Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Meu Clube É a Seleção!

Os pensamentos de uma simples adepta da Seleção Nacional, que não percebe assim tanto de futebol mas que é completamente maluca pela Equipa de Todos Nós.

Portugal 1 Islândia 1 - Tem de ser sempre assim?

1.jpeg

Na passada terça-feira, dia 14 de junho, a Seleção Portuguesa de Futebol estreou-se no Campeonato Europeu da modalidade com um empate perante a sua congénere islandesa, em Saint-Étienne. 

 

Eu até estava confiante para este jogo, mais confiante do que o costume, pelo menos, como poderão ler na crónica anterior. Claro que isso tinha de dar mau resultado. Portugal não entrou bem no jogo, de tal forma que o nosso primeiro susto neste Europeu ocorreu logo aos três minutos de jogo, quando Rui Patrício foi obrigado a uma defesa dupla, na sequência de um ataque de Sigurdsson. Só a partir dos quinze, vinte minutos é que Portugal começou a subir de rendimento e a criar oportunidades de golo. Eventualmente, Nani aproveitou um centro de André Gomes para marcar o nosso primeiro golo neste Europeu. De destacar que este foi o golo número seiscentos em fase finais - o nosso Nani fica, deste modo, inscrito na História do futebol.

 

Eu admito que, depois deste golo, fiquei mais tranquila, pensando que seria uma questão de tempo até se marcar o segundo golo. Mas não foi isso que aconteceu. Tal como ocorre demasiadas vezes com a Equipa de Todos Nós, a finalização foi o nosso calcanhar de Aquiles. E como se diz na gíria do futebol, "quem não marca, sofre". Assim, no início da segunda parte, a Islândia anulou a vantagem, num lance em que Vieirinha fica muito mal na fotografia.

 

8.jpeg

 

Depois desta, Portugal perdeu o norte (percebem? Porque a Islândia fica no norte da Europa?... Não?... Eu vou calar-me...). Os Marmanjos ainda tentaram, de forma atabalhoada, correr atrás do resultado. Fernando Santos lançou Renato Sanches e Ricardo Quaresma e estes chegaram a dar uns ares da sua graça, mas já não foram a tempo de resolver a situação. O encontro terminou empatado. 

 

No final do jogo, os portugas deram as desculpas do costume: "Ai e tal, tivemos azar... tínhamos tudo para ganhar... agora temos de levantar a cabeça... não é como se começa, é como se acaba...". Não que não haja alguma verdade nisto - porque a Seleção teve bons momentos, teve posse de bola (até à altura do jogo, fora a segunda seleção do Europeu com maior posse de bola durante um encontro), em termos técnicos fomos melhores - mas declarações como estas nada acrescentam, em nada nos fazem sentir melhor. 

 

Por outro lado, as declarações de Cristiano Ronaldo, em que ele acusou os islandeses de jogarem apenas com "pontapé para a frente", de "meterem o autocarro atrás" e "fazerem anti-jogo", de festejarem o empate como se tivessem ganho o Euro, enfureceram os islandeses... e eu, para ser sincera, estou do lado deles. Para começar, palavras como estas não são novidade com Cristiano Ronaldo que, mesmo passados estes anos todos, continua um péssimo perdedor. A culpa nunca é dele! Ou são os adversários que estacionam o autocarro, ou são os colegas que não estão ao nível dele, ou é o treinador que esteve mal (ou não se lembram do "Perguntem ao Carlos"?). Fernando Santos, mais tarde, diria que Cristiano falou "com a cabeça quente", mas isso só seria aceitável como desculpa se Ronaldo tivesse vinte e um anos. Com a experiência que ele tem nos palcos mais elevados do futebol, Ronaldo já devia ter aprendido a lidar com derrotas como um homenzinho. É por estas e por outras que não acho que Ronaldo seja bom Capitão.

 

7.jpeg

 

Além disso, aquilo que ele disse sobre os islandeses foi uma falta de respeito. É uma coisa muito típica, de resto: quando uma equipa dita grande joga à defesa (e nós jogámos muito assim durante a Qualificação), ela joga "em bloco baixo". Quando uma equipa dita pequena joga à defesa, ela estaciona o autocarro. Será que Ronaldo acha que os islandeses não praticariam um futebol tecnicamente melhor, se pudessem? Será que Ronaldo esperava que a seleção de um pais com uma população que não encheria sete estádios de futebol jogasse como o Barcelona? A Islândia lutou muito para chegar a onde está, contribuiu para a eliminação da Holanda, pelo caminho ainda venceu a Turquia e agora empatou connosco, não merece ser tratada assim. Razão teve o selecionador islandês, que disse que os portugueses deviam era ter jogado melhor e ponto final. Ronaldo, amigo, eu adoro-te, mas nesta foste um idiota.

 

Dito isto tudo, têm chovido críticas a Ronaldo de todos os quadrantes do Mundo (é o que acontece em Europeus, está o planeta inteiro a ver), quer a propósito destas declarações, quer pelo seu fraco desempenho em campo. Eu não me ralo porque, em primeiro lugar, existe alguma verdade nelas; em segundo, eu mesma não estou com vontade de defender Ronaldo; finalmente, pode ser que estas críticas o espicacem a sério, de modo a que ele se vingue em campo nos próximos jogos, à boa maneira de Ronaldo.

 

9.jfif

 

A minha irmãzinha não viu o jogo comigo, fê-lo em casa de colegas. Quando chegou a casa, já muito depois do jogo, veio abraçar-se a mim e perguntou:

 

- 'Fia, porque é que tem de ser sempre assim?

 

Ela não é a única a fazer esta pergunta. Não é a primeira, nem a segunda, nem a terceira e não vai ser, certamente, a última vez que escrevo sobre uma situação que Portugal complica desnecessariamente. Penso que já escrevi isto antes, noutra ocasião, mas este é um daqueles casos em que, quanto mais as coisas mudam, mas elas ficam na mesma. É ao mesmo tempo exasperante e caricato. 

 

O que distingue este caso de outros é o discurso de Fernando Santos ao longo de... bem, o último ano. Ele tem-se fartado de dizer que quer conquistar o título e esse discurso tem convencido muitos (incluindo Miguel de Sousa Tavares, de todas as pessoas!). Eu tinha avisado, Fernando Santos não podia falar assim para depois termos resultados como este.

 

10.jpg

 

Resultado esse que colocou logo dois terços do País a vociferar contra Fernando Santos, Ronaldo, o resto da Seleção e tudo o que ela representa. Nada disso é novidade para mim. Conforme já foi assinalado muito bem na blogosfera, a larga maioria dos adeptos da Seleção não tem fibra para estas andanças. Tal como já assinalei inúmeras vezes aqui no blogue, ser-se adepto da Seleção não é fácil, não é para fracos. Qualquer um é capaz de apoiar Portugal depois de ganhar 7-0 à Estónia. Nem todos são capazes de fazer o mesmo depois de a Seleção empatar com a Islândia ou perder 4-0 com a Alemanha. Eu estou sempre lá, mesmo quando é contra o que a razão me dita. Basta-me recordar o Mundial 2014, em que perdi a fé após o empate frente aos Estados Unidos, mas não deixei de sofrer e entusiasmar-me durante o jogo com o Gana.

 

Continuo a achar que Portugal podia, e devia ter feito mais. No entanto, ainda nada está perdido. Já estivemos em situações piores e demos a volta (vide 2004 e 2012). Eu vou assumir que Fernando Santos e o resto da Turma das Quinas farão as correções necessárias a tempo dos próximos jogos. As declarações do Selecionador ontem, aliás, deixaram-me um pouco mais animada - respeito, aliás, a Fernando Santos por ter vindo dar a cara, responder às perguntas, depois da nossa má estreia. Posso continuar com as minhas dúvidas, com a minha fé abalada, mas sábado, frente à Áustria, estarei de olhos postos na televisão, armada com a minha velha blusa, o meu velho boné e o meu cachecol, esperando até ao último minuto que a Seleção consiga uma vitória. Também isso será sempre assim.

 

9.jpeg

 

P.S. Só reparei no dia seguinte, já muito depois do jogo, que o meu último texto neste blogue foi destacado pela equipa do Sapo Blogs. Este destaque não podia ter sido mais bem-vindo. Eu tive algumas dificuldades para publicar esta crónica. Andei cansada e sem vontade de escrever durante o último fim de semana, em parte por causa de um casamento a que fui na sexta-feira. Na segunda-feira tive de recorrer a vários cafés para acabar o texto - e, mesmo assim, só consegui publicá-lo no fim da noite. Eu não dependo do tráfego para manter os meus blogues (se assim fosse, teria desistido ao fim de um mês), mas significou muito para mim ver este meu esforço recompensado. Motiva-me ainda mais para manter aqui o estaminé a funcionar, sobretudo agora, durante o Europeu. O que eu quero dizer em suma é... obrigada!

8 comentários

Comentar post