Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Os pensamentos de uma simples adepta da Seleção Nacional, que não percebe assim tanto de futebol mas que é completamente maluca pela Equipa de Todos Nós.

Entre a espada e a parede

Na Sexta-feira passada, dia 1 de Outubro, o novo Seleccionador Nacional de Portugal, Paulo Bento, de 41 anos de idade, apresentou a sua primeira Convocatória para a Selecção (na RTP, um dos títulos que usaram para esta notícia foi "Primeira Escolha" e eu achei graça ao trocadilho). Eis os Escolhidos:

Atlético Madrid: Tiago;
Benfica: Carlos Martins e Fábio Coentrão;
FC Porto: Beto, João Moutinho, Rolando e Varela;
FC Zenit: Bruno Alves e Danny;
Génova CF: Eduardo e Miguel Veloso;
Liverpool FC: Raul Meireles;
Manchester United FC: Nani;
Real Madrid CF: Cristiano Ronaldo, Pepe e Ricardo Carvalho;
SC Braga: Sílvio;
Sporting: Hélder Postiga, João Pereira, Liedson e Rui Patrício;
Toulouse FC: Paulo Machado;
Werder Bremen: Hugo Almeida.


A Selecção Nacional enfrenta, na próxima Sexta-feira, às 20h45, no Estádio do Dragão, a sua congénere dinamarquesa. Quatro dias depois, defronta a Islândia, ainda não sei a que horas. E, neste momento, se aspiramos a um lugar no Europeu de 2012, temos três escolhas: ganhamos, ou ganhamos, ou então... ganhamos.

Anteriormente não tive oportunidade para comentar aqui no blogue o processo de substituição de Carlos Queiroz. Já se passaram algumas semanas, mas ainda não percebi qual foi a ideia de irem pedir a José Mourinho para vir fazer um part-time durante uma jornada dupla, sentando-se no banco do Seleccionador. O momento em que li a notícia num rodapé de "Última Hora" foi, como diz um amigo meu, um "momento WTF?!?!". Será que Gilberto Madaíl acreditava realmente que conseguiria alugar o Mourinho por cerca de dez dias? Só penso na figura que devemos ter feito perante o resto do mundo futebolístico... E eu, que durante o Mundial fazia troça dos franceses... Para não falar da Candidatura Ibérica ao Mundial, que, com toda esta confusão, já deve ter ido ao ar.

Por outro lado, devo dizer que, no meio desta história toda, o Mourinho subiu consideravelmente na minha consideração. Foi uma lufada de ar fresco encontrar, no meio de uma novela provocada por gente que se esteve nas tintas para o bem-estar da Selecção, alguém disposto a ajudar a Turma das Quinas sem receber nada em troca. O melhor treinador do Mundo pode ter muitos defeitos, mas foi o único homem totalmente íntegro neste processo, mesmo que a sua potencial ajuda à Selecção fosse uma esmola.

Falhada a vinda de Mourinho, a Federação voltou-se para Paulo Bento, que já havia sido o primeiro nome a ser avançado mal Queiroz foi despedido. Pareceu-me uma boa escolha. A sua personalidade forte, a sua coragem e firmeza podem dar muito à Selecção, que, depois desta história toda, precisa de uma boa dose de dranguilidade (eu sei que toda a gente já disse esta piada, mas eu não resisto...). O único senão que me ocorre é a sua pouca experiência, mas, no geral, considero uma boa escolha, mesmo que tenha sido uma segunda escolha. Agora que é o Seleccionador, Paulo Bento conta com o meu apoio incondicional. Bem-vindo à Selecção!

O pior é que as mazelas que o caso deixou na Selecção ainda estão longe de ser curadas. O apuramento para o Europeu de 2012 equilibra-se num trapézio sem rede, mais uma escorregadela e vai tudo por água abaixo. Neste momento, tudo o que eu quero é que ganhemos estes dois jogos, mas, sinceramente, as hipóteses de tal acontecer são microscópicas. Temos um Seleccionador novo, que só se vai reunir pela primeira vez com os jogadores dentro de vinte e quatro horas, apenas três dias antes do jogo com a Dinamarca - um adversário que, já na última fase de qualificação, nos complicou a vida à grande e à dinamarquesa. E já li hoje que só será possível treinar a sério na Quarta-feira, para não desgastar fisicamente os jogadores.

No outro dia (julgo que foi na noite de Sábado para Domingo), sonhei que o Paulo Bento estava em minha casa e desabafava comigo:

- Estou metido entre a espada e a parede - dizia ele - Só vou ter três ou quatro dias para preparar a Selecção para jogar frente a um dos nossos adversários directos. Não 'tou a ver como é que vamos conseguir ganhar...

Eu bem queria animá-lo, encorajá-lo, mas não conseguia.

Quero tanto que a Selecção ultrapasse esta situação. Quero tanto voltar a ter uma fé quase cega naqueles homens, voltar a sentir um vibrante entusiasmo com a proximidade de um jogo... O jogo com a Dinamarca é daqui a quatro dias e eu não sinto nada... Por isso, só peço a Paulo Bento, aos Marmanjos e, de caminho, a tudo o que é entidade sobrenatural, que ganhemos estes dois jogos e que a Selecção volte de novo ao bom caminho.

P.S. Entretanto, Queiroz e Deco têm andado a trocar "mimos" via Comunicação Social, "mimos" esses que não tenho pachorra para repetir. Como ambos são "ex" da Selecção, tais declarações já pouco me afectam, apenas me deixam triste. Fui tão ingénua ao pensar que, na altura do Mundial, havia bom ambiente na Selecção...