Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Meu Clube É a Seleção!

Os pensamentos de uma simples adepta da Seleção Nacional, que não percebe assim tanto de futebol mas que é completamente maluca pela Equipa de Todos Nós.

Portugal 1 Itália 0 - Matando demónios

heróis de genebra.jpgNo passado dia 16 de junho, a Seleção Portuguesa de Futebol venceu, por uma bola sem resposta, a sua congénere italiana num jogo de carácter particular, que teve lugar em Genebra, a Suíça. Foi a primeira vitória de Portugal frente à Itália desde 1976. O autor do único tento da partida foi Éder.

 

O Éder, minha gente, o Éder! Se já é difícil acreditar que Portugal finalmente ganhou à Itália - e sem Cristiano Ronaldo - saber que foi o Éder quem marcou o golo da vitória deixa qualquer um de queixo caído. Mas já lá vamos.

 

Eu não estava à espera de um jogo particularmente memorável, por várias razões (fim de época, ausência de figuras importantes, só o facto de ser um particular tira motivação aos jogadores e tensão ao jogo...). No entanto, durante a primeira parte, até fiquei satisfeita com a exibição dos portugueses, apesar do ritmo de fim de temporada. O domínio do jogo esteve relativamente repartido. Neste jogo notou-se, igualmmente, que a sorte estava do nosso lado e que eram os italianos a cometer mais erros - destaco o momento em que o Éder rouba a bola após um atraso infeliz para o guarda-redes italiano (uma oportunidade que, infelizmente, não soubemos aproveitar). É uma alternativa agradável ao que costuma ser a regra, da qual o jogo com a Arménia foi um exemplo.

 

Na altura em que Fábio Coentrão se lesionou, tendo de ser substituído por Eliseu, fiquei chateada. Desde o jogo com a França tinha embirrado com o lateral do Benfica - para aquela posição, prefiria mil vezes o Raphael Guerreiro que, apesar de jovem, marcou no seu segundo jogo pela Seleção, ainda por cima à Argentina. Da mesma maneira como embirrava com Éder, que já tivera inúmeras internacionalizações e zero golos pela Seleção. Digam o que quiserem do Hugo Almeida e do Hélder Postiga, mas, tanto quanto me lembro, eles demoraram menos tempo a marcar com a Camisola das Quinas, tendo ambos, até, uma série de golos no currículo que, em diversas ocasiões, nos foram preciosos.

 

É claro que, mais tarde, teria de engolir as minhas embirações. Algo que fiz com alegria.

 

josé fonte, bruno alves e italiano.jpg

 

A primeira parte terminou numa nota positiva para as cores lusas. Não pude acompanhar o início da primeira parte via televisiva, pois tive de ir à farmácia. É claro que me fiz acompanhar das palavras de Nuno Matos. Através do relato dele, soube que escapámos a um golo da Itália de pontapé livre por milagre - a bola bateu primeiro na trave e a recarga saiu ao lado. Mais uma vez, sabe bem ver a Sorte divertindo-se à custa dos nossos adversários, em vez do oposto, que costuma ser a regra. 

 

Foi também pela boca de Nuno Matos que soube quando Portugal chegou à vantagem. Como não estava em casa, não gritei "GOLO!", mas não deixei de festejar silenciosamente à minha maneira e, de qualquer forma, Nuno Matos deu voz às minhas emoções ("O Éder marcou! O Éder marcou! O Éder marcou!"). 

 

 

Durante muito tempo, depois do fim do jogo, fui repetindo para mim mesma: "O Éder? O Éder?". Quando mais tarde vi as repetições, soube que a jogada começara no igualmente improvável Eliseu e continuara com Ricardo Quaresma - este não assim tão improvável, sobretudo nesta era com Fernando Santos. Foi uma assistência em grande estilo, de trivela, que desaguou no golo.

 

Depois disto, naturalmente, a confiança dos portugueses disparou. Tivemos várias oportunidades para dilatarmos a vantagem, incluindo um pontapé de bicicleta de Éder - estava com ganas naquela noite... Nenhuma se concretizou e, mais perdo do fim, foi a vez dos italianos tentarem o empate. Valeu-nos Beto, que agarrou diversas bolas em que eu já via o golo. Não dei a vitória por garantida até ao apito final pois sentia que a Itália poderia empatar a qualquer momento. O que, felizmente, não aconteceu.

 

Tal como dei a entender antes, o desfecho do jogo deixou-me a rir de incredulidade. Tinha baixas expectativas para este encontro, mas pela enésima vez a Seleção apanhou-me de surpresa. Pela primeira vez em quarenta anos, Portugal vencia a Itália - cortesia dos jogadores mais improváveis (tirando Quaresma), na minha opinião. À semelhança do que aconteceu em 2013, a época teve um final feliz. A que terminou agora não começou nada bem, mas tornámos a entrar nos eixos relativamente depressa. Não temos muitos motivos de queixa.

 

festa em genebra.jpg

 

No final do jogo com a Sérvia, Fernando Santos dizia que as coisas estavam a correr bem. Continuamos nessa linha. Se formos a ver, no mandato dele, a Seleção tem sido capaz de, digamos, quebrar maldições antigas, matar uma série de demónios. Vencemos equipas que não vencíamos há décadas - a Argentina e a Itália. Vencemos a Dinamarca fora pela primeira vez em não sei quantos anos. Estreámo-nos, também, em vitórias frente à Sérvia e à Arménia fora. Éder marcou, finalmente. Contra as expectativas de muitos (eu incluída), a Turma das Quinas venceu uma boa equipa (não digo "uma grande equipa", pois tratava-se de uma Itália desfalcada) sem Cristiano Ronaldo. Pela primeira vez em dez anos (Dez. Anos.), o Apuramento decorre sem sobressaltos. A brincar a brincar, até a minha superstição do equipamento preto foi contrariada - a Turma das Quinas ganhou a uma equipa que não o Luxemburgo com ele vestido.

 

Com tudo isto, se em setembro conseguirmos vencer a França, começarei a acreditar verdadeiramente que poderemos vencer o Euro 2016. 

 

É claro que sei que as coisas não são assim tão lineares, que cada um dos exemplos que referi ocorreu em circunstâncias específicas. No entanto, é o suficiente para deixarmos de acreditar em impossíveis. Tal como escrevi antes, Fernando Santos define como objetivo o título europeu e garante que a Seleção tem trabalhado para isso, desde o primeiro dia do seu mandato. É o que ele diz e a verdade é que, o que quer que ele esteja a fazer, ele está a conseguir fazer coisas que outros não conseguiram. Todos concordamos que ainda temos caminho a percorrer, que ainda estamos a dar os primeiros passos, mas o que tenho visto até agora chega-me para acreditar que, se continuarmos assim, teremos condições para, daqui a um ano, matarmos o nosso último e maior demónio: a conquista do primeiro título.

 

7 comentários

Comentar post