Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Os pensamentos de uma simples adepta da Seleção Nacional, que não percebe assim tanto de futebol mas que é completamente maluca pela Equipa de Todos Nós.

Contra o desânimo

18809613_1902645163281336_3142023852700205056_n_b4Hoje, dia 10 de novembro, a Seleção Portuguesa de Futebol recebe a sua congénere saudita, no Estádio Municipal do Fontelo, em Viseu. Três dias depois, recebe a sua congénere norte-americana no Estádio Magalhães Pessoa, em Leiria.

 

Ambos os jogos são particulares, possuindo também uma componente solidária: serão transmitidos em simultâneo pelos três canais de televisão generalistas e as receitas reverterão para as vítimas dos incêndios que assolaram o país, nos últimos meses

 

Os Convocados para esta dupla jornada foram Divulgados na passada sexta-feira. Só os mais desatentos é que ficaram surpreendidos com a ausência de nomes sonantes, como Cristiano Ronaldo, Rui Patrício, João Moutinho, Ricardo Quaresma, entre outros. Já o mesmo tinha acontecido há dois anos, nos particulares de novembro.

 

Não nego, no entanto, que tinha esperado que Fernando Santos não fizesse o mesmo este ano. Não me interpretem mal, sou completamente a favor de renovação na Equipa das Quinas – ainda me lembro da situação há quatro ou cinco anos, em que era um drama de cada vez que um dos habituais titulares se lesionava. No entanto, dificilmente temos exibições decentes quando os onzes são formados por jogadores sem rotinas uns com os outros.

 

IMG_20171010_211058_HDR.jpg

 

Além disso, regra geral, os adversários destes jogos são pouco apelativos.

 

Para ser sincera, não sei se existe grande utilidade em fazer testes nesta altura do campeonato. Faltam sete meses até ao Mundial, dois terços de uma época futebolística. Jogadores que, agora, estão em alta, podem estar confinados ao banco daqui a quatro ou cinco meses. Ou lesionados.

 

Não que esteja a censurar Fernando Santos. A culpa é do calendário das seleções. Depois desta dupla jornada, só voltamos a ter jogos em finais de março (se não estou em erro). Já me fartei de queixar disso ao longo dos últimos anos, volto a fazê-lo agora. Mais do que para aqui a Sofia matar saudades da Equipa de Todos Nós, os antigos particulares de fevereiro ou princípios de março davam jeito para testar alternativas.

 

Enfim, faz-se o que se pode.

 

18809613_1902645163281336_3142023852700205056_n_b4

 

Na verdade, não sei muito sobre os jogadores que se estreiam na Convocatória. Aplaudo a Chamada de Edgar Ié e Ricardo Ferreira, que a defesa das Quinas precisa de sangue novo. Por sua vez, Manuel Fernandes já merecia ter vindo mais cedo. Mais vale tarde do que nunca, suponho eu…

 

Não podemos deixar de falar da componente solidária destes dois jogos: pelas vítimas do verão horrível e infinito que tivemos este ano. É uma ótima iniciativa, na minha opinião. Quem acompanhe este blogue há uns anos, saberá que, em várias ocasiões, a Seleção tem sido das poucas coisas que me dão ânimo, que me dão esperança em algo bom no futuro. Como tal, fico satisfeita por, desta vez, essa esperança se traduzir em ajuda concreta para as vítimas dos incêndios.

 

Eu tenho a sorte de não estar, nem de longe nem de perto, numa situação tão aflitiva como essas pessoas. Dito isto, por estes dias, também me dava jeito usar a Seleção como consolo, desanimada como ando com o que se passa no Mundo – os incêndios foram só uma parte.

 

Por sinal, os países que temos como adversários encontram-se entre os culpados pelo meu estado de espírito.

 

IMG_20171010_211058_HDR.jpg

  

Portugal jogou contra os Estados Unidos há relativamente pouco tempo – durante o desastroso Mundial 2014. Juntem a este o ainda pior jogo do Mundial 2002 e podemos concluir que não temos recordações muito felizes dos americanos.

 

Estes, no entanto, acabaram de falhar a Qualificação para o Mundial 2018 e de trocar de selecionador. Não serão um adversário fácil, mas estarão, em princípio, uns quantos furos abaixo do que estiveram no Brasil.

 

E nós, graças a Deus, estamos vários furos acima: Campeões no nosso continente e Qualificados para o Mundial da Rússia.

 

Não posso deixar de referir uma declaração curiosa do, agora, ex-selecionador norte-americano. Este admitiu a possibilidade de a presidência de Donald Trump andar a servir de motivação extra para os adversários derrotarem os Estados Unidos. Sobretudo no que diz respeito à retórica anti-imigração.

 

Não posso dizer que não compreenda esta atitude, até porque também ando com imensa raiva aos Estados Unidos, pela abominação que elegeram para presidente. E, se formos a ver, os norte-americanos são dos que mais contribuem para o aquecimento global, através da emissão de dióxido de carbono. Se este ano tivemos verão quase até novembro, levando a incêndios catastróficos a meio de outubro… os Estados Unidos têm culpa no cartório. Até porque o seu presidente atual decidiu retirá-los do Acordo de Paris para as alterações climáticas.

 

18809613_1902645163281336_3142023852700205056_n_b4

  

Sei perfeitamente que os jogadores de uma seleção não refletem necessariamente o governo do seu país. Também sei que existem muitas pessoas decentes entre os americanos que não se reveem em Trump. Eu mesma, há um ano, não deixei passar em branco o “muro” que americanos e mexicanos construíram, antes de um jogo entre as respetivas seleções.

 

Mas a frustração que nós, fora dos Estados Unidos, sentimos não desaparece. Nós não votámos nas eleições norte-americanas, não escolhemos ter Trump nas nossas vidas. No entanto, ele é um problema para todos nós.

 

Não que o nosso outro adversário, que defrontamos hoje, seja muito melhor. Não vale a pena falar do seu histórico futebolístico, é insignificante. Prefiro ressaltar o facto de a Arábia Saudita não aceitar a Declaração Universal dos Direitos Humanos, não garantir liberdade religiosa ou política, não respeitar os direitos das mulheres. Diz-se mesmo que se rege pelas mesmas leis do Estado Islâmico (tirem um momento para pensar nisto). Só agora é que vão deixar as mulheres conduzirassistir a jogos de futebol.

 

Nós, em suma, vamos realizar dois jogos de carácter humanitário com seleções de país que são péssimos exemplos para a Humanidade. Sou a única aqui a reparar na ironia?

 

IMG_20171010_211058_HDR.jpg

  

É evidente que estes adversários foram escolhidos apenas por critérios futebolísticos, não políticos. Fernando Santos referiu mesmo que queria testar a Seleção perante adversários de continentes diferentes, o que faz sentido. Nós só jogamos com seleções não-europeias em Mundiais e na Taça das Confederações, ou em preparação para esses campeonatos. É uma das dificuldades acrescidas de um Mundial relativamente a um Europeu e uma das razões pelos quais não coloco Portugal como favorito ao título de campeão.

 

Este texto acabou por sair mais amargo do que o habitual. Peço desculpa, mas, como disse acima, ando desanimada com o estado do Mundo e não estou a conseguir separar o futebol e a Seleção do que se passa fora das quatro linhas.

 

Estou a tentar recordar-me das minhas próprias crenças: que o futebol é mais forte que o ódio, que a nossa Seleção é um exemplo de algumas das melhores facetas da Humanidade, tal como escrevi no ano passado.

 

Estes jogos solidários servem precisamente para colocar essas facetas ao serviço daqueles que preciso. A Seleção vai jogar pela esperança, contra o desânimo. E também para que, a médio/longo prazo, possa dar-nos alegrias, com a de 2016. Alegrias essas que tornam o Mundo um pouco menos insuportável. Pelo menos para mim.

 

R-9521749-1482021880-7921.jpeg.jpg

  

Quero pedir desculpa pelo relativo atraso deste texto. E avisar que o próximo (vou analisar os dois jogos no mesmo texto) também deverá vir atrasado, que vou estar ocupada ao longo da próxima semana. De qualquer forma, não deixarei de manter a página de Facebook atualizada com as principais notícias da Seleção. Não deixem de visitá-la!

Portugal 4 Chipre 0 - Dever cumprido

ba782c4841ce4d94dc1ba81d5f33be79.jfif

No passado dia 3 de junho, a Seleção Portuguesa de Futebol venceu a sua congénere cipriota por quatro bolas sem resposta, num jogo particular no Estádio António Coimbra da Mota.

 

Conforme tinha previsto na crónica anterior, acompanhei a maior parte do jogo via rádio. Só vi alguns minutos da primeira parte na televisão, quando fui rapidamente tomar um café. Não sendo este um jogo muito apelativo, nem sequer prestei muita atenção ao relato – ainda que este tenha estado ao nível a que Nuno Matos nos habituou.

 

Por exemplo, aquando do primeiro golo, aos três minutos, estava a conversar com a minha irmã sobre o desgaste provocado pela Taça das Confederações, se os jogadores teriam tempo para recuperar antes do início da época seguinte. Ela, sportinguista, estava particularmente preocupada com os “seus” jogadores, pois o clube leonino terá de ir aos playoffs de acesso à Champions.

 

Um aparte: aqui para nós, que ninguém nos ouve, os problemas que os clubes poderão ter por causa desta competição estão no fundo da minha lista de preocupações neste momento (muito abaixo, por exemplo, dos utilizadores de GPS aldrabado com quem tenho de competir pelos ginásios em Pokémon Go). Não me peçam para ter pena dos clubes quando, muitas vezes, estes agem como se fizessem um grande favor ao deixar os seus jogadores vir às respetivas seleções (como aconteceu, por exemplo, há cerca de ano e meio). Desde que não vá contra a vontade dos jogadores – na verdade, acho que são eles mesmo a fazer questão de vestir a Camisola das Quinas, independentemente do seu momento de forma – os clubes têm é de aceitar.

 

É claro que não disse nada disto à minha irmãzinha. Ainda me habilitava…

 

transferir.jfif

  

Deixando de lado a minha embirração com os clubes (eu bem vos digo, uma miúda não é de ferro…), acredito que, apesar de tudo, Fernando Santos e o departamento médico da Equipa de Todos Nós terão o desgaste dos jogadores em conta. Um dos motivos, aliás, pelos quais o Europeu teve um final feliz para o nosso lado foi a rotação dos jogadores. Em parte por tentativa e erro (na fase de grupos), em parte por lesões. Tenho a certeza de que os responsáveis pela Seleção voltarão a gerir os esforços dos jogadores da maneira adequada durante a Taça das Confederações.

 

Regressemos ao jogo com o Chipre. O primeiro golo da partida foi marcado, então, por João Moutinho, de livre direto. O segundo golo, os quarenta e dois minutos, seria quase um copy/paste deste. Estão todos, naturalmente, à espera da reação de Ronaldo – à espera que os colegas da Seleção se metam com ele.

 

Para ser honesta, não me parece que o Capitão se rale por aí além. Pode ser, até, que fique satisfeito. Afinal de contas, foi o próprio Ronaldo a dizer que Moutinho batia bem.

 

  

Pelo meio, houve tempo para Fernando Santos deliciar o público do Coimbra da Mota com um toque de calcanhar a uma bola saída da linha. Graças a Deus que isso aconteceu quando eu estava no café, a ver o jogo na televisão. Reparei também que, apesar da habilidade, o mister estava com cara de poucos amigos. Não estava a gostar do jogo.

 

Até tinha motivos para isso. Portugal dominava, mas com pouca intensidade e de forma estranhamente desconjuntada, em certos momentos. Sejamos sinceros, o Chipre está longe de ser um adversário estimulante e, naquela tarde, pouca luta deu. O vento também não terá ajudado.

 

Por sua vez, Eliseu ia-se destacando com uma ou outra iniciativa – sempre que ele arrancava, Nuno Matos dizia que ele ia “de lambreta”, claro – mas nem André Silva nem Bernardo Silva foram capazes de aproveitar as oportunidades.

 

Com a segunda parte, veio um meio-campo novo: William, Adrien, André Gomes, Gelson Martins e, mais tarde, Pizzi. Gelson, como já vai sendo hábito, foi suficiente para aumentar a velocidade da Seleção. Sem desprezar o papel de Pizzi, que marcou meros três minutos após entrar em campo – numa jogada iniciada por um arranque de Gelson, com assistência de André Silva.

 

transferir.jfif

  

Gostava de assinalar o facto de este golo ser produto da colaboração de um jogador de cada clube grande português. Mais uma prova de que, na Equipa de Todos Nós, não há espaço para mesquinhezes clubísticas.

 

Não pude acompanhar o quarto golo via rádio porque a minha mãe escolheu aquele preciso momento para me telefonar. O telemóvel estava ligado ao bluetooth do carro, logo, a chamada interrompeu a emissão de rádio. Mães…

 

Em todo o caso, este quarto golo foi assinado por André Silva, que cabeceou após uma primorosa assistência por parte de André Gomes.

 

Não há muito mais a dizer sobre este jogo. Portugal cumpriu o seu dever. Vários jogadores mostraram o seu valor, o que dá dores de cabeça agradáveis a Fernando Santos. Há quem diga que Portugal poderia ter marcado mais – com razão – mas os principais objetivos do jogo foram cumpridos.

 

youonlyfailwhenyoustop.jpg

 

Na sexta-feira, frente à Letónia, é que será a doer – mas também já contaremos com o grupo todo. Incluindo Ronaldo, que ontem se juntou à comitiva. A vitória é a única opção. Mas toda a gente sabe disso.

 

Continuem a acompanhar as aventuras e desventuras da Seleção comigo, aqui no blogue, ou então na sua página no Facebook.

 

Hipocrisia

youonlyfailwhenyoustop.jpgNo próximo dia 3 de junho, a Seleção Portuguesa de Futebol receberá a sua congénere cipriota, no Estádio António Coimbra da Mota, no Estoril, em jogo de carácter particular. Seis dias depois, a Seleção desloca-se à Letónia, para um jogo da Qualificação para o Mundial 2018.

 

Fernando Santos divulgou os Convocados para estes jogos – bem como para a Taça das Confederações – na passada quinta-feira, dia 25. A lista não trouxe grandes surpresas, mas não deixou de causar alguma controvérsia. O principal motivo prende-se com a ausência de Éder, o herói da final do Europeu.

 

Ninguém pode negar que a polémica é cem por cento emocional – Éder marcou pouquíssimos golos esta época, no Lille. O próprio Fernando Santos, igual a si próprio (e ainda bem!), não deixou de assinalar a hipocrisia: “Quando ninguém acreditava no Éder, quem é que o levou? No último ano [em que o ponta-de-lança contava cinco ou seis golos marcados pelo Lille desde janeiro], nesta mesma sala, perguntavam-me porque é que eu o tinha Convocado...”

 

Dito isto, o Selecionador deixou bem claro que não deixou de confiar no Éder só porque o deixou de fora desta Convocatória.

 

éder remata.jpeg

  

Ninguém fica feliz por o Éder ficar de fora da Taça das Confederações. Uma grande parte de mim pensa que isto é profundamente errado, quase uma blasfémia. É provável que Fernando Santos se sinta da mesma forma – sou capaz de apostar, até, que Éder só foi incluído em Convocatórias anteriores por este motivo, só porque o Selecionador não queria excluir o herói de Paris.

 

No entanto, isto é a Taça das Confederações. Não há espaço para sentimentalismos. Fernando Santos não ia deixar André Silva (que tem marcado regularmente pela Seleção nesta última época) para dar lugar a um jogador, cujo único argumento a favor é “marcou um golo importantíssimo no ano passado”. Custa-nos a todos – o próprio Fernando Santos admitiu-o – mas não há volta a dar.

 

Também tem sido comentada a ausência de Renato Sanches, mas essa é ainda menos inquestionável – com tanta boa opção para o meio-campo, não vamos ocupar um lugar com um jogador que, coitado, pouco mais tem feito do que aquecer o banco do Bayern de Munique. Isso tem, aliás, sido usado como argumento para os muitos detratores (vulgo, haters) do Renato (este artigo responde bem a essas críticas).

 

ba782c4841ce4d94dc1ba81d5f33be79.jfif

  

Tenho uma certa pena por o jovem não vir à Taça das Confederações, depois do papel que teve na conquista do Europeu. Fico, no entanto, satisfeita por ele ter sido chamado por Rui Jorge para o Europeu de Su-21. Não lhe faltarão oportunidades para brilhar nesse campeonato.

 

Por fim, queria falar sobre os guarda-redes suplentes – terão sido a melhor escolha? Beto tem sido o suplente de Rui Patrício no Sporting e José Sá tem sido o suplente de Iker Casillas no F.C.Porto – ou seja, nenhum deles conta muitos jogos nas pernas. Nesse aspeto, Bruno Varela seria melhor escolha, na minha opinião.

 

Por outro lado, Beto já não é um novato no que toca à Turma das Quinas, bem pelo contrário. José Sá, por sua vez, foi um dos destaques da Seleção de Sub-21, no Europeu de 2015 – já podia ter vindo antes à equipa principal.

 

golo de nani.jpg

  

Além disso, sejamos sinceros, nestes campeonatos é raro os guarda-redes jogarem – o Mundial 2014 foi a exceção. Eu mesmo podia ter sido Convocada como guarda-redes suplente de Rui Patrício e pouca diferença faria.

 

Exceto para mim, claro. Fazer parte da comitiva da Seleção num campeonato destes? É o sonho!

 

Desde que não me obrigassem a participar nos treinos. Eu mal conseguia sobreviver às aulas de Educação Física no ensino básico e secundário, imaginem-me num treino de futebol profissional…

 

Enfim, voltemos à realidade.

 

bola ao centro.jpg

  

Aquando da Divulgação dos Convocados, Fernando Santos disse que, para já, não quer falar sobre a Taça das Confederações. Neste momento, a prioridade é o jogo com a Letónia. Nós, aqui, já falámos sobre as Taça das Confederações no texto anterior, de qualquer forma. Hoje falamos sobre os outros jogos.

 

No sábado temos, então, o particular com o Chipre. Os nossos jogos mais recentes com os cipriotas ocorreram durante a Qualificação para o Euro 2012 – embora não tenha podido ver nenhum dos dois jogos. O nosso historial com o Chipre é francamente positivo. O pior resultado foi um empate a quatro golos, em setembro de 2010, em pleno caso Queiroz – outra altura excecional.

 

Já que falamos em alturas excecionais, gostava de referir que, ao longo deste último ano, tenho feito questão de reler textos antigos deste blogue, escritos aquando dos piores períodos da Seleção nestes últimos tempos – como o caso Queiroz e o Mundial 2010. Por vários motivos. Um deles é para apreciar o quão longe chegámos desde essas alturas. O Mundial 2014, por exemplo, foi há apenas três anos.

 

No entanto, o principal motivo pelo qual procuro recordar esses períodos é para não tomar a atual maré alta como garantida. Para me recordar do quão difícil foi chegar cá, as dificuldades que foi necessário.

 

Portugal-Gana06.jpg

  

Eu, de resto, recomendava esse exercício a mais pessoas – os portugueses têm memória curta.

 

Regressemos ao presente. Queria chamar a atenção para um pormenor curioso: o particular com o Chipre realiza-se no mesmo dia que a final da Liga dos Campeões. Yep. Já não bastou ter tido um jogo de clubes e um de seleções no mesmo fim de semana, como no ano passado – agora vão ser no mesmo dia.

 

A sério. Quem é o responsável por estes calendários? Qual é a ideia deles?

 

O que vale é que os jogos são a horas diferentes (mas não me admirava se isso mudasse no próximo ano). O jogo com o Chipre começará às quatro da tarde – o que, aliás, não me dá muito jeito, pois não estarei em casa. Vou poder, no entanto, acompanhar o jogo pela rádio. Como não espero um jogo muito interessante, não me queixo.

 

youonlyfailwhenyoustop.jpg

  

Outra consequência de o jogo coincidir com a final da Liga dos Campeões é a ausência de Pepe e Cristiano Ronaldo deste jogo, bem como dos primeiros dias de estágio da Seleção – já que o Real Madrid se apurou para esta final. Por esta altura, estas ausências dos madrilenos já fazem parte da rotina. Este ano temos, aliás, uma vantagem relativamente a 2014 e 2016 – segundo consta, Zidane terá conseguido convencer o Cristiano a poupar-se, de modo a não chegar demasiado desgastado ao fim de época.

 

Durante muitos anos guardei um certo ressentimento para com Zidane, por nos ter expulsado do Mundial 2006 com um penálti duvidoso e provar, com a cabeçada a Materazzi, que não merecia estar na final. Depois desta, no entanto, sou capaz de lhe perdoar tudo. O joelho esquerdo do Ronaldo já nos tirou anos de vida suficientes!

 

Como já vai sendo hábito, já que Pepe e Cristiano estão na final da Champions, todos desejamos que a vençam… outra vez. Para poderem juntar mais um título ao currículo, para que eles venham animados para o estágio da Seleção, motivados para os próximos desafios da Equipa de Todos Nós.

 

Portugal-Gana06.jpg

  

O primeiro desses desafios é o jogo com a Letónia, no dia 9 de junho. A história tem sido sempre a mesma em todas as jornadas desta Qualificação: para continuarmos na luta pelo primeiro lugar, a vitória é a única opção. E, como os nossos rivais suíços vão jogar contra… as Ilhas Faroé, não me parece que seja desta que eles tropecem.

 

Portugal ganhou todos os jogos que disputou com a Letónia. No entanto, se bem se recordam, a Letónia fez-nos suar no jogo de novembro passado. Os letões estão ao nosso alcance, ninguém o questiona – desde que os portugueses estejam com a cabeça no lugar.

 

A Seleção tem estado a preparar estes jogos desde o início da semana. Tal como já aconteceu há um ano, antes do Euro 2016, esta primeira semana é mais leve, com os jogadores chegando à Cidade do Futebol em alturas diferentes e a regressarem a casa após os treinos. Tudo indica, no entanto, que a Seleção estará na máxima força quando for jogar contra a Letónia.

 

Estes dias são, de resto, apenas o início de várias semanas de Seleção. Se tudo correr bem, será um mês inteiro a partir de agora – até à final da Taça das Confederações, dia 2 de julho. Ainda não estou cem por cento em modo Seleção, mas hei de lá chegar muito em breve. De qualquer forma, todos desejamos o mesmo: que estas semanas terminem com mais um final feliz para a Equipa de Todos Nós.

 

miguel de cócoras.jpg

Entre a euforia e a realidade

IMG_20170325_194109_1.jpg

No passado sábado, dia 25 de março, a Seleção Portuguesa de Futebol venceu a sua congénere húngara por três bolas sem resposta, no Estádio da Luz, em jogo a contar para a Qualificação para o Mundial 2018 – e eu estive lá! Três dias depois, a Seleção Nacional foi derrotada pela sua congénere sueca, no Estádio Club Sport Marítimo, na Madeira, em jogo de carácter amigável.

 

Comecemos por falar do jogo com a Hungria, a que fui assistir com a minha irmã. Estava um bom ambiente na Luz. O estádio estava praticamente cheio, incluindo os tais dois ou três mil húngaros que, mesmo em minoria, conseguiram fazer-se ouvir. Foram-se calando mais à medida que a vitória portuguesa se ampliava, contudo. O público português também se manifestou sonoramente, com de resto acontece em todos os jogos da Seleção em casa. Gostei, particularmente, de cantar e ouvir cantar “Campeões! Campeões! Nós somos Campeões!”. Não dá para nos fartarmos deste cântico – da mesma maneira como não dá para nos fartarmos do orgulho de sermos Campeões Europeus.

 

Suponho que esta seja uma boa altura para falar sobre a polémica claque portuguesa e deixar o assunto arrumado. Quando descobri que a claque que puxara por Portugal durante o Euro 2016 de forma brilhante (sobretudo na final, em que silenciaram os maioritários franceses durante noventa por cento do jogo) iria regressar para o Portugal x Hungria, fiquei entusiasmada. Conforme julgo já ter referido antes, quando a minha irmã me leva aos jogos do Sporting, aquilo que mais gosto é de ouvir os cânticos da curva sul. Recriarem isso num jogo da Seleção seria fantástico.

 

E durante o jogo em si até resultou… mais ou menos. A claque ficou sentada quase debaixo os húngaros, o que não resultou muito bem em termos acústicos. No entanto, lá foi conseguindo com que os seus cânticos contagiassem ocasionalmente o resto da multidão portuguesa. Eu pelo menos ia cantando (pareceu-me ouvir o Pouco Importa a certa altura).

 

IMG_20170325_194125.jpg

  

Num mundo ideal, tudo o que uma claque faria seria isso: cantar, puxar pela equipa. Na realidade, vejo agora que esperar que uma claque se portasse civilizadamente era demasiado. À chegada à Luz terão havido desentendimentos  entre os membros da claque (que estariam a entoar cânticos anti-Benfica) e alguns adeptos no local. Não sei se esses cânticos foram resposta a alguma provocação e não me interessa. Só sei que a questão – certamente empolada pela proximidade do Benfica x F.C.Porto, bem como pelo boicote das águias à gala das Quinas de Ouro e ao próprio jogo com a Hungria – deu polémica. Chegou, em certos momentos, a desviar a atenção da Seleção em si.

 

A Federação já se veio demarcar das atitudes das claques e garantir que a Seleção não tem, e provavelmente nunca terá, um grupo oficial de apoio. Eu, apesar de tudo, acho melhor assim. Por muito que tenha gostado da claque durante o jogo com a Hungria, se o preço a pagar são mesquinhezes como estas, não vale mesmo a pena. Perdoem-me a linguagem, mas foi por causa de m*rdas como esta que desisti dos clubes. Não tragam guerras clubísticas para a Equipa de Todos Nós, não estraguem o ambiente pacífico dos jogos – a Seleção não é nada disto!

 

Agora que já arrumámos esse assunto, prossigamos.

 

   

O início do jogo com a Hungria este longe de ser perfeito. A Seleção demorou algum tempo a encaixar-se. O primeiro golo surgiu aos trinta minutos, na sequência da jogada deliciosa que dá para ver em cima, obra de Cristiano Ronaldo, Raphael Guerreiro e André Silva. Este último marcou, assim, o primeiro golo da Seleção em 2017.

 

O segundo não demorou. Desta feita, foi André Silva a assistir para Cristiano Ronaldo, que rematou de fora da área. A vantagem ampliou-se para 2-0.

 

Na segunda parte, as coisas abrandaram. André Silva saiu para dar lugar a Bernardo Silva. A ideia com que fiquei foi que Fernando Santos quis jogar pelo seguro e gerir o resultado. Neste jogo, isso correu bem. Os húngaros avançaram um pouco no terreno, mas não chegaram a ameaçar verdadeiramente. Cristiano Ronaldo marcou o terceiro golo da noite, de livre direto à esquerda – ainda não sei muito bem como é que ele rematou com aquele ângulo. O resultado manteve-se inalterado até ao apito final.

 

Tive pena que não se tivesse marcado mais um golo – acho que merecíamos. Nós, o público, chegámos a cantar “SÓ MAIS UM! SÓ MAIS UM!”. Também estranhei que Bernardo Silva não tivesse alinhado de início.

 

 Tirando isso, não há nada de mau a apontar à Seleção neste jogo. Correu melhor do que estava à espera – pensava que os húngaros iam dar mais luta. Os novos BFFs futebolísticos André Silva e Cristiano Ronaldo prometem vir a dar muitos golos à Seleção no futuro próximo. Saí da Luz muito satisfeita e otimista relativamente à Equipa de Todos Nós e assim me mantive durante os dias seguintes...

 

...até ao particular com a Suécia.

 

transferir.jfif

 

Este era um jogo, tanto para homenagear Cristiano Ronaldo na sua terra natal, como para homenagear o povo madeirense. Uma maneira de lhes agradecer pelo apoio à Seleção, sobretudo durante o Europeu. Recordo que a Madeira esteve dezasseis anos à espera de voltar a ver a Equipa de Todos Nós.

 

O jogo até começou bem. Cristiano Ronaldo marcou logo aos dezoito minutos, após um momento de magia de Gelson Martins, que assistiu de trivela. Este foi o septuagésimo-primeiro golo do madeirense com a Camisola das Quinas e o quinto jogo seguido da Seleção em que marcou. Ou seja, aos 32 anos, Ronaldo está a atravessar a sua melhor fase na Equipa de Todos Nós – quando a sua época no Real não está a correr tão bem como outras.

 

Um dos seus próximos recordes a bater será o de melhor marcador europeu a nível de seleções. Ronaldo encontra-se, neste momento, no terceiro lugar, com dois húngaros à sua frente: Kocsis, com setenta e cinco golos, no segundo lugar, e Ferenc Puskas, com oitenta e quatro, no primeiro lugar. O segundo lugar é perfeitamente alcançável, na minha opinião – se Ronaldo continuar assim, por alturas do fim do ano já terá ultrapassado Kocsis. O primeiro lugar é mais difícil, naturalmente. Mas, lá está, Ronaldo tem feito carreira esticando os limites do possível.

 

transferir.jfif

  

Por sua vez, Gelson voltou a participar no segundo golo. Desta feita, fintou uns quantos defesas suecos, tentou assistir para Bernardo Silva, mas acabou por ser o sueco Granqvist a desviar para dentro da baliza.

 

Entre Gelson, Renato Sanches (que também estava espevitado nesse jogo), André Silva, Bernardo Silva, Raphael Guerreiro e outros de que não me recordo neste momento, tenho imensas esperanças nesta geração. Não devemos voltar a ter um fenómeno estilo Cristiano Ronaldo nos próximos... cem ou duzentos anos. Mas julgo haver qualidade suficiente nesta nova geração para a Equipa de Todos Nós nos continuar a dar alegrias a longo prazo.

 

Confesso que, por alturas do intervalo, me deixei levar pela euforia. Na prática, a Seleção Portuguesa não se tinha mostrado assim tão superior à sueca. E a realidade atingiu-nos em força, na segunda parte. Fernando Santos efetuou várias alterações para a segunda parte, procurando, mais uma vez, gerir a vantagem. Desta vez não resultou muito bem, a defesa fragilizou-se. Para além disso, verdade seja dita, metade dos portugueses não deviam estar muito para ali virados: este era apenas um particular e, conforme toda a gente insistia em recordar-nos, em vésperas de jogos importantes de clubes.

 

Com tudo isso, não nos podemos queixar senão de nós próprios, nem no que toca aos golos de Claesson, nem mesmo no auto-golo de João Cancelo, ao cair do pano.

 

aplausos.jpg

  

Vou ser sincera: doeu perder este jogo. Sobretudo porque andava eufórica com a Seleção desde o jogo com a Hungria. Mas também já ando nisto há tempo que chegue para saber quando há motivo para alarme. Não é o caso. Mesmo com um onze completamente diferente do habitual, a Seleção teve bons momentos. Além de que este é apenas um particular e derrotas em particulares são frequentes na era de Fernando Santos. E, tendo em conta que a Qualificação tem corrido bem desde aquela primeira derrota, as coisas podiam estar bem piores. Acreditem, para mim o Mundial 2014 não foi há assim tanto tempo.

 

Agora vem aí a Taça das Confederações. Sendo esta a nossa primeira vez, ainda não sei ao certo como é que isso vai funcionar, em termos de calendário pelo menos (Divulgação dos Convocados, início da preparação, etc). Dava-me jeito saber, para poder planear as publicações aqui no blogue e na página do Facebook em função disso.

 

Estou a assumir que o calendário será semelhante à de um Europeu ou Mundial: Convocatória (tanto para as Confederações como para o jogo com a Letónia da Qualificação) logo após o término do campeonato de clubes (ou seja, 22 ou 23 de maio); início do estágio após a Taça de Portugal (ou seja, dia 29 ou 30 de maio). Como a Letónia fica na Europa de Leste, perto da Rússia, a Seleção deverá seguir para território russo logo após o jogo do Apuramento. Uma complicação será a final da Champions, a 3 de junho. O Ronaldo e o Pepe que me perdoem, mas espero que o Real Madrid não se qualifique este ano.

 

a taça na Madeira.jpg

 

Hei de falar melhor sobre a Taça das Confederações mais tarde. Para já, tudo o que precisam de saber é que, a menos que ocorra algum imprevisto, vou fazer como faço num Europeu ou Mundial: publicarei um texto antes da Divulgação dos Convocados e um texto depois. É só uma questão de a Federação confirmar a data (espero que não demore muito).

 

Em todo o caso, já sabem, podem esperar comigo pela Taça das Confederações na página do Facebook de apoio a este blogue.

Mea culpa

boa disposição na gala.jpg

No próximo sábado, dia 25 de março, a Seleção Portuguesa de Futebol recebe a sua congénere húngara no Estádio da Luz, em jogo a contar para a Qualificação para o Mundial 2018… e eu vou estar lá. (No jogo com a Hungria, não no Mundial… pelo menos ainda não tenho planos para isso.) Três dias mais tarde, receberá a Seleção sueca no Estádio Club Sport Marítimo, na Madeira, em jogo de carácter amigável.

 

Esta é a primeira entrada de 2017. Bom resto de ano a todos os leitores. Antes de falarmos sobre estes jogos e sobre os Convocados… tenho um mea culpa a fazer. Ao contrário do que aconteceu nos anos anteriores, desta feita, não houve revisão de 2016. Se alguém estava à espera desse texto, peço imensa desculpa.

 

Eu não tinha planeado saltar a revisão de 2016. Pelo contrário, de início, até estava entusiasmada por escrever sobre as aventuras e desventuras da Equipa de Todos Nós nesse ano - afinal de contas, 2016 foi o melhor ano de sempre para a Seleção Nacional. No entanto, se forem ler os últimos textos do ano passado, hão de ver que eu já me queixava de desgaste relativamente a este blogue. Ora, esse desgaste afetou a revisão do ano. Até comecei a trabalhar nela relativamente cedo - pouco após o jogo com a Letónia - mas acabei por arrastá-la durante semanas, até bem depois do início de 2017.

 

IMG_20170323_101443.jpg

 

Para além do desgaste, acho que um dos motivos pelos quais o texto estava a custar a sair era porque queria escrever sobre o Europeu e, sobretudo, sobre a final - mas não queria escrever sobre o resto do ano. Não tinha quase nada a dizer sobre os jogos antes e depois do Europeu que não tivesse dito antes. Mesmo aquilo que queria acrescentar sobre o Europeu não era assim tanto.

 

O facto de ter menos tempo do que o costume para dedicar à escrita também não ajudou.

 

A meio de janeiro dei por mim com metade do texto ainda por escrever. Ia fazendo contas à vida, pondo a hipótese de publicar este texto em data passada - fingir que o tinha publicado nos primeiros dias do ano. Mas depois pensei… o meu blogue por norma já não tem muitas visitas. Calculo que as revisões anuais tenham ainda menos - não me parece que a maior parte das pessoas tenha paciência para ler textos tão grandes. Não costumo importar-me com isso - se me importasse, já tinha desistido do blogue há muito tempo. Mas se este texto me estava a custar tanto a escrever e se muito poucas pessoas o leriam… para quê estar a chatear-me?

 

Não foi uma decisão fácil de tomar. Durante algum tempo não estive cem por cento certa de que fiz bem. No entanto agora, que já se passaram mais de dois meses, não me arrependo - só me arrependo de não ter detetado o problema antes e de não ter procurado uma solução enquanto ainda ia a tempo. As vantagens têm sido várias - a maior de todas é ter-me permitido afastar-me um pouco deste blogue, curando o desgaste que vinha a sentir. Hoje, estou de novo entusiasmada por voltar a escrever sobre a Seleção.

 

patrício no treino.jpg

 

Tenho uma certa pena por não ter partilhado convosco algumas das ideias que queria incorporar na revisão de 2016, admito. Mas devo poder falar sobre elas noutras ocasiões. Ainda não sei se, mais à frente, haverá uma revisão de 2017 - vai depender de muitas coisas. Se houver, talvez venha em moldes diferentes.

 

Mas passemos ao assunto principal deste texto: os próximos jogos da Seleção. A Convocatória para esta jornada dupla não trouxe grandes novidades. A única Chamada que causou alguma polémica, ainda que ligeira, foi a de Renato Sanches, que está longe de ser indiscutível no Bayern de Munique.  Fernando Santos disse que nunca tinha dito que os jogadores tinham de jogar os noventa minutos para serem elegíveis para serem Convocados… mas acho que o Selecionador está a arranjar lenha para se queimar em futuras Convocatórias com essa desculpa. De resto, é pouco provável que Renato seja titular, sobretudo agora em que Bernardo Silva está numa fase tão boa.

 

Como já vai sendo habitual depois destes longos hiatos, demorei um pouco a recordar-me em que ponto ficaram as coisas no que toca à Qualificação, aquando do nosso último jogo. Continuamos em segundo lugar, a três pontos da Suíça, que só tem vitórias neste Apuramento. É pouco provável que isso mude nesta jornada, já que o seu adversário será a Andorra. Por sua vez, Portugal vai voltar a jogar contra a Hungria, nove meses depois do caricato jogo do grupo do Euro 2016.

 

IMG_20170302_180356.jpg

 

Fernando Santos afirmou, aquando da Convocatória, que não acredita que a Hungria venha à Luz jogar para o empate. Eu também não. Primeiro, no Europeu, eles conseguiram fazer com que o futuro Campeão Europeu suasse para conseguir um empate. Segundo, eles estão em terceiro lugar no grupo de Apuramento, por uma diferença de dois pontos em relação a nós - ou seja, se nos vencerem, passam-nos à frente. Porque haveriam os húngaros de não dar tudo por tudo? Não, não devemos esperar facilidades - até porque, segundo Fernando Santos, os húngaros terão cerca de dois mil adeptos na Luz, puxando por eles.

 

Talvez seja por isso que a Federação esteja a fazer publicidade a este jogo de forma bastante acesa. Não que eu precisasse disso - eu e a minha irmã comprámos os bilhetes um ou dois dias após serem colocados à venda no Continente (gostamos de aproveitar os 50% de desconto em cartão). Infelizmente, voltámos a ficar no terceiro anel - por algum motivo, o Continente onde costumamos comprar os bilhetes não recebe outros lugares… Enfim, teremos de experimentar comprar noutros hipermercados.

 

Em todo o caso, eu, como sempre, quero estar lá, independentemente do lugar Quero ver a Seleção jogar, ao vivo, pela primeira vez como Campeões Europeus. Quero fazer a minha parte para obtermos uma vitória e continuarmos na luta pela Qualificação direta.

 

C5AfE2oVcAA1ATf.jpg

 

Esta dupla jornada incluirá, também, um particular com a Suécia. Pela primeira vez em dezasseis anos, a Seleção irá jogar na Madeira. Na verdade, estou surpreendida por não termos tido um jogo lá há tanto tempo - quando é a terra natal da maior figura da Seleção da última década. Há muito que os madeirenses mereciam ver Cristiano Ronaldo jogando em casa - não admira que os bilhetes tenham esgotado tão depressa.

 

Vai ser giro voltar a jogar contra os suecos, três anos e meio (!?!?!?) após os inesquecíveis playoffs de Apuramento para o Mundial 2014. Estou bastante entusiasmada por voltarmos a ter Zlatan Ibrahimovic como adversário - quem acompanhe a página no Facebook deste blogue saberá que acho imensa piada aos seus modos convencidos (#daretoZlatan).

 

Por esta altura, é interessante recordar os playoffs contra a Suécia (a segunda mão, em particular) e compará-los com a final do Europeu - sobretudo no que toca ao papel de Cristiano Ronaldo. Aqueles 3-2 à Suécia foram espetaculares, ninguém duvida disso, está no meu top 10. Está, no entanto, numa posição baixa pois, como escrevi na altura, só deu Ronaldo nessa noite, os outros portugueses pouco fizeram, houve momentos em que até atrapalharam. Nessa noite, fomos mesmo Ronaldo-mais-dez.

 

transferir.jpg

 

Por sua vez, na final do Europeu, notou-se de maneira diferente a influência de Ronaldo. Como todos sabemos, ele saiu lesionado ainda na primeira meia-hora de jogo. De uma maneira paradoxal, longe de se dar por vencida, o resto da Seleção uniu-se, fortaleceu-se, decidiu ganhar o jogo por ele. Num jogo em que praticamente nada estava a nosso favor, mesmo antes de perdermos Ronaldo, em que era Portugal contra o Mundo, a Seleção adotou o lema da sua maior figura: “O vosso amor torna-nos mais fortes, o vosso ódio torna-nos imparáveis.”

 

Foi por isso que vencemos. Porque, em vez de sermos Ronaldo-mais-dez, fomos onze Ronaldos. A Seleção “Ronaldo-mais-dez” já nos deu várias vitórias, mas a Seleção “onze Ronaldos” deu-nos um título. Espero que a Equipa de Todos Nós não se esqueça disso, sobretudo nos desafios que se avizinham.

 

Mas estou a desviar-me do assunto deste texto. Para já, a prioridade é ganhar o jogo com a Hungria, para continuarmos esta série de vitórias e nos mantermos na luta pelo primeiro lugar, e fazer um bom amigável com a Suécia. Enfim, as mesmas prioridades de sempre, já se sabe como é.


Vou estar muito ocupada nos dias entre os dois jogos, não devo ter tempo para escrever a crónica do jogo com a Hungria antes do jogo com a Suécia. Contem, assim, com uma entrada única sobre os dois jogos. Em todo o caso, como sempre, podem acompanhar as aventuras e desventuras da Seleção nesta dupla jornada comigo, na página do Facebook deste blogue. Fiquem bem.