Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Os pensamentos de uma simples adepta da Seleção Nacional, que não percebe assim tanto de futebol mas que é completamente maluca pela Equipa de Todos Nós.

Estendendo uma mão

FB_IMG_1458317262685[1].jpg

Na próxima sexta-feira, dia 25 de março, a Seleção Portuguesa de Futebol recebe, no Estádio Magalhães Pessoa, em Leiria, a sua congénere búlgara. Estava previsto a Seleção Nacional deslocar-se a Bruxelas para defrontar a sua congénere local, quatro dias mais tarde. No entanto, à luz dos recentes acontecimentos, o jogo foi mudado para o mesmo estádio do jogo com a Bulgária. Ambos os encontros terão carácter amigável, de preparação para o Campeonato Europeu da modalidade, que terá lugar em França, em junho próximo.

 

Uma vez mais, estes serão os primeiros jogos da Turma das Quinas em mais de quatro meses. Desta feita, não me custou tanto esperar - em parte por ser ano de Europeu, em parte por andar a trabalhar, de forma intermitente, numa entrada especial para o aniversário do blogue. Tal como da última vez, muita coisa mudou em quatro meses. Por exemplo, em novembro último, Gonçalo Guedes era o miúdo-sensação do Benfica, de quem toda a gente falava. No entanto, acabou por perder espaço no clube (o mesmo acontecendo a Ruben Neves, no F.C.Porto). O novo miúdo-sensação de quem toda a gente fala é Renato Sanches.

 

Como poderão deduzir, estou um bocadinho céptica em relação a todo este hype que está a ser feito em torno do jogador. Não é como se nunca tivesse visto isto, um jogador jovem muito mediatizado, que todos esperam que vá ser uma superestrela, mas que depois não consegue cumprir as promessas que deixara, por um motivo ou por outro (os miúdos deixam que o sucesso lhes suba à cabeça e/ou não sabem lidar com a pressão, são mal aconselhados, passam por momentos baixos de forma, perdem espaço nos respetivos clubes...). Na verdade, tanto quanto sei, o miúdo-sensação (entre 18 e 19 anos) que conseguiu cumprir as suas promessas nos últimos doze anos, mais coisa menos coisa, foi Cristiano Ronaldo (e, vá lá, apenas João Moutinho). Podem vilanizar Jorge Mendes o quanto quiserem, mas ele acertou em cheio ao obrigar Alex Ferguson a prometer que, quando Ronaldo viesse para o Manchester United, jogaria em pelo menos metade dos jogos. De outra forma, talvez Ronaldo não chegasse ao nível a que chegou - mas também, Ronaldo chegou a onde chegou precisamente por ser a exceção a todas as regras.

 

ronaldo, quaresma e renato.jpg

 

Fiquei contente por Fernando Santos ter tentado desviar os holofotes de Renato Sanches. "Não vamos criar ansiedade ao miúdo", disse ele. Não sei se já o referi aqui, mas respeito imenso Fernando Santos por se recusar a dançar ao som da música da Comunicação Social, dos seus hypes e polémicas - tudo isto mantendo um tom descontraído, terra-a-terra, sem a agressividade de que alguns dos seus antecessores por vezes adotavam.

 

Acho, por isso, que é muito cedo para lançar Renato Sanches como titular, nos jogos oficiais pelo menos. Nem, lá está, Cristiano Ronaldo, que já se destacava havia pelo menos um ano, começou o Euro 2004 a titular. Na minha modesta opinião (que pode, ou não, ter sido influenciada pela minha irmãzinha sportinguista), não seria má ideia aproveitar estes dois jogos e a lesão de João Moutinho para testar o meio-campo do clube de Alvalade, que já tem rotinas. De qualquer forma, penso que nenhuma das opções para meio-campo disponíveis (incluindo algumas que não couberam na Convocatória) seria errada. A Seleção pode ter as suas lacunas, mas em princípio o meio-campo não será uma delas. Dava jeito, até, ser possível fazer uma equipa só com médios...

 

Já falei, então, do maior destaque da Convocatória, apresentada na passada sexta-feira. O resto da Lista era expectável, tirando... Éder. Nestas coisas eu costumo ficar no lado do Selecionador, ter alguma boa vontade, mas nesta concordo com as críticas. Como muitos têm assinalado, Bruno Moreira, do Paços de Ferreira, e Hugo Vieira, do Estrela Vermelha da Sérvia, contam com catorze e dezassete golos esta época, respetivamente. Éder conta... dois. O último já veio imensas vezes à Seleção ao longo dos anos e apenas marcou um golo. Já teve inúmeras oportunidades para convencer e não o fez. Está na altura de dar oportunidades a outros.

 

palestra no restelo.jpg

 

Não sendo esta a Lista definitiva para o Europeu, não deverá definir muito da Convocatória final. Fernando Santos terá estes dois particulares para testar as armas. Sobre a Bulgária não sei quase nada. O nosso historial com essa seleção é equilibrado, mas também não jogamos com eles desde 1992. Os búlgaros não se Qualificaram para o Europeu e, segundo Fernando Santos, gostam de jogar à defesa. Podemos, então, contar com um jogo de paciência na sexta-feira, pouco excitante - pelo menos até a Seleção ser capaz de quebrar o gelo. 

 

A seleção belga é muito mais interessante. Há cerca de dois anos, um pouco do nada (pelo menos para mim), passaram a figurar na lista das melhores seleções do mundo. Na altura, não o sabia, mas a Bélgica fizera uma excelente Qualificação para o Mundial 2014, graças a uma geração de jogadores notáveis como Éden Hazard, Thibaut Courtois, Axel Witsel, Simon Mignolet, entre outros. No Mundial, chegaram aos quartos. Na Qualificação para o Euro 2016, ficaram em primeiro no grupo. Atualmente estão em primeiro lugar no ranking da FIFA, mas não dou muita credibilidade a esse ranking.

 

 

O nosso historial frente a Bélgica é desfavorável, mas guardo boas recordações dos últimos dois jogos, em 2007. O primeiro, em Alvalade, terminou com uma vitória por 4-0, destacando-se o golo de trivela de Ricardo Quaresma, como podem ver acima. Também ganhámos o jogo fora, por 2-1, e aqui destacou-se a bomba de Hélder Postiga, como poderão ver abaixo. Isto tudo, no entanto, decorreu há nove anos, muita coisa mudou nesse tempo. Consta que alguns dos titulares, como Hazard e Vicent Kompany, vão falhar o jogo por lesão, mas não me parece que a Bélgica diminua muito de qualidade. Eu espero que não, pelo menos. Quero ver por mim mesma se a Bélgica é essa Coca-Cola toda.

 

 

 

Não posso falar deste jogo sem falar dos atentados terroristas em Bruxelas. Durante cerca de um par de horas esta manhã, pareceu que o encontro não seria de todo realizado. Eu confesso que fiquei com medo. Já aquando dos ataques em Paris, uma das coisas em que pensei quando soube que um dos alvos era o jogo entre a França e a Alemanha, foi que, pouco mais de um ano antes, Portugal tinha jogado lá (não sei se era o mesmo estádio...) e que o Europeu disputar-se-á precisamente em França. Da mesma maneira, quando soube dos ataques em Bruxelas, uma das coisas em que pensei foi que, tivesse o jogo marcado para uns dias antes, os nossos jogadores podiam ter estado no aeroporto no momento fatídico. 

 

Por isso não, não posso dizer que não compreenderia, nem mesmo que não concordaria pelo menos em parte com um cancelamento, mesmo que os motivos não fossem estritamente práticos - a deslocalização foi sobretudo por, com a grande operação de segurança montada no país, não existirem recursos policiais suficientes para assegurar a segurança no jogo, não tanto o luto ou o medo. 

 

Por outro lado, cancelar completamente o jogo seria ceder ao terrorismo. Era isso que eles queriam. O objetivo deles é destruir a sociedade e o estilo de vida ocidental, disseminar o medo. A melhor resposta é precisamente recusarmo-nos a seguir os termos deles, continuarmos a viver as nossas vidas normalmente, fingindo que não temos medo. Para além de ser impraticável vivermos sem aviões e transportes públicos, a longo prazo, será que queremos uma vida sem futebol? Não vou dizer que prefiro morrer num atentado do que deixar de ir a jogos de futebol, mas não sei se quereria uma vida assim. Até porque, como já escrevi várias vezes aqui no blogue, o futebol chega a ser uma das únicas fontes de esperança e alegria de que dispomos.

 

Fico aliviada por este particular não ter sido cancelado, apenas deslocalizado, e por já se ter posto de parte a hipótese de realizar o Euro 2016 à porta fechada. Poucas coisas são mais tristes que um jogo de futebol sem público, até porque eu acredito que o futebol é, acima de tudo, um entretenimento. Além disso, em termos práticos, não sei se ajudaria tanto assim. Aglomerados de pessoas durante eventos desta envergadura são inevitáveis, se não nos estádios, em parques ou praças, à volta de ecrãs gigantes. Ao menos nos estádios é mais fácil revistar quem entra.

 

10817631_814044788729057_1052537708_n.jpg

Esta jornada de seleções já está estragada, mesmo que o jogo não tenha sido cancelado. No entanto, o facto de este se realizar à mesma é uma maneira de mostrar ao mundo e aos que procuram disseminar o medo que não abdicaremos da nossa liberdade, das coisas que nos fazem felizes, da nossa própria vida. É uma oportunidade de estendermos uma mão aos belgas, de mostrarmos a nossa solidariedade e amizade. Por outras palavras, é uma oportunidade para, numa altura em que nunca precisámos tanto disso, usarmos o futebol para a sua mais importante função: para unir.

 

Um abraço a todas as vítimas, diretas ou indiretas, do terrorismo.