Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Os pensamentos de uma simples adepta da Seleção Nacional, que não percebe assim tanto de futebol mas que é completamente maluca pela Equipa de Todos Nós.

Portugal 3 Noruega 0 - Dando a mão à palmatória

abraços a quaresma.jpgNo passado domingo, 29 de maio, a Seleção Portuguesa de Futebol venceu a sua congénere norueguesa por três bolas sem resposta, no Estádio do Dragão, em jogo de carácter preparatório do Campeonato Europeu da modalidade, que começa na próxima semana.

 

Vou ter de dar a mão à palmatória, pois eu não estava nada à espera de um resultado como este. Tal como escrevi na crónica anterior, os últimos particulares semelhantes a este acabaram sempre sem golos e com exibições fracas. Eu até antecipei as críticas que provavelmente fariam à Seleção depois deste jogo! Não que este tenha sido um grande encontro, mas teve um bom resultado e deixou boas indicações para o Europeu.

 

Sei que Portugal entrou bem no jogo, dominando durante os primeiros minutos, abrandando o ritmo depois. A verdade é que não prestei muita atenção ao jogo durante a primeira parte. Estava, aliás, distraída, na conversa, no momento do golo de Ricardo Quaresma (em minha defesa, era sobre algo mais ou menos importante). Fico com pena de não ter visto a trivela em direto: uma bela obra de arte, nove anos depois de outra trivela marcante, frente à Bélgica. Já se começa a dizer que Quaresma desafia a titularidade de Nani. Eu não diria ainda isso, que Nani já conta muitos anos a virar frangos e atravessa um bom momento. Mas a Seleção só tem a ganhar com este tipo de concorrência.

 

quaresma agradece ao dragão.jpg

 

Como referi acima, depois dos primeiros vinte minutos, a Seleção baixou as linhas - mais do que Fernando Santos esperava, segundo declarações do mesmo no fim do jogo. Não me passou despercebida a fífia de José Fonte com o norueguês King, que poderia ter dado para o torto não fosse a intervenção do guarda-redes Anthony Lopes. 

 

Na segunda parte as coisas estiveram um pouco mais consistentes para o lado português. Pouco após os sessenta minutos, é marcado livre a nosso favor. Adrien e Raphael Guerreiro posicionam-se para marcar. Enquanto tentava adivinhar qual dos dois bateria o livre, lembrei-me, por acaso, que Guerreiro já tinha marcado pelo menos um golo pelo seu clube de maneira semelhante. E de facto o miúdo executou o livre de forma soberba para dentro da baliza.

 

Este golo deixou-me muito satisfeita. Como sabem, fiquei rendida a Raphael Guerreiro com o inesquecível golo à Argentina, no último minuto. Renato Sanches pode ser o menino-prodígio do momento, mas Guerreiro merece tanto carinho como ele. Continuo a fazer figas para que Guerreiro seja titular.

 

Entretanto, Ricardo Carvalho e Ricardo Quaresma foram substituídos e Éder recebeu a braçadeira de Capitão. Eu e a minha irmã estranhámos o facto, mas a verdade é que não havia ninguém mais experiente em campo em termos de Seleção.

 

- Só para verem - disse a minha irmã - o Éder é ponta-de-lança, tem internacionalizações suficientes para ser Capitão, mas só tem um golo marcado.

 

Eu tive de concordar. No entanto, Éder calar-nos-ia a todos aos setenta e um minutos, ao encostar para a baliza após passe de João Mário.

 

abraços a éder.jpg

 

É isto que queremos de Éder. Que marque golos, que justifique a Convocatória, a confiança do Selecionador, o benefício da dúvida que lhe dei, que vá calando os críticos, eu incluída. Este golo servirá, certamente, para dar confiança a Éder para os próximos jogos, sobretudo durante o Europeu.

 

No fim do jogo, o público entoou o cântico novo, "Tudo O Que Eu te Dou - Somos Portugal", algo que já tinha ocorrido amiudadas vezes durante o jogo, encorajados pelo speaker - a Federação está mesmo a tentar enfiar-nos o cântico pelas goelas abaixo. Dito isto, eu até gostei de ouvir o público cantando em coro durante o jogo. Era isto que o Cristiano Ronaldo queria, não era?

 

Este foi o resultado mais dilatado da era Fernando Santos. A Noruega, não sendo uma potência do futebol, também não está propriamente ao nível do Luxemburgo. É um claro progresso relativamente aos primeiros particulares de estágios anteriores. As falhas apresentadas neste jogo (e não foram assim tão poucas) não são motivo para grandes dramas, nesta altura do campeonato. 

 

cumprimentos de fernando santos.jfif

 

Dito isto tudo, Fernando Santos não alinhou em euforias, bem pelo contrário. O Selecionador disse mesmo que "o resultado é bom mas não é mais do que isso", que "esperava um pouco mais neste jogo em termos de automatismos". Concorde-se ou não com ele, é sempre preferível quando o treinador está menos satisfeito que os comentadores em geral. Porque o treinador pode corrigir os defeitos que encontra, ao contrário do comentador e do adepto comum. Em todo o caso, conforme Cédric afirmou após o jogo, a preparação ainda estava a começar aquando do jogo, ainda havia tempo para limar as arestas que faltavam.

 

A Seleção volta a entrar em campo hoje, com um adversário de calibre bem diferente. Os nossos três últimos jogos com a Inglaterra foram... engraçados. Só me lembro dos dois últimos - falei dos dois em entradas recentes. Mas já se passaram dez anos. Segundo o que tenho lido, hoje a seleção inglesa é uma seleção muito jovem e parte para o Europeu com ambições semelhantes às nossas.

 

Este jogo com a Inglaterra será um teste de fogo à Equipa de Todos Nós, para ver como esta se sai perante uma seleção grande. Tendo em conta que nunca ganhámos em terras de Sua Majestade e estando nós ainda a meio da preparação do Europeu e sem Cristiano Ronaldo, as minhas expectativas para este jogo não são muito altas. No entanto, a Seleção já surpreendeu perante equipas grandes nos últimos dois anos (com as devidas atenuantes). Nunca se sabe, portanto...

 

Tenho uma certa pena por Cristiano Ronaldo não participar neste jogo. Tinha uma curiosidade mórbida relativamente à maneira como os ingleses o receberiam depois do que aconteceu no Mundial 2006. Também tenho pena que não tenham convidado o guarda-redes Ricardo para assistir ao jogo, só para gozar.

 

treinos em wembley.jpg

 

Podemos ir ainda a meio da preparação do Europeu, mas já conseguimos coisas importantes. O grupo parece unido, motivado, empenhado. A mensagem ambiciosa de Fernando Santos está a ser adotada, colocada em prática por toda a Seleção (jogadores, equipa técnica, pessoal de apoio), a alastrar um pouco para a massa adepta. São cada vez mais as vozes que se juntam ao coro daqueles que acreditam na nossa Seleção (José Mourinho, Rui Costa, Marco Silva...). Tudo isto pode não ser suficiente para garantir um bom desempenho no Europeu, mas ajuda muito. Não me lembro de isto ter existido aquando do Mundial 2014, pelo menos não neste grau - talvez isso tenha feito a diferença. 

 

Uma parte de mim continua com algum medo, algum cepticismo, sem certezas absoluta de que a Equipa de Todos Nós conseguirá traduzir todo este otimismo, toda esta ambição em campo. Rui Costa, no entanto, já disse que Portugal não pode ter medo de se assumir como candidato. Fernando Santos disse em tempos que Portugal brilha quando não tem medo - os grandes feitos da nossa Seleção nos últimos dezasseis anos são prova disso. Por fim, Pedro Pauleta disse há dez anos, precisamente numa sala cheia de ingleses, que o povo português não tem medo de nada, que foi assim que conseguiu dar novos mundos ao Mundo. 

 

Que o jogo de hoje sirva, então, para Portugal praticar o futebol sem medo.