Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Os pensamentos de uma simples adepta da Seleção Nacional, que não percebe assim tanto de futebol mas que é completamente maluca pela Equipa de Todos Nós.

Seis anos depois

Na próxima sexta-feira, dia 11 de Outubro, a Seleção Portuguesa de Futebol receberá a sua congénere israelita. Quatro dias mais tarde, receberá os luxemburgueses. Ambos os jogos contarão para o Apuramento para o Campeonato do Mundo, que terá lugar no Brasil, no próximo ano. O jogo com o Luxemburgo terá lugar no Estádio de Coimbra. O com Israel terá lugar no Estádio de Alvalade... e seis anos depois da minha última vez, eu estarei lá!

Já lá vamos.

Os Convocados para a última dupla jornada deste Apuramento foram revelados foram revelados na passada sexta-feira. Existem vários novidades, com destaque para as estreias de Cédric, do Sporting e André Almeida, do Benfica, ambos jovens mas já com historial nas seleções de formação. A dúvida recai em qual deles será titular, substituindo o lesionado João Pereira. Eu apostaria em Cédric, que tem sido titular no seu clube com regularidade, ao contrário de André Almeida. E, de resto, tanto a minha irmã como uma seguidora habitual da página do Facebook de apoio a este blogue têm elogiado o jogador, mesmo antes da Convocatória, tendo ficado naturalmente contentes com esta escolha. De qualquer forma, sempre haverá uma competição saudável entre os dois ao longo destes dias, a ver qual deles ganha a titularidade. Quem quer que seja o escolhido, só espero que se adapte bem à equipa e faça uma boa exibição. Porque o jogo não vai ser fácil e a nossa lista de baixas não me deixa descansada.

A essa lista juntou-se anteontem Bruno Alves. Sereno foi Chamado para o lugar dele mas não sei se este será titular, se Neto jogará no lugar de Bruno - julgo que Paulo Bento experimentou essa estratégia recentemente. Mais uma ausência que não me agrada de maneira nenhuma, não apenas por o Bruno ser uma peça importantíssima na nossa defesa, mas também porque, agora, vamos jogar com Israel amputados dos três Marmanjos que marcaram da última vez que enfrentámos os israelitas. Que, ainda por cima, incluem dois dos nossos melhores marcadores nesta Qualificação.


Entre esses três está Fábio Coentrão, cuja ausência em jogos anteriores esteve associada a dificuldades e maus resultados. E também aquele com quem ainda estou zangada por se ter excluído desnecessariamente deste jogo, impossibilitando-me de vê-lo em Alvalade. Não que esteja particularmente preocupada com a sua substituição, apesar de ele continuar a ser o nosso melhor marcador neste Apuramento - confio em Hugo Almeida e considero promissoras as Chamadas de Nélson Oliveira e Éder. No entanto, nenhum deles é Hélder Postiga, um dos meus preferidos, um dos que mais queria ver jogar sexta-feira. Entre outras coisas, queria participar numa celebração de golos que vi uma vez num dos jogos. O speaker diz o primeiro nome do marcador:

- Hélder...

E o público responde:

- POSTIGA!

- Hélder...

- POSTIGA!

Posso participar na celebração de outros marcadores mas poucos têm um apelido com esta sonoridade.


É por estas e por outras que acho que o jogo com Israel não vai ser fácil. Mas estou à espera que os Marmanjos ganhem o jogo porque, entre outros motivos, vou estar lá. O último jogo da Seleção a que assisti foi também no Estádio de Alvalade, contra a Sérvia, em setembro de 2007. Um jogo do qual não guardo muito boas recordações pois não só empatámos, comprometendo ainda mais a Qualificação para o Euro 2008, mas também, e sobretudo, pelo triste episódio da agressão de Scolari a um jogador sérvio. Tais más recordações deixaram-nos sem vontade de assistir a jogos da Seleção durante algum tempo. Tal vontade só regressou após o Euro 2012, em particular com a campanha da cadeia de supermercados patrocinadora, que oferece cinquenta por cento de desconto para compras. Estivemos para ir ao jogo com a Rússia mas não nos dava jeito, por razões variadas. Por fim, ontem de manhã comprei quatro bilhetes: para mim, para a minha mãe e para os meus irmãos.

Consta que, se vencermos Israel, o segundo lugar fica praticamente garantido. Mas ninguém esquece a possibilidade de a Rússia escorregar nos dois jogos que lhe faltam - uma possibilidade remota, visto que os russos vão jogar com o Luxemburgo e o Azerbaijão. Seria preciso os russos darem uma de... bem, de portugueses em início de Qualificação. Desleixarem-se por completo pensando que se resolverá mais cedo ou mais tarde, de não acordarem a tempo de evitarem o empate ou mesmo a derota.

Por outro lado, sabem como é o futebol. Há dois anos também era remota a hipótese de não nos Qualificarmos em primeiro. Lembram-se? "Bastava" empatarmos com a Dinamarca, talvez nem tanto pois podíamos ser os melhores segundos lugares. Na altura, esta conversa irritava-me, mesmo antes de tais teorias terem falhado redondamente. De resto, o playoff foi, depois, de tal maneira épico que compensou tudo isso. Largamente.


Há quem tenha vontade de ir aos playoffs por esse motivo. Por serem mais dois jogos oficiais da Seleção, pela esperança de que se revelem tão emocionantes como foram os de 2011. Eu também tenho essa esperança e julgo que já afirmei aqui que merecíamos mais o Apuramento direto há dois anos do que agora. No entanto, eu não negaria a tranquilidade de ficarmos já Qualificados. E os playoffs podem sempre revelar-se traiçoeiros - embora em tenha a noção de que não é do interesse de muita gente na FIFA um Mundial sem Cristiano Ronaldo, pelo que é pouco provável encontrarmos um adversário tipo a França. E daí, paradoxalmente, tal seleção poderia ser mais motivadora para os Marmanjos do que, por exemplo, a Bósnia.

Aquilo que uma parte significativa de mim sabe, sempre soube mesmo aquando daquela série de jogos infelizes no passado recente, é que Portugal estará no Brasil de uma maneira ou de outra. Já o disse aqui anteriormente. Pode ser ingenuidade mas assumo sempre que Portugal marcará presença no campeonato de seleções seguinte. Raramente questiono tal convicção e a verdade é que, até agora, não me enganei. É claro que não é uma certeza a cem por cento porque... é o futebol! No futebol não há certezas a cem por cento!

Do mesmo modo sei - e também já o disse aqui - que nenhum dos Marmanjos quer ficar de fora do Mundial; que, de resto, o improviso, o desenrascanço, são especialidades portuguesas. Já o fizeram antes e acredito que o farão de novo. Começando - ou melhor, continuando - com o jogo de sexta-feira. O que peço são três pontos - de preferência sem os sobressaltos do jogo com a Irlanda do Norte mas, se tiver de ser... Seja com uns bons 2-1, com uns convincentes 4-1, com um 1-0 arrancado a ferros ou um 3-2 em cima do minuto noventa. Quero gritar "GOLO!" em coro com o resto de Alvalade, quero sair de lá com a sensação de que o tempo e o dinheiro gastos para garantir a minha presença não serão desperdiçados. Seis anos depois, vou responder ao apelo várias vezes repetido pelos jogadores, vou estar no Estádio, vou cantar, vou celebrar, vou gritar, vou dar-lhes apoio e puxar por eles, num jogo difícil. Em troca, o apelo que faço é o seguinte: não me desiludam.