Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Os pensamentos de uma simples adepta da Seleção Nacional, que não percebe assim tanto de futebol mas que é completamente maluca pela Equipa de Todos Nós.

Polónia 1 Portugal 1 (4-5 após penáltis) - A melhor oportunidade

abraços pós-penáltis.JPG

Na passada quinta-feira, dia 30 de junho, a Seleção Portuguesa de Futebol empatou a uma bola com a sua congénere polaca, em jogo a contar para os quartos-de-final do Euro 2016. O desempate através da marcação de grandes penalidades, após cento e vinte minutos de jogo, foi favorável à Seleção Nacional. A Equipa das Quinas segue, assim, para as suas quintas meias-finais em campeonatos Europeus. Vale a pena recordar que, nas últimas cinco edições, só em 2008 Portugal falhou o top 4 das seleções europeias.

 

Este foi um jogo que até nem começou bem para as cores portuguesas, com um golo aos dois minutos de Robert Lewandowski, depois de Cédric ter feito mal as contas e deixado Grosicki apanhar a bola e assistir para o golo. Na altura eu disse mesmo algo como "Pronto, já marcou", antes de praguejar, mas sabia perfeitamente que havia tempo de sobra para dar a volta ao texto. 

 

No entanto, os sinais que Portugal foi dando nos trinta minutos que se seguiram não foram animadores. Os portugueses estavam lentos e desorganizados. Os polacos iam detendo a maioria da posse de bola e os seus contra-ataques davam calafrios. Só à meia hora de jogo, mais coisa menos coisa, é que fizemos os primeiros remates. Foi nessa altura que nos negaram um penálti sobre Cristiano Ronaldo - já vamos em dois ou três neste Europeu mas também, como já falhámos um, não é assim tão linear que isso tenha afetado os nossos resultados.

 

Felizmente, o golo não tardaria, vindo dos pés do menino da Musgueira, pela primeira vez titular pela Seleção, Renato Sanches. Ele e Nani fizeram uma troca de bola deliciosa e, de seguida, Renato disparou para a baliza polaca, sem dó nem piedade.

 

bomba de renato.jpg

  

Estão a ver aquelas pessoas irritantes de há uns meses, que endeusavam o Renato até ao enjoo? Que diziam que o Renato seria a próxima superestrela da Equipa de Todos Nós, que já falavam da Seleção como Renato-mais-dez, que Crisitiano Ronaldo andaria com ciúmes dele e tudo? Bem, não estavam completamente errados (tirando a parte dos ciúmes, que o Ronaldo não é assim tão mesquinho) e fico felicíssima por isso. Neste Europeu, o Renato conta um golo e, não exatamente uma assistência, mas um papel importante na marcação de um golo. Foi eleito por duas vezes Homem do Jogo (ainda que Pepe tivesse sido mais merecedor em ambas as ocasiões) e colocou o Mundo inteiro a falar sobre ele. A última vez que aconteceu algo parecido na Equipa das Quinas num Euro, foi em 2004 com… Cristiano Ronaldo. Se forem ler entradas de há uns meses neste blogue, verão que eu achei que este hype montado em volta do Renato era exagerado. Agora já não acho que tenha sido assim tão exagerado. Ele ainda está algo imaturo, comete demasiados erros comprometedores, decaiu muito na segunda parte, mas não é nada que não seja expectável na idade dele. O potencial está todo lá. Resta-nos esperar que o Renato trabalhe, siga as instruções dos seus treinadores, tenha juízo e um bocadinho de sorte. Se isso acontecer, Renato continuará a ter o Mundo inteiro a falar sobre ele.

 

Uma palavra também para Nani. Ele não tem propriamente deslumbrado neste Europeu, mas já conta dois golos e pelo menos duas assistências neste campeonato. Já igualou Luís Figo e Cristiano Ronaldo em assistências em Europeus. Mesmo não estando no seu melhor momento, o Nani é daqueles que dá sempre tudo de si em campo, pela Camisola das Quinas. Pena tão poucas pessoas repararem nisso.

 

Portugal jogou melhor na segunda parte, mas esta foi pobre em acontecimentos. Adrien e William viram o amarelo (o último vai falhar o próximo jogo), pelo que acabaram por ser substituídos por João Moutinho e Danilo, respetivamente. Aos oitenta e seis minutos, Cristiano Ronaldo desperdiçou um isolamento perfeito de Moutinho, que poderia ter resolvido logo o jogo. O prolongamento veio - outra vez. Portugal continuava a jogar melhor, mas nenhuma das equipas quis arriscar demasiado, preferindo relegar a decisão para os penáltis.

 

fonte olha para cima.jpeg

 

Muitos dizem que o desempate por grandes penalidades é uma lotaria, mas eu não concordo. Conforme já tinha escrito aquando dos nossos últimos penáltis, na minha opinião, estes são quarenta por cento perícia, trinta por cento estado psicológico e emocional, trinta por cento sorte. Foi na perícia e no psicológico/emocional que Portugal esteve bem. Ao contrário do que fizemos com a Espanha, em 2012, abordámos bem os penáltis. O Ronaldo deixou-se de manias e ofereceu-se para bater o primeiro, em jeito de exemplo para o resto da equipa. Destaque, aliás, para o facto de ter convencido Moutinho a bater um deles - ele, que se tinha escondido, alegando uma dor na perna ou algo do género, embora eu suspeite que tivesse o penálti falhado em 2012 na memória.

 

Isto é que é ser Capitão. Atitudes como esta são tão valiosas como um golo ou uma assistência, se não forem mais. Daí que não esteja preocupada por aí além com o seu alegado rendimento inferior: Ronaldo tem ajudado de outras maneiras.

 

Eu estava super nervosa aquando dos penáltis, agarrada aos velhos boné e cachecol, mas os Marmanjos que os bateram não estavam: desde o Capitão Ronaldo ao miúdo Renato, todos executaram os penáltis com mestria - uma mestria que, por acaso, os alemães e os italianos não foram capazes de imitar, dois dias mais tarde, apesar de muitos os considerarem duas das melhores seleções do Mundo. Até os polacos foram mais competentes do que eles. É aqui que entra Rui Patrício, que conseguiu defender o penálti de Blaszczykowski, o último dos polacos. Ricardo Quaresma, de seguida, não desperdiçou a vantagem.

 

eduardo agarra quaresma.jpeg

 

- 'Tamos nas meias! 'Tamos nas meias! - repetia eu, entre os festejos, ainda sem acreditar. Mesmo agora, dias depois, uma parte de mim ainda não encaixou que esta Seleção está entre as quatro melhores da Europa. Passaram-se quatro anos desde o Euro 2012. Aconteceu muita coisa nestes anos, a Seleção desiludiu várias vezes, houveram ocasiões - sobretudo depois do Mundial 2014 - em que cheguei a pensar que Portugal não voltaria a chegar tão longe tão cedo, que não voltaria a estar entre as grandes seleções. Mas a verdade é que, mesmo não jogando ao nível a que jogámos em 2004, 2006 ou mesmo 2012, estamos a conseguir os mesmos feitos. Segundo os meus critérios, este está a ser um Europeu bem sucedido. Como tal, as ambições de Fernando Santos não são assim tão descabidas: nas meias-finais todos são candidatos ao título.

 

Numa coisa vou ser sincera, no entanto.  Não é bem a mesma coisa chegar às meias-finais ”só com empates”, enfrentando equipas como a Islândia, a Croácia, a Polónia, quando, nas vezes anteriores, conseguimos o mesmo com vitórias épicas, perante seleções como a Alemanha, a Espanha, a Inglaterra, a Holanda - sobre algumas das quais escrevi aqui. É claro que isto são as minhas próprias ideias pré-concebidas pois, se formos a ver, das equipas que referi, apenas a Alemanha continua em prova. A Inglaterra e a Espanha caíram nos oitavos-de-final, a Holanda nem sequer veio ao Europeu. Por sua vez, a Polónia empatou com a Alemanha na fase de grupos, a Croácia venceu a Espanha na mesma fase e a Islândia conquistou os corações de toda a gente ao eliminar a Inglaterra.

 

ronaldo e quaresma.jpeg

 

E já que falamos de equipas surpreendentes neste Europeu, falemos do nosso próximo adversário, o País de Gales, que derrotou a Bélgica nos seus quartos-de-final por 3-1. Muitos consideram que esta equipa está ao nosso alcance, mas eu não me atrevo a subestimá-los. Para começar, tal como afirmei acima, qualquer equipa que chegue às meias-finais é candidata ao título. A Gales nunca chegou tão longe num campeonato de seleções, não tem nada a perder. A pressão está toda do nosso lado.

 

Eu sinto-me ansiosa em relação ao jogo mas é a mesma ansiedade de qualquer mata-mata. Por outro lado, no outro dia, atingiu-me pela primeira vez a ideia de que, doze anos após o Euro 2004, podemos voltar à final de um Europeu e… senti-me a hiperventilar. Ainda me sinto um bocadinho, enquanto escrevo isto. Antes de isto tudo começar, já tinha escrito que demorara imenso tempo a habituar-me à ideia de assumir a candidatura só Europeu. Nesta altura do campeonato, em que temos a nossa melhor oportunidade de voltar a uma final em vários anos, estou a descobrir que ainda não estou preparada para isso. Estou mais preparada que noutras alturas (já tenho algumas ideias muito vagas para uma eventual, muito hipotética, entrada de campeões europeus), mas não me atrevo a pensar abertamente pós meias-finais.

 

IMG_20160630_221421.jpg

 

E estas realizam-se quarta-feira. Continuo a acreditar nestes Marmanjos - se não tanto na sua qualidade, mais no seu espírito de equipa, na sua união, atributos que, por si só, não conquistam títulos, mas que são indispensáveis. É isto que interessa, tudo o resto são neuroses minhas. Que esse espírito nos ajude a passar as meias-finais e a marcarmos presença em Paris.