Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Meu Clube É a Seleção!

Os pensamentos de uma simples adepta da Seleção Nacional, que não percebe assim tanto de futebol mas que é completamente maluca pela Equipa de Todos Nós.

Andorra 0 Portugal 2 - Capitão ao resgate

IMG_20170513_140959_HDR.jpg

No passado sábado, dia 7 de outubro, a Seleção Portuguesa de Futebol venceu a sua congénere andorrana por duas bolas a zero, no Estádio Nacional de Andorra-a-Velha. O jogo contou para a Qualificação para o Mundial 2018.

 

Portugal sentiu algumas dificuldades em vencer este jogo, mas só os mais desatentos é que se surpreenderam com isso. Tínhamos passado a semana anterior inteira a falar sobre o relvado artificial e as dificuldades que outras equipas sentiram em Andorra-a-Velha, ao longo desta Qualificação.

 

Aquilo que me apanhou de surpresa, no entanto, foi a ausência de Cristiano Ronaldo e de vários outros “amarelados” do onze inicial, sobrando apenas Ricardo Quaresma e Gelson Martins (pelos vistos o Pepe não tinha amarelo… Peço desculpa pelo erro). Isto apesar de o Selecionador ter repetido inúmeras vezes que não estava a pensar no jogo com a Suíça, ainda… Incoerência à parte, compreendo a decisão.

 

E resultou.  Ganhámos o jogo e vamos jogar com a Suíça sem jogadores castigados, o que é importantíssimo.

 

IMG_20170325_194109_1.jpg

  

Cedo se percebeu porque é que Andorra sofria poucos golos em casa: os andorranos pareciam os Pirinéus no seu meio-campo! Os portugueses viam-se à nora para contornar as montanhas – as ocasiões de perigo para a baliza andorrana foram escassas. Por outro lado, sempre que a bola saía para o meio-campo português, nenhum andorrano ia atrás dela.

 

Fernando Santos não teve outra hipótese senão, claro, meter Ronaldo. O Capitão de resto, ao que parece, passou a primeira parte com bichos carpinteiros. Chegou ao ponto de ir ralhar, amigavelmente, com um dos apanha-bolas – também eles a queimar tempo e a jogar para o empate.

 

Não foi tão épico quanto o que fez na final do Europeu, mas foi mais uma prova de que o Marmanjo não está habituado a estar no banco. Pelo menos não quando são jogos importantes.

 

Com o Capitão em campo, na segunda parte foi possível, finalmente, desbloquear o jogo. Foi ele quem marcou o primeiro golo, aos sessenta e três minutos – aproveitando uma bola perdida após uma interceção mal conseguida de um cruzamento de João Mário.

 

a-happy-queen-once-upon-a-time.jpg

  

Foi Ronaldo ao resgate, em suma. É um bocadinho caricato, por um lado – ter de vir o Capitão-papá resolver os nossos problemas. Por outro, conforme comentámos no início do texto, toda a gente tinha tido dificuldades neste estádio. Não vou dizer que não dá imenso jeito termos uma arma-não-assim-tão-secreta, como o nosso Capitão, para estas alturas – muitos clubes e seleções dariam tudo para tê-lo!

 

Depois desta, as coisas tornaram-se mais fáceis, como era de esperar. Aos oitenta e seis minutos, Danilo assistiu para André Silva, que ampliou a vantagem para 2-0. Ficou feito o resultado.

 

Esta não foi uma exibição brilhante – longe disso. No entanto, como temos vindo a assinalar, existiram várias atenuantes. De resto, não se pode dizer que Portugal tenha andado nesta Qualificação com exibições de encher o olho. O que conta são os três pontos.

 

Tem sido sempre assim neste último ano, desde o mal-sucedido primeiro jogo. Antes de cada jornada, dizemos sempre que temos mesmo de ganhar; que o adversário está uns quantos furos abaixo de nós, mas merece respeito. Partimos para cada jogo com uma dose saudável de pressão. Conseguimos ganhar, com maior ou menor dificuldade. Ficamos contentes, mas não nos deixamos levar pela euforia pois a Suíça também ganhou e continua à nossa frente. Nada está ainda garantido.

 

IMG_20170414_001557.jpg

  

Bem, esse ciclo termina agora. Amanhã descobriremos se todas estas vitórias seguidas valeram a pena – e isto é válido tanto para os suíços como para os portugueses.

 

 O que é um bocadinho triste, agora que penso nisso. Pelo menos um de nós vai ter de ir a play-offs, mesmo tendo conseguido ganhar quase todos os jogos da Qualificação. Ninguém merece...

 

É evidente que ninguém morre se tivermos de ir aos play-offs (três vezes na madeira, em todo o caso). Mas… eu não quero ir aos play-offs! Não quero, não quero, não quero (argumentos sofisticados, eu sei…)! Soube-me tão bem a Qualificação direta há dois anos, agora queria repetir a dose.

 

Além disso… somos Campeões Europeus! Ir aos play-offs é um bocadinho indigno.

 

IMG_20170414_001557.jpg

   

Bem, se tiver de ser, não será por falta de determinação. Fernando Santos garante que Portugal vai ganhar à Suíça – conforme disse antes, nestas coisas tendo a acreditar nele. Também estou certa de que nenhum dos jogadores quer arriscar os play-offs – não quando só dependem de si mesmos para despachar já a Qualificação.

 

Também não será por mim que falharemos – por mim ou pelos quase sessenta mil que amanhã estarão no Estádio da Luz (à hora desta publicação, os bilhetes estão quase quase esgotados). Conforme tenho vindo a dizer, vamos partir para esta Batalha Final com todas as nossas armas. Venham daí os suíços – nós estamos preparados.