Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Os pensamentos de uma simples adepta da Seleção Nacional, que não percebe assim tanto de futebol mas que é completamente maluca pela Equipa de Todos Nós.

Deus quis que Portugal sofresse...

No passado dia 2 de Dezembro, Sexta-feira, realizou-se em Kiev o sorteio para fase de grupos do Campeonato Europeu de Futebol, a realizar-se entre 8 de Junho e 1 de Julho de 2012

Como era de prever, nas vésperas da cerimónia, muita gente opinou sobre quais seriam as melhores e piores selecções para companheiras de grupo. Eu não alinhei nisso. Conforme expliquei na entrada anterior, a escolha não recairia sobre mãos humanas. De acordo com a própria definição de "sorteio", a decisão coube a Deus ou, caso não sejam religiosos, à Sorte, ao Destino, ao Universo. Vocês percebem a ideia.

E, pelos vistos, independentemente da entidade sobre-humana que escolheram, essa quis que Portugal sofresse.

Fiz questão de seguir em directo este sorteio. Às cinco da tarde sentei-me em frente à televisão, com o computador ao colo, à semelhança do que costumo fazer quando há jogos. Mais tarde, arrependi-me. Antes que começassem a tirar as bolinhas dos potes, tivemos de aturar uma série de discursos, cantoria, bailarico e afins, coisas que não interessavam nem ao menino Jesus. Que não ajudaram a aliviar o nervoso miudinho que começava a instalar-se. Aquilo a certa altura já nem merecia a denominação de sorteio - como dizia um inglês no Twitter, já mais parecia o Festival da Canção.

Finalmente, lá se dignaram a fazer o sorteio. Não sem antes fornecerem uma explicaçãozinha toda XPTO de como aquilo iria funcionar. Tal impacientou-me, na altura, por ser mais uma coisa a atrasar a retirada das bolinhas dos potes. Agora vejo que devia ter prestado mais atenção pois tive alguma dificuldade em acompanhar o processo.

Para a próxima, não me dou ao trabalho de ver a cerimónia do sorteio em directo. Não vale mesmo a pena. Mais vale informar-me depois de os grupos e o calendário já estarem definidos.

De qualquer forma, lá fui acompanhando o sorteio como podia. Achei alguma graça quando soube que a Holanda e a Dinamarca partilhariam o grupo, por serem duas selecções do Norte da Europa.

Mas não achei graça nenhuma quando nos juntámos a elas.

Quando o nosso nome saiu das bolas, a minha primeira reacção foi:

- Nãããããããooooo! A Dinamarca, não!

Quase me esqueci da Holanda. Depois do nosso último jogo com eles, os dinamarqueses eram os últimos com quem desejaria que nos cruzássemos, tirando a Alemanha. Antes nos tivesse calhado a França, ou mesmo a Espanha. Ainda digerindo este resultado, não prestei muita atenção à parte seguinte do sorteio. Entretanto, os meus irmãos chegaram a casa e eu informei-os da nossa sorte. A certa altura, os locutores disseram que a quarta selecção do Grupo B seria uma destas três: Alemanha, Inglaterra ou Itália.

- Tenho um feeling de que vai ser a Alemanha - disse a minha irmã.

Eu fiz figas para que fosse a Inglaterra, pois já a tínhamos vencido no Euro 2004 e no Mundial 2006 e Wayne Rooney não jogaria nos dois primeiros desafios do campeonato. Mas Deus Nosso Senhor queria mesmo complicar-nos a vida e a profecia da minha irmã acabou por se realizar.

- Oh, fogo!

Como podem ver, a minha primeira reacção aos resultados do sorteio foi de pessimismo, quase de pânico. Vencemos os dois nossos últimos encontros com a Holanda mas isso passou-se há mais de cinco anos e, desde essa altura, os laranjas melhoraram imenso chegando mesmo a vice-campeões do Mundo. A Dinamarca é, teoricamente, a equipa mais acessível do grupo mas o seu recente historial de nos complicarem a vida à grande e à dinamarquesa não tranquiliza. E nem vou falar da Alemanha... No geral, temos equipas do Norte da Europa, de grande poderio físico, que já foram campeões europeus pelo menos uma vez. Nós somos um outsider, uma Selecção da periferia, do Sul da Europa, latina, franzina, que tem prestígio, bons jogadores mas que nunca ganhou nada. 

Já falei aqui do padrão descendente que os sucessivos campeonatos de selecções parecem seguir. Com este grupo, não pode ser deixada de fora a hipótese de não chegarmos ao mata-mata e de o padrão se manter...

Paulo Bento afirmou numa entrevista há algumas semanas que, com base nos nossos particulares com a Espanha e a Argentina, "podemos competir com as selecções mais fortes". Ele, provavelmente, tem razão. Podemos competir, desafiar, olhar nos olhos, dar dores de cabeça. Mas vencer é outra história. Além de que uma coisa é enfrentar tais equipas em particulares, em que não há nada a ganhar ou a perder - se tomarmos a Espanha como exemplo, nós trucidámo-la, é certo, mas agora, um ano e não sei quantas derrotas em amigáveis e uma Qualificação imaculada depois, acho que a noite de 17 de Novembro de 2010 foi mais demérito espanhol do que propriamente mérito português. A Alemanha e a Holanda tiveram Qualificações quase perfeitas e nós tivemos de ir aos play-offs. Se vocês as comparassem com Portugal, friamente, a que conclusão chegariam?

Por outro lado, muitos têm mencionado um possível efeito oposto ao que seria de esperar. O próprio Paulo Bento invocou a sua experiência enquanto jogador e mencionou grupos difíceis em que se amealharam nove pontos (o Euro 2000?) e grupos fáceis em que só se conseguiram três (o Mundial 2002?). Podemos mencionar outros exemplos de jogos em que tínhamos tudo para vencer e não o fizemos: com a Grécia em 2004, com a Suíça em 2008, com a Costa do Marfim em 2010. Um artigo de opinião que li há umas semanas explica bem melhor do que eu este fenómeno: "Este clima de baixas expectativas (...) pode paradoxalmente ser aliado de Paulo Bento. Quando se espera pouco, as pequenas vitórias parecem grandes e cria-se um clima de menor pressão sobre o "sucesso obrigatório" que asfixiou a equipa nos últimos campeonatos. E Portugal é sempre melhor quando precisa de se superar do que quando se julga melhor do que os adversários."

Já que se fala nisso, julgo que a alta pressão aquando das últimas competições partiu mais dos adeptos e de todo o marketing em redor da Selecção típico de tais alturas. É uma faca de dois gumes: eu gosto dessa mediatização da Equipa de Todos Nós aquando dos campeonatos de Selecções mas se isso traz mais contrapartidas do que benefícios... É uma questão complicada.

Em todo o caso, nesse aspecto, o Destino foi generoso, de uma forma obscura e retorcida. Ninguém se atreverá a sonhar demasiado alto. Os jogadores estarão motivados para darem o seu melhor. Terão cerca de 6 meses para se prepararem, incluindo as habituais semanas de estágio. E quer Portugal saia de campo vencedor ou vencido, será depois de duelos ricos em adrenalina, emoção, espectáculo, que ficarão registados na História.

E, de resto, quem conseguir sobreviver a este Grupo da Morte, como o pessoal gosta de chamar, ficará muito bem colocado para se sagrar campeão. Se por acaso Portugal se encontrar entre os dois sobreviventes, não deveremos ter problemas nos quartos-de-final já que o Grupo A é relativamente fraco. O único potencial adversário que me preocupa é a Grécia e só por causa do seu historial que inclui a usurpação de uma Taça que deveria ter sido nossa. E, mesmo assim, se tivermos conseguido lidar com a Alemanha, com a Holanda e com a Dinamarca, conseguiremos lidar com qualquer um. Se, eventualmente, conseguirmos chegar às meias-finais, tudo pode acontecer.

Mas é um grande "se". 

Eu acredito, como não podia deixar de ser. O futebol tem um longo historial de caprichos, de pormenores tornados pormaiores. Ninguém pode garantir sem margem de erro que Portugal regressará da Polónia e da Ucrânia sem a Taça Henri Delauny. Já ando há muito tempo à espera de ver a Selecção arrecadar um título, outros tem estado há ainda mais tempo. Demasiado tempo. Tentarei manter os pés assentes na Terra, encarar um jogo de cada vez, mas só deixarei de sonhar, de desejar, quando já não existir a mais remota hipótese. Quando o árbitro apitar três vezes. Até lá, acreditarei e aproveitarei ao máximo o facto de Portugal estar novamente a disputar um Campeonato Europeu de Selecções.


Deixo-vos o calendário da fase de grupos do Euro 2012 (Fonte: Expresso online)