gosto.