Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Os pensamentos de uma simples adepta da Seleção Nacional, que não percebe assim tanto de futebol mas que é completamente maluca pela Equipa de Todos Nós.

Portugal 2 Equador 3 - Ano novo, equipamento novo, os disparates do costume

Na passada quarta-feira, dia 6 de fevereiro, a Seleção Portuguesa de Futebol recebeu, o Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães, a sua congénere equatoriana, num jogo de cariz preparatório. No fim do encontro, o marcador assinlavava 3-2 a favor da equipa visitante.
A História recente voltou a repetir-se de uma forma que começa a ganhar contornos alarmantes. Este era mais um jogo em que tínhamos todas as condições para ganhar ou, pelo menos, para não perder. Eu tinha um bom pressentimento, ainda que não deixasse de recear que os Marmanjos metessem água outra vez. Ainda não estava em casa aquando do início do jogo. Estava no carro com a minha irmã, ouvindo o relato na rádio. Cantei o hino com uma mão no volante e outra no coração. A minha irmã até me pediu para irmos mais devagar, de modo a podermos desfrutar do relato radiofónico durante mais tempo.
O jogo não começou mal para o nosso lado, com uma primeira tentativa de golo no primeiro minuto. Agora penso que o jogo poderia ter tido uma história diferente caso o Hélder Postiga tivesse inaugurado logo o marcador. Mas, na altura, fiquei satisfeita por, aparentemente, a Seleção ter entrado em campo com vontade de fazer um bom jogo.
No momento seguinte, ouvi de passagem que os equatorianos tinham pegado na bola. Isto porque encontrava-me a debater com a minha irmã. Esta, uma fan girl do Rui Patrício, ao descobrir que o Eduardo estava na baliza em vez do guarda-redes do Sporting, amuara. Estava eu a defender o guardião titular, explicando à minha irmã que o Eduardo mantivera as nossas balizas invioladas durante jogos e jogos a fio, aquando do Mundial 2010 e respetiva qualificação, quando os equatorianos marcam, num lance em que o guarda-redes português teve culpas no cartório.
Obrigadinha, Eduardo!

Como poderão imaginar, a minha irmãzinha ficou logo numa de eu-bem-avisei assim permaneceu até bem depois dos noventa minutos. A defesa não ficou bem na fotografia aquando do primeiro golo do Equador mas, segundo a minha irmã, isso não seria problema para Rui Patrício, visto que o guardião está habituado a jogar atrás de "defesas parvas" no Sporting. O jogo acabaria por dar-lhe razão e eu própria tive de concordar que a história do encontro poderia ter sido diferente caso o Patrício tivesse jogado.
Coisas que acontecem quando duas "especialistas" do futebol vivem na mesma casa...
No entanto, Paulo Bento tinha de dar uma oportunidade a Eduardo. Como o Selecionador afirmou posteriormente, na Conferência de Imprensa de rescaldo do jogo, o plano era usar os dois guarda-redes suplentes nestes dois particulares. Contra o Gabão jogou o Beto, contra o Equador jogou o Eduardo. Não foi culpa de Paulo Bento que este último guarda-redes tenha desperdiçado a oportunidade e feito aquelas asneiras...


Felizmente a equipa reagiu bem ao golo sofrido, impulsionada por Cristiano Ronaldo - a semelhança de muitos outros jogos, o madeirense foi um dos mais inconformados, mesmo sem estar a cem por cento, nas suas palavras. Durante algum tempo tivemos Seleção a sério - algo a que não havíamos tido direito nos últimos dois jogos. O primeiro golo das hostes lusitanas resultou de um belo rasgo de criatividade, com o Coentrão dando um toque e calcanhar e Ronaldo, num gesto de mestre, ajeitando a bola e rematando, sem hipótese para o guarda-redes do Equador. Primeiro golo do ano!

No início da segunda parte, começava a adivinhar-se o segundo golo da Equipa das Quinas. Este acabou por surgir aos sessenta minutos. Marcado por Hélder Postiga - provando, uma vez mais, ser merecedor da minha teimosa fé nele - embora a jogada tivesse sido iniciada por Ronaldo e Nani tenha assistido. Foi, na verdade, um golo proporcionado pelo nosso trio de ataque, pela minha troika de jogadores preferidos.

Durante um minuto estive felicíssima. Depois de todos estes meses, a Seleção estava prestes a ganhar um jogo de novo! Estávamos de volta! No entanto, a Fortuna não deixou este engano de alma, ledo e cego, durar muito. Nem chegou a dois minutos.


Juro que não percebo que raio passou pelas cabeças de João Pereira e Eduardo, para fazerem aquele disparate. Faz lembrar o golo da Noruega no jogo de setembro de 2010 mas, nessa altura, tinham a desculpa do caso Queiroz. Porquê, João Pereira? Porquê, Eduardo? Vocês até são tipos simpáticos, deram-nos autógrafos quando eu e a minha irmã fomos ao Jamor, porque é que foram fazer aquela parvoíce?

Não é de admirar que a equipa tenha ido abaixo depois disto, sobretudo tendo em conta que jogadores como Cristiano Ronaldo, Nani, Raúl Meireles e Hélder Postiga foram substituídos nos minutos seguintes. Tenho de ser justa, o terceiro golo dos equatorianos não foi nada mau, o Eduardo pouco poderia fazer. Nem quero recordar-me do resto do jogo. Referir apenas que até houve uma bola à trave, por Custódio, só para a festa ser completa.


Que posso eu dizer que já não tenha dito em várias entradas ao longo do último ano, em particular nas últimas três ou quatro? Já não percebo se esta série de maus resultados é azar, é incompetência, sei lá... O jogo não foi completamente mau, é certo. Como disse acima, tivemos bons períodos mas depois deitámos tudo a perder com infantilidades. Não culpo o João Pereira nem o Eduardo. Eles já fizeram muito pela Seleção anteriormente, em particular o último. E foi bom isto ter acontecido num particular, num jogo sem consequências em termos pontuais. Com um pouco de sorte, eles aprenderão com estes erros e não tornarão a cometê-los, muito menos quando fora a doer.

O melhor deste jogo foi mesmo ter sido um particular, pois aconteceram coisas que dificilmente aconteceriam num oficial: o Rui Patrício teria, provavelmente, sido titular; Paulo Bento não faria tantas alterações ao onze inicial; os jogadores esforçar-se-iam um bocadinho mais - embora não se possa dizer que não tenham tentado levar o jogo a sério.

Começa a ser um filme demasiado visto. Campanhas publicitárias para vender bilhetes, pedidos de apoio, de moldura humana, intenções de começar o ano da melhor maneira, com equipamento novo e tudo - em suma, uma dose saudável de circo. As pessoas aderem, compram os bilhetes, vão até ao treino cantar os parabéns ao Cristiano Ronaldo, mas os jogadores não são capazes de retribuir isto tudo. E já não é a primeira nem a segunda vez! Aconteceu antes do Euro 2012, com a Macedónia e com a Turquia - este jogo, aliás, teve imensas semelhanças com o particular de junho último, no Estádio da Luz - aconteceu no Dragão, com a Irlanda do Norte.


Um aparte só para dizer que a minha superstição "confirmou-se". Se tiverem seguido a página do Facebook deste blogue, saberão que não fiquei muito entusiasmada com o equipamento preto. Da última vez que a Seleção teve um equipamento dessa cor, entre 2006 e 2007, esteve sempre associado a maus resultados. A única vitória obtida com os Marmanjos vestidos de negro foi, se não me engano, coutra o Luxembrugo. Receio que o preto dê azar à Seleção. Não digo que tenhamos perdido por causa do equipamento, mas no futebol há sempre uma certa margem para a superstição.

Além de que, superstições à parte, não acho que o preto tenha muito a ver com a Turma das Quinas. O vermelho é a verdadeira cor da Seleção, penso eu. Simboliza paixão, garra, vida e os tons usados nos equipamentos não o fazem de uma forma berrante, agressiva, mas sim de uma forma sofisticada, elegante. Mesmo o verde e o branco são cores mais adequadas, a primeira por simbolizar a esperança, a segunda por ser uma cor pura, leve, e por os últimos equipamentos desta cor estarem muito bem feitos. O preto simboliza luto, tristeza e a Seleção é alegria - ou devia ser...

 A sorte daquela gente é o facto de a próxima jornada dupla ser fora. Com que cara é que iam pedir, mais uma vez, para as pessoas irem ao Estádio? Já achei que houve alguma lata em pedirem moldura humana em Guimarães... Começo a ficar um bocadinho farta de pedir e esperar por bons resultados e ter, constantemente, os Marmanjos a trocar-me as voltas.

Bem, desta vez - mais uma vez - passa. Afinal de contas, foi apenas um (outro) particular. E afinal, como outros têm recordado, antes do Euro 2012 estávamos numa situação semelhante e toda a gente viu o que aconteceu depois. A atitude é a mesma de sempre: recordar outras crises por que a Seleção passou e que foi capaz de ultrapassar, por vezes de forma milagrosa; acreditar que os Marmanjos conseguirão ultrapassar isto também.
É bom que o faça. A Turma das Quinas já esgotou todas as margens de erro de que dispunha, a partir de agora é tolerância zero. Está na altura de vermos o lado positivo da mania que a Seleção tem de escolher sempre o caminho mais difícil. Está na altura de a Equipa de Todos Nós cumprir as promessas que nos tem feito. Agora, venham Israel e Azerbaijão!