Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Os pensamentos de uma simples adepta da Seleção Nacional, que não percebe assim tanto de futebol mas que é completamente maluca pela Equipa de Todos Nós.

Crença desesperada

Na próxima sexta-feira, dia 15 de novembro, a Seleção Portuguesa de Futebol receberá, no Estádio da Luz, à sua congénere sueca. Mais tarde, no dia 19 de novembro, será a vez de os portugueses jogarem no terreno dos suecos. Ambos os jogos contarão para o playoff de acesso ao Campeonato do Mundo da modalidade, que terá lugar no Brasil no próximo ano.

Os Convocados para esta dupla jornada foram Divulgados na passada sexta-feira. Foi uma lista conservadora, demasiado conservadora para o meu gosto - mas não me admira que Paulo Bento não queira arriscar e jogos destas importâncias. William Carvalho é a única novidade e, de resto, não surpreende pelas boas exibições que tem feito no Sporting.

O rumor que corre por aí há já algum tempo é o de que os jogadores sob a tutela do empresário Jorge Mende têm sido favorecidos em termos de Convocatória. É claro que são apenas rumores, não existem ainda provas concrets. No entanto, a ser verdade, depois de Luiz Felipe Scolari ter feito questão de acabar com esses jogos de influências na Equipa de Todos Nós, seria muito triste (e estou a usar um eufemismo) esses maus hábitos estarem a ser recuperados. Não quero, contudo, entrar por aí, insistir em um entre vários fatores de instabilidade que em nada ajudam a Seleção em vésperas de jogos tão importantes e difíceis como estes.


Ficou, então, determinado por sorteio que a Suécia será o nosso adversário neste playoff. A minha primeira reação a tal resultado foi, primeiramente, de alívio por não nos ter calhado a França - o nosso histórico com eles é demasiado assustador. Passando isso à frente, olhando para a Suécia, considero-a relativamente equivalente a Portugal: ambas as seleções possuem a fama - redutora, no caso de Portugal e, provavelmente, também da Suécia - de se confinarem apenas a um jogador de grande prestígio internacional. Nós, para além de Ronaldo, temos Moutinho, Pepe, Rui Patrício. Não duvido que a Suécia tenha, também, as suas figuras equivalentes: mediaticamente mais discretas que Ronaldo ou Zlatan Ibrahimovic mas com um papel importante na sua seleção.

Há, no entanto, que assinalar que a Suécia perdeu o primeiro lugar no seu grupo de Apuramento para a Alemanha enquanto Portugal o perdeu... para a Rússia. Além de que, no último encontro que opôs a Suécia à Alemanha, os nossos próximos adversários estiveram a perder por 4-0 e conseguiram terminar o jogo empatados. Com a Alemanha. Imaginem a disciplina mental que deve ter sido necessária. Comparem-na com o nosso historial de caprichos, desleixos e tiros nos pés.

No entanto, há que recordar, também, que os suecos não estiveram presentes no último Mundial. Nós não falhamos um campeonato de seleções há... bem, dezasseis anos. A idade que, por acaso, a minha irmãzinha completa no dia da segunda mão deste playoff. Este historial tem de contar para alguma coisa, não acham?


Tendo tudo isto em conta, considero que estes playoffs serão extremamente equilibrados. Até porque empatámos com eles a zero nos dois jogos que disputámos com eles na Qualificação para o Mundial 2010. Todos os cenários são possíveis.

Por outro lado, como diz o meu pai, o nosso maior problema não é a Suécia, nem qualquer outro adversário que, literalmente, nos tivesse saído na rifa. O problema é Portugal. Nós somos os nossos piores adversários. A nossa Qualificação foi exemplo disso. Nós tínhamos tudos para nos Apurarmos tranquila e diretamente se não nos tivéssemos desleixado, se pelo menos não tivéssemos perdido quatro pontos nos jogos caseiros. Nesta altura do campeonato, podíamos já estar descansados, a fazer planos para o Mundial. Mas não, estamos em vésperas de um playoff  em que nada está garantido.

Muitos falam da "falta de talento" e tal, mas eu acho que o problema não é esse, é mais antigo. Vejam este vídeo que resume um particular que disputámos com a Suécia em 2004, mês e meio antes do Europeu:


Nesta Seleção jogavam Luís Figo, Rui Costa, Pedro Pauleta, Deco - a geração de jogadores de qualidade internacional com que os críticos não se cansam de comparar a Seleção dos dias de hoje. No entanto, estes talentos todos não impediram o Ricardo de cometer um "frango", o Figo de falhar um penálti, o Rui Jorge de marcar um auto-golo. Não é uma questão de qualidade dos Marmanjos, é algo quase genético. A Seleção Portugues é a sua maior adversária desde... 1921, sou capaz de apostar.

É por estas e por outras que ando algo zangada com a Turma das Quinas, que nem sequer tenho vontade de ir assistir à primeira mão do playoff, no Estádio da Luz. Seria diferente se fosse a segunda mão a ter lugar em casa, no dia de anos da minha irmã, em que eventualmente pudéssemos comemorar o Apuramento no Estádio, com os jogadores. Assim, não. A minha paciência já não dá para tanto, para aderir ao circo, às campanhas publicitárias para, depois, levar com jogos medíocres, como o de Israel em Alvalade. Era até bem feita que os Marmanjos se vissem aflitos, realmente aflitos, para vencerem estes playoffs. Era de maneira que aprendiam a não se desleixarem durante as fases de Apuramento.

Não é de surpreender, portanto, que haja uma quantidade significativa de gente sem grandes esperanças para este playoff.


E, no entanto, podia ser pior. No meio disto tudo, de uma maneira retorcida, acabaram por calhar bem as declarações infelizes de Joseph Blatter sobre Cristiano Ronaldo. As já muito citadas palavras do presidente da FIFA tiveram vários efeitos curiosos. Primeiro, confirmaram as já antigas suspeitas de parcialidade desfavorável a Ronaldo e, quiçá, a Portugal, no topo da hierarquia futebolística, acentuando, deste modo, a antipatia que eu, pelo menos, tenho por Blatter e pelo seu colega Michel Platini. Segundo, tiveram o previsível, mas impressionante, condão de catalisarem o Ronaldo ao ponto de ele marcar, se não estou em erro, oito golos nos três jogos do Real Madrid que se seguiram - destaque para a continência após o primeiro desta série de golos. Por algum motivo a imprensa sueca referiu, recentemente, que Ronaldo era favorito à Bola de Ouro, em detrimento do seu Ibrahimovic: porque sabem que, se menosprezarem Ronaldo, ele vinga-se em campo.

Pena é ser pouco provável os adeptos suecos nas bancadas gritarem por Messi, nos playoffs, quando têm a sua própria superestrela futebolística. É que, da última vez que os adversários da Seleção gritaram pelo astro argentino, o Cristiano Ronaldo fez um hat-trick...

O efeito mais surpreendente, chegando mesmo a ter contornos caricatos, diz respeito às reações dos portugueses em geral. Não é invulgar o Cristiano ser mal amado no seu próprio País porque ele-só-joga-pelo-Real-não-pela-Seleção, tem fama de arrogante, invejam-no por ser "rico, bonito e bom jogador". No entanto, bastou um estrangeiro, um alto dirigente, vir criticá-lo para todo o País (incluindo um ministro) se atirar ao ar e defender, ferozmente, o nosso Comandante - reações catalisadas não só por afeição a Ronaldo mas também, provavelmente, por raivazinhas de estimação à Troika e a outras instituições europeias. Por outras palavras, Blatter transformou-se no inimigo comum que uniu os portugueses na defesa de Ronaldo.

Estou com uma certa esperança de que esta fúria contra Blatter se mantenha por mais uns tempos, não apenas para motivar Ronaldo a continuar a dar tudo de si em campo, mas também para manter os portugueses unidos em torno da Seleção, na vontade de humilhar ainda mais o presidente da FIFA através da Qualificação para o Brasil. Isto numa altura em que os habituais motivos para apoiar a Seleção se encontram enfraquecidos por esta fase de Apuramento.


A Operação Suécia arrancou anteontem. Os maiores receios diziam respeito a lesões de João Pereira e Fábio Coentrão. O primeiro parece já não apresentar limitações. O Fábio já treina em campo, mas condicionado, a dúvida relativa à sua aptidão só será esclarecida, provavelmente, em cima do início da primeira mão. Cristiano Ronaldo e Pepe também ainda não treinaram com o resto do plantel mas, ao que parece, não deixarão de entrar em campo na sexta-feira. Se Deus quiser, não teremos mais baixas. Pelo que, ao contrário do que se poderia alegar em certos jogos desta fase de Qualificação, a ausência de habituais titulares não poderá servir de desculpa.

Confesso que já estive mais otimista. Conforme afirmei acima, esta Qualificação reduziu significativamente a minha tolerância. Vocês sabem que eu assumo sempre que estaremos no campeonato de Seleções seguinte, que praticamente nunca coloco esse cenário em causa. No entanto, acho que as probabilidades de não nos Apurarmos nunca foram tão elevadas. Sei que a Turma das Quinas abordará este jogo de forma diferente como abordou a Qualificação. Nesse aspeto, a Suécia é a adversária ideal: não propriamente com o grau de dificuldade de uma Alemanha, de uma Espanha ou mesmo de uma França mas suficientemente motivadora para os Marmanjos darem o seu melhor em campo. A dúvida que se coloca é se essa nossa capacidade de nos superarmos perante tais adversários será suficiente para disfarçar outros problemas eventuais e vencermos o playoff.

Ainda acredito, atenção, mas é já uma crença desesperada, semelhante à que tinha durante o jogo com a Dinamarca no Euro 2012, depois do 2 a 2. Não me atrevo a não acreditar, acho pura e simplesmente inconcebível não estarmos no Mundial do Brasil. Do Brasil! Não com o Melhor do Mundo do nosso lado. Sobretudo, não depois do que fizemos no Euro 2012! Pode lá ser! Sei que não sou a única a pensar assim. Ninguém neste País quer, certamente, que Portugal fique de fora do Mundial. Nem os jogadores, nem a equipa técnica da Seleção, nem os adeptos, nem mesmo críticos habituais da Equipa de Todos Nós (eu bem vi como toda a gente ficou feliz com o excelente desempenho português no Euro 2012). E, tal como me farto de dizer aqui, o povo precisa destes consolos, destas alegrias, de ansiar por mais disto em 2014. Eu preciso, pelo menos.

É por isso que faço um apelo aos nossos homens: por favor, esforcem-se. Façam por compensar-nos pela tristeza que foi este Apuramento, por honrarem o País, por oferecerem uma alegria a nós todos, com destaque para minha irmãzinha, que faz anos no dia 19 e merece este presente. Todos merecemos. Deem o vosso melhor, então. Por todos nós.